terça-feira, 1 de maio de 2018

Lição 6 - O temor a Deus e as atitudes coerentes

 Aula presencial dia 6 de maio de 2018 



Estimado professor,   acredito que já tenha percebido que nosso SLIDE semanal traz uma abordagem DETALHADA de todos os pontos abordados na lição. É um resumo da lição fazendo uso de uma metodologia moderna de ensino,  tornando-o mais eficiente e efetivo. Aplica-se ao conteúdo da lição, ilustrações com figuras relacionadas com cada tópico a ser ensinado.  Faça bom uso !  Baixe o Slide no formato desejado, Tenha liberdade de cortar, alterar e adicionar conteúdo. Não deixe de Divulgar e Compartilhar nas Redes Sociais !

1 - Explicar a importância de temer a Deus;
2 - Identificar os diversos tipos de temor a Deus;
3 - Refletir sobre a importância do temor a Deus ser seguido de atitudes coerentes.


 Texto Áureo
Assim, pois, as igrejas em toda a Judéia, e Galiléia, e Samaria 
tinham paz e eram edificadas; e se multiplicavam, andando no 
temor do Senhor e na consolação do Espírito Santo”. (Atos 0.31)

Verdade Aplicada
O temor a Deus deve ser acompanhado da procura em 
conhecer a Sua vontade e da prática da mesma.

Motivo de Oração
Suplique a Deus pelos jovens que têm se convertido.

Hinos sugeridos.

397 - O Salvador Me Achou

432 - Consagrado ao Senhor

434 - A Teus Pés





Salmo 86.11
Ensina-me, Senhor, o teu caminho, e andarei na tua verdade; une o meu coração ao temor do teu nome.
Salmo 128.1
Bem-aventurado aquele que teme ao Senhor e anda nos seus caminhos.
Eclesiastes 12.13
De tudo o que se tem ouvido, o fim é: teme a Deus e guarda os seus mandamentos; porque este é o dever de todo homem.
2 Corintos 7.1
Ora, amados, pois que temos tais promessas, purifiquemo-nos de toda imundícia da carne e do espírito, aperfeiçoando a santificação no temor de Deus.
2 Pedro 2.17
Honrai a todos. Amai a fraternidade. Temei a Deus. Honrai o rei.





Segunda-feira -  Deuteronômio 6.1-2
1 - Estes, pois, são os mandamentos, os estatutos e os juízos que mandou o SENHOR vosso Deus para ensinar-vos, para que os cumprísseis na terra a que passais a possuir;
2 - Para que temas ao Senhor teu Deus, e guardes todos os seus estatutos e mandamentos, que eu te ordeno, tu, e teu filho, e o filho de teu filho, todos os dias da tua vida, e que teus dias sejam prolongados.

Terça-feira - Salmo 112
1 - Louvai ao SENHOR. Bem-aventurado o homem que teme ao SENHOR, que em seus mandamentos tem grande prazer.
2 - A sua semente será poderosa na terra; a geração dos retos será abençoada.
3 - Prosperidade e riquezas haverá na sua casa, e a sua justiça permanece para sempre.
4 - Aos justos nasce luz nas trevas; ele é piedoso, misericordioso e justo.
5 - O homem bom se compadece, e empresta; disporá as suas coisas com juízo;
6 - Porque nunca será abalado; o justo estará em memória eterna.
7 - Não temerá maus rumores; o seu coração está firme, confiando no Senhor.
8 - O seu coração está bem confirmado, ele não temerá, até que veja o seu desejo sobre os seus inimigos.
9 - Ele espalhou, deu aos necessitados; a sua justiça permanece para sempre, e a sua força se exaltará em glória.
10 - O ímpio o verá, e se entristecerá; rangerá os dentes, e se consumirá; o desejo dos ímpios perecerá.

Quarta-feira - Lucas 12.4-5
4 - E digo-vos, amigos meus: Não temais os que matam o corpo e, depois, não têm mais que fazer.
5 - Mas eu vos mostrarei a quem deveis temer; temei aquele que, depois de matar, tem poder para lançar no inferno; sim, vos digo, a esse temei.

Quinta-feira - Filipenses 2.12
12 - De sorte que, meus amados, assim como sempre obedecestes, não só na minha presença, mas muito mais agora na minha ausência, assim também operai a vossa salvação com temor e tremor;

Sexta-feira - 1 Pedro 1.17
7 - Para que a prova da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro que perece e é provado pelo fogo, se ache em louvor, e honra, e glória, na revelação de Jesus Cristo;

Sabado -  Apocalipse 14.6-7
6 - E vi outro anjo voar pelo meio do céu, e tinha o evangelho eterno, para o proclamar aos que habitam sobre a terra, e a toda a nação, e tribo, e língua, e povo,
7 - Dizendo com grande voz: Temei a Deus, e dai-lhe glória; porque é vinda a hora do seu juízo. E adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas.



IMPORTANTE
Apresento neste BLOG o Esboço da Lição e os comentários como 
professor de EBD em cima do PAE - PLANO DE AULA EXPOSITIVA 
NÃO APRESENTO O CONTEÚDO COMPLETO DIGITALIZADO DAS REVISTAS
TENHA SUA REVISTA EM MÃOS E FAÇA UM BOM ESTUDO !



ESBOÇO DA LIÇÃO
Introdução
1. Temer a Deus: significados e valor.
2. Os diversos tipos de temor a Deus.
3. Temor a Deus e atitudes.
Conclusão
Clique aqui para Visualizar o PAE (Plano de Aula Expositiva) da Editora Betel



                   


Lição 6 - O temor a Deus e as atitudes coerentes

Temor: Sentimento profundo de respeito e obediência.
(Lições CPAD Jovens e Adultos » 2013 » 4º Trim)

Atitudes coerentes.: Que age com coerência, de acordo com a lógica ou com seus princípios ou suas ideias, ou suas decisões e escolhas anteriores,por exemplo : Em seu discurso, foi coerente (com tudo que sempre defendeu).]
[F.: Do lat. cohaerens, entis.] http://www.aulete.com.br/coerente

TEXTO ÁUREO
Assim, pois, as igrejas em toda a Judéia, e Galiléia, e Samaria tinham paz e eram edificadas; e se multiplicavam, andando no temor do Senhor e na consolação do Espírito Santo". (Atos 9.31).

VERDADE APLICADA
O temor a Deus deve ser acompanhado da procura em conhecer a Sua vontade e da prática da mesma.

OBJETIVOS DA LIÇÃO
1 - Explicar a importância de temer a Deus;
2 - Identificar os diversos tipos de temor a Deus;
3 - Refletir sobre a importância do temor a Deus ser seguido de atitudes coerentes.

TEXTO REFERÊNCIA
Salmo 86.11
Ensina-me, Senhor, o teu caminho, e andarei na tua verdade; une o meu coração ao temor do teu nome.
Salmo 128.1
Bem-aventurado aquele que teme ao Senhor e anda nos seus caminhos.
Eclesiastes 12.13
De tudo o que se tem ouvido, o fim é: teme a Deus e guarda os seus mandamentos; porque este é o dever de todo homem.
2 Corintos 7.1
Ora, amados, pois que temos tais promessas, purifiquemo-nos de toda imundícia da carne e do espírito, aperfeiçoando a santificação no temor de Deus.
2 Pedro 2.17
Honrai a todos. Amai a fraternidade. Temei a Deus. Honrai o rei.

INTRODUÇÃO
Num tempo de banalização do Evangelho e desrespeito, reflitamos à luz da Palavra de Deus sobre este tema tão presente nas Escrituras, porém, muitas vezes compreendido de forma distorcida e equivocada.
Na interpretação do tema em estudo estaremos enfatizando que uma das distorções é ser extremista com relação ao assunto,atualmente há um grupo que banalizam o evangelho e não temem a Deus,todavia há um outro grupo que consideram Deus como sendo cruel e impiedoso pronto a castigar e punir...
O nosso comentarista nos deixa bem claro o verdadeiro significado do que realmente é temer a Deus à luz das escrituras. Bom estudo!

1. Temer a Deus: significados e valor.
O que significa temer a Deus? Como conciliar os textos bíblicos que enfatizam a necessidade de a pessoa temer a Deus e o que está exposto em 1João 4.18: “a perfeita caridade lança fora o temor”? Porém, a Palavra de Deus não se contradiz.
Professor explique que o temor mencionado em 1Jo 4.18,não se refere ao temor a Deus ,mas ao temor humano por algo que o cerca no cotidiano.
Ver tópico 1.1 .
"A paz lança fora o medo
Quase todas as pessoas que sentem medo querem identificá-lo, explorá-lo e encontrar meios de livrar-se dele de uma vez por todas. Será realmente possível abolir a ansiedade diária? Sim, é possível [...]
O apóstolo João nos ensina que o amor é a maneira correta de sermos livres do temor que obstrui o caminho da fé. Ouçamos cuidadosamente o que ele fala a este respeito: 'No amor não existe medo; antes, o perfeito amor lança fora o medo ... aquele que teme não é aperfeiçoado no amor" (1 Jo 4.18 - ARA). Portanto, fica evidente que a nossa fé, isto é, nossa confiança em Deus e em suas realizações a nosso respeito, somente serão aperfeiçoadas a partir do momento que aceitamos toda sua vontade. Então, Ele derramará do seu amor em nossos corações, por meio do Espírito Santo que nos é dado. Assim, o medo, que pode ser comparado a uma pequena sujeira em nossa mente, será impelido ou até mesmo destruído pela ação poderosa do Espírito Santo em nossas vidas. A fé, que é uma reação positiva da alma, agora tem livre curso para operar. Assim, portanto, a melhor terapia para trazer libertação do medo é o amor".
(SILVA, S. P. Entrando no campo da fé. RJ: CPAD, 2006, pp. 78,80.)

1.1. Os significados e diversos sentidos da palavra temor.
Considerando a existência de diversos temas derivados, tanto a partir de palavras no hebraico como no grego, encontrados na Palavra de Deus, é importante estarmos atentos ao contexto no qual se encontram as palavras traduzidas por “temor” ou “temer”. Alguns sentidos de expressões hebraicas, como yãre ou môrã: “ter medo; ter grande temor; ter grande respeito por; medo”. Exemplos do termo usado como “medo” (Gn 32.11; Dt 2.25; Jn 1.10). assim como também há exemplos no Novo Testamento do uso da palavra “temor” no sentido de “medo” (gr. deilia ou phobeo), “covardia ou timidez” (2Tm 1.7) ou “mostrar medo reverente de homens” (Mc 6.20).
Mas, sentindo o vento forte, teve medo; e, começando a ir para o fundo, clamou, dizendo: Senhor, salva-me!(Mt 14:30)
Uma das expressões que mais tem estado no vocabulário do brasileiro é “medo” (provocado por violência, desemprego, doenças, incertezas, entre outros). Esse sentimento está presente desde o nascimento. Porém, quando o medo é desproporcional, acompanhado de sintomas físicos e passa a dominar a pessoa, torna-se fobia. Nos EUA, especialistas catalogaram cerca de 500 tipos de medo. A Palavra de Deus registra centenas de vezes Deus falando ao ser humano: “Não temas” (Êx 14.13; Is 40.9; 41.10; Mc 5.36; At 18.9-10).(Revista do professor)

1.2. Temer a Deus.
Diferentemente de todo o restante da criação, o ser humano foi criado à imagem e semelhança de Deus (Gn 1.26-27). O Criador o visitava, falava com ele e ambos tinham amizade e comunhão (Gn 1.28; 2.8, 15, 18-20; 3.8). Contudo, a primeira vez que aparece a expressão “temor; medo” na Bíblia é justamente como resultado do pecado e conduz a um medroso retraimento diante de Deus: “Ouvi...temi...escondi-me” (Gn 3.10). Quando se esta em comunhão com Deus, não há medo. O temor que o discípulo de Cristo deve ter em relação a Deus não deve afastá-lo dEle e nem o fazer viver em um constante estado de terror, mas servir de motivação para que produza um viver de acordo com a vontade de Deus.
Temor a Deus. 
A verdadeira comunhão frutifica, na vida da igreja como um todo e na vida de cada crente em particular, um santo temor a Deus. Lucas destaca: “Em cada alma havia temor” (At 2.43). E o temor a Deus, como todos sabemos, é o princípio do saber (Pv 1.7).
Quando os crentes temem e amam a Deus, a igreja mostra-se sabia não apenas diante do Senhor, mas também do mundo. Ainda há temor a Deus em seu coração?(Lições CPAD Jovens e Adultos » 2011 » 1º Trim)

“Quando Deus é o objeto de temor, a ênfase novamente recai no respeito ou reverência. Essa atitude de reverência é a base da verdadeira sabedoria” (Jó 28.28; Sl 111.10; Pv 9.10; 15.33).(revista do professor)

1.3. A importância de enfatizar este tema.
Vivemos dias desafiadores. A irreverência e o desrespeito têm sido marcas do nosso tempo. Os extremos sempre são perigosos.  Muitos dizem que no passado as pessoas tinham “medo” de Deus, por causa dos ensinamentos que receberam e a ênfase quanto ao juízo final e inferno. Contudo, hoje vemos pessoas que tratam Deus como se fosse “um igual”, chamando-O de “cara legal” ou o “lá de cima”. Não podemos confundir o silêncio, a misericórdia e a longanimidade de Deus com igualdade com o homem (Sl 50.21).
É preciso lembrar que o discípulo de Cristo é filho de Deus (Rm 8.15), amigo de Jesus (Jo 15.15 e irmão de Jesus (Hb 2.11), contudo, continua sendo criatura, ser humano e corruptível (1Co 15.53). O próprio Senhor Jesus enfatizou aos Seus discípulos a necessidade de temer a Deus, que “pode fazer perecer no inferno a alma e o corpo” (Mt 10.28). Notar que o registro feito por Lucas, menciona Jesus chamando Seus discípulos de “amigos meus”, antes de alertar sobre o temer a Deus (Lc 12.4-5). Assim, o fato de sermos  amigos, discípulos, filhos e irmãos não nos libera para o escárnio e zombaria com assuntos relacionados a Deus ou comportamentos inadequados nos momentos de culto, como se estivéssemos num clube ou num parque de diversões, etc. É preciso voltar a enfatizar o “temor a Deus” como um dos aspectos bíblicos no relacionamento com Deus.(Revista do profesor).
Professor,a nossa escola dominical é um local de aperfeiçoamento e crescimento espiritual,portanto utilize este tópico para eliminar possíveis falhas com relação a atitudes ou expressões utilizadas por alguns irmãos que não são compatíveis com a santidade de Deus,além dos exemplos mencionados pelo comentarista neste tópico você poderá mencionar outros que porventura atue em sua congregação.

2. Os diversos tipos de temor a Deus.
Encontramos na palavra de Deus diversos textos que registram pessoas que, diante de uma manifestação sobrenatural, demonstraram temer a Deus (Êx 9.20; Jn 1.16; Dn 6.26). Contudo, não é suficiente apenas temer a Deus sem considerar outros princípios bíblicos quanto ao nosso relacionamento com Ele.
O temor a Deus é manifesto diversas vezes pelo próprio Diabo,todavia é um temor que reconhece a soberania de Deus sem submeter-se a ela.Ex:
Certo dia os anjos vieram apresentar-se ao Senhor, e Satanás também veio com eles.(Jó 1:6)
E, quando viu Jesus ao longe, correu e adorou-o.
E, clamando com grande voz, disse: Que tenho eu contigo, Jesus, Filho do Deus Altíssimo? conjuro-te por Deus que não me atormentes.(Mc 5:6,7)

2.1. Temor interesseiro.
Após o Reino do Norte ser levado cativo pela Assíria, Salmaneser (Rei da Assíria) levou muitos estrangeiros para “habitar nas cidades de Samaria, em lugar dos filhos de Israel” (2Rs 17.6, 23-41). Porém eram pessoas que não temiam ao Senhor e “mandou o Senhor entre eles leões, que mataram a alguns deles”. Era comum a crença, entre os pagãos, em “deuses territoriais”. Assim, aquele povo que passou a habitar em Samaria procurou conhecer “o costume” religioso de adoração (2Rs 17.32-34). Ou seja, temiam a Deus quanto à adoração, mas não O temiam para obedecer aos Seus estatutos e mandamentos.
Eles adoravam a Deus, porém, não deixavam seus costumes pagãos. Só adoravam para abrandar Sua ira. É um tipo de temor que não gera confiança (Sl 115.9-15). O texto diz: “Vós, os que temeis ao Senhor, confiai no Senhor”. Há muitos que “temem” os castigos de Deus, o juízo final, o inferno, o apocalipse, contudo querem continuar vivendo segundo o curso deste mundo (Ef 2.2).(revista do professor)
Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele.(1 João 2:15)

2.2. Temor utilitário.
Aqueles estrangeiros estavam considerando o temor a Deus como um “amuleto de sorte”. A sociedade brasileira tem sido caracterizada pelo sincretismo religioso e pela superstição, assim como os estrangeiros de Samaria. Quando o assunto é questões religiosas ou espirituais, o que vale é o que dá resultado. Como se o pensamento fosse: “o importante é estar bem com todas as forças espirituais”. Os atenienses chegaram ao ponto de erguer um altar com a inscrição: AO DEUS DESCONHECIDO (At 17.22-23). Como muitos hoje, tinham um conhecimento com respeito à adoração bastante limitado e distorcido.
Os servos de Faraó que “temiam” a palavra do Senhor agiram tendo em mente preservar os bens (Êx 9.20). Quando Israel finalmente saiu do Egito, “subiu também com eles uma mistura de gente” (Êx 12.38). Muitos devem ter aproveitado para fugir da escravidão ou atraídos pela superioridade do Deus de Israel em relação às divindades egípcias, porém nem todos se converteram ao Deus de Israel (Nm 11.4).(Revista do professor)

2.3. Temor como princípio do saber.
Aprendemos com a Palavra de Deus que não basta sentir medo, respeitar, reconhecer o poder do Senhor e a Sua grandeza. O “temor do Senhor” é o princípio, o começo da sabedoria é o conhecimento (Sl 111.10; Pv 1.7). Não a sabedoria humana e terrena, mas a sabedoria suprema, que é temer e reverenciar a Deus de maneira apropriada (Jó 28.28; Pv 8.13). É o temor que conduz à obediência ao Senhor, a um viver piedoso e correto (Jr 32.40), e que conduz a desviar-se do mal (Pv 16.6). É um temor que produz na pessoa o desejo humilde em aprender mais do Senhor (Pv 15.33).
Tiago também fala sobre o grande abismo que existe entre a sabedoria terrena e a sabedoria celestial. A sabedoria terrena pode ser ilustrada pelo utilitarismo: “O importante é levar vantagem”. Vivemos em uma cultura de exploração, de egolatria, de ganância desenfreada. Os homens perversos e maus mentem, exploram, usurpam, corrompem, roubam e matam para acumular vantagens e tesouros. Usam o conhecimento, influência e poder apenas para prevalecer sobre os demais e não para ajudá-los. Buscam os próprios interesses e não o interesse dos outros. Vivem olhando para o próprio umbigo, embriagados pela soberba, aplaudindo a si mesmos, enquanto naufragam no mar de vaidades. E diferente a sabedoria celestial. Ela é altruísta e cheia de amor. Ela busca a glória de Deus e o bem do próximo, mais do que o enaltecimento de si mesmo.
(Lições CPAD Jovens e Adultos » 2014 » 3º Trim)
Mas a sabedoria que do alto vem é, primeiramente pura, depois pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade, e sem hipocrisia.(Tg 3:17)

3. Temor a Deus e atitudes.
É relevante refletir sobre a importância do temor a Deus ser seguido de atitudes coerentes, como encontramos em diversos textos bíblicos, quando o temor a Deus é associado a ações segundo a vontade de Deus, isto é, que agradam a Deus. É o que constataremos neste último tópico.

3.1. Um temor que move à ação.
O patriarca  Abraão, quando ia oferecer seu filho Isaque em holocausto por mandado do Senhor, antes de imolá-lo, ouviu Deus lhe falar: “agora sei que temes a Deus” (Gn 22.12). As parteiras no Egito, movidas pelo temor a Deus (Êx 1.17, 20-21), não fizeram conforme a ordem de Faraó e “conservaram os meninos com vida”. O sogro de Moisés, ao lhe sugerir que buscasse homens para ajudá-lo na tarefa de atender ao povo, lhe diz que deviam ser homens não apenas capazes, mas “tementes a Deus” (Êx 18.21), pois, assim, aborreciam a avareza.
O Senhor Deus diz que os mandamentos e os estatutos que ordenou deveriam ser ensinados, visando o temor a Deus e a obediência (Dt 6.1-2). Não apenas conhecer e temer, mas conduzir à obediência. O salmista convoca aqueles que temem a Deus para ouvir o que ele tem a dizer sobre os feitos do Senhor (Sl 66.16). Quem teme a Deus ouve e se interessa pelos relatos do que o Senhor tem feito.(revista do professor)
E em toda a alma havia temor, e muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos.(Atos 2:43)

3.2. Um temor que conduz a um relacionamento.
Não se trata do temor que nos faz se esconder de Deus como Adão e nem aquele demonstrado pelos estrangeiros em Samaria (interesseiro e utilitário), mas o temor que norteia nossa vida nas questões espirituais e morais. Não o medo aterrorizante e paralisador, mas que nos move a um relacionamento saudável com Deus (Rm 8.5), influenciando nossas atitudes e conduzindo-nos à plena confiança em Deus (Sl 115.11). Justamente por termos um relacionamento com Deus como Nosso Pai, devemos temê-Lo (1Pe 1.17), durante o tempo da nossa caminhada nesta terra como discípulos de Cristo.
O fato de sermos filhos de Deus não significa que não devamos reverenciá-Lo e respeitá-Lo. Como se expressou o famoso escritor C.S. Lewis: “Em Deus você está diante de algo que é, em todos os aspectos, incomensuravelmente superior a si mesmo”.(Revista do professor)
E, se invocais por Pai aquele que, sem acepção de pessoas, julga segundo a obra de cada um, andai em temor, durante o tempo da vossa peregrinação,(1 Pedro 1:17)

3.3. Cornélio, homem temente a Deus.
Acredita-se que Cornélio, o oficial romano, tinha algum conhecimento das Escrituras, conhecia o Deus de Israel e, assim, orava, jejuava, fazia esmolas, tinha bom testemunho dos judeus e era “temente a Deus” (At 10.1-2, 22). O próprio apóstolo Pedro disse que Deus se agrada daquele que, em qualquer nação, O teme (At 10.35). Ele temia, contudo ainda não era salvo (At 11.14). No entanto, Cornélio demonstrou a sinceridade de seu temor a Deus ao se submeter á Palavra de Deus anunciada por Pedro (At 10.33). Temor que resultou em ação, pois proporcionou oportunidade para crer em Jesus Cristo.
Vejamos exemplos de resultados de temor após a experiência do novo nascimento: 1) 2 Coríntios 7.1 – contribui no processo de aperfeiçoamento da santificação. Uma convocação para que abandonem todo envolvimento com o que pode impedir nosso desenvolvimento na santificação; 2) Filipenses 2.12 – nos faz lembrar da bem-aventurança do homem que é constante no temor de Deus (Pv 28.14). Trata-se de uma exortação contra o modismo, o desleixo e o relaxamento com a vida cristã. Não se trata de ensinar que a salvação depende das obras da pessoa, mas, sim, que ela se expressa no crescimento e aperfeiçoamento do discípulo de Cristo. Assim comentou Russel Shedd: “O indivíduo que tem nome de cristão, mas é convencido, autoconfiante, sem atitude de respeito e reverência, tendo fé na graça barata, e nas obras inúteis feitas com vistas à recompensa, poderá ser uma das pessoas que se desapontarão quando bater à porta do céu, implorando que deixem entrar (Mt 7.23)”.
Seria interessante também explicar que de um lado os fariseus cristãos apoiavam a visão dos judaizantes; do outro, Paulo e Barnabé enfatizavam que os gentios foram aceitos por Deus como gentios,Cornelio e sua familia é um exemplo.
Para os gentios serem salvos, era necessário se tornar um judeu? Atualmente, é necessário alguma outra coisa, fora de confessar a Cristo, para ser salvo?
Cuidado com o cristianismo judaizante que ultimamente tem estado em evidencia. ( ver At 15)

CONCLUSÃO
Precisamos, com urgência, reafirmar a doutrina do temor a Deus, pois como vimos, faz a diferença no viver do discípulo de Cristo em sua jornada na terra. Conforme o exposto na Bíblia, o temor a Deus conduz a relacionamento, comprometimento e obediência a Deus (Sl 128.1).


Bibliografia
[1] Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal - CPAD - ARC
Biblia de estudo pentecostal, Almeida revista e corrigida, Rio de Janeiro, CPAD
Bíblia do Culto - Editora Betel
Revista EBD Betel Dominical Professor - 2 trimestre 2018, ano 28, número 107 - Editora Betel
PAE - Plano de Aula Expositiva - Auxílio EBD - http://editorabetel.com.br/auxilio/beteldominical/

1. Qual texto bíblico registra pela primeira vez a expressão “temor; medo”?
R: Gênesis 3.10.

2. O que os habitantes de Samaria procuraram conhecer?
R: O costume religioso de adoração (2Rs 17.32-34).

3. O que estava escrito no altar erguido pelos atenienses?
R: AO DEUS DESCONHECIDO (At 17.22-23).

4. O que as parteiras no Egito, movidas pelo temor a Deus, fizeram?
R: Conservaram os meninos com vida (Êx 1.17, 20-21).

5. O que o temor de Cornélio lhe proporcionou?
R: Oportunidade para crer em Jesus Cristo (At 10.33).

                              AGORA VAMOS A VÍDEO AULA SOBRE ESTA LIÇÃO.  TENHA BOM ESTUDO !                             








                                                                                                                                                                              
[     

Estimado Professor, segue abaixo o material de apoio para nossos estudos !

Vídeo : Sobre o Temor : 2 Minutos
Paul Washer


Vídeo : Reflexão - Temor e Tremor - 8 minutos
Pr. Paulo Junior


                                                                                                                                                                              

Nenhum comentário:

Postar um comentário