segunda-feira, 24 de julho de 2017

Lição 5 - A evangelização de grupos específicos

Aula presencial dia 30 de Julho de 2017

Estimado professor,   acredito que já tenha percebido que nosso slide semanal traz uma abordagem completa de todos os pontos abordados na lição. É um resumo da lição fazendo uso de uma metodologia moderna de ensino,  tornando-o mais eficiente e efetivo. Aplica-se ao conteúdo da lição, ilustrações com figuras relacionadas com cada tópico a ser ensinado.  Faça bom uso !  Baixe o Slide, Tenha liberdade de alterá-lo se desejar, Divulgue e Compartilhe.


1 - Ensinar quer o amor divino nos inspira a evangelizar grupos específicos;
2 - Enfatizar a necessidade de se evangelizar grupos que sofrem abandono;
3 - Mostrar como podemos alcançar os diversos grupos de viciados, encarcerados e ex-presidiários.

 Texto Áureo
“Porque o Filho do Homem veio buscar e salvar 
o que se havia perdido”. (Lucas 19.10)

Verdade Aplicada
Ao evangelizar grupos que estavam à margem 
da sociedade, Jesus não somente nos deu um exemplo, 
como também nos confiou um legado.
  
Motivo de Oração
Louve a Deus pelas igrejas, hospitais e livrarias cristãs 
que compartilham as boas novas.

Hinos sugeridos.
Antes de Assistir os vídeos, se a radio do site estiver tocando, suba a página até a radio e 
toque no vídeo da musica que estiver tocando para interromper o som.

12 - Vem já Pecador

166 - Deixa entra o Rei da Glória

172 - Ó vem te Entregar


 Lucas 19:1-5 
1 - E, tendo Jesus entrado em Jericó, ia passando.
2 - E eis que havia ali um varão, chamado Zaqueu; e era este um chefe dos publicanos e era rico.
3 - E procurava ver quem era Jesus e não podia, por causa da multidão, pois era de pequena estatura.
4 - E, correndo adiante, subiu a uma figueira brava para o ver, porque havia de passar por ali.

5 - E, quando Jesus chegou àquele lugar, olhando para cima, viu-o e disse-lhe: Zaqueu, desce depressa, porque, hoje, me convém pousar em tua casa.


Segunda-Feira –  Marcos 10:45 
10 : 45 Porque o Filho do homem também não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos.

Terça-Feira –  Lucas 19:6 
19 : 6 E, apressando-se, desceu, e recebeu-o alegremente.

Quarta-Feira –  Lucas 19:7 
19 : 7 E, vendo todos isto, murmuravam, dizendo que entrara para ser hóspede de um homem pecador.

Quinta-Feira –  Lucas 19:8 
19 : 8 E, levantando-se Zaqueu, disse ao Senhor: Senhor, eis que eu dou aos pobres metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado.
  
Sexta-Feira –  Lucas 19:9 
19 : 9 E disse-lhe Jesus: Hoje veio a salvação a esta casa, pois também este é filho de Abraão.

Sábado –   Lucas 19:10 
19 : 10 Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido.
Lucas 19:10


IMPORTANTE
Apresento neste BLOG o Esboço da Lição e os comentários como 
professor de EBD em cima do PAE - PLANO DE AULA EXPOSITIVA 
NÃO APRESENTO O CONTEÚDO COMPLETO DIGITALIZADO DAS REVISTAS
TENHA SUA REVISTA EM MÃOS E FAÇA UM BOM ESTUDO !




ESBOÇO DA LIÇÃO
Introdução
1. O inspirador amor de Jesus.
2. Os grupos dos nossos dias,
3. Outros grupos a serem evangelizados.
Conclusão.
Clique aqui para Visualizar o PAE (Plano de Aula Expositiva) da Editora Betel



                   

TEXTO ÁUREO.
“Porque o Filho do Homem veio buscar e salvar o que se havia perdido”.
(Lc 19.10)
Dentre os perdidos que Jesus veio buscar e salvar está à família, pergunte para os alunos: Você está orando pela salvação de toda a sua família? Não desanime, busque-o, ele é fiel para cumprir sua palavra.
“Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa” (At 16.31).

VERDADE APLICADA.
Ao evangelizar grupos que estavam à margem da sociedade, Jesus não somente nos deu um exemplo,como também nos confiou um legado.
É comum utilizarmos a palavra marginal quando nos referimos a pessoas criminosas, mas na verdade marginais são todas as pessoas que estão excluídas da sociedade, ou seja, estão às margens da sociedade. (rejeitadas pela sociedade).
"marginal", Que ou quem vive à margem da sociedade.
 https://www.priberam.pt/dlpo/marginal [consultado em 25-07-2017].


INTRODUÇÃO
A graça de Deus que se manifestou trouxe salvação a “todos os homens” (Tt 2.11), indicando assim o caráter universal do Evangelho. Na evangelização, não há lugar para preconceito e discriminação.
Professor seria muito importante antes de falar de evangelização de grupos específicos, abordarem a importância da graça neste processo. Seja breve,de uma sintetizada utilizando no  Maximo  5 min.
A graça comum. Graça vem da palavra hebraica hessed, e do termo grego charis, cujo sentido mais comum é o de “favor imerecido que Deus concede ao homem, por seu amor, bondade e misericórdia”. A partir dessa conceituação, podemos ver a “graça comum”, pela qual Deus dá aos homens as estações do ano, o dia, a noite, a própria vida, ou seja, todas as coisas (At 17.25b).
A graça salvadora. “Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens” (2.11). Está à disposição de “todos os homens”, mas só é alcançada por aqueles que creem em Deus, e aceitam a Cristo Jesus como seu único e suficiente Salvador. Por intermédio dela, Deus salva, justifica e adota o pecador como filho (Jo 1.12).
Graça justificadora e regeneradora. A Graça de Deus é a fonte da justificação do homem (Rm 3.21-26). Uma vez nascida de novo, a pessoa passa a ser “nova criatura” (2Co 5.17), tomando parte na família de Deus: “Assim que já não sois estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos Santos e da família de Deus” (Ef 2.19).
Graça santificadora. A graça de Deus só pode ser eficaz, na vida do convertido, se ele se dispuser a negar-se a si mesmo para ter uma vida de santidade. A falta de santificação anula os efeitos da regeneração e da justificação. Diz a Bíblia: “Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor” (Hb 12.14). (Lições CPAD Jovens e Adultos 2015 » 3º Trim.)
A graça de Deus que se manifestou trouxe salvação a “todos os homens” (Tt 2.11).

1. O INSPIRADO AMOR DE JESUS.
Jesus compartilhou a mensagem do Reino de Deus com pessoas que eram discriminadas, como por exemplo, os publicanos e as meretrizes. O amor do Senhor não via empecilhos, mas oportunidade de pregar-lhes a salvação.
E Jesus, tendo ouvido isto, disse-lhes: Os sãos não necessitam de médico, mas, sim, os que estão doentes; eu não vim chamar os justos, mas, sim, os pecadores ao arrependimento. (Mc 2.17.).

1.1. O amor que busca o pecador.
Nas lições anteriores estudamos sobre o amor que o pregador do evangelho deve sentir pelas almas, neste tópico vamos enfatizar o grande amor que Jesus demonstrava pelo pecador, no caso especifico Zaqueu:
Zaqueu era um funcionário público, coletor de impostos para Roma. Porém. Era judeu, e pela qualidade do serviço que fazia era tratado de maneira discriminada por seus conterrâneos. Por prestar serviços de arrecadação a uma nação pagã, que fazia o seu povo tributário, era desprezado e odiado pelos homens. Ele ouviu a respeito deste Jesus que acolhia os coletores de impostos e os pecadores, e seu coração se encheu de esperança. Ele se esforçou, desejou ver Jesus e o resultado foi maravilhoso, porque Jesus o chamou pelo nome (Lc 19.5). O amor de Jesus pelos perdidos é inigualável, vai além do que podemos imaginar (Rm 5.8).
Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores.(Rm5.8).
Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a sua vida pelos seus amigos.(Jo 15.13).

1.2. O amor misericordioso.
“Misericórdia” Sentimento de dor e solidariedade causado pela miséria alheia; (dic. Caudas aulete)
Jesus, exemplo maior de solidariedade[...]
Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício. Porque eu não vim a chamar os justos, mas os pecadores, ao arrependimento. (Mt 9.13).
A solidariedade de Jesus acha-se primeiro na encarnação e morte substituta e sacrifical (Mt 8.16,17). Ele assumiu a natureza humana completa, exceto o pecado (Fp 2.5-8). Revestiu-se de carne, a fim de satisfazer as necessidades espirituais dos homens (Jo 1.14; 3.16). Sua identificação com a humanidade foi tão profunda que, sendo rico, tornou-se pobre; santo, foi crucificado como um pecador, “para que, pela sua pobreza, enriquecêsseis” (2Co 8.9). Os atos solidários de Jesus foram movidos por íntima compaixão e misericórdia (Mt 14.14; 15.32; 20.34).
E, Jesus, saindo, viu uma grande multidão, e possuído de íntima compaixão para com ela, curou os seus enfermos.(Mt 14.14)
Zaqueu acolheu Jesus em sua casa alegremente, mas todos os que viram isso murmuraram contra o Mestre. As pessoas estavam tão insensíveis às necessidades espirituais de Zaqueu que não conseguiam vê-lo como um homem carente de salvação. Mas Jesus viu, e, por isso, entrou em sua casa (Lc 19.9; Ap 3.20). O arrependimento de Zaqueu foi instantâneo, e, diante disso, ele tomou diversas resoluções para demonstrar sua mudança. Quando Jesus anunciou que ficaria em sua casa, Zaqueu descobriu que tinha encontrado um amigo novo e maravilhoso. Deus sempre vê o que há no coração humano, mesmo que por fora venhamos aparentar algo diferente. Ele sabe quem somos e como nos alcançar (1Sm 16.7).

1.3. O amor perdoador.
Ainda há muito a se fazer em prol das pessoas carentes de afeição, amizade e de perdão divino. Para isso, devemos nos inspirar no amor oferecido por Jesus aos pecadores. Quem diria que Levi, um cobrador de impostos, viesse a se tornar o escritor do primeiro evangelho? O amor divino enxerga algo precioso naqueles que, aos olhos humanos, são desprezíveis e sem futuro. Existem pessoas que irão muito além do que podemos pensar, por isso, precisamos alcançá-las (Is 12.3-4).
Se tratando do plano de salvação e perdão dos pecadores, Jesus nunca fez e não faz acepção de pessoas, devemos fazer o mesmo:
Todavia, se cumprirdes, conforme a Escritura, a lei real: Amarás a teu próximo como a ti mesmo, bem fazeis. Mas, se fazeis acepção de pessoas, cometeis pecado e sois redarguidos pela lei como transgressores” (Tg 2.8,9).
Acepção: Predileção por alguém; tendência em favor de pessoa(s) por sua classe social. (Lições CPAD Jovens e Adultos »  2014 » 3º Trimestre)

2. OS GRUPOS DOS NOSSOS DIAS.
A identificação de diversos grupos sociais contribuirá na contextualização da mensagem do Evangelho e no estabelecimento de estratégias buscando promover ações inclusivas, pois todos os segmentos sociais devem ser alcançados pela evangelização.

2.1. Comunidades carentes.
As comunidades carentes, além do abandono social, sofrem bastante por causa da pressão espiritual. O morador tem que conviver diariamente com a baixa moralidade, o uso de drogas ilícitas e o tráfico. Muito já se foi feito, mas ainda há muito o que se fazer para melhorar as condições de vida e segurança dessas pessoas (Ec 4.1). O tempo não nos espera. Como Igreja, devemos agir urgentemente. Onde houver uma alma, ali há um campo missionário.
“Evangelização e Responsabilidade Social
O nosso próximo é uma pessoa, um ser humano, criado por Deus. E Deus não o criou como uma alma sem corpo (para que pudéssemos amar somente sua alma), nem como um corpo sem alma (para que pudéssemos preocupar-nos exclusivamente com seu bem-estar físico), nem tampouco um corpo-alma em isolamento (para que pudéssemos preocupar-nos com ele somente como um indivíduo, sem nos preocupar com a sociedade em que ele vive). Não! Deus fez o homem um ser espiritual, físico e social. Como ser humano, o nosso próximo pode ser definido como ‘um corpo-alma em sociedade’. Portanto, a obrigação de amar o nosso próximo nunca pode ser reduzida para somente uma parte dele. Se amamos o nosso próximo como Deus o criou (o que é mandamento para nós), então, inevitavelmente, estaremos preocupados com o seu bem-estar total, o bem-estar do seu corpo, da sua alma e da sua sociedade. [...] É verdade que o Senhor Jesus ressurreto deixou a Grande Comissão para a sua Igreja: pregar, evangelizar e fazer discípulo. E esta comissão é ainda a obrigação da Igreja. Mas a comissão não invalida o mandamento, como se ‘amarás o teu próximo’ tivesse sido substituído por ‘pregarás o Evangelho’. Nem tampouco reinterpreta amor ao próximo em termos exclusivamente evangelísticos” (STOTT, J. R. W. Cristianismo Equilibrado. 3.ed., RJ: CPAD, 1995, pp.60,61).

2.2. Crianças abandonadas.
No que diz respeito às questões familiares, nunca a sociedade brasileira viveu tempos tão difíceis como os atuais. Além de um número sem fim de casamentos dissolvidos, a sociedade conta ainda com a prostituição infantil e o abandono de crianças (Mt 19.13-14). É muito comum ver crianças vendendo balas, doces e outros produtos para ajudarem seus pais na renda familiar. Isso também acontece nos sinais de trânsito, onde muitas crianças são manipuladas pelos adultos para pedir dinheiro aos motoristas. Essas crianças deveriam estar na escola, ou sendo cuidadas pelos pais, mas, infelizmente, a falta de planejamento familiar, o desemprego e a miséria são a causa dessa tragédia.
Com relação a este assunto Jesus ainda nos diz:
E qualquer que receber em meu nome uma criança tal como esta, a mim me recebe.(Mt 18.5)
“A base bíblica para a evangelização de crianças não se resume no fato de que eles estão prontos para a salvação, nem somente no fato de carecerem da mensagem do evangelho tanto quanto os adultos. A própria Palavra de Deus nos manda fazer esse trabalho, e há mandamentos específicos sobre as crianças.
A Bíblia apresenta algumas razões pelas quais devemos evangelizar as crianças:
1. É mandamento bíblico (Dt 4.9,10; 6.6,7; Pv 22.6);
2. Jesus deu o exemplo, por isso devemos imitá-lo (Mt 18.2; Mc 9.36,37).
3. Todos pecaram, inclusive a criança (Sl 58.3; Rm 3.23). Atos como ira, obstinação, inveja, desobediência e mentira fazem parte da natureza humana.
4. Os infanto-juvenis possuem alma imortal (Ez 18.4).
5. A Bíblia esclarece que uma criança pode ser salva (Mt 18.6).
6. Jesus recebeu ‘perfeito louvor’ da boca dos pequeninos (Mt 21.16).
É bom saber que a salvação é para todos, sem excluir ninguém. Sem nenhuma restrição quanto a cor, raça, língua, religião e idade. A forma de receber a salvação também é única — a fé em Cristo (Jo 1.12). A verdadeira evangelização é global e, por fim, a evangelização das crianças é o cumprimento da vontade de Deus.
A infância é o período em que o coração e a mente estão mais predispostos à influência do evangelho. Uma criança ganha para Cristo representa uma alma salva e uma vida que poderá ser empregada no serviço do Mestre” (FIGUEIREDO, Helena. A Importância do Evangelismo Infanto-Juvenil. 2ª Edição. RJ: CPAD, 2012, pp.22,23). 

2.3. Anciãos.
A Igreja de Cristo deve ser um lugar de acolhimento e de companheirismo para as pessoas idosas (Is 1.17). Há igrejas que reúnem seus idosos para um tipo de culto chamado “culto da terceira idade”, ou “melhor idade”. Muitos anciãos vivem uma terrível solidão dentro de suas casas, por vários motivos: os filhos já casaram; um dos cônjuges faleceu, doenças, etc. Por isso se faz necessário planejar cultos evangelísticos visando alcançar pessoas dessa faixa etária também. Certamente, anciãos da igreja ainda podem cooperar muito no Reino de Deus.
È muito importante o funcionamento do departamento da terceira idade nas igrejas locais, com pessoas preparadas para este trabalho, na igreja onde congrego este departamento é coordenado por um casal muito abençoado que estão realizando um trabalho fantástico de assistência aos idosos sob supervisão do nosso amado Pastor.
Na melhor idade. A terceira idade, também chamada de melhor idade, é composta por aqueles que passaram dos sessenta anos. Em nossa sociedade, os idosos não são prezados, e algumas famílias chegam até a desampará-los. Muitos são colocados em casas de repouso, ou asilos, e lá permanecem sem assistência alguma. As Escrituras relatam que os mais velhos devem ser respeitados e ouvidos pelos mais novos (Js 23.1,2; Lm 5.12,14). O mandamento do Senhor de honrar o pai e a mãe continua válido para os dias atuais (Ef 6.1-3). (Lições CPAD Jovens e Adultos 2012 » 3º Trim.)

3. OUTROS GRUPOS A SEREM EVANGELIZADOS.
Evangelizar grupos específicos é reflexivo, desafiador e nos conduz a uma vida cristã prática. Se não fizermos algum tipo de trabalho em prol de nosso próximo, tudo mais será perda de tempo.

3.1. Alcoólatras e dependentes químicos.
O álcool e as drogas ilícitas (maconha, cocaína, crack, etc.) têm feito muitas vítimas e destruído muitas famílias ao redor do mundo (2Co 4.4). Algumas igrejas trabalham em conjunto com centros de recuperação e outras já possuem tais centros. É um trabalho que exige amor, paciência e muita determinação, porque pessoas que são dependentes químicos sofrem abstinências e uma série de problemas psíquicos, físicos e espirituais. Existe todo um processo até que possam ser reintegrados à sociedade. Muitos perdem suas famílias, emprego e autoestima. Felizmente, a igreja tem atuado junto a este grupo e realizado um bom trabalho, mas ainda há muito a fazer, porque novas drogas surgem a cada momento e os mais atingidos são os jovens.
A medida que a igreja vai crescendo, as possibilidades de ajudar grupos como esses também surgem. Qual seria a pessoa mais qualificada para falar a um dependente químico? Aqueles que se preparam para trabalhar com este projeto específico. Por esse motivo, é mais do que importante evangelizar sem discriminação ou preconceito. Precisamos entender que são almas carentes que estão nas ruas sendo arruinadas pelo vício (Lc 4.18).
Professor comente com a classe sobre a importância da realização de estudos e palestras para nossos jovens sobre o tema, temos muitos irmãos que são especialistas neste assunto e podem vaciná-los. Não podemos aguardar um de nossos adolescentes ou jovens serem vitimas desta maldição(drogas).A instrução é fundamental:
Filho meu, não te esqueças da minha instrução, e o teu coração guarde os meus mandamentos; (Pv 3.1)

Antes de Assistir os vídeos, se a radio do site estiver tocando, suba a página até a radio e 
toque no vídeo da musica que estiver tocando para interromper o som.


3.2. Encarcerados e ex-presidiários.
O número de pessoas presas no Brasil cresceu, intensificando uma tendência que fez o Brasil um dos três países do mundo com maior aumento da população carcerária nas últimas duas décadas (Mt 25.42-43). Essa é outra oportunidade que nos surge para anunciar o Evangelho. No entanto, é preciso se preparar, pois só aqueles que são qualificados em capelania carcerária possuem livre acesso para falar de Cristo nos presídios. Quando a igreja local cumpre o seu papel, ela também ajuda na reestruturação da sociedade (Lc 5.32; 15.4). Essas pessoas precisam voltar à sociedade. Com Cristo em suas vidas, elas se transformarão em agentes a serviço do Reino de Deus.
Lembrai-vos dos presos, como se estivésseis presos com eles, e dos maltratados, como sendo-o vós mesmos também no corpo. (Hb 13.3)
Ps. Aqueles que não estão qualificados para ir até os encarcerados, podem orar por eles.
Exorto, pois, antes de tudo que se façam súplicas, orações, intercessões, e ações de graças por todos os homens,(1Tm 2.1)

3.3. A batalha contra o mal.
A evangelização é a tarefa mais importante e urgente da Igreja: “E apiedai-vos de alguns...E salvai alguns, arrebatando-os do fogo...”  (Jd 22-23). Existem grupos de famílias desamparadas. Há homossexuais e prostitutas que precisam ser evangelizados. Há várias áreas onde podemos atuar. Cabe à liderança da igreja local, junto com a membresia, orar e buscar em Deus orientação sobre o assunto. Depois, então, traçar metas de evangelização junto a grupos específicos. Não devemos nos deixar levar pela emoção, mas pedir direção a Deus sobre qual grupo (ou grupos) a igreja evangelizará de modo efetivo.
A missão da Igreja é evangelizar a todos onde ela está plantada. A Igreja deve sair e espalhar a semente do Reino de Deus aos quatro cantos de seu território. No entanto, no que diz respeito a evangelização de grupos específicos, é necessário buscar a orientação de Deus para realizar um trabalho mais efetivo. O que não se pode é ficar parado enquanto vidas vão para o inferno (Ez 33.6).
Jesus pregava o evangelho da inclusão:
Vinde a mim, todos os que estai cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.
Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para as vossas almas.(Mt 11:28,29)

CONCLUSÃO
Busquemos conhecer os diversos grupos sociais que estão presentes na região da igreja local. Apresentamos ao Senhor em oração e peçamos a direção e capacitação necessárias do Espírito Santo, pois todos os segmentos sociais precisam ser alcançados pela mensagem da salvação.

Bibliografia
Biblia de estudo pentecostal, Almeida revista e corrigida, Rio de Janeiro, CPAD
Revista EBD Betel Dominical Professor - 3 trimestre 2017, ano 27, número 104 - Editora Betel
PAE - Plano de Aula Expositiva - Auxílio EBD - http://editorabetel.com.br/auxilio/beteldominical/


1. Como é o amor de Jesus pelos perdidos?
R: É inigualável, vai além do que podemos imaginar (Rm 5.8).

2. O que a Igreja de Cristo deve ser para as pessoas idosas?
R: Deve ser um lugar de acolhimento e de companheirismo (Is 1.17).

3. O que o álcool e as drogas ilícitas têm feito?
R: Muitas vítimas e destruído muitas famílias ao redor do mundo (2Co 4.4).

4. Quando a Igreja local cumpre o seu papel, qual é a sua ajuda?
R: Ela ajuda na reestruturação da sociedade (Lc 5.32; 15.4).

5. Qual é q tarefa mais importante e urgente da Igreja?

R: A evangelização (Jd 22.23).

                                AGORA VAMOS AOS VÍDEOS SOBRE ESTA LIÇÂO.  TENHA BOM ESTUDO !                                  
Antes de Assistir os vídeos, se a radio do site estiver tocando, suba a página até a radio e 
toque no vídeo da musica que estiver tocando para interromper o som.
                 

                 
                
                   [ Aguardando Postagem ]
                    abaixo o vídeo do Presb. Ademar da Silva Santos
                    
                                     
                                                                                                                                                                              
[     

Estimado professor, quer reforçar suas lições sobre o tema deste trimestre proposto pela Editora Betel ? Então não deixe de acessar todo o conteúdo desta temática no link abaixo e tenha uma riqueza de conteúdo com alguns cliques. 






Outra Revista muito boa sobre o tema foi publicada pela CPAD em 2007 - "A Igreja e a sua Missão", comentada pelo Pr. Elienai Cabral (Um luxo de Revista que a mantenho guardada na forma impressa no meu baú trancado a sete chaves).












                                                         MUSICA ESCOLHIDA DESTA SEMANA                                                               
Antes de Assistir os vídeos, se a radio do site estiver tocando, suba a página até a radio e 
toque no vídeo da musica que estiver tocando para interromper o som.

  A quem enviarei  
Duração: 4:30 minutos - Michelle Nascimento  

                                                                                                                                                                              

Nenhum comentário:

Postar um comentário