segunda-feira, 4 de junho de 2018

Lição 11 - O discípulo de Jesus e o serviço cristão

Aula presencial dia 10 de junho de 2018 



Estimado professor,   acredito que já tenha percebido que nosso SLIDE semanal traz uma abordagem DETALHADA de todos os pontos abordados na lição. É um resumo da lição fazendo uso de uma metodologia moderna de ensino,  tornando-o mais eficiente e efetivo. Aplica-se ao conteúdo da lição, ilustrações com figuras relacionadas com cada tópico a ser ensinado.  Faça bom uso !  Baixe o Slide no formato desejado, Tenha liberdade de cortar, alterar e adicionar conteúdo. Não deixe de Divulgar e Compartilhar nas Redes Sociais !

1 - Ressaltar que devemos honrar a Deus por meio do trabalho;
2 - Refletir sobre a importância de cada membro do Corpo de Cristo na edificação da Igreja;
3 - Mostrar os princípios bíblicos do serviço cristão.

 Texto Áureo
“Porque eles mesmos anunciam de nós qual a entrada que tivermos 
para convosco, e como dos ídolos vos convertestes a Deus, 
para servir ao Deus vivo e verdadeiro.” (1Ts 1:9)

Verdade Aplicada
Todo membro do Corpo de Cristo é responsável pelo 
desenvolvimento das diversas atividades da igreja local, 
visando edificação e a glória de Deus.

Motivo de Oração
Ore pelos irmãos e irmãs que trabalham e ensinam na Escola Dominical.

Hinos sugeridos.

63 - Acordai, Acordai

93 - Há Trabalho Pronto

115 - Trabalhai e Orai





Neemias 2.18
Então lhes declarei como a mão do meu Deus me fora favorável, como também as palavras do rei, que ele tinha dito. Então disseram: Levantemo-nos e edifiquemos. E esforçaram as suas mãos para o bem.

Neemias 4.6
Assim, edificamos o muro, e todo o muro se cerrou até a sua metade; porque o coração do povo se inclinava a trabalhar.

Neemias 6.3
E enviei-lhes mensageiros a dizer: Estou fazendo uma grande obra, de modo que não poderei descer. Por que cessaria esta obra, enquanto eu a deixasse e fosse ter convosco?



Segunda-feira -  Lucas 1:74-75 
74 - De conceder-nos que, Libertados da mão de nossos inimigos, o serviríamos sem temor,
75 - Em santidade e justiça perante ele, todos os dias da nossa vida.

Terça-feira -  Lucas 12:35-38 
35 - Estejam cingidos os vossos lombos, e acesas as vossas candeias.
36 - E sede vós semelhantes homens que esperam o seu Senhor, quando houver de volta das bodas, para que, quando vier, e bater, logo possam abrir-lhe.
37 - Bem-aventurados aqueles servos, os quais, quando o Senhor vier, achar vigiando! Em verdade vos digo que se cingirá, e os fará assentar à mesa e, chegando-se, os servirá.
38 - E, se vier na segunda vigília, e se vier na terceira vigília, e os achar assim, bem-aventurados são os tais servos.

Quarta-feira -  Atos 6:1-4 
1 - Ora, naqueles dias, crescendo o número dos discípulos, houve uma murmuração dos gregos contra os hebreus, porque as suas viúvas eram desprezadas no ministério cotidiano.
2 - E os doze, convocando a multidão dos discípulos, disseram: Não é razoável que nós deixemos a Palavra de Deus e sirvamos às mesas.

3 - Escolhei, pois, irmãos, dentre vós, sete homens de boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria, aos quais constituamos sobre este importante negócio.
4 - Mas nós perseveraremos na oração e no ministério da palavra.

Quinta-feira -  Romanos 12:11 
11 - Não sejais vagarosos no cuidado; sede fervorosos no espírito, servindo ao Senhor;

Sexta-feira -  1 Coríntios 13:1-3 
1 - Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.
2 - E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os ministérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
3 - E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.


Sabado -   Hebreus 6:10-11 
10 - Porque Deus não é injusto para se esquecer da vossa obra, e do trabalho do amor que para com o seu nome mostrastes, enquanto servistes aos santos, e ainda servis.
11 - Mas desejamos que cada um de vós mostre o mesmo cuidado até ao fim, para completa certeza da esperança

IMPORTANTE
Apresento neste BLOG o Esboço da Lição e os comentários como 
professor de EBD em cima do PAE - PLANO DE AULA EXPOSITIVA 
NÃO APRESENTO O CONTEÚDO COMPLETO DIGITALIZADO DAS REVISTAS
TENHA SUA REVISTA EM MÃOS E FAÇA UM BOM ESTUDO !



ESBOÇO DA LIÇÃO
Introdução
1. Honrar a Deus por meio do trabalho.
2. Serviço visando a edificação da Igreja.
3. Princípios bíblicos do serviço cristão.
Conclusão
Clique aqui para Visualizar o PAE (Plano de Aula Expositiva) da Editora Betel



                   


Lição 11 - O discípulo de Jesus e o serviço cristão

TEXTO ÁUREO

Porque eles mesmos anunciam de nós qual a entrada que tivermos para convosco, e como dos ídolos vos convertestes a Deus, para servir ao Deus vivo e verdadeiro”.
(1 Ts 1:9)
Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto em meu nome pedirdes ao Pai ele vo-lo conceda.(João 15:16)

VERDADE APLICADA
Todo membro do Corpo de Cristo é responsável pelo desenvolvimento das diversas atividades da igreja local, visando edificação e a glória de Deus.
Professor comente que está responsabilidade se estende por todos os dias que o Senhor nos conceder, portanto aquilo que fizemos no passado nos serve de base para construção de uma grande obra, sempre para glória de Deus.

OBJETIVOS DA LIÇÃO
1 - Ressaltar que devemos honrar a Deus por meio do trabalho;
2 - Refletir sobre a importância de cada membro do Corpo de Cristo na edificação da Igreja;
3 - Mostrar os princípios bíblicos do serviço cristão.

TEXTO REFERÊNCIA
Neemias 2.18
Então lhes declarei como a mão do meu Deus me fora favorável, como também as palavras do rei, que ele tinha dito. Então disseram: Levantemo-nos e edifiquemos. E esforçaram as suas mãos para o bem.

Neemias 4.6
Assim, edificamos o muro, e todo o muro se cerrou até a sua metade; porque o coração do povo se inclinava a trabalhar.

Neemias 6.3
E enviei-lhes mensageiros a dizer: Estou fazendo uma grande obra, de modo que não poderei descer. Por que cessaria esta obra, enquanto eu a deixasse e fosse ter convosco?

INTRODUÇÃO
Nesta lição, refletiremos sobre um dos aspectos da vida do discípulo de Cristo que tem sido bastante afetado pela geração “sem tempo”: o comprometimento no serviço cristão, inclusive na igreja local.
Professor, você está disposto a servir, ao Senhor e ao próximo? O serviço cristão reflete o relacionamento que o crente tem com Deus. Quem ama o Pai e o conhece não se nega a ajudar o próximo. Servimos ao Senhor quando servimos o outro (Mt 25.40), por isso é importante que o aluno compreenda que a pregação da Palavra de Deus, a comunhão e a prática do serviço cristão formam o tripé da Missão Integral da Igreja. Servir ao Pai Celeste é um privilégio. E não podemos nos esquecer que a vida cristã vitoriosa é uma vida de serviço a Deus e ao próximo.
(Lições CPAD Jovens e Adultos »  2011 » 3º Trim.)

1. Honrar a Deus por meio do trabalho.
O trabalho está presente na realidade humana antes mesmo do pecado. Quando Deus formou o homem, o abençoou com a capacidade de se relacionar com Ele e o nomeou como mordomo e gerente de toda a criação (Gn 1.28; Sl 8.5-8).

1.1. A importância do trabalho.
Ao colocar o homem no jardim do Éden, o Criador lhe designou um trabalho próprio, para o corpo e a mente, isto é, lavrar e guardar o jardim que Deus havia preparado (Gn 2.15). Portanto, o trabalho desenvolvido pelo ser humano era feito para Deus. Era um serviço divino. Assim, já em Gênesis, o livro dos princípios, encontramos a semente do ensino de Paulo em suas epístolas acerca de como o discípulo de Cristo deveria encarar a atividade profissional e a relação entre patrão e empregado.
1. A necessidade do trabalho. O trabalho foi instituído por Deus antes mesmo da queda de Adão e Eva (Gn 2.15). Aliás, o trabalho aparece na Bíblia como algo útil, necessário e nobre (1 Ts 4.11; 2 Ts 3.8; 1 Tm 6.2). Escrevendo aos efésios, Paulo aconselha aos novos crentes: “Aquele que furtava não furte mais; antes, trabalhe, fazendo com as mãos o que é bom, para que tenha o que repartir com o que tiver necessidade” (Ef 4.28).
A prosperidade do crente está associada ao trabalho (Dt 8.18) que, no âmbito da Palavra de Deus, tem uma finalidade que transcende o mero acúmulo de bens. O cristão, portanto, deve conscientizar-se de que a bênção do Senhor manifesta-se também por intermédio de nosso labor diário (Dt 15.7,8; Pv 10.22).(Lições CPAD Jovens e Adultos »  2012 » 1º Trim)

Estejamos cientes de que a vida do discípulo de cristo deve ser de adoração a Deus em todo o tempo e aspecto (1Co 10.31). Também é bíblico que o serviço cristão não se restringe ao que é feito no contexto de uma igreja local, mas alcança aquele que é desenvolvido por um servo de Deus seja numa oficina mecânica, no ambiente industrial, no comércio, no escritório, enfim em todos os ramos profissionais. (Revista do prof.)

1.2. Trabalhar com excelência.
Encontramos na Bíblia que, enquanto estivermos trabalhando, devemos obedecer ao chefe ou supervisor como a Cristo, trabalhar como servos de Cristo, prestando serviço como ao Senhor e sabendo que seremos recompensados pelo Senhor (Ef 6.5-8). Note que nos quatro versículos há menção a Cristo ou Senhor. Isso nos lembra que o trabalho feito sob a orientação ou supervisão de alguém em posição hierárquica acima da nossa (num contexto terreno) deve ser feito como sendo oferecido ao Senhor. O que quer que o discípulo de Jesus faça, deve ser feito como ao Senhor (Rm 14.7-9).
Neste tópico explique que no ambiente de trabalho pregamos o evangelho através de nosso testemunho pessoal, ou seja, sem palavras. Não é correto receber um salário para prestar serviço à empresa e utilizar o tempo de forma imprudente.Trabalhei em uma empresa privada por um período de 32 anos e nesta empresa havia uma preferência pela admissão de cristãos porque os mesmos eram dedicados,assíduos,enfim, glorificavam a Deus através do bom trabalho prestado. 
William Barclay escreveu em seu comentário bíblico: “a convicção do trabalhador cristão é de que cada uma das peças de trabalho que produz deve ser bem executada, como para mostrar a Deus”.
Vós, servos, obedecei a vossos senhores segundo a carne, com temor e tremor, na sinceridade de vosso coração, como a Cristo;
Não servindo à vista, como para agradar aos homens, mas como servos de Cristo, fazendo de coração a vontade de Deus;
Servindo de boa vontade como ao Senhor, e não como aos homens.
(Efésios 6:5-7)

1.3. Servindo a Deus.
No período da Reforma Protestante (século XVI), tanto Lutero como Calvino sustentaram que o ser humano também cumpria sua vocação e chamado de Deus sendo útil à sociedade por meio de seu trabalho, desfazendo, assim, a ideia em distinguir entre o sagrado e o secular. Em seu comentário sobre a epístola de Efésios, John Stott escreveu: “É possível uma dona de casa cozinhar uma refeição como se Jesus Cristo fosse comê-la, ou fazer a limpeza geral da casa como se Jesus Cristo viesse a ser hospede de honra. É possível para professores educar crianças, para médicos tratar pacientes, e para enfermeiras cuidar deles, para advogados ajudar clientes, para balconistas atender fregueses... como se em cada caso servissem a Jesus Cristo”.
Professor aproveite esta rica explicação para abordar neste contexto que devemos fugir do trabalho desonesto ou ilícito, muitos tem se desviado da verdade na ganância ou busca pelo material:
“Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé e se traspassaram a si mesmos com muitas dores” (1Tm 6.10).
3. Fugindo da avareza. Avareza é o amor ao dinheiro. É uma escravidão ao vil metal. Diz a Bíblia: “Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé e se traspassaram a si mesmos com muitas dores” (1Tm 6.9,10). Deus não condena a riqueza em si, mas a ambição, a cobiça, a exploração, a usura e a avareza. Abraão era homem muito rico; Jó era riquíssimo, antes e depois de sua provação (Jó 1.3,10); Davi, Salomão e outros reis acumularem muitas riquezas, e nenhum deles foi condenado por isso. O que Deus condena é a ganância, a ambição desenfreada por riquezas (cf. Pv 28.20).(Lições CPAD Jovens e Adultos »  2002 » 3º Trim)

2. Serviço visando a edificação da Igreja.
Neste tópico refletiremos sobre a importância da participação de cada membro do Corpo de Cristo na edificação da Igreja. Como no tópico anterior, também encontramos fundamentação bíblica no Antigo testamento para nos guiar neste estudo.

2.1. Ainda há serviço a ser feito.
No tempo da reconstrução dos muros de Jerusalém, após o retorno dos judeus do cativeiro, a partir do reinado de Ciro, rei da Pérsia (Ed 1.1), foi fundamental a participação de todos os que estavam em Jerusalém, na época de Neemias (Ne 2.11). O templo já havia sido reedificado (Ed 6.14-16), porém os muros da cidade estavam derrubados e os portões destruídos pelo fogo (Ne 2.13). Enquanto estivermos debaixo do sol sempre haverá trabalho a ser feito. Os capítulos 3 a 6 de Neemias detalham a reconstrução dos muros e das portas num contexto de: dedicação, participação, oração, vigilância, palavras de encorajamento, união, ameaças, empenho, liderança, entre outros aspectos.
2. Dedicação total ao trabalho. Por que os judeus se renderam à liderança de Neemias? Porque liderança se faz com exemplo e Neemias era um grande e admirável exemplo para o seu povo. Como a reconstrução dos muros requeria dedicação total, ele jamais deixou de labutar junto ao povo:
 “E nem eu, nem meus irmãos, nem meus moços, nem os homens da guarda que me seguiam largávamos as nossas vestes; cada um ia com suas armas à água” (Ne 4.23).
Segundo J. Packer, “a extensão dos muros era de quase dois quilômetros, e os novos deveriam ter cerca de um metro de largura, e cinco ou seis metros de altura”. Neemias, que jamais temera o trabalho, tinha uma incomum disposição para realizar a obra de Deus. ).(Lições CPAD Jovens e Adultos »  2011 » 4º Trim)
*Obs. Onde diz largura é o mesmo que espessura
Quando completaram a reconstrução, o texto bíblico registra que os opositores reconheceram que o Deus de Israel fizera aquela obra (Ne 6.15-16). Hoje, os membros de uma igreja local também têm uma grande obra: “edificação do corpo de Cristo” (Ef 4.12); “aumento do corpo para sua edificação em amor” (Ef 4.16).(Revista do prof.)

2.2. Aperfeiçoamento para serviço.
Interessante relacionar o texto de Neemias (citado anteriormente), que junta o trabalho dos homens com a constatação de que Deus fez a obra e a edificação da Igreja, com o trabalho dos discípulos de Cristo. Assim, vemos que há uma ação divina e humana. Jesus Cristo dá dons à Igreja visando o aperfeiçoamento dos santos (Ef 4.11-12). J. Armitage Roinson, reitor de Westminster e erudito, escreveu que este texto dá a ideia de “levar os santos a tornarem-se aptos para o desempenho de suas funções no Corpo”. Desse modo, se verifica que o aperfeiçoamento não é um fim, mas tem o propósito de habilitar cada um para o desempenho do seu serviço.
E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores,
Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo;(Efésios 4:11,12)
 Chamados para servir. Deus chamou-nos a servir. Muitos, recusando esse chamado, querem apenas ser servidos. As Sagradas Escrituras mostram que Jesus, nosso Mestre e Senhor, foi ungido pelo Espírito Santo para servir (Lc 4.18,19). Certa vez, Jesus declarou: “[...] o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e para dar a sua vida em resgate de muitos” (Mt 20.28). Se quisermos realmente servir ao Senhor com inteireza de coração, é preciso que sirvamos aos nossos irmãos (1 Jo 3.16-18). Assim agia Jesus, nosso perfeito modelo de líder servidor. Ele viveu para fazer a vontade do Pai e servir a todos (Mc 10.45). Você está disposto a servir ao Mestre? O que você tem feito — pela Igreja e pelas demais pessoas — com os dons e talentos que recebeu do Senhor? Um dia teremos que prestar contas de tudo que recebemos dEle.
(Lições CPAD Jovens e Adultos »  2011 » 2º Trim)

2.3. Todos devem participar.
Cada um de nós pode participar, pois a nossa capacidade vem de Deus (2Co 3.5). Deus opera (como constatado em Neemias 6.16), mas nós somos cooperadores de Deus (1Co 3.9). Interessante a postura exemplar dos membros das igrejas da Macedônia, pois, primeiro, se colocaram à disposição do Senhor e depois à disposição da liderança da igreja local (2Co 8.5). Na parábola dos talentos, assim que o Senhor partiu, logo alguns servos já começaram a agir. Indica prontidão e senso de urgência.
Jesus disse:
E dizia-lhes: Grande é, em verdade, a seara, mas os obreiros são poucos; rogai, pois, ao Senhor da seara que envie obreiros para a sua seara.(Lucas 10:2)
Abaixo temos alguns exemplos de irmãos que deixaram legados para nós darmos continuidade:

Há os que ficam esperando que lhe chamem pelo nome, quando, na verdade, já temos conhecimento de muitas atividades que são ou podem ser desenvolvidas na igreja local. Façamos como os discípulos da Macedônia: apresentemo-nos para o trabalho! Não sabemos quando virá o Senhor ou quando encerraremos nossa carreira na terra: “Não sejais vagarosos...” (Rm 12.11). Outra versão (NTLH) enfatiza que o trabalho deve ser feito sem preguiça e com entusiasmo. Assim, devemos fazer o que podemos ou devemos, sem esperar que todos tenham a mesma atitude. Façamos o que está ao nosso alcance. Nossa participação no serviço do Senhor não fica desapercebida, por mais que achemos insignificante (Ec 9.10; Mt 10.42).(revista do prof.)

3. Princípios bíblicos do serviço cristão.
Como em todo os aspectos da vida do discípulo de Cristo, também no serviço cristão precisamos agir de acordo com os princípios bíblicos. Não basta boa vontade ou recursos materiais e financeiros. São importantes, porém não subsistem os princípios da Palavra de Deus. Afinal, é necessário que seja feito com ordem e decência (1Co 14.40), com reverência e piedade (Hb 12.28).

3.1. Servir de acordo com a Palavra.
Neste tópico, destacaremos alguns princípios bíblicos: 1) Nossa atuação não deve ser um esforço para salvação (Ef 2.8-9); 2) O serviço cristão não deve ser isolado, independente ou incoerente com o meu relacionamento com Deus (Ap 3.1-2); 3) Não deve me impedir de desfrutar a melhor parte (Lc 10.41-42); 4) Deve ser um serviço como consequência de pertencer ao Senhor (At 27.23 – Não sirvo para pertencer. Sirvo porque pertenço – 1Co 6.19-20) e de seguir ao Senhor (Lc 8.1-3); 5) Precisa ser conforme a Palavra de Deus (1Cr 15.13-15). Nada substitui as orientações bíblicas, mesmo que se tenha em vista um fim proveitoso.
O serviço cristão não produz salvação, porém é um dos efeitos da obra regeneradora de Cristo na vida de uma pessoa. O salvo em Cristo deseja ver o crescimento da igreja e outros sendo alcançados pela mensagem da salvação.
È importante enfatizar que um dia todos saberão se serviram de acordo com a palavra:
“O propósito do julgamento dos crentes diante do Tribunal de Cristo é determinar se as obras de cada um foram dignas ou não. O julgamento é apenas para os crentes, de modo que, ainda sofram danos, estes serão salvos. Além disso, aqueles que ali forem julgados terão firmado suas vidas na Rocha, que é o próprio Jesus Cristo (1Co 3.11,12). O Senhor avaliará as obras dos crentes ao longo de toda a vida. Uma vez que fomos separados para as boas obras que Deus preparou para os crentes (Ef 2.10), deveríamos esperar que Ele examinasse a fidelidade de nossas ações” (LAHAYE, Tim. Enciclopédia Popular de Profecia Bíblica.1ª Edição. RJ: CPAD, 2008, pp.463,464).

3.2. Exemplo dos tessalonicenses.
O texto bíblico de 1 Tessalonicenses 1.9 diz que os discípulos da cidade de Tessalônica se converteram a Deus para servir a Deus. Eles serviram a Deus, mesmo num contexto de “muita tribulação” (1Ts 1.6). As circunstâncias ao nosso redor não nos impedem de realizar o serviço cristão. Atos 8.4 nos mostra a conduta dos que andavam dispersos por causa da perseguição: eles não deixavam de anunciar a Palavra. Assim, enquanto aguardo a segunda vinda de Jesus, devo servi-Lo (1Ts 1.10). A esperança do salvo na realidade da ressurreição e do arrebatamento deve motivá-lo a se dedicar ao serviço cristão. Estamos na expectativa da volta de Jesus? Então devemos aproveitar e nos envolvermos na obra do Senhor (1Co 15.58).
Não devemos ser negligentes ou indiferentes, mas firmes, constantes e abundantes (estabilidade, continuidade e produtividade). Muitos são os que iniciam cheios de entusiasmo e fazendo inúmeras promessas, porém não são estáveis. Lembremo-nos de que não é na nossa força, mas na força do Espírito Santo (Zc 4.6) e da ação da graça do Senhor necessita de discípulos de Cristo que atuem como Arão e Hur, sustentando as mãos de Moisés (Êx 17.11-13); Jônatas e seu pajem, que foram homens de iniciativa (1Sm 14.6-7); que animem com palavras de ânimo e se coloquem ao lado de seus líderes (Ed 10.4); como Priscila e Áquila, cooperadores de Paulo (Rm 16.3-4); como Barnabé, que esteve atento tanto a Paulo como a Marcos (At 9.26-27; 13.39). De acordo com a parábola dos talentos (Mt 25.14-30), o que determina a aprovação do servo não é o volume ou a quantidade do trabalho, mas a fidelidade ao Senhor, estando Ele ausente (Mt 25.21, 23). Notemos que o servo mau não foi desonesto e nem gastou mais do que devia, porem foi omisso (Mt 25.24-27).(Revista do professor)

3.3. Aproveitando as oportunidades.
Encontramos na Palavra de Deus exortações para não desprezarmos o dom e para despertarmos o dom de Deus em nós (1Tm 4.14; 2Tm 1.6). É como se Paulo estivesse dizendo para Timóteo manter viva a chama do dom de Deus. O Senhor concede o dom, porém nós precisamos usá-lo e desenvolvê-lo. Aproveitemos as oportunidades que Deus tem nos proporcionado enquanto há tempo (Ef 5.15-16). Quando a noite chegar, não será mais possível trabalhar (Jo 9.4). Há tantas atividades numa igreja local a serem executadas. Onde estão os trabalhadores?
Algumas tarefas a serem realizadas: comissão de visitas; cultos ao ar-livre; portaria; recepção; distribuição de folhetos; setor administrativo; limpeza; abrir e fechar o templo; entre outras. Procure o seu pastor local e coloque –se à disposição. Esteja atento e seja proativo (Hb 6.10-11). Não seja apenas um assistente, mas um ativo participante. Lembre-se que a oração intercessora é muito importante. Interceda diariamente, também, pela igreja local. Reavalie constantemente sua rotina e procure incluir dias e horários para se dedicar: também, à igreja local. Colocar os serviços profissionais à disposição da obra do Senhor é uma atitude abençoadora para o bom desenvolvimento das atividades da igreja local. Além de ser uma excelente oportunidade de aprendizado, desenvolvimento de habilidades pessoais, relacionamentos interpessoais, melhora da autoestima, entre outros benefícios.(Revista do professor)

CONCLUSÃO
O serviço cristão é oportunidade para o discípulo de Cristo expressar gratidão a Deus por ter sido alcançado pela obra divina da redenção (Sl 116.12). Não é pagamento ou compensação, mas atitude de amor, reconhecimento, consagração e gratidão por tudo que Deus tem feito e concedido aos Seus.

Bibliografia
[1] Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal - CPAD - ARC
Biblia de estudo pentecostal, Almeida revista e corrigida, Rio de Janeiro, CPAD
Bíblia do Culto - Editora Betel
Revista EBD Betel Dominical Professor - 2 trimestre 2018, ano 28, número 107 - Editora Betel
PAE - Plano de Aula Expositiva - Auxílio EBD - http://editorabetel.com.br/auxilio/beteldominical/

1. O que Jesus Cristo visa ao dar dons à Igreja?
R: O aperfeiçoamento dos santos (Ef 4.11-12).

2. O que os recursos materiais e financeiros não substituem?
R: Os princípios da Palavra de Deus (1Co 14.40; Hb 12.28).

3. O que 1 Tessalonicenses 1.9 diz?
R: Que os tessalonicenses se converteram a Deus para servir a Deus (1Ts 1.9).

4. O que as circunstâncias ao nosso redor não nos impedem?
R: De realizar o serviço cristão (1Ts 1.6).

5. O que devemos fazer enquanto há tempo?
R: Aproveitar as oportunidades que Deus tem nos proporcionado (Ef 5.15-16).

                              AGORA VAMOS A VÍDEO AULA SOBRE ESTA LIÇÃO.  TENHA BOM ESTUDO !                             






                                                                                                                                                                              
[     

Enfatize para seus alunos que podemos trabalhar na obra de Deus de diversas formas, ninguém poderá impedir alguém de fazer algo na obra de Deus. Aos que querem exercer o "Serviço Cristão" resta dizer em suas orações: "Eis me aqui Senhor", Deus sempre abrirá portas para aqueles que se prontificam a ajudar no crescimento de Sua obra, estando entre quatro paredes ou não.

Enfatize para seus alunos que não se deve ficar parado, sem motivação, aguardando que alguém nos chame pelo nome para fazer a obra de Deus, independentemente de ter ou não ter oportunidade para trabalhar na igreja local, devemos nos apresentar para o trabalho: "Eis me aqui Senhor", a seara é muito grande e pouco são os ceifeiros, é certo que Deus irá direcionar cada um onde se deve colocar a força do trabalho.

Eis me aqui Senhor ! 

                                                                                                                                                                              

Nenhum comentário:

Postar um comentário