segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Lição 11 - O processo de formação do discípulo I

Aula presencial dia 10 de setembro de 2017

Estimado professor,   acredito que já tenha percebido que nosso slide semanal traz uma abordagem completa de todos os pontos abordados na lição. É um resumo da lição fazendo uso de uma metodologia moderna de ensino,  tornando-o mais eficiente e efetivo. Aplica-se ao conteúdo da lição, ilustrações com figuras relacionadas com cada tópico a ser ensinado.  Faça bom uso !  Baixe o Slide, Tenha liberdade de alterá-lo se desejar, Divulgue e Compartilhe.


1 - Conscientizar sobre a importância dos primeiros passos;
2 - Mostrar como Deus tomou a iniciativa, visando a restauração do homem;
3 - Deixar claro acerca da necessidade de uma resposta humana à manifestação de Deus.

 Texto Áureo
Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo 
salvação a todos os homens. (Tito 2.11)

Verdade Aplicada
A vida de discípulo de Jesus começa com o novo nascimento e 
continua em crescimento e vitalidade espirituais até alcançar 
a estatura completa de Cristo.
  
Motivo de Oração
Ore para que os cristãos sejam fortalecidos e o Evangelho 
seja anunciado em todo o mundo.

Hinos sugeridos.
Antes de Assistir os vídeos, se a radio do site estiver tocando, suba a página até a radio e 
toque no vídeo da musica que estiver tocando para interromper o som.

126 - Bem Aventurança do Crente

266 - Resgatados Fomos

291 - A Mensagem da Cruz




 Tito 2.11-14 
11 Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens,
12 Ensinando-nos que, renunciando à impiedade e às concupiscências mundanas, vivamos neste presente século sóbria, justa e piamente,
13  Aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Senhor Jesus Cristo,

14 O qual se deu a si mesmo por nós, para nos remir de toda iniquidade e purificar para si um povo seu especial, zeloso de boas obras.


Segunda-Feira –  João 3:3  
3 : 3 Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.

Terça-Feira –  João 3:5 
3 : 5 Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus.

Quarta-Feira –  João 3:16 
3 : 16 Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

Quinta-Feira –  João 8:32 
8 : 32 E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.
  
Sexta-Feira –  João 8:36 
8 : 36 Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.

Sábado –   Tito 2:15 
2 : 15 Fala disto, e exorta e repreende com toda a autoridade. Ninguém te despreze.


IMPORTANTE
Apresento neste BLOG o Esboço da Lição e os comentários como 
professor de EBD em cima do PAE - PLANO DE AULA EXPOSITIVA 
NÃO APRESENTO O CONTEÚDO COMPLETO DIGITALIZADO DAS REVISTAS
TENHA SUA REVISTA EM MÃOS E FAÇA UM BOM ESTUDO !




ESBOÇO DA LIÇÃO
Introdução
1. A importância dos primeiros passos.
2. Deus tomou a iniciativa.
3. A participação humana.
Conclusão.
Clique aqui para Visualizar o PAE (Plano de Aula Expositiva) da Editora Betel



                   


TEXTO ÁUREO
Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens. (Tito 2.11)

VERDADE APLICADA
A vida de discípulo de Jesus começa com o novo nascimento e continua em crescimento e vitalidade espirituais até alcançar a estatura completa de Cristo.

INTRODUÇÃO
Como Paulo escreveu, estamos em Cristo após ouvirmos o anúncio do Evangelho, crer e passar a viver guiados pelo Espírito Santo (Ef 1,13). Ninguém se torna um discípulo sem a ação de Deus e uma resposta humana.
Professor neste primeiro contato com o tema deixe claro para seus alunos que este processo que envolve ouvir, crer, nascer de novo pode ser instantâneo, cite a passagem do ladrão da cruz que foi salvos instantes antes de sua morte.
E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso. (Lc23. 43)
É possível que um pecador seja salvo instante antes de passar para a eternidade.

1. A IMPORTÂNCIA DOS PRIMEIROS PASSOS
O início da jornada cristã se dá quando a pessoa nasce de novo é a condição para ver e entrar no Reino de Deus (Jo 3.3, 5).
Antes de iniciarmos os tópicos, deixe claro que existem pessoas freqüentando aos cultos, membros de uma igreja local, sem ainda ter nascido de novo. Normalmente isto acontece quando o evangelho genuíno não é pregado, ou seja, Jesus e o plano de salvação para o homem não é o tema central das pregações.

 Estimado Professor, abaixo uma explicação mais detalhada sobre "Reino de Deus" e  "Reino dos céus", vamos explicar melhor esta questão, sugerida por um dos nossos irmãos internautas (Obrigado irmão Persival Santos pela participação)

I. SOU UM CIDADÃO DO REINO (Mc 1.15; Jo 3.3-5)
1. O que é o Reino de Deus? O Reino de Deus é, de forma resumida, um ambiente em que Deus é o soberano, o governador, aquELe que organiza todas as coisas, age com justiça, sustenta e protege seus súditos. A Bíblia usa outra expressão, “o Reino dos céus”, como sinônimo do Reino de Deus, distinção é que o Reino dos céus traz a ideia de um lugar para onde vão os salvos bem-aventurados. Certa vez, Jesus afirmou que “nem todo o que me diz; Senhor, Senhor! entrará no Reino dos céus” (Mt 7.21). Já a expressão Reino de Deus é mai s ampla, abrangendo não apenas um lugar, mas igualmente um estado de bem-aventurança. O Reino de Deus não tem limitação geográfica nem temporal, ou seja, ele abrange todos os lugares e épocas, nações e etnias (Mt 8.11). Não é um reino de comidas e bebidas, e sim de justiça, paz e alegria no Espírito Santo (Rm 14.17).
2. O que significa ter uma cidadania. Ter cidadania significa, para o mundo, ser uma pessoa que tem o direito à liberdade, à saúde, à educação, segurança e trabalho, vivendo de forma digna com uma série de direitos e prerrogativas, inclusive votar em seus representantes e receber votos. Ser cidadão também implica ter uma série de obrigações, ou seja, a cidadania oferece direitos e exige responsabilidades. Esses mesmos conceitos podem ser aplicados aos cidadãos do Reino de Deus: possuem direitos e têm obrigações, pois diante do mundo corrompido em que vivemos, como cidadãos do Reino, temos uma grande responsabilidade de representar Deus e sua Palavra.

3. O cidadão do Reino de Deus. O cidadão do Reino de Deus, de acordo com Jesus no Sermão do Monte, é uma pessoa que busca a realização da vontade de Deus neste mundo, ou seja, os princípios e regras de Deus sendo aplicados nesta vida (Mt 6.10). Portanto, o cidadão do Reino de Deus busca fazer a vontade dEle neste mundo, da mesma forma que ela já é feita nos céus. Lições CPAD Jovens e Adultos  » Jovens 2015 » 1º Trimestre

1.1. É preciso nascer de novo.
Quando Jesus contou a parábola do semeador, disse que muitos estavam com a mente fechada, coração endurecido, ouviam sem interesse, fechavam os olhos, pois estavam fora do Reino de Deus (Mt 13.15; Mc 4.11). Primeiro é preciso entrar, para depois compreender “os mistérios do Reino de Deus”. E a entrada se dá pelo novo nascimento. Pela grande misericórdia de Deus, Ele opera a regeneração.
[...]Vejamos, pois, o que é a regeneração?
Definição etimológica. A palavra regeneração significa gerar de novo, nascer outra vez.
Definição teológica. A regeneração é a obra fundamental e instantânea de Deus que concede gratuitamente ao pecador uma nova vida espiritual através dos méritos de Cristo. É a natureza divina operando no crente por intermédio da ação do Espírito Santo (2 Pe 1.1-5).
A necessidade da regeneração. É necessária para se entrar no céu (Jo 3.3); para se resistir ao pecado (1 Jo 3.9); para se ter uma vida de retidão (1 Jo 2.29).  (Lições CPAD Jovens e Adultos » 2006 » 4º Trim)
  
NOVO NASCIMENTO 
Razão: Tornar-se filho de Deus para ter acesso ao Reino dEle (Jo 3.3);
Base: A experiência espiritual, a origem celestial e a obra expiatória de Cristo (Jo 3.11-15);
Meios: Lavagem da regeneração e renovação do Espírito (Tt 3.5). 
(Adaptado do livro João, o Evangelho do Filho de Deus, Myer Pearlman.)

Porque também nós éramos, noutro tempo, insensatos, desobedientes, extraviados, servindo a várias concupiscências e deleites, vivendo em malícia e inveja, odiosos, odiando-nos uns aos outros.
Mas, quando apareceu a benignidade e o amor de Deus, nosso Salvador, para com os homens,
não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas, segundo a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo,(Tt 3.3-5)

1.2. A grande salvação.
O texto em Tito 2.11-14 é bastante esclarecedor. A graça de Deus se manifestou trazendo salvação (Tt 2.11). No verso seguinte, diz que esta mesma graça ensina, orienta sobre como devemos viver “neste presente século” (Tt 2.12). Porém, primeiro se manifestou para salvar. Salvação é uma palavra que reúne todos os atos de Deus para a redenção da humanidade. Vários sentidos são encontrados nesta palavra: libertação, segurança, cura, redenção, resgate. Por isso a Bíblia diz que é “uma tão grande salvação” (Hb 2.3).
Segundo o Pr.Eliezer de Lira e Silva “sempre que se estuda sobre a salvação, é necessário que você trabalhe com seus alunos o significado mais profundo de "salvação". Infelizmente, hoje em dia, já não se valoriza a salvação eterna como antes. Parece que não há mais interesse e esperança no Porvir. O termo "salvação" é de profundo significado e de infinito alcance. Muitos têm uma pobre idéia da inefável salvação consumada por Jesus, o que, às vezes, reflete-se numa vida espiritual descuidada e negligente, onde falta aquele amor ardente e total por Jesus, e busca constante de sua comunhão.”
Professor ainda destaque que a salvação não é somente para fugirmos da condenação do inferno, mas ela concede aos salvos bênçãos nesta vida e também na vindoura.
Como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação, a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram;(Hb2.3)

1.3. A realidade e gravidade do pecado.
É preciso, pois, que a pessoa reconheça que é pecadora, está perdida e que a solução não se encontra em si própria. Assim, não compreender a doutrina do pecado é não compreender a doutrina da salvação. Os judeus, na época do ministério terreno Jesus, apesar de terem e examinarem as Escrituras, não compreenderam a gravidade do pecado. Achavam que, pelo fato de serem descendência de Abraão, automaticamente eram livres e já estava garantida a entrada no Reino de Deus. Interessante notar que este diálogo com Jesus se deu com os “judeus que criam nele” (Jo 8.30-31). Criam em Jesus, porém se a fé que diziam professar não os conduzissem ao reconhecimento de que eram pecadores e ao arrependimento, como Jesus lhes estava revelando, não poderiam ser Seus discípulos (Jo 8.30-37).
Professor deixe para falar do arrependimento no tópico 3.1, se limite a explicar sobre a gravidade do pecado:
pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus,(Rm3.23)
Mas agora que vocês foram libertados do pecado e se tornaram escravos de Deus, o fruto que colhem leva à santidade, e o seu fim é a vida eterna.
Pois o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.(Rm 6:22,23)

2. DEUS TOMOU A INICIATIVA
É uma realidade bíblica o fato de que só conhecemos a Deus porque Ele quis se revelar. Bem como só é possível ao ser humano ter comunhão com com Ele, porque primeiro Ele se aproxima de nós e nos chama (Gn 3.9; Jo 1.14).
E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.(Jo1.14)

2.1. A manifestação da Graça.
Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens” (Tt 2.11).
Definição etimológica.Tanto a palavra hebraica hessed, quanto a grega charis, trazem a idéia de favor imerecido. Esta é a mais universal e clássica definição de graça. (Lições CPAD Jovens e Adultos » 2006 »  trim)
“A graça de Deus se manifestou”, E um dos aspectos desta “tão grande salvação” é a regeneração, o novo nascimento. Pois, para Deus, espiritualmente, as pessoas que ainda não nasceram de novo estão “mortas em ofensas e pecados”, pois estão “vivendo segundo o curso deste mundo”, “fazendo a vontade da carne e dos pensamentos”, “sem Cristo” (Ef 2.1-3, 12). Nesta situação, Deus amou (Jo 3.16) e enviou Seu Filho Cristo para salvar todo aquele que nEle crer. Nós, que antes estávamos espiritualmente mortos, agora, pela regeneração, somos “participantes da natureza divina” (2Pe 1.4). Esta regeneração é gerada pela Palavra de Deus (Tg 1.18 e pelo Espírito Santo (Jo 3.5). O apóstolo Paulo assim se expressou: “...se alguém está em Cristo, nova criatura é...” (2Co 5.17).
“NASCEMOS DE NOVO
O sentido literal de nascer de novo é nascer do alto. Refere-se ao ato de Deus de dar vida eterna a quem crê em Cristo (Tt 3.5).
A pessoa ingressa na família eterna do Senhor ao nascer de novo (1Pe 1.23). O nascimento espiritual estabelece a pessoa na família de Deus da mesma forma que o nascimento físico faz com que o bebê se torne membro de uma nova família.
Em João 3, Jesus disse que Nicodemos deveria nascer de novo. Nicodemos era fariseu (líder judeu), portanto, cria em sua descendência física de Abraão e na obediência à lei mosaica para entrar no céu. Os judeus acreditavam que tinham uma posição mais privilegiada diante de Deus por causa da descendência física de Abraão. Todavia, Jesus negou essa possibilidade. O fato é que os pais só poderiam transmitir aos filhos a natureza que eles mesmos possuem. Todos os pais humanos têm a natureza pecadora e a transmitem aos filhos. Todas as pessoas nasceram em pecado. E nada que seja pecaminoso pode entrar no Reino de Deus (Jo 3.5). A única forma de a pessoa entrar para a família eterna do Senhor é pelo novo nascimento espiritual, e foi isso que Jesus enfatizou para Nicodemos” (RHODES, Ron. O Cristianismo Segundo a Bíblia. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2007, pp.138-9).

2.2. A fé que salva.
É necessário crer que Jesus Cristo é o enviado de Deus para nossa salvação. Ele morreu na cruz pelos nossos pecados e ressuscitou ao terceiro dia. Agora, está à direita de Deus e intercede por nós (At 16.31; 1Co 15.1-4; Hb 4.14-16). O apóstolo Paulo escreveu que “todos sois filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus” (Gl 3.26). Portanto, não se trata da “fé na fé”, ou meramente intelectual ou movida por caprichos e desejos pessoais. Mas a fé que é produzida a partir do anúncio da Palavra de Deus (Rm 10.14-17). É a fé que nos move a reconhecer a verdade do Evangelho, a Pessoa de Jesus Cristo e Sua obra. É pela fé que nos apropriamos desta verdade e confessamos a Jesus Cristo.
Professor, comente com os alunos[...]. O Avivamento Evangélico do século XVIII teve na figura de John Wesley o seu mais destacado representante. Mas, nem todos sabem que a Carta aos Romanos foi responsável pela profunda renovação espiritual de Wesley. O renovo espiritual que sacudiu a Inglaterra, na verdade, iniciou em 24 de maio de 1738, quando Wesley visitou uma comunidade cristã na rua Aldersgate. Naquela noite, estava sendo lido o Prefácio de Lutero concernente a Epístola aos Romanos. Assim Wesley se expressou em seu diário, às oito horas e quarenta e cinco minutos: “[...] enquanto ele estava descrevendo a mudança que Deus opera no coração pela fé em Cristo, senti meu coração aquecer-se estranhamente. Senti que confiava em Cristo, somente em Cristo, para a minha salvação. Foi me dada a certeza de que Ele tinha levado embora os meus pecados, sim, os meus. E me salvado da lei do pecado e da morte”. (Lições CPAD Jovens e Adultos » 2006 » 1º Trim)
Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? e como crerão naquele de quem não ouviram? e como ouvirão, se não há quem pregue?
De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus.(Rm10.14,17)

2.3. A obra da regeneração.
Não é bíblica a crença na bondade natural do ser humano como suficiente para produzir mudança tal que nos conduza a uma perfeição futura. Precisamos de uma intervenção divina. Sem ela não há solução para a necessidade de mudança na natureza humana. Esta mudança não se dá por reformas sociais ou pela educação. Não se dá pelo acúmulo de conhecimento, vide Nicodemos (Jo 3.10), que era mestre em Israel. Não se dá pelo batismo nas águas, vide Simão (At 8.13, 21). Mesmo após o batismo, ficar continuamente na companhia de Felipe e testemunhar os sinais e maravilhas, o seu coração não era reto diante de Deus. O batismo nas águas simboliza, mas não produz regeneração.

1. Nascer de Deus. É mediante a fé no sacrifício de Jesus que experimentamos uma nova vida. Somente o novo nascimento nos faz entrar numa nova relação com o Senhor, tornando-nos, verdadeiramente, filhos de Deus (1 Jo 3.1,2). A natureza espiritual desta nova relação vem de semente incorruptível, isto é, pela Palavra de Deus; é obra do Espírito Santo (cf. Jo 3.5-8), mediante as verdades vivas e eternas do evangelho de Cristo (1 Co 4.15).
Natureza humana só pode produzir natureza humana; e nenhuma criatura poderá elevar-se acima de sua própria natureza. A vida espiritual não passa de pai para filho de modo natural; ela procede de Deus: "O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito" (Jo 3.6,7).
Aquele que realmente nasceu de Deus está liberto da escravidão do pecado e passa a ter o desejo e a disposição espiritual de obedecer ao Senhor e andar sob a direção do Espírito Santo (v.2). (Lições CPAD Jovens e Adultos » 2009 » 3º Trim)
Qualquer que é nascido de Deus não comete pecado; porque a sua semente permanece nele; e não pode pecar, porque é nascido de Deus.(1Jo3.9)

3. A PARTICIPAÇÃO HUMANA
Evidentemente que existe a participação do homem. O teólogo e escritor Agostinho disse: “Deus, que te criou sem ti, não te salvará sem ti”. No evangelho de João 3.16. encontraremos “para que todo aquele que nele crer”.

3.1. A necessidade do arrependimento.
A primeira mensagem anunciada por João Batista, registrada no evangelho de Mateus foi: “Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus” (Mt 3.2). Em outro texto encontramos: “...começou Jesus a pregar e a dizer: “Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus” (Mt 4.17). Ao término da primeira pregação, após a descida do Espírito Santo, o apóstolo Pedro disse: “Arrependei-vos...” (At 2.38). O arrependimento faz parte da resposta humana à manifestação da graça de Deus. É uma exigência que Deus faz da parte do homem. Envolve mudança leva tanto a um afastamento do pecado quanto a voltar-se para Deus.
O termo “arrependimento” na Bíblia tem o sentido de contrição, tristeza e angústia do pecador diante de Deus, por seus pecados, e também voltar-se resoluto para Deus. É uma mudança total de rumo na vida: deixar a senda de pecado e caminhar de volta a Deus e, continuar a caminhar com Deus.
O arrependimento para a salvação não pode ser apenas um impulso de um momento. Precisa ser vivido na prática, na continuidade da vivência do cristão. Para tanto, há necessidade de renúncia quanto à velha vida (cf. 2 Co 5.17). Jesus disse: “Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz e siga-me” (Mt 16.24). Aqui está o ponto crítico da conversão de um pecador. A natureza humana, contaminada pelo germe do egoísmo, e da rebeldia contra Deus, reluta e resiste em dar lugar à renúncia dos interesses mesquinhos, carnais e efêmeros, para aceitar o senhorio de Cristo. (Lições CPAD Jovens e Adultos » 2000 » 2º Trim).

3.2. A necessidade da submissão.
A vida do discipulado envolve valores e atitudes tão contrárias ao mundo, tão diferentes do que vive a geração incrédula e corrompida, que só é possível pelo poder do Espírito Santo em nós. Pela ação sobrenatural da Palavra de Deus em nós. Em constante e progressiva comunhão com Jesus Cristo, a videira verdadeira. É a segunda ação da graça que se manifestou, primeiro para salvar, e depois, “ensinando-nos” (Tt 2.11-12). Qual o ensino? É preciso renúncia para viver neste “presente século sóbria, e justa, e piamente”. É o viver do discípulo de Jesus Cristo enquanto estiver debaixo do sol.
A renúncia dos discípulos de Jesus é diferente em comparação com discípulos de seitas que transmitem literalmente extremo fanatismo. No ministério de Jesus alguns discípulos abandonaram o Senhor, todavia outros não tiveram a mesma postura, renunciaram tudo e permaneceram espontaneamente fieis até o fim,
E dizia: Por isso eu vos disse que ninguém pode vir a mim, se por meu Pai não lhe for concedido.
Desde então muitos dos seus discípulos tornaram para trás, e já não andavam com ele.
Então disse Jesus aos doze: Quereis vós também retirar-vos?
Respondeu-lhe, pois, Simão Pedro: Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna. (Jo 6:65-68)

3.3. A permanente batalha espiritual.
É evidente que, após o novo nascimento, a fé, o arrependimento, a libertação do poder do pecado e passarmos a viver como discípulos de Jesus, há uma constante batalha: “Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne; e estes opõem-se um ao outro, para que não façais o que quereis” (Gl 5.17). Esta batalha somente encerrará quando ocorrer a glorificação, considerada, na soteriologia (estudo da salvação), como o último aspecto da salvação, a consumação da redenção do discípulo de Jesus. Após o novo nascimento, somos livres da obrigatoriedade de viver em pecado, ou seja, o pecado não é mais o nosso senhor, pois Cristo nos liberta do poder do pecado (Jo 8.34-35).
Vivenciamos, a cada dia, a possibilidade de pecar, pois ainda estamos na carne. Por isso precisamos estar em vigilância e oração. Porém, um dia, seremos transformados (1Co 15.52), o que é corruptível se revestirá da incorruptibilidade e o que é mortal se revestirá da imortalidade (1Co 15.53). Este dia será “quando ele se manifestar, seremos semelhante a ele; porque assim como é o veremos” (1Jo 3.2). Então seremos livres, também, da possibilidade de pecar (Ap 21.7, 27; 3,14) .(Revista do professor)

CONCLUSÃO
Assim é o início da caminhada cristã. A pessoa ouve a mensagem do Evangelho, o Espírito Santo age e ela reconhece que Jesus Cristo é o Salvador. A partir daí se submete ao Seu senhorio. É uma nova criatura. Nascida de novo, a pessoa agora pode viver a vida do discipulado.


Bibliografia
Biblia de estudo pentecostal, Almeida revista e corrigida, Rio de Janeiro, CPAD
Revista EBD Betel Dominical Professor - 3 trimestre 2017, ano 27, número 104 - Editora Betel
PAE - Plano de Aula Expositiva - Auxílio EBD - http://editorabetel.com.br/auxilio/beteldominical/


1. Qual é a condição para ver e entrar no Reino de Deus?
R: Nascer de novo (Jo 3.3, 5).

2. O que o batismo nas águas não produz?
R: Regeneração (At 8.13, 21).

3. Qual foi a primeira mensagem anunciada por João Batista?
R: “Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus” (Mt 3.2).

4. Do que o arrependimento faz parte?
R: Da resposta humana a manifestação da ação da graça de Deus (Mt 4.17).

5. Quem nos liberta do poder do pecado?
R: Jesus Cristo (Jo 8.34-35).



                                AGORA VAMOS AOS VÍDEOS SOBRE ESTA LIÇÂO.  TENHA BOM ESTUDO !                                  
Antes de Assistir os vídeos, se a radio do site estiver tocando, suba a página até a radio e 
toque no vídeo da musica que estiver tocando para interromper o som.
               

                 
                
                  

                    
                                     
                                                                                                                                                                              
[     

Estimado professor, quando um versículo bíblico não é interpretado corretamente pode gerar uma doutrina incorreta sobre determinado assunto, nós assembleianos interpretamos João 3:5 diferente dos irmãos da CCB, vejamos:



                                                         MUSICA ESCOLHIDA DESTA SEMANA                                                               
Antes de Assistir os vídeos, se a radio do site estiver tocando, suba a página até a radio e 
toque no vídeo da musica que estiver tocando para interromper o som.

  Nascer de Novo   
Duração: 4:00 minutos - Rayssa e Ravel 

                                                                                                                                                                              

Nenhum comentário:

Postar um comentário