segunda-feira, 5 de março de 2018

Lição 10 - O Dia da Expiação

 Aula presencial dia 11 de março de 2018 

Estimado professor,   acredito que já tenha percebido que nosso SLIDE semanal traz uma abordagem DETALHADA de todos os pontos abordados na lição. É um resumo da lição fazendo uso de uma metodologia moderna de ensino,  tornando-o mais eficiente e efetivo. Aplica-se ao conteúdo da lição, ilustrações com figuras relacionadas com cada tópico a ser ensinado.  
Faça bom uso !  Baixe o Slide no formato desejado, Tenha liberdade de alterá-lo, Divulgue e Compartilhe !


1 - Mostrar a responsabilidade do sacerdote;
2 - Demonstrar a exigência para poder entrar no Lugar Santíssimo;
3 - Ensinar a grandeza da obra da redenção do homem.

 Texto Áureo
Com isto Arão entrará no santuário: com um novilho para 
expiação do pecado e um carneiro para holocausto” (Levítico 16:3)

Verdade Aplicada
        A confiança para entrar na presença de Deus nos é assegurada pelo 
Sumo Sacerdote Jesus, que apresentou a Deus um sacrifício perfeito, 
que Ele realizou em nosso favor dando a Sua própria vida.

Motivo de Oração
Ore pela igreja no Brasil, que ela seja fonte de paz!

Hinos sugeridos.
Antes de Assistir os vídeos, se a radio do site estiver tocando, suba a página até a radio e 
toque no vídeo da musica que estiver tocando para interromper o som.

257 - O Perdão Sem Igual

292 - Qual o preço do perdão

322 - As Santas Escrituras






 Levítico 16:16-18 
16 Assim, fará expiação pelo santuário por causa das imundícias dos filhos de Israel e das suas transgressões, segundo todos os seus pecados; e, assim, fará para a tenda da congregação, que mora com eles no meio das suas imundícias.
17 E nenhum homem estará na tenda da congregação, quando ele entrar a fazer propiciação no santuário, até que ele saia; assim, fará expiação por si mesmo, e pela sua casa, e por toda a congregação de Israel.

18 Então sairá ao altar, que está perante o Senhor, e fará expiação por ele; e tomará do sangue do novilho e do sangue do bode e o porá sobre as pontas do altar ao redor.



Segunda-Feira –  Levítico 16:1-2 
16: 1 E falou o SENHOR a Moisés, depois da morte dos dois filhos de Arão, que morreram quando se chegaram diante do SENHOR.
16: 2 Disse, pois, o Senhor a Moisés: Dize a Arão, teu irmão, que não entre no santuário em todo o tempo, para dentro do véu, diante do propiciatório que está sobre a arca, para que não morra; porque eu aparecerei na nuvem sobre o propiciatório.

Terça-Feira –  Levítico 16:5-9 
16 : 5 E da congregação dos filhos de Israel tomará dois bodes para expiação do pecado e um carneiro para holocausto.
16 : 6 Depois Arão oferecerá o novilho da expiação, que será para ele; e fará expiação por si e pela sua casa.
16 : 7 Também tomará ambos os bodes, e os porá perante o Senhor, à porta da tenda da congregação.
16 : 8 E Arão lançará sortes sobre os dois bodes; uma pelo Senhor, e a outra pelo bode emissário.
16 : 9 Então Arão fará chegar o bode, sobre o qual cair a sorte pelo Senhor, e o oferecerá para expiação do pecado.

Quarta-Feira –  Levítico 16:11-19 
16 : 11 E Arão fará chegar o novilho da expiação, que será por ele, e fará expiação por si e pela sua casa; e degolará o novilho da sua expiação.
16 : 12 Tomará também o incensário cheio de brasas de fogo do altar, de diante do Senhor, e os seus punhos cheios de incenso aromático moído, e o levará para dentro do véu.
16 : 13 E porá o incenso sobre o fogo perante o Senhor, e a nuvem do incenso cobrirá o propiciatório, que está sobre o testemunho, para que não morra.
16 : 14 E tomará do sangue do novilho, e com o seu dedo espargirá sobre a face do propiciatório, para o lado oriental; e perante o propiciatório espargirá sete vezes do sangue com o seu dedo.
16 : 15 Depois degolará o bode, da expiação, que será pelo povo, e trará o seu sangue para dentro do véu; e fará com o seu sangue como fez com o sangue do novilho, e o espargirá sobre o propiciatório, e perante a face do propiciatório.
16 : 16 Assim fará expiação pelo santuário por causa das imundícias dos filhos de Israel e das suas transgressões, e de todos os seus pecados; e assim fará para a tenda da congregação que reside com eles no meio das suas imundícias.
16 : 17 E nenhum homem estará na tenda da congregação quando ele entrar para fazer expiação no santuário, até que ele saia, depois de feita expiação por si mesmo, e pela sua casa, e por toda a congregação de Israel.
16 : 18 Então sairá ao altar, que está perante o Senhor, e fará expiação por ele; e tomará do sangue do novilho, e do sangue do bode, e o porá sobre as pontas do altar ao redor.
16 : 19 E daquele sangue espargirá sobre o altar, com o seu dedo, sete vezes, e o purificará das imundícias dos filhos de Israel, e o santificará.

Quinta-Feira –  Levítico 16:23-24 
16 : 23 Depois Arão virá à tenda da congregação, e despirá as vestes de linho, que havia vestido quando entrara no santuário, e ali as deixará.
16 : 24 E banhará a sua carne em água no lugar santo, e vestirá as suas vestes; então sairá e preparará o seu holocausto, e o holocausto do povo, e fará expiação por si e pelo povo.
  
Sexta-Feira –  Hebreus 7:26-27 
7 : 26 E nenhum sangue comereis em qualquer das vossas habitações, quer de aves quer de gado.
7 : 27 Toda a pessoa que comer algum sangue, aquela pessoa será extirpada do seu povo.

Sábado –    Hebreus 9:25-28 
9 : 25 Nem também para a si mesmo se oferecer muitas vezes, como o sumo sacerdote cada ano entra no santuário com sangue alheio;
9 : 26 De outra maneira necessário lhe fora padecer muitas vezes desde a fundação do mundo. Mas agora na consumação dos séculos uma vez se manifestou, para aniquilar o pecado pelo sacrifício de si mesmo.
9 : 27 E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois o juízo.
9 : 28 Assim também Cristo, oferecendo-se uma vez para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para salvação.



IMPORTANTE
Apresento neste BLOG o Esboço da Lição e os comentários como 
professor de EBD em cima do PAE - PLANO DE AULA EXPOSITIVA 
NÃO APRESENTO O CONTEÚDO COMPLETO DIGITALIZADO DAS REVISTAS
TENHA SUA REVISTA EM MÃOS E FAÇA UM BOM ESTUDO !




ESBOÇO DA LIÇÃO
Introdução
1. Entrando no Lugar Santíssimo.
2. A expiação do santuário.
3. O holocausto após a expiação.
Conclusão
Clique aqui para Visualizar o PAE (Plano de Aula Expositiva) da Editora Betel



                   


TEXTO ÁUREO
“Com isto Arão entrará no santuário: com um novilho para expiação do pecado e um carneiro para holocausto” (Lv 16:3),
Obs. Explicação detalhada no tópico 2

VERDADE APLICADA
A confiança para entrar na presença de Deus nos é assegurada pelo Sumo Sacerdote Jesus, que apresentou a Deus um sacrifício perfeito, que Ele realizou em nosso favor dando a Sua própria vida.
Professor fundamente a verdade aplicada:
O véu rasgado (Lc23.45). Quando Jesus morreu, o véu do templo se rasgou em duas partes, de alto a baixo. O “véu do templo” era a cortina que separava o lugar Santo do lugar Santíssimo, onde somente o sumo sacerdote entrava uma vez por ano, no dia da expiação (Êx 26.33; 30.10; Lv 16.15). O véu rasgado revela que a morte de Jesus abriu a todos os seres humanos o caminho para Deus (Hb 6.19,20; 10.19,20). O significado espiritual desse acontecimento se afirma claramente em Hebreus 9.1-14; 10.19-22.( Lições CPAD Jovens e Adultos » 2008 » 1º Trim.)

OBJETIVOS DA LIÇÃO
1 - Mostrar a responsabilidade do sacerdote;
2 - Demonstrar a exigência para poder entrar no Lugar Santíssimo;
3 - Ensinar a grandeza da obra da redenção do homem.

TEXTO REFERÊNCIA
Levítico 16.16-18
16 Assim, fará expiação pelo santuário por causa das imundícias dos filhos de Israel e das suas transgressões, segundo todos os seus pecados; e, assim, fará para a tenda da congregação, que mora com eles no meio das suas imundícias.
17 E nenhum homem estará na tenda da congregação, quando ele entrar a fazer propiciação no santuário, até que ele saia; assim, fará expiação por si mesmo, e pela sua casa, e por toda a congregação de Israel.
18 Então sairá ao altar, que está perante o Senhor, e fará expiação por ele; e tomará do sangue do novilho e do sangue do bode e o porá sobre as pontas do altar ao redor.

INTRODUÇÃO
O dia da expiação era considerado o maior de todos os dias no calendário judaico. Neste dia o sumo sacerdote entrava no Lugar Santíssimo, levando sangue para fazer sacrifício por si mesmo e pelo povo.
“O Dia da Expiação
O dia 10 do mês de Tisri marcava o Dia da Expiação (Lv 16). Esse dia era de muitas formas um clímax do ano religioso judeu. Os sacerdotes ofereciam durante o ano inteiro sacrifícios a Deus, a fim de tornar o povo aceitável a Ele; mas os sacerdotes e seu equipamento foram cerimonialmente afetados pelo pecado e o Dia da Expiação foi instituído para promover uma ‘limpeza espiritual de primavera’, de modo que o caminho para chegar a Deus, mediante sacrifício, ficasse aberto por mais um ano. O sumo sacerdote era a única pessoa que podia fazer isso e nos dias do Novo Testamento, a fim de não haver erro, ele era cuidadosamente vestido pelos anciãos e praticava o ritual diariamente durante a semana anterior.
No Dia da Expiação, o sumo sacerdote era mantido acordado durante a madrugada, e quando chegava a manhã, era vestido com roupas brancas simples para dar início às cerimônias. Ele primeiro confessava os pecados das pessoas com a mão sobre o pescoço de um touro sacrificial, que havia sido morto e colhido o seu sangue. Dois bodes eram colocados à sua frente e sortes lançadas para ver qual deles devia ser de Deus e qual do povo. O bode de Deus era morto e seu sangue misturado com o do touro. Depois, sozinho, o sumo sacerdote entrava com incenso e brasas no Santo dos Santos. O incenso era queimado e quando ele enchia o lugar, acreditava-se que o sumo sacerdote era aceitável a Deus” (GOWER, R. Novo Manual dos Usos & Costumes dos Tempos Bíblicos. 2 ed., RJ: CPAD, 2012, pp.321-22).
Obs. O mês judaico de Tishrei ou Tisri (que coincide com o mês de setembro ou outubro) é carregado de significado religioso, cheio com as festas principais.

1. Entrando no Lugar Santíssimo.
Deus em Sua perfeita sabedoria, e sabendo que nenhum dos Seus propósitos pode ser impedido, nos revela, através das figuras dos sacrifícios do Antigo Testamento, que se cumpriram na pessoa amada de Seu Filho Jesus Cristo, como tudo será alcançado na eternidade. No dia da expiação de seus sacrifícios, temos o passo a passo de como Deus alcança a Igreja, Israel e, por fim, as nações na eternidade (Ap 21.24).

1.1. A ordem de Deus para Arão.
Deus orienta Arão, através de Moisés, que ele não poderia entrar no santuário em todo o tempo, para que não morresse (Lv 16.2). Era necessário que Arão fizesse um sacrifício para entrar no santuário, pois Deus aparecia numa nuvem sobre o propiciatório. Se não observado o que Deus determinara, Arão morreria. A observância da liturgia deste dia deveria ser seguida fielmente e nenhuma novidade podia ser acrescentada, não era um dia para inovações. Neste capítulo, santuário é o Lugar Santíssimo, onde ficava a arca e o propiciatório, e o Lugar Santo é chamado de tenda da congregação (Lv 16.16).
A presença de Deus é algo maravilhoso para o ser humano, mas as regras para que isto aconteça devem ser observados, para que a bênção não se transforme em maldição. Se alguma novidade fosse acrescentada ou alguma coisa fosse omitida, o dia da expiação seria um dia para se lamentar a morte do sacerdote e não agradecer pelo pecado ter sido expiado. Hoje a Igreja deve procurar observar o que Deus diz em Sua Palavra e rejeitar todas as inovações que são contrárias as Escrituras, que tem surgido com aparência de piedade, mas são uma verdadeira afronta aos mandamentos divinos e apenas atraem uma grande multidão; o seu objetivo não é glorificar a Deus, mas exaltar o homem. Temos o dever e a obrigação de honrar a Palavra de Deus.(Revista do professor)
O qual não é outro, mas há alguns que vos inquietam e querem transtornar o evangelho de Cristo.
Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema.(Gl 1:7,8)
As pessoas que estão querendo transformar os cultos ao Senhor em espetáculos e heresias provavelmente não são alunos da EBD,se fossem não fariam tais aberrações.

1.2. O sacerdote banhava a sua carne.
Neste tópico o comentarista nos deixa claro que o novo nascimento é condição indispensável para nós comparecermos diante de Deus.
Era necessário o sacerdote tomar um banho antes de vestir as roupas que oficiaria o ritual do dia da expiação. A higiene, que era feita pelo sacerdote em tomar o banho, a fala da pureza necessária para quem quer se aproximar do Senhor, e este banho é uma figura do que a Palavra de Deus faz na vida do salvo. Paulo fala dessa doutrina quando escreve a Tito, o que torna este ato no dia da expiação uma ilustração do que acontece na vida espiritual: “Não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo, que abundantemente ele derramou sobre nós por Jesus Cristo, nosso Salvador.” (Tt 3.5-6). O Espírito Santo usa a Palavra para a pureza do crente.
A Bíblia diz que as cerimônias e os sacrifícios estabelecidos na lei são “sombra dos bens futuros” (Hb 10.1). Jesus, no que concerne ao Seu ministério, Sua morte e Sua ressurreição, quando empreende a perfeita obra da expiação, é pessoalmente puro e imaculado, como nos afirma o apóstolo Pedro (1Pe 1.19). O próprio Senhor Jesus afirmou que se santificou pelos Seus (Jo 17.19). O salvo pode contemplar o seu Senhor em toda a Sua santidade, por Ele ser santificado pela verdade da palavra de Deus e se aproximar da Sua presença.(Revista do professor)
Cheguemo-nos com verdadeiro coração, em inteira certeza de fé, tendo os corações purificados da má consciência, e o corpo lavado com água limpa,(Hb 10:22)

1.3. As vestes para entrar no santuário.
Arão tinha que vestir roupas de linho para entrar no santuário, a túnica, ceroulas, um cinto e uma mitra (Lv 16.4), que eram vestes santas. O sumo sacerdote tirava as suas vestes suntuosas e se vestia como os demais sacerdotes. As roupas dos demais sacerdotes lemos em Levítico 8.13. O linho representa a justiça de Cristo e retrata a pureza e o estado de limpeza cerimonial exigida por Deus para que o sumo sacerdote pudesse se aproximar da Sua presença, simbolizando na arca do concerto, no propiciatório sobre a arca e na sua glória ali presente. Tudo isso para hoje podermos entender, pela revelação do Espírito Santo, quão grande foi a obra que Jesus fez para nos conceder o privilégio de termos a glória de Deus em nossa vida.
Quando o sumo sacerdote Arão despede-se de suas maravilhosas vestes e se adorna com as roupas de linho, como os demais sacerdotes, é como sombra do que Jesus fez, como escreve Paulo aos filipenses: “Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens.” (Fp 2.7). Jesus veio como homem para realizar a obra da expiação. Foi um ato de humilhação (Fp 2.8), pois se esvaziou de toda a Sua glória e como um de nós andou neste mundo para morrer na cruz. Como depois Arão voltava a vestir as suas pomposas vestes, também Jesus hoje está revestido de glória e de honra. Este ato de despir-se só era necessário durante a cerimônia do dia da expiação, e foi o que Jesus também realizou, quando se fez carne.(Revista do professor)

2. A Expiação do Santuário.
Arão entrava no santuário com um novilho para expiação do pecado e um carneiro para holocausto (Lv 16.3). Ele não tinha permissão de entrar no Lugar Santíssimo com frequência, por isso, havia a necessidade de ser purificado antes de oferecer sacrifício pelo povo (Lv 16.2).

2.1. A expiação pela sua casa.
Arão realizava o sacrifício por si e pela sua casa (Lv 16.11). Deus em Seu cuidado com o sumo sacerdote ordena que um novilho seja oferecido como sacrifício para expiação, e, como Arão tinha que entrar no Lugar Santíssimo, era também necessário encher o local com fumaça. Arão tomava o incensário, cheio de brasa do fogo do altar, com os punhos cheios de incenso aromático. Todo esse ritual era essencial que fosse realizado, pois, qualquer desvio, a morte viria sobre o oficiante. Deus provê toda a segurança para os que se achegam a Ele, porém, deve ser feito da maneira como Ele determina, e este princípio permanece em nossos dias. Não podemos ver a obra de Deus de modo diferente. O ensino bíblico exige que obedeçamos ao que diz a Palavra de Deus, para nossa segurança e bênção para a nossa família.
O sangue do sacrifício era espargido sobre a face do propiciatório para a banda do oriente sete vezes (Lv 16.11). Todo esse belo ritual era perante o Senhor (Lv 16.13). O fogo que era trazido para dentro do santuário e aceito pelo Senhor era fogo do altar onde o sangue era derramado, pois, Deus não aceita outro fogo em Sua presença. Vivemos dias nos quais muitos estão trazendo fogo estranho à presença de Deus. O sangue sobre o propiciatório tornava o ofertante propício a Deus, isto é, permitia que o homem se aproximasse de Deus. Era necessário ser espargido sete vezes, que é o número da perfeição espiritual. Assim como Arão fazia expiação por si e pela sua casa, hoje, da mesma forma, Deus quer abençoar as famílias (Lv 16.11).

Expiação pelo sacerdócio e tabernáculo(Lv 16.11-14)
Depois de imolar um novilho,o sumo sacerdote entrava no santo dos santos levando o sangue em um vaso e um incensário cheio de brasas tomadas do altar de ouro,sobre os quais punha o incenso santo.A fumaça,simboliza a oração que subia a Deus pelo perdão dos pecados,perfumando o ambiente,cobria então o propiciatório.Depois o sumo sacerdote espargia o sangue sete vezes sobre o propiciatório no lugar santo e no altar de bronze,expiando assim os seus próprios pecados e dos demais sacerdotes.
.( Lições CPAD Jovens e Adultos » 1988 » 1º Trim.)

2.2. A expiação pelo povo.
Para expiação pelo povo um bode deveria ser degolado (Lv 16.15). Em todos esses detalhados rituais o sacerdote entrava sozinho na presença de Deus no Lugar Santíssimo, simbolizando o sacrifício da Nova Aliança que Jesus fez por nós, estando sozinho quando fez a expiação pelos pecados do mundo. A segurança do oficiante não estava em seus sentimentos, mas em cumprir o que Deus estabelecera e assim sempre será no nosso relacionamento com Deus. A nossa segurança não está no que achamos ou pensamos, mas em obedecer ao que o Senhor estabelece para ser feito através da Sua bendita Palavra.
Expiação pelo povo (Lv 16.15-22)
Dois bodes eram escolhidos para o sacrifício,sobre os quais o sumo sacerdote lançava sorte.[...]
O animal sobre o qual caia a sorte pelo Senhor,era então sacrificado.Sobre o outro chamado de bode emissário,o sumo sacerdote confessava os pecados do povo e então o enviava ao deserto.Nestes dois bodes temos uma dupla figura  da obra expiatória de Cristo,mediante a qual Deus foi plenamente glorificado.No primeiro bode temos a expiação plena dos pecados,e no segundo,a completa remoção dos pecados que foram lançados para sempre “nas profundezas do mar”(Mq 7.19;1Jo 1.7-9)( Lições CPAD Jovens e Adultos » 1988 » 1º Trim.
2.3. A expiação pelo santuário.
Era também necessário fazer expiação pelo santuário por causa das imundícias dos filhos de Israel (Lv 16.16). Os pecados ou atos involuntários do povo contaminavam o santuário que estava no meio deles, o que impedia a habitação do Senhor no acampamento de Israel. Em toda a liturgia realizada pelo sumo sacerdote há um grande ensino para a Igreja acerca de como o Senhor trabalha para a purificação de todas as coisas.
Assim fará expiação pelo santuário por causa das imundícias dos filhos de Israel e das suas transgressões, e de todos os seus pecados; e assim fará para a tenda da congregação que reside com eles no meio das suas imundícias.(Lv16:16)
Esse ato era repetido anualmente, pois o sangue de bodes e bezerros não pode purificar a consciência do homem das obras mortas (Hb 9.11-14). Em todo o ritual do dia da expiação, o incenso era oferecido ao Senhor dentro do Lugar Santíssimo, simbolizando o bom odor do sacrifício que é oferecido a Deus, tipificando o sacrifício de Jesus Cristo aceito por Deus. Agora não há mais a necessidade de repetir o sacrifício anualmente porque Jesus realizou uma obra perfeita e eterna (Hb 9.11).

3. O Holocausto após a Expiação.
O holocausto é um sacrifício de adoração e Deus deve ser adorado em todas as circunstâncias e em todos os momentos de nossa vida. Após a liturgia, era preparado o holocausto pelo sumo sacerdote e pelo povo (Lv 16.24), para fazer expiação por si e pelo povo.
E banhará a sua carne em água no lugar santo, e vestirá as suas vestes; então sairá e preparará o seu holocausto, e o holocausto do povo, e fará expiação por si e pelo povo.(Lv 16:24)

3.1. As vestes depois do sacrifício.
Para realizar todo o ritual do dia da expiação Arão despia das suas vestes e vestia as vestes santas de linho, mas, após a realização de toda a liturgia necessária do dia da expiação, ele se banhava e tornava a vestir os seus vestidos magnificentes (Lv 16.23-24). Com os seus vestidos chegava perante o Senhor com o holocausto por si e pelo povo. Uma perfeita figura do que Jesus fez e faz diante do Senhor Deus. Ele se apresenta ao Pai após a obra da redenção por Ele efetuada (Jo 20.16-17).
Segundo o comentarista M. Ryerson Turnbull, o sacerdote se vestia, não nas roupagens brilhantes e multicores do seu ofício, mas numa simples vestimenta do mais puro linho branco. O branco simboliza pureza absoluta. A ausência de adornos na vestimenta de linho significava humilhação pelo pecado (Êx 33.5-6). Em Sua oração, Jesus disse que se santificaria para que Seus discípulos fossem santificados (Jo 17.19). Após consumada a obra, Ele recebe a glória que tinha antes (Jo 17.5).
(Revista do professor)

3.2. O homem que levou o bode emissário.
Aquele que levava o bode emissário (bode expiatório), para poder voltar a entrar no arraial, precisava lavar os seus vestidos e banhar a sua carne, pois estivera em contato com o animal que simbolicamente levava o pecado do povo. Ele se tornava cerimonialmente impuro por levar o animal para o deserto (Lv 16.26).
E aquele que tiver levado o bode emissãrio lavará as suas vestes, e banhará a sua carne em água; e depois entrará no arraial (Lv16:26).
Segundo Russell Norman Champlin: “Nos dias do segundo templo, tal homem precisava ficar na última cabana, a pouco mais de um quilômetro e meio de Jerusalém, até o pôr-do-sol, quando então podia voltar ao convívio social”. O pecado é um mal que o mais simples contato contamina o homem e o torna impossibilitado de permanecer no acampamento do Senhor: Este homem que leva o bode para o deserto é um exemplo da malignidade do pecado e o quanto o mesmo aborrece a Deus. Na sua purificação, necessária para a sua entrada no arraial, podemos agradecer a Deus por ter realizado tudo para que pudéssemos retornar para o acampamento, e desfrutar da Sua grandiosa presença em nossa vida pelo Seu Espírito que Ele nos concedeu.(Revista do professor)
Tendo, pois, irmãos, ousadia para entrar no santuário, pelo sangue de Jesus (Hb 10:19).

3.3. Um estatuto perpétuo.
No dia da expiação, em que eram feitos sacrifícios pela classe sacerdotal e também pelos leigos, vemos a universalidade do pecado. Os sacrifícios do dia da expiação tornavam abundantemente claros como Deus detesta o pecado, que traz consigo o desespero e a morte para o homem. Deus estabelece esta cerimônia como um estatuto perpétuo: o sacrifício da expiação para que o israelita tivesse sempre a consciência do pecado e como este afeta o relacionamento entre Deus e o homem. A obra de Cristo tem para o cristão este caráter de ser uma obra perpétua.
Agora, com o sacrifício do dia da expiação e estabelecendo-o como um estatuto perpétuo, Deus está providenciando para o Seu povo uma condição para que o pecado seja expiado e, consequentemente, ele fala sobre um sábado de descanso (Lv 16.31). Deus descansou no sétimo dia, pois o pecado não havia ainda entrado no mundo e este “sábado de descanso” é uma profecia que Deus um dia estabelecerá um sistema onde o pecado não mais existirá.(Revista do professor).

CONCLUSÃO
Permaneçamos nos mandamentos do Senhor para o nosso próprio bem e para que o nome do nosso Deus seja glorificado. Temos essa responsabilidade sobre os nossos ombros, pois somente a Igreja do Senhor é o povo cujo pecado foi expiado e encontrou salvação na pessoa de Jesus Cristo.


Bibliografia
[1] Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal - CPAD - ARC
Biblia de estudo pentecostal, Almeida revista e corrigida, Rio de Janeiro, CPAD
Bíblia do Culto - Editora Betel
Revista EBD Betel Dominical Professor - 1 trimestre 2018, ano 28, número 106 - Editora Betel
PAE - Plano de Aula Expositiva - Auxílio EBD - http://editorabetel.com.br/auxilio/beteldominical/

1. O que Deus orienta a Arão, através de Moisés?
R: Que ele não poderia entrar no santuário em todo o tempo, para que não morresse (Lv 16.2).

2. O que o linho representa?
R: A justiça de Cristo (Lv 16.4).

3. Para expiação pelo povo, o que deveria ser degolado?
R: Um bode (Lv 16.15).

4. Por que era também necessário fazer expiação pelo santuário?
R: Por causa das imundícias dos filhos de Israel (Lv 16.16).

5. Para poder voltar a entrar no arraial, o que precisava fazer aquele que levava o bode emissário (bode expiatório)?
R: Precisava lavar os seus vestidos e banhar a sua carne (Lv 16.26).

                              AGORA VAMOS A VÍDEO AULA SOBRE ESTA LIÇÃO.  TENHA BOM ESTUDO !                             
Antes de Assistir os vídeos, se a radio do site estiver tocando, suba a página até a radio e 
toque no vídeo da musica que estiver tocando para interromper o som.






                                                                                                                                                                              
[     

Estimado Professor, segue abaixo o material de apoio para nossos estudos !

Arão passava horas se preparando
Arão tinha que passar horas se preparando para encontrar-se com Deus. Mas nós podemos nos aproximar de Deus a qualquer hora (Hb 4:16). Que privilégio! A nós nos é oferecido um acesso mais fácil a Deus do que o acesso dos sumos sacerdotes do Antigo Testamento! Ainda assim nunca devemos nos esquecer de que Deus é santo, nem deixar que este privilégio nos leve a nos aproximarmos de Deus de qualquer forma, sem cuidado. O caminho para Deus foi aberto para nós através de Cristo. Mas um acesso fácil a Deus não elimina a necessidade que temos de preparar nossos corações à medida que nos aproximamos dele em oração.
(Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal - CPAD - Página 224)

Os dois Bodes
Este evento com os dois bodes ocorria no Dia da Expiação. Os dois bodes representavam as duas maneiras através das quais Deus estava lidando com o pecado dos israelitas:
(1) Ele estava perdoando o pecado do povo através do primeiro bode, que era sacrificado, e
(2) estava removendo a culpa do povo através do segundo bode, o bode expiatório, que era enviado ao deserto, em Levítico 16:22 diz "Assim, aquele bode levará sobre si todas as iniquidades deles, à terra solitária".
O mesmo ritual tinha de ser repetido todos os anos. 
A morte de Jesus Cristo substituiu este sistema de uma vez por todas. Nós podemos ter nossos pecados perdoados e nossa culpa removida ao depositarmos nossa confiança em Cristo (Hb 10:1-8)
(Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal - CPAD - Página 224)

O que era um incensário ?
Um incensário era um prato ou uma tigela rasa que era pendurada por uma corrente ou carregada com pinças. Colocava-se incenso (uma combinação de especiarias de cheiro adocicado) e brasas do altar, dentro do incensário.
No dia da expiação, o sumo sacerdote entrava no Santo dos Santos carregando um incensário. A fumaça o protegia da arca do concerto e da presença de Deus - do contrário ele morreria. O incenso também pode ter tido um propósito muito prático. O cheiro adocicado chamava a atenção das pessoas para os sacrifícios realizados pela manhã e à noite, e ajudava a cobrir o mau cheiro que o acampamento às vezes poderia ter.
(Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal - CPAD - Página 225)

Por que os israelitas eram proibidos de sacrificar fora da área do Tabernáculo ?
Deus estabeleceu horários e locais específicos para os sacrifícios, e cada ocasião era permeada de simbolismos. Se as pessoas sacrificassem por conta própria, poderiam facilmente adicionar ou subtrair as  leis de Deus para atenderem seus próprios estilos de vida. Muitas religiões pagãs permitiam que sacerdotes individuais definissem suas próprias regras; o mandamento de Deus ajudava os israelitas a resistirem à tentação de seguir o padrão pagão. Quando os israelitas praticaram a idolatria, houve uma razão para tal: "cada qual fazia o que parecia direito aos seus olhos" (Jz 17:6).
(Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal - CPAD - Página 225)


                                                                                                                                                                              

Nenhum comentário:

Postar um comentário