segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Lição 3 - A geração que duvidou da promessa de Deus e temeu seguir adiante.

Aula presencial dia 15 de janeiro de 2017



1 - Ensinar o que é procrastinação;
2 - Mostrar a necessidade de uma mentalidade sã;
3 - Deixar claro que a confissão de nossa fé deve estar em harmonia com o que Deus disse.

 Texto Áureo
Se te fatigas correndo com homens que vão a pé, como poderás 
competir com cavalos? Se tão-somente numa terra de paz estás 
confiado, que farás na enchente do Jordão?” (Jeremias 12:5)

Verdade Aplicada
Sempre surgirão obstáculos em nosso caminho. 
Se confiarmos no Senhor, venceremos!
  
Motivo de Oração
Ore pelos cristãos que vivem em áreas difíceis, que eles não 
deixem de confiar em Jesus.

Hinos sugeridos.
Antes de Assistir os vídeos, se a radio do site estiver tocando, suba a página até a radio e 
toque no vídeo da musica que estiver tocando para interromper o som.

18 - Grata Nova

126 -  Bem Aventurança do Crente

459 - As Firmes Promessas



Números 13:17-18; 25; 27-28
17 - Enviou-os, pois, Moisés a espiar a terra de Canaã e disse-lhes: Subi por aqui para a banda do sul e subi à montanha;
18 - E vede que terra é, e o povo que nela habita; se é forte ou fraco; se pouco ou muito;
     25 - Depois, voltaram de espiar a terra, ao fim de quarenta dias.
27 - E contaram-lhe e disseram: Fomos à terra a que nos enviaste; e, verdadeiramente, mana leite e mel, e este é o fruto.
28 - O povo, porém, que habita nessa terra é poderoso, e as cidades, fortes e mui grandes; e também ali vimos os filhos de Anaque.

Segunda-Feira – Números 13:33
13:33 Também vimos ali gigantes, filhos de Enaque, descendentes dos gigantes; e éramos aos nossos olhos como gafanhotos, e assim também éramos aos seus olhos. 

Terça-Feira – Salmos 5:11
5:11 Porém alegrem-se todos os que confiam em ti; exultem eternamente, porquanto tu os defendes; e em ti se gloriem os que amam o teu nome. 

Quarta-Feira – João 14:6 12
14:6 Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim. 
  
Quinta-Feira – Romanos 15:4
15:4 Porque tudo o que dantes foi escrito, para nosso ensino foi escrito, para que pela paciência e consolação das Escrituras tenhamos esperança. 

Sexta-Feira – Gálatas 5:13
5:13 Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não useis então da liberdade para dar ocasião à carne, mas servi-vos uns aos outros pelo amor. 

Sábado – Hebreus 11:6
11:6 Ora, sem fé é impossível agradar-lhe; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam.


IMPORTANTE
Apresento neste Blog a Lição Completa conforme a 
Revista Lições Bíblicas do Professor, os meus comentários 
estarão no final deste estudo. Logo após o "Questionário"

TENHA UM BOM ESTUDO !




Corpulência: Tamanho considerável de um ser humano;
Procrastinar: Deixar para outro dia ou para depois; adiar, delongar, postergar;
Relutância: Obstinação, teimosia, oposição.

ESBOÇO DA LIÇÃO
Introdução
1. A procrastinação de Israel.
2. Vencendo os temores.
3. As lições de uma porta fechada.
Conclusão

Introdução
Quando somos desafiados por Deus a começar algo em nossas vidas, temos a tendência de recuar porque o novo sempre nos amedronta. Assim, adiamos para “amanhã” as oportunidades que Deus nos oferece hoje.

1. A procrastinação de Israel.
Procrastinação vem de duas raízes latinas: “pro”, que significa “para adiante”; e “eras”, que significa “amanhã”. Procrastinar é prorrogar para amanhã o que o Senhor deseja realizar agora.

1.1. Procrastinar é ignorar o poder de uma promessa.
A ordem de Deus era simples: observar a terra, fazer um relato do que nela havia e depois conquistá-la (Nm 13.2), mas o medo se apossou deles de tal forma, que chegaram a ignorar até mesmo o porquê de estarem ali. A exposição da maioria temerosa atraiu a atenção do povo e, assim, eles adiaram a aceitação da promessa de Deus (Nm 13.31-33). A procrastinação é uma alternativa covarde. Ela nos faz ignorar a presença e o poder do Senhor na análise de um desafio. Então, o pânico nos atinge e, assim, adiamos uma ação ou decisão importante. 
SUBSÍDIO DIDÁTICO
Entrar na terra Prometida era para os filhos de Israel tanto uma bênção quanto um desafio. É preciso entender que a procrastinação traz perda, atraso e perigo. Ela impede a realização das promessas de Deus quando resistimos por medo ou incredulidade. A procrastinação é o temor que esqueceu o prometido nas orações. Duvidar do que sabemos ser a vontade de Deus é um grande mal (Tg 1.6). O Senhor nunca volta atrás em Sua Palavra. O medo produz a dúvida e a dúvida gera a incredulidade (1Jo 4.18). Quem procrastina pode estar a um passo do fracasso e Israel é um forte exemplo para todos nós.

1.2. Procrastinar é deturpar uma realidade presente.
Os israelitas usaram da imaginação para formar um quadro do pior (Pv 3.25). O Epitáfio da morte da coragem deles foi expresso nas palavras da maioria (Nm 13.33). A imagem que eles tinham de si mesmos era depreciativa (Tg 1.6). Eles se tornaram no que pareciam aos seus próprios olhos: gafanhotos impotentes e insuficientes! Foi desse modo que agiram e reagiram. 
SUBSÍDIO DIDÁTICO
Deus não enviou os espias para fazer um relatório comparativo de quem eram diante dos outros povos, apenas os enviou para observar a terra, seus moradores, se a terra era boa, e que trouxessem o fruto para mostrar a seus irmãos (Nm 13.17-20) Com certeza, não era esse o relatório fúnebre que o Senhor queria que o povo ouvisse.

1.3. A procrastinação pode se tornar uma infecção contagiosa.
O terror implantado no coração dos dez espias se espalhou e infectou toda a nação. As circunstâncias podem variar, mas isso não invalida o que Deus já disse. Tanto atrasar uma decisão quanto não decidir pode ser desastroso (Hb 12.15). Naturalmente, há tempos de espera quando ficamos atentos às ordens de Deus para avançar. Essa é uma época criativa e necessária. Não é procrastinação, é esperar até obter sinais claros do Senhor antes de agir. Procrastinação é a relutância em pôr em ação o que Ele já tornou abundantemente claro.  
SUBSÍDIO DIDÁTICO
As decisões que tomamos hoje afetarão de forma radical a ousadia espiritual ou a falta dela na vida de outras pessoas. É interessante como as pessoas estão no mesmo lugar, vendo uma mesma coisa, mas a forma de interpretar pode ser diferente em cada uma delas (Jó 20.3-8). Nosso problema não está em não compreender certas coisas, mas no que compreendemos e falhamos em obedecer. Apesar de verem diversas evidências dos milagres de Deus e de Sua provisão, eles desejaram voltar para o Egito! É difícil de acreditar, mas é a pura verdade. Por esperar tempo demasiado podemos perder a capacidade de dizer “agora” e dizer “não”. Ao dizer “não”, o povo desprezou a grande oportunidade de sua vida. Eles não disseram “não” para a terra, mas para Deus e Seu projeto.

2. Vencendo os temores.
Os homens retornaram da investigação da Terra Prometida impressionados pela estatura e corpulência dos habitantes de Canaã. Eles, além de se desqualificarem, se declararam inferiores, devido ao medo que portavam em seus corações.

2.1. O medo nos torna impotentes e improdutivos.
As dificuldades e os problemas da vida são oportunidades para observar a intervenção de Deus em nosso favor. O cuidado do Senhor para com o seu povo é sempre permanente. O segredo do sucesso é a total confiança em Deus. O homem faz o possível e o impossível é tarefa de Deus (Lc 18.27). O propósito de Deus era que os israelitas chegassem à Terra Prometida. Após a escravidão e o sofrimento no deserto, o povo de Deus deveria apossar da herança que lhes pertencia. Todavia, a mentalidade determina grande parte nos resultados desejados. Ninguém deve sentir-se derrotado antes de entrar na batalha. Não se deve declarar ser incompetente antes de haver tentado. Pior que perder é nunca ter lutado. O temor paralisa o ser humano, o inutiliza e o conduz a uma vida improdutiva (Nm 13.31-32). 
SUBSÍDIO DIDÁTICO
O povo que vivia em Canaã era forte e suas cidades eram fortificadas. E o mais assustador de tudo é que os espias haviam visto os filhos de Anaque, os gigantes da terra. O medo é comum aos seres humanos (1Jo 4.18). Mesmo com medo, eles deveriam ao menos recordar o que Deus já lhes havia prometido entregar aquela terra (Js 1.13).

2.2. Outro espírito, outra maneira de ver.
O relatório dado por Calebe e Josué era corajoso e ousado. Calebe atrai a nossa atenção e admiração quando diz: “Subamos animosamente e possuamo-la em herança; porque certamente prevaleceremos contra ela” (Nm 13.30). Admiramos sua prontidão, ousadia e intrepidez. A perseverança e a obediência de Calebe renderam-lhe a promessa do Senhor de que ele entraria na Terra Prometida (Nm 14.24). Calebe estava cheio do Espírito do Senhor e ele seguia ao Senhor sem discussão. Para ele, gigantes eram gafanhotos, pois ele os via de outra forma. 
SUBSÍDIO DIDÁTICO
Deus observou que em Calebe havia um espírito guerreiro, capaz de crer em Suas palavras. Ele afirmou que Calebe era um homem de perseverança, que é a qualidade de uma pessoa que não desiste com facilidade. E, diante de todos, o Eterno disse que, por sua coragem e intrepidez em seguir ao Senhor (Nm 14.24) ele e a sua descendência já estavam assegurados na possessão da terra da promessa. 

2.3. O medo nos faz esquecer o que devemos sempre lembrar.
Os espias viram como o Senhor abriu o Mar Vermelho, experimentaram a provisão de maná no deserto e desfrutaram da proteção de uma coluna de nuvem que o Criador tinha colocado sobre eles para livrá-los no deserto. Antes de ver os gigantes em Canaã eles já conheciam a grandeza do Senhor, porém, se esqueceram que Deus estava do seu lado (Dt 11.2-7). As experiências da fidelidade de Deus no passado são importantíssimas para enfrentarmos o futuro. Não existe gigante superior à enormidade do Criador. Nenhum exército pode deter a mão estendida do Altíssimo. Não há nenhuma força das trevas que possa fazer tropeçar aqueles que confiam em Deus (Sl 5.11).

SUBSÍDIO DIDÁTICO
Quando se tem uma mentalidade de gafanhoto, é possível esquecer-se prontamente das maravilhas operadas por Deus, ignorar Seus poderosos atos de misericórdia e discordar das bênçãos que estão à nossa frente (Dt 3.24). Cada cristão deve derrubar seus gigantes e tomar posse da herança que o Senhor Deus colocou diante dele. Muitos aproveitam as oportunidades, enquanto outros deixam passar. Na vida, há vencedores e perdedores; protagonistas e espectadores; espias medrosos e espias valentes.

3. As lições de uma porta fechada.
Os dez espias deram os seus informes negativos e desanimaram todo o povo, porém Josué e Calebe apoderaram-se da fé e encorajaram toda a congregação a herdar a Terra Prometida. Josué e Calebe nos ensinam que a verdadeira fé é a semente que tem como fruto a obediência e a justiça.

3.1. Nossas palavras ditam a nossa sentença.
Uma atitude impensada pode causar danos muito sérios às nossas vidas (Mt 12.37). É preciso lembrar da exortação de Jesus Cristo quanto à relação que existe entre palavras e coração ( Mt 12.34). Desde o início o povo murmurava e dizia sobre morrer no deserto (Êx 14.11; 16.3; Nm 14.2). A porta que estava aberta se fechou, o privilégio foi tirado e a palavra que saiu de seus lábios tornou-se a sentença de suas vidas (Nm 14.2).

SUBSÍDIO DIDÁTICO
O decreto divino foi um amargo desapontamento para Moisés, Arão, Calebe e Josué, sendo que os últimos tiveram que acatar a decisão divina, andar errantes no deserto e esperar até que os muitos anos se passassem (Js 14.7, 10). O Eterno Deus perdoa nossas ignorâncias, mas infelizmente, existem coisas que jamais teremos a oportunidade de conquistar outra vez. É preciso entender que o Senhor os perdoou, mas permitiu que suas vidas se gastassem sem chegar ao lugar da promessa, até o dia de sua morte. Precisamos compreender que o perdão é concedido, mas algumas oportunidades jamais serão restabelecidas (Nm 14.18-20). 

3.2. Dizer o mesmo que Deus disse.
As atitudes podem tanto nos fazer decolar quanto sucumbir. A escolha é sempre nossa. Deus propõe, apresenta, revela. Nós precisamos decidir, escolher (Dt 30.19). O termo usado para confissão é “homologeo” (“homos”, o mesmo; “lego”, falar), que significa, literalmente, “falar de uma mesma forma, concordar, declarar, admitir”. Nossa confissão jamais pode ser diferente daquilo que Deus nos assegurou. Se Ele disser “vida” não podemos dizer “morte”. Se disser “vitória” não podemos pensar em “derrota”. Nossa confissão deve ser de acordo com aquilo que saiu da boca de Deus (2Co 4.13b).

SUBSÍDIO DIDÁTICO
No momento em que os filhos de Israel resolveram recusar a terra, porque estavam amedrontados, eles desconsideraram toda a promessa que o Eterno lhes havia feito e anularam tudo o que viram da parte de Deus com apenas um Gesto. Embora a terra fosse habitada por gigantes e estivesse totalmente cercada, o povo deveria crer no que Deus disse (Dt 30.16-18). Por causa de sua incredulidade. Eles trocaram uma terra fértil e abençoada por túmulos nas areias do deserto.

3.3. Oportunidades podem ser ímpares na vida.
Uma porta aberta nos fala de uma oportunidade específica para um propósito específico, em um tempo específico, em um lugar específico. Portanto, é algo que possivelmente não voltará a acontecer. Por isso, precisamos do entendimento de Deus e usar a autoridade que nos foi concedida. Precisamos entender o tempo que o Senhor Deus está nos indicando e atravessar pelas portas que o Eterno está nos abrindo (1Co 16.9). Assim, não desperdiçaremos nossas vidas envolvidos com coisas que podem nos embaraçar, quando deveríamos realizar os propósitos de Deus para nós.

SUBSÍDIO DIDÁTICO
Existe um projeto divino para nossas vidas e será uma grande tragédia permitir que a vida passe sem descobrirmos a razão pela qual estamos aqui. Ter uma grande porta aberta é entender as grandes oportunidades que o Senhor Deus nos proporciona. Sem sombra de dúvida, Calebe e Josué se tornaram os destaques de uma geração. Eles traziam consigo a certeza de que Deus jamais falhou. Certamente, eles viram seus amigos e irmãos perecerem pela dureza de seus próprios corações. Algo que não precisava acontecer se eles tivessem aproveitado a oportunidade que lhes fora dada (1Co 7.21).

Conclusão
Não devemos permitir que os gigantes nos impeçam de conquistar o que o Senhor tem para os Seus. Deus nos resgatou e nos nomeou para que frutifiquemos. Se estamos nEle, então que possamos crer, mesmo que tudo pareça contrário e impossível para nós.



1. O que significa procrastinar?
R: Prorrogar para amanhã o que o Senhor deseja realizar agora (Nm 13.31).

2. Qual foi a simples ordem dada aos espias?
R: Observar a terra, fazer um relato do que nela havia e depois conquistá-la (Nm 13.2).

3. Qual a imagem que os dez espias tinham de si mesmos?
R: Depreciativa (Tg 1.6).

4. O que o Senhor viu em Calebe?
R: “Outro espírito” (Nm 14.24).

5. O que uma atitude impensada pode causar as nossas vidas?
R: Danos muito sérios (Mt 12.37).

Lição 3 – A Geração que duvidou da promessa de Deus e temeu seguir adiante
Que assunto maravilhoso, você é do tipo daquelas pessoas que gosta de deixar tudo para ser resolvido no futuro? Sempre anda dizendo “Hoje não tenho tempo, amanhã eu resolvo” , “Não tenho tempo para fazer visitas as pessoas enfermas, quando aposentar vou ajudar neste trabalho”, etc. Você vive procrastinando ? Você tem uma mentalidade sã ? Sua fé anda segundo a vontade de Deus ? É disso que vou comentar nesta lição.

1.    A PROCRASTINAÇÃO DE ISRAEL
A ordem de Deus para o povo de ISRAEL era OBSERVAR a terra, RELATAR o que havia na terra e CONQUISTA-LA.  Lembra-se da aula passada? Uma das condições para Deus operar o milagre em nossa vida é enxergarmos as circunstâncias e os obstáculos da vida com uma visão espiritual. Doze espias foram enviados, Josué e Calebe enxergaram as bênçãos e a conquista daquelas terras com uma visão espiritual, os outros dez espias viram que a terra realmente manava leite e mel, todavia, através de uma visão carnal, se amedrontaram, recuaram e procrastinaram a conquista, ou seja, adiaram a aceitação das promessas de Deus.
Segundo nosso comentarista, a procrastinação pode nos impedir de receber as promessas de Deus pelos seguintes motivos:
❶A procrastinação é uma alternativa covarde
❷A procrastinação ignora a presença e o poder de Deus frente aos desafios
❸A procrastinação traz perda, atraso e perigo
A procrastinação nos leva a resistir a realização das promessas de Deus por medo
      ou por incredulidade (se já conhecemos a vontade de Deus, porque duvidar?)
A procrastinação pode levar a pessoa ao fracasso. Reflete uma visão carnal.
❻A procrastinação transforma uma realidade de "conquistas" em "derrotas".
     Tornando sua vítima em pessoa depressiva e de falta de autoestima.
A procrastinação traz insegurança e medo, podendo tornar-se uma infecção
      contagiosa, que paralisa e impede outras pessoas de caminhar à frente.

2.    VENCENDO OS TEMORES
O medo é a principal causa da procrastinação. Veja bem, Os dez espias ficaram temerosos em relação aos gigantes que viviam na terra prometida. O medo destes homens contaminou toda a nação de Israel que recuou e não quis tomar a posse da terra prometida. Estes homens viram Deus operar maravilhas no deserto, todavia, ficaram incrédulos, esqueceram as maravilhas que Deus fez no passado. O temor, o medo é um problema na mente, a mente da pessoa não está sã. É importante estar com a mente sã porque é ela que determina grande parte nos resultados desejados.

Segundo nosso comentarista, o temor traz uma série de consequências para os homens:
❶O Temor leva a pessoa a se desqualificar, se sentir inferior e se sentir incompetente;
O Temor faz a pessoa sentir-se derrotada antes de entrar na batalha;
O Temor faz a pessoa perder sem lutar;
O Temor leva a pessoa ao fracasso pois evidencia a falta de fé;
O Temor paralisa o ser humano, o inutiliza e o conduz a uma vida improdutiva;
O Temor faz a pessoa esquecer das promessas de Deus para sua vida.

Neste tópico “Vencendo os Temores”, aprendemos também que:
O segredo do sucesso é a total confiança em Deus.
O homem faz o possível e o impossível é tarefa de Deus.
Não se deve declarar ser incompetente antes de haver tentado.
A perseverança e obediência fazem as promessas de Deus se cumprirem 
      na nossa vida.
Quando estamos cheios do Espírito Santo seguimos o Senhor sem discussão.
As experiências da fidelidade de Deus no passado são importantíssimas 
     para enfrentarmos o futuro.
Muitos aproveitam as oportunidades, enquanto outros deixam passar.

3.    AS LIÇÕES DE UMA PORTA FECHADA
Esta rica Lição, ainda trouxe mais alguns ensinamentos neste tópico, vejamos:
A verdadeira Fé é a semente que tem como fruto a obediência e a justiça.
Uma atitude impensada pode causar sérios danos às nossas vidas.
Nossas palavras ditam a nossa sentença.
      Israel murmurava e dizia que iria morrer no deserto.
       Deus perdoou Israel, mas os murmuradores realmente morreram no deserto.
Nossas atitudes podem tanto nos fazer decolar como sucumbir
Deus propõe, apresenta e revela suas promessas.
      Nós precisamos decidir escolher “conquistar as promessas”
Nossa confissão deve ser de acordo com aquilo que saiu da boca de Deus.
Precisamos de entendimento para identificar o tempo ou o momento de atravessar       
      as portas abertas e conquistar as promessas de Deus.

MENTALIDADE DE GAFANHOTO
Vale a Pena - Pregação Pr. Silmar Coellho Sobre o Tema da Lição (Nm 13:25)
Recomendo adiantar o vídeo e ouvir a partir do minuto 00:21:00
Antes de Assistir os vídeos, se a radio do site estiver tocando, suba a página até a radio e 
toque no vídeo da musica que estiver tocando para interromper o som.
Apimentando o Assunto

É VERDADE QUE AS NOSSAS PALAVRAS TEM PODER ?
Amados, o comentarista colocou que “Nossas palavras ditam a nossa sentença” isso quer dizer que nossas palavras tem poder ? Será que nosso comentarista andou lendo algum livro de “confissão positiva” ? Vamos entender melhor esta questão.
No caso especifico de Israel, as palavras que eles proferiram murmurando e dizendo que iriam morrer no deserto acabou sentenciando e acontecendo conforme eles pronunciavam, mas ... não porque as palavras deles tinham algum poder sobrenatural, mas sim porque revelou a incredulidade deles diante das promessas de Deus.
Precisamos de equilíbrio para responder se a palavra do crente tem algum poder, vejamos: A palavra do crente não tem poder sobrenatural, não pode realizar nada, se fosse assim poderíamos sair dizendo para a violência acabar e acabaria, poderíamos acabar com as guerras, com as doenças, resolveríamos todos os problemas do mundo através das nossas palavras. Todavia, ao mesmo tempo que nossas palavras não tem poder sobrenatural, elas tem poder para trazer consequências boas ou ruins dependendo da forma como são mencionadas. Por exemplo: Se você costuma criticar seu filho por tudo o que ele faz, ele vai se entristecer e perder a autoconfiança. Se você chama seu filho de imprestável, ele vai colocar isso na cabeça e vai se tornar uma pessoa com baixa estima e até improdutiva. Se você maltrata alguém com suas palavras, isso vai trazer o ódio, a amargura. Se você menospreza as pessoas com suas palavras isso vai acabar afetando o relacionamento. Esse é o poder que as palavras têm. Quando usamos nossa boca para murmurar de Deus, estamos impedindo as bênçãos futuras, visto que nossas palavras denunciam nossa incredulidade. Este conceito é diferente de estar aderindo a prática e ensinos neopentecostais como a chamada “Confissão Positiva”.
Confissão positiva: esse ensino também é conhecido como “palavra da fé”. Segundo o mesmo, se o cristão crê firmemente em algo e o declara de modo convicto e explícito, aquilo que ele confessa irá acontecer, pelo poder da fé. Assim, a fé é vista como um poder que tem eficácia em si mesmo. A idéia é que Deus já nos deu as suas bênçãos, as suas promessas. A única coisa que temos a fazer é nos apropriar das mesmas, pela fé. A fé libera o poder e as bênçãos de Deus. Sem essa fé, Deus nada pode fazer. E o que ativa essa força ou poder da fé são as palavras. Se alguém fala palavras de fé, obtém bons resultados e vice-versa (confissão positiva ou negativa). Tudo o que nos acontece é consequência direta das nossas palavras. (Esses ensinos foram emitidos por autores como Kenneth Copeland e Kenneth Hagin.). Trecho do Livro “Christianity in crisis” de Hank Hanegraaff, Harvest House Publishers, 1993, p. 61-102.


DENTRO DA IGREJA TAMBÉM TEMOS O PROBLEMA DA PROCRASTINAÇÃO ?
Vejamos algumas dentre inúmeras respostas possíveis de seus alunos :
1 – Sim, a procrastinação é um problema também dentro das Igrejas. Muito de nós adiamos servir a Deus. Sabemos que precisamos levar o evangelho para outras pessoas, mas nos sentimos inseguros para tal tarefa, e vivemos adiando nosso envolvimento neste trabalho junto a equipe de evangelismo.
2 – Sim, muitos de nós recusamos algum trabalho na igreja, por se achar incapaz, por achar que não vai realizar um bom trabalho. Alguns irmãos vivem adiando o envolvimento maior com a obra do Senhor.
3 – Sim, a procrastinação é fato, muitos irmãos estão andando em círculos dentro da igreja e não chega há lugar algum. Estão rodeando em torno de certas coisas e lugares embaraçadas pelas coisas dessa vida. Tão embaraçadas que vivem procrastinando o tempo em que finalmente poderá fazer algo para o Reino de Deus. Estes são os que ajuntam tesouros na terra sem se preocupar em ajuntar tesouros no céu.





                                                                      COMENTÁRIO PR. SILMAR COELHO                                              

O que é o Negativismo ?
Negativismo é a qualidade daquele que tem um espírito de negação sistemática. Quem sofre desse mal, só enxerga o lado ruim das coisas. Não acredita que para todo problema existe solução. Duvida de tudo. Está sempre "pagando para ver". Tornou-se cético e sofre de desesperança crônica. Paulo tinha todos os motivos para sentir-se péssimo. Passou necessidade, foi humilhado, padeceu fome, experimentou todo tipo de circunstância adversa, mas, mesmo assim, afirmou que aprendeu a viver contente em toda e qualquer situação, anunciando: "Posso todas as coisas naquele que me fortalece".
É verdade que Cristo disse que no mundo teríamos aflições, mas no mesmo verso ele ordena: "Tende bom ânimo" (Jo 16:33b). Em Lm 1:16, Jeremias, o profeta, afirma que o desânimo é fruto da ausência do Consolador no coração humano.

Como enfrentar a vida de modo positivo ?
Existem vários meios para que deixe a posição negativa e se tomem algumas medidas para enfrentar a vida de modo positivo, vejamos :
Olhar as coisas de modo diferente
É prejudicial ficar com os olhos fixos no tamanho do problema, nas situações negativas. É preciso vislumbrar a vitória, ter fé que vai alcançar aquilo que Deus já prometeu (Hb 4:1,2).
Enfatizar pensamento positivos
Quando o negativismo quiser tomar conta das palavras, dos pensamentos e atitudes, o crente deve agarrar-se à maior de todas as  realidades: "Não estou sozinho". Cristo prometeu estar com os Seus, todos os dias, até a consumação dos séculos (Mt 28:20b).
Mostrar ousadia diante da situação negativa
É preciso controlar os nervos, o estado de espírito. Ter coragem, apesar do medo. Acreditar, não obstante a dúvida. Manter os olhos fixos na vitória, a despeito dos contratempos.Ousar, não importa a oposição. Para conseguir este tipo de pensar, é preciso proteger a mente dos pensamento negativos; usar o capacete da salvação e a espada do espírito, que é a Palavra de Deus.
Quando maus pensamentos afloraram é preciso desfazê-los, colocando bons pensamento no lugar deles. Os pensamentos podem impulsionar o crente para a vitória ou encarcerá-lo na derrota; podem liberar as emoções para alegria ou amarrá-lo em estado de dor e autopiedade. Muitas pessoas aprenderam ensinos errados e por causa deles, continuam a viver equivocados. Agarram-se tão fortemente ao que acreditam ser verdade, que não admitem a possibilidade de estarem enganados. Existem momentos em que é preciso mudar. 
Reter o pensamento na vitória
O profeta Habacuque viveu em tempos difíceis. Ele enfrentou o problema do sofrimento dos justos. Questionou o fato de Deus silenciar quando os homens injustos vitoriavam sobre os justos. Mas, logo em seguida, ele reconheceu que o justo viverá por sua fé (Hc 2:4). Habacuque termina suas conjecturas reagindo aos pensamentos negativos e toma uma posição de fé e confiança declarando que, mesmo que muitos males estivessem acontecendo como a ruína e a fome, ele estava preparado para confiar no Senhor (Hc 3:17,18). Embora naquele momento estivesse experimentado, juntamente com seu povo, a derrota e a humilhação, ele retinha o pensamento na vitória, cheio de esperança. E a Palavra de Deus cumpriu-se em pouco tempo depois. O profeta, juntamente com o povo, retornaram à sua terra e reconstruíram aquilo que o inimigo havia destruído. Deus honra a fé daqueles que acreditam em Suas promessas.
Uma das melhores decisões que alguém pode tomar é enfrentar a vida com entusiasmo e esperança, sem se deixar dominar pelo negativismo. Essa é a razão porque algumas pessoas conseguem vencer e outras não. Nossas atitudes revelam muito do nosso caráter. E o caráter é, em essência, o que somos. O caráter é determinado pelas escolhas que fazemos, e uma delas é ser positivo ou negativo. Ninguém pode ir além das restrições do seu próprio caráter.

Referências
Revista Lições da Bíblia - Professor Jovens & Adultos - Revista 09 - Ano 2 - Editora Central Gospel
Tema: Males que Afligem o Ser Humano - RESUMO - Lição 5 - Mudando as Atitudes Negativas P.39-46

PALAVRAS TEM PODER
Vale a Pena - Pregação Pr. Silmar Coellho
Antes de Assistir os vídeos, se a radio do site estiver tocando, suba a página até a radio e 
toque no vídeo da musica que estiver tocando para interromper o som.


                                                                                                                                                                           

EU VOU SEGUIR EM FRENTE
Linda Musica Sobre a Lição
Antes de Assistir os vídeos, se a radio do site estiver tocando, suba a página até a radio e 
toque no vídeo da musica que estiver tocando para interromper o som.

                                                                                                                                                                           

Fonte: Revista de Escola Bíblica Dominical, Betel, Aprendendo com as Gerações Passadas, A importância, responsabilidade e o legado de uma geração temente ao Senhor para enfrentar as complexidades e os desafios da pós-modernidade, Jovens e Adultos, edição do professor, 1º trimestre de 2017, ano 27, Nº 102.

2 comentários:

  1. Parabéns pela divergência apresentada.

    ResponderExcluir
  2. Caro irmão PV, Obrigado pelo retorno. Visite-nos Sempre. Divulgue este trabalho. Daqui para frente a tendência é só melhorar.

    ResponderExcluir