segunda-feira, 16 de abril de 2018

Lição 4 - Disciplina e o Processo Educacional de Deus

 Aula presencial dia 22 de abril de 2018 



Estimado professor,   acredito que já tenha percebido que nosso SLIDE semanal traz uma abordagem DETALHADA de todos os pontos abordados na lição. É um resumo da lição fazendo uso de uma metodologia moderna de ensino,  tornando-o mais eficiente e efetivo. Aplica-se ao conteúdo da lição, ilustrações com figuras relacionadas com cada tópico a ser ensinado.  Faça bom uso !  Baixe o Slide no formato desejado, Tenha liberdade de cortar, alterar e adicionar conteúdo. Não deixe de Divulgar e Compartilhar nas Redes Sociais !


1 - Explicar o que é disciplina à luz da Bíblia;
2 - Mostrar a autoridade bíblica para a aplicação de disciplina por parte da igreja;
3 - Ensinar que a vida do povo de Deus é uma vida que envolve disciplina

 Texto Áureo
“Porque o senhor corrige o que ama e açoita a 
qualquer que recebe por filho" (Hebreus 12.6)

Verdade Aplicada
A disciplina faz parte do processo de aperfeiçoamento
do discípulo de Cristo, enquanto estiver na terra.

   
Motivo de Oração
Ore a Deus pelo seu pastor e por tantos outros
que contribuíram com a sua vida cristã.

Hinos sugeridos.
Antes de Assistir os vídeos, se a radio do site estiver tocando, suba a página até a radio e 
toque no vídeo da musica que estiver tocando para interromper o som.

77 - Guarda o Contacto

141 - Guia-me Sempre, meu Senhor

151 - Fala, Jesus Querido





 Hebreus 12.7,8,10,11 
7 Se suportais a correção, Deus vos trata como filhos; porque , que filho há a quem o pai não corrija?
8 Mas, se estais sem disciplina, da qual todos são feitos participantes, sois então bastardos, e não filhos.
10 Porque aqueles, na verdade, por um pouco de tempo, nos corrigiam como bem lhes parecia; mas este, para nosso proveito, para sermos participantes da sua santidade. 
11 E, na verdade, toda a correção, ao presente, não parece ser de gozo, senão de tristeza, mas depois produz um fruto pacífico de justiça nos exercitados por ela. 





Segunda-Feira –  Josué 7.1-26 
7 : 1 E transgrediram os filhos de Israel no anátema; porque Acã filho de Carmi, filho de Zabdi, filho de Zerá, da tribo de Judá, tomou do anátema, e a ira do SENHOR se acendeu contra os filhos de Israel.
7 : 2 Enviando, pois, Josué, de Jericó, alguns homens a Ai, que está junto a Bete-Áven do lado do oriente de Betel, falou-lhes dizendo: Subi, e espiai a terra. Subiram, pois, aqueles homens, e espiaram a Ai.
7 : 3 E voltaram a Josué, e disseram-lhe: Não suba todo o povo; subam uns dois mil, ou três mil homens, a ferir a Ai; não fatigueis ali a todo o povo, porque poucos são.
7 : 4 Assim, subiram lá, do povo, uns três mil homens, os quais fugiram diante dos homens de Ai.
7 : 5 E os homens de Ai feriram deles uns trinta e seis, e os perseguiram desde a porta até Sebarim, e os feriram na descida; e o coração do povo se derreteu e se tornou como água.
7 : 6 Então Josué rasgou as suas vestes, e se prostrou em terra sobre o seu rosto perante a arca do Senhor até à tarde, ele e os anciãos de Israel; e deitaram pó sobre as suas cabeças.
7 : 7 E disse Josué: Ah! Senhor Deus! Por que, com efeito, fizeste passar a este povo o Jordão, para nos entregares nas mãos dos amorreus para nos fazerem perecer? Antes nos tivéssemos contentado em ficar além do Jordão!
7 : 8 Ah, Senhor! Que direi? Pois Israel virou as costas diante dos inimigos!
7 : 9 Ouvindo isto, os cananeus, e todos os moradores da terra, nos cercarão e desarraigarão o nosso nome da terra; e então que farás ao teu grande nome?
7 : 10 Então disse o Senhor a Josué: Levanta-te; por que estás prostrado assim sobre o teu rosto?
7 : 11 Israel pecou, e transgrediram a minha aliança que lhes tinha ordenado, e tomaram do anátema, e furtaram, e mentiram, e debaixo da sua bagagem o puseram.
7 : 12 Por isso os filhos de Israel não puderam subsistir perante os seus inimigos; viraram as costas diante dos seus inimigos; porquanto estão amaldiçoados; não serei mais convosco, se não desarraigardes o anátema do meio de vós.
7 : 13 Levanta-te, santifica o povo, e dize: Santificai-vos para amanhã, porque assim diz o Senhor Deus de Israel: Anátema há no meio de ti, Israel; diante dos teus inimigos não poderás suster-te, até que tireis o anátema do meio de vós.
7 : 14 Amanhã, pois, vos chegareis, segundo as vossas tribos; e será que a tribo que o Senhor tomar se chegará, segundo as famílias; e a família que o Senhor tomar se chegará por casas; e a casa que o Senhor tomar se chegará homem por homem.
7 : 15 E será que aquele que for tomado com o anátema será queimado a fogo, ele e tudo quanto tiver; porquanto transgrediu a aliança do Senhor, e fez uma loucura em Israel.
7 : 16 Então Josué se levantou de madrugada, e fez chegar a Israel, segundo as suas tribos; e a tribo de Judá foi tomada;
7 : 17 E, fazendo chegar a tribo de Judá, tomou a família dos zeraítas; e fazendo chegar a família dos zeraítas homem por homem, foi tomado Zabdi;
7 : 18 E, fazendo chegar a sua casa, homem por homem, foi tomado Acã, filho de Carmi, filho de Zabdi, filho de Zerá, da tribo de Judá.
7 : 19 Então disse Josué a Acã: Filho meu, dá, peço-te, glória ao Senhor Deus de Israel, e faze confissão perante ele; e declara-me agora o que fizeste, não mo ocultes.
7 : 20 E respondeu Acã a Josué, e disse: Verdadeiramente pequei contra o Senhor Deus de Israel, e fiz assim e assim.
7 : 21 Quando vi entre os despojos uma boa capa babilônica, e duzentos siclos de prata, e uma cunha de ouro, do peso de cinqüenta siclos, cobicei-os e tomei-os; e eis que estão escondidos na terra, no meio da minha tenda, e a prata por baixo dela.
7 : 22 Então Josué enviou mensageiros, que foram correndo à tenda; e eis que tudo estava escondido na sua tenda, e a prata por baixo.
7 : 23 Tomaram, pois, aquelas coisas do meio da tenda, e as trouxeram a Josué e a todos os filhos de Israel; e as puseram perante o Senhor.
7 : 24 Então Josué, e todo o Israel com ele, tomaram a Acã filho de Zerá, e a prata, e a capa, e a cunha de ouro, e seus filhos, e suas filhas, e seus bois, e seus jumentos, e suas ovelhas, e sua tenda, e tudo quanto ele tinha; e levaram-nos ao vale de Acor.
7 : 25 E disse Josué: Por que nos perturbaste? O Senhor te perturbará neste dia. E todo o Israel o apedrejou; e os queimaram a fogo depois de apedrejá-los.
7 : 26 E levantaram sobre ele um grande montão de pedras, até o dia de hoje; assim o Senhor se apartou do ardor da sua ira; pelo que aquele lugar se chama o vale de Acor, até ao dia de hoje.

Terça-Feira –  1 Samuel 3.12-13 
3 : 12 Eu disse: Agora descerão os filisteus sobre mim a Gilgal, e ainda à face do Senhor não orei; e constrangi-me, e ofereci holocausto.
3 : 13 Então disse Samuel a Saul: Procedeste nesciamente, e não guardaste o mandamento que o Senhor teu Deus te ordenou; porque agora o Senhor teria confirmado o teu reino sobre Israel para sempre;

Quarta-Feira –  Salmo 119.67,71 
119: 67 Antes de ser castigado, eu andava desviado, mas agora obedeço à tua palavra.
119: 71 Foi bom para mim ter sido castigado, para que aprendesse os teus decretos.

Quinta-Feira –  Mateus 18.15-18 
18: 15 Ora, se teu irmão pecar contra ti, vai, e repreende-o entre ti e ele só; se te ouvir, ganhaste a teu irmão;
18: 16 Mas, se não te ouvir, leva ainda contigo um ou dois, para que pela boca de duas ou três testemunhas toda a palavra seja confirmada.
18: 17 E, se não as escutar, dize-o à igreja; e, se também não escutar a igreja, considera-o como um gentio e publicano.
18: 18 Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra será desligado no céu.
  
Sexta-Feira –  Atos 5.1-11 
5: 1  Mas um certo homem chamado Ananias, com Safira, sua mulher, vendeu uma propriedade,
5: 2  E reteve parte do preço, sabendo-o também sua mulher; e, levando uma parte, a depositou aos pés dos apóstolos.
5: 3  Disse então Pedro: Ananias, por que encheu Satanás o teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo, e retivesses parte do preço da herdade?
5: 4  Guardando-a não ficava para ti? E, vendida, não estava em teu poder? Por que formaste este desígnio em teu coração? Não mentiste aos homens, mas a Deus.
5: 5  E Ananias, ouvindo estas palavras, caiu e expirou. E um grande temor veio sobre todos os que isto ouviram.
5: 6  E, levantando-se os moços, cobriram o morto e, transportando-o para fora, o sepultaram.
5: 7  E, passando um espaço quase de três horas, entrou também sua mulher, não sabendo o que havia acontecido.
5: 8  E disse-lhe Pedro: Dize-me, vendestes por tanto aquela herdade? E ela disse: Sim, por tanto.
5: 9  Então Pedro lhe disse: Por que é que entre vós vos concertastes para tentar o Espírito do Senhor? Eis aí à porta os pés dos que sepultaram o teu marido, e também te levarão a ti.
5: 10  E logo caiu aos seus pés, e expirou. E, entrando os moços, acharam-na morta, e a sepultaram junto de seu marido.
5: 11  E houve um grande temor em toda a igreja, e em todos os que ouviram estas coisas.

Sábado –    2 Timóteo 4.2 
4 : 2  Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina.



IMPORTANTE
Apresento neste BLOG o Esboço da Lição e os comentários como 
professor de EBD em cima do PAE - PLANO DE AULA EXPOSITIVA 
NÃO APRESENTO O CONTEÚDO COMPLETO DIGITALIZADO DAS REVISTAS
TENHA SUA REVISTA EM MÃOS E FAÇA UM BOM ESTUDO !




ESBOÇO DA LIÇÃO
Introdução
1. Disciplina - O que é isto?
2. A Igreja e a disciplina.
3. É preciso lidar com a disciplina.
Conclusão
Clique aqui para Visualizar o PAE (Plano de Aula Expositiva) da Editora Betel



                   


TEXTO ÁUREO
“Porque o Senhor corrige o que ama e açoita a qualquer que recebe por filho” (Hebreus  12.6)
Para firmar nossa filiação em Cristo (Hb 12.5-11). Segundo o escritor aos Hebreus, a exortação, correção e repreensão do "Maravilhoso Conselheiro" (Is 9.6) são um forte e eficaz testemunho de que somos “filhos de Deus” (vv.5,6). Pois, “que filho há a quem o pai não corrija?” (v.7). Somos corrigidos pelo Senhor para sermos “participantes de sua santidade” (v.10). Lembremos: o “Senhor corrige o que ama, e açoita a qualquer que recebe por filho” (v.6).(Lições CPAD Jovens e Adultos »  2007 » 1º Trim)

Quem ama seus filhos em maior intensidade ?
O pai que permite que os filhos façam algo que os prejudicarão, ou aquele que corrige, treina e até mesmo pune os filhos a fim de ajudá-los a aprender o que é certo ? Ser corrigido e disciplinado por Deus nunca é agradável, mas sua disciplina é um sinal de seu profundo amor por nós. Quando Deus lhe corrigir, enxergue a correção como uma prova de seu amor, e procure entender o que Ele está tentando lhe ensinar. (Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal - CPAD - Pág.1804)

VERDADE APLICADA
        A disciplina faz parte do processo de aperfeiçoamento do discípulo de Cristo, enquanto estiver na terra.

OBJETIVOS DA LIÇÃO
1 - Explicar o que é disciplina à luz da Bíblia;
2 - Mostrar a autoridade bíblica para a aplicação de disciplina por parte da igreja;
3 - Ensinar que a vida do povo de Deus é uma vida que envolve disciplina

TEXTO REFERÊNCIA
Hebreus 12.7,8,10,11 
7 Se suportais a correção, Deus vos trata como filhos; porque , que filho há a quem o pai não corrija?
8 Mas, se estais sem disciplina, da qual todos são feitos participantes, sois então bastardos, e não filhos.
10 Porque aqueles, na verdade, por um pouco de tempo, nos corrigiam como bem lhes parecia; mas este, para nosso proveito, para sermos participantes da sua santidade. 
11 E, na verdade, toda a correção, ao presente, não parece ser de gozo, senão de tristeza, mas depois produz um fruto pacífico de justiça nos exercitados por ela. 

INTRODUÇÃO
A disciplina faz parte do processo de crescimento, amadurecimento e aperfeiçoamento do discípulo de Cristo. Trata-se de uma ação com propósitos bem definidos (Hb 12.10). É feliz aquele que se submete à disciplina do Senhor.

1. Disciplina - O que é isto? 
Apesar de ser bíblico, disciplina é um dos assuntos pouco enfatizados nos dias de hoje. A questão é que, quando o púlpito da igreja silencia, muitos começam a agir de acordo com seus próprios pensamentos e como melhor convém a cada um. Então, surgem diversos equívocos, como: 'Só presto contas a Deus"; "Sou assim mesmo'; "Deus conhece minhas fraquezas" ou "Conheço pessoas vivendo em pecado", entre outros. Assim, nesta lição, refletiremos esse tema a partir da Bíblia, a revelação de Deus para nós e a autoridade fundamental sobre a qual a Igreja deve moldar sua fé (Is 8.20).
Segundo o Pr. Eli Martins de Souza não podemos confundir disciplina com doutrina bíblica, muito menos com usos e costumes. A disciplina está relacionada à ética (sistema de princípios morais, regras e padrões de conduta) e a moral (princípio de certo e errado), e deriva, para a Igreja, da doutrina. Por disciplina, podemos definir como “um conjunto de instruções destinado a manter a boa ordem”. Para os cristãos, estas instruções são os preceitos divinos (Sl 19.8) que nos fazem andar no caminho da justiça e da verdade.
“Toda Escritura divinamente inspirada é proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça, para que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente instruído para toda boa obra” (2 Tm 3.16,17).

1.1. Disciplina e a sua necessidade.
Inicialmente, é interessante refletir no texto de Hebreus 12.5-11. O escritor no capítulo 11 apresenta diversos exemplos de pessoas que, firmadas na fé, perseveraram, mesmo sendo provadas, sofrendo, perseguidas, e até perdendo á vida. Assim, também, nós somos chamados para perseverarmos na jornada cristã, mantendo nosso foco em Jesus Cristo e removendo qualquer coisa que nos impeça ou atrapalhe na continuidade da caminhada como discípulos de Cristo. A expressão “deixemos” (Hb 12.1) indica um aspecto da vida disciplinada do discípulo do Senhor: a autodisciplina.
“‘A carreira que nos está proposta’. Esta corrida é o teste neste mundo, que dura a vida inteira (10.23,38; 12.25; 13.13).
(1) A corrida deve ser efetuada com ‘paciência’ (gr. hupomone), ou seja, com perseverança e constância (cf. 10.36; Fp 3.12-14). O caminho da vitória é o mesmo que o dos santos no capítulo 11 - esforçando-se para chegar até ao fim (cf. 6.11,12; 12.1-4; Lc 21.19; 1 Co 9.24,25; Fp 3.11-14; Ap 3.21).
(2) Na corrida, devemos deixar de lado os pecados que nos atrapalham ou que nos fazem ficar para trás (v.1) e fixarmos os olhos, nossas vidas e nossos corações em Jesus e no exemplo que Ele nos legou na terra, de obediência perseverante (vv.1-4).
(3) Na corrida, devemos estar conscientes de que o maior perigo que nos confronta é a tentação de ceder ao pecado (vv.1,4), de voltar àquela pátria de onde haviam saído (11.15; Tg 1.12), e de nos tornar, de novo, cidadãos do mundo (Mc 11.13; Tg 4.4; 1 Jo 2.15; ver Hb 11.10)” (Bíblia de Estudo Pentecostal, CPAD, pág.1918).

“Portanto, tal como a Cristo, há uma carreira proposta ao povo de Deus, um alvo as ser alcançado, um caminho a ser percorrido. Jesus Cristo é o príncipe, o Líder e o Aperfeiçoador da fé. AquEle que não se embaraçou com as coisas materiais desta vida, pois contemplava a eternidade, sabendo discernir o valor das coisas que não se viam. Tal deve ser a nossa paciência. A luta de Cristo foi até a morte, e Ele a venceu. Animados por seu exemplo, podemos fazer o mesmo” (Comentário Bíblico Hebreus, CPAD, p.167).

1.2. Disciplina e os diferentes termos.
Somente no texto de Hebreus 12.5-11 encontramos dez vezes diversos termos correlatos: correção, repreensão, disciplina. A palavra grega é “paideuõ”, admitindo vários sentidos: “treinar crianças”; “ensinando”; “castigando”; “disciplina”; “correção”; “educar para a vida”. Assim, o entendimento da disciplina, a partir dos diversos sentidos admitidos na Bíblia, nos ajuda a corrigirmos pensamentos equivocados e ideias que possam causar resistência a este instrumento utilizado no processo de aperfeiçoamento dos membros do corpo de Cristo.
Segundo Russel Shedd: “A disciplina, como os vocábulos cognatos ‘discípulo’ e ‘fazer discípulos’, tem sua ideia original, como a raiz no grego indica, na prática da antiguidade de um aluno seguir um mestre ou pensador. Neste círculo de ideias, a disciplina dá a impressão de formar uma pessoa em conformidade com o caráter e mente do mestre”. (Revista do professor)

[...] a definição correta, segundo o Dicionário Aurélio, é fazer obedecer ou ceder; sujeitar e corrigir’. A palavra disciplinar vem do latim discipulus, de onde também provém a tão conhecida palavra discípulo. [...] (HUDSON, K. Criando os Filhos no Caminho de Deus: Um guia bíblico para pais cristãos. 1.ed., RJ: CPAD, 1997. pp.265,267).

Professor enfatize o que bem nos ensina o comentarista: disciplina é um instrumento utilizado no processo de aperfeiçoamento dos membros do corpo de Cristo”.Detalhes no próximo tópico(1.3)

1.3. Disciplina e a santidade de Deus.
“Para sermos participantes da sua santidade” (Hb 12.10). Este texto indica o propósito de Deus ao aplicar a correção em Seus filhos. Precisamos de correção, repreensão e disciplina, pois fomos chamados por Deus para sermos santos, contudo ainda estamos propensos às práticas do “velho homem”. Assim, por intermédio da correção e instrução, o processo educacional de Deus vai sendo aplicado em nós (2Tm 3.16; Hb 12.11).
É nítido em toda a Bíblia a insistência divina quanto a santidade (Êx 19.6; Lv 19.2; 1Ts 4.3, 7; Hb 12.14; 1Pe 1.15; 2.9). A palavra “igreja”, do grego “ekklesia”, indica “um chamado para fora”, ou seja, um povo separado para Deus. A disciplina visa os membros da Igreja, os filhos de Deus, chamados e separados do mundo para ser o povo de Deus. Portanto, a aplicação da disciplina é feita aos que já pertencem à família de Deus (Hb 12.7; 1Co 5.12-13). A Bíblia diz que o ímpio aborrece a correção (Sl 50.17), pois não deseja interferência em seu modo de viver descompromissado com a vontade de Deus, mas o que é filho não despreza (Pv 3.11).(Revista do professor)

2. A Igreja e a disciplina.
É bíblica a aplicação de disciplina por parte da Igreja?
Muitos associam o uso da disciplina pela Igreja com ausência de amor e misericórdia. Há os que acreditam que somente Deus ou o próprio membro do Corpo de Cristo aplica a disciplina a si. Assim, vemos que há necessidade de instrução bíblica também sobre isso, pois, caso contrário, a história se repetirá (ou será que já está se repetindo em alguns lugares? "porém cada um fazia o que parecia reto aos seus olhos" (Jz 21.25). A reflexão desse tema passa por entendermos a doutrina bíblica referente à Igreja.

JuÍzes 21:25
"Naqueles dias, não havia rei em Israel, porém cada um fazia o que parecia reto aos seus olhos". 
Durante o período dos juízes, o povo de Israel vivenciou problemas porque os israelitas se tornaram sua própria autoridade e agiram de acordo com suas opiniões individuais em relação ao que é certo e errado. Isto produziu resultados horrendos. Nosso mundo atual é similar. Indivíduos, grupos e sociedades têm feito de si mesmas as autoridades finais, sem qualquer referência a Deus. Quando as pessoas satisfazem seus desejos pessoais de maneira egoísta e a qualquer custo, todos pagam o preço.
(Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal - CPAD - Pág.420)

2.1. Igreja - origem e natureza.
Na Teologia Sistemática a doutrina da Igreja é chamada de Eclesiologia, referente à palavra grega usada no Novo Testamento. Contudo, este termo já era usado para se referir a um ajuntamento de pessoas, como em Atos 19.32. Sendo assim, não basta entender Igreja como um grupo, um povo ou um ajuntamento, pois Igreja não é clube ou associação para irmos algumas vezes, aproveitando o tempo livre. Quando Jesus fala: “edificarei a minha igreja” (Mt 16.18), fica claro que o verdadeiro significado de Igreja não está no ajuntamento mas em Cristo, que é o fundador e o fundamento (1Co 3.11), a cabeça (Ef 1.22). A Igreja é de Deus (At 20.28; 1Pe 2.9-10).
Encontramos na Palavra de Deus diversas figuras que descrevem a Igreja do Senhor no Novo Testamento (corpo, edifício, noiva, entre outros), bem como as ordenanças (batismo em águas e Ceia do Senhor), missão e organização, além de outros aspectos. Assim sendo a Igreja é ao mesmo tempo um organismo e uma organização (este último é o aspecto visível, são as igrejas locais: Atos 11.22; 13.1; Gálatas 1.22; 1 Coríntios 16.19). É bíblico o fato de Deus escolher, vocacionar e capacitar homens e mulheres para conduzirem a igreja aqui na terra (Ef 4.11-16; 1Tm 3.1-13; Tt 1.5-11).(Revista do professor)
E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo;(Ef. 4:11,12)

2.2. A Igreja e o uso da disiplinar.
Foi o próprio Jesus Cristo quem primeiro tratou sobre a igreja lidar com a aplicação da disciplina (Mt 18.15-19). Há casos de membros da igreja que são disciplinados diretamente por Deus (1Co 11.30-32). Porém, também é bíblica a autoridade da igreja para aplicar disciplina (Mt 18.15-19; Rm 16.17-18; 1Co 5; Gl 6.1; 2Ts 3.14-15; 1Tm 5.20; Tt 1.10-11). Infelizmente, vivemos num tempo de muito individualismo e insubordinação. Além disso, em muitas igrejas locais não se exerce mais a autoridade concedida por Deus para aplicar a disciplina.
Evidentemente, devemos, como Igreja, agir tendo em mente os princípios bíblicos que norteiam o uso da disciplina, evitando assim, tanto a negligência como o abuso. Sobre isso, assim escreveu Russel Shedd: “Não disciplinar os errados significa correr o risco de cair na posição de confundir a igreja com o mundo e vice-versa. Mas a disciplina rigorosa incorre num perigo igualmente sério de cisma, dividindo irmãos e destruindo o ‘santuário de Deus’”. (Revista do professor)
Professor seria interessante você sintetizar o acontecimento da igreja de Corinto que menciono abaixo, para ensinar que pecados na igreja não devem ser tolerados e quando necessário à disciplina deve ser aplicada conforme a orientação bíblica e direção do Espírito Santo.
O transgressor precisa ser confrontado (vv.1-5). O pecado era abominável e grosseiro. Um dos crentes de Corinto vivia um relacionamento incestuoso com a mulher do pai. A igreja era cúmplice do pecado, porquanto o tolerava. "Um pouco de fermento faz levedar toda a massa" (v.6). Até que Jesus volte, a igreja local é composta de salvos que ainda pecam (1 Jo 1.6-10). Quando Jesus voltar não haverá mais mancha, nem ruga (Ef 5.27).
A igreja de Corinto, bem como toda igreja da atualidade deve, pelo Espírito Santo, ter consciência de que Deus é santíssimo ("Santo, Santo, Santo é o Senhor", Is 6.3), e quem vive na prática do pecado, não pode ter comunhão com Ele.
Paulo não estava fisicamente em Corinto (v.3), mas em pensamento e em palavra. Na autoridade do Senhor Jesus e no poder do Espírito Santo, ele juntamente com a igreja determinou a disciplina do transgressor: aquele homem deveria ser entregue a Satanás (vv.3-5; ver Hebreus 12.5-8). No caso de Jó (1.12; 2.6), sua vida foi por Deus requerida, mas no caso em apreço, não (v.5). Ver 1 Co 11.30; 1 Tm 1.19,20; 1 Jo 5.16,17.
Nos vv.5,13, a mulher pecadora não aparece na disciplina corretiva; certamente ela não era crente.
A espiritualidade do crente não está no fato de possuir um elevado conhecimento doutrinário, ou ser portador de dons espirituais, mas na resolução permanente de evitar o erro, o mal, o pecado. Isto é, primar pela santidade. O caso desse cristão de Corinto mostra-nos que um crente de consciência cauterizada procede pior quanto ao pecado do que o incrédulo (1 Tm 4.2; Ef 4.19). Ler também Rm 1.28; Lc 11.26; 2 Pe 2.22[...]
A ação pastoral e eclesiástica sobre o pecado. O caso disciplinar de Corinto era estarrecedor, de modo que mesmo à distância, Paulo delibera e aplica a disciplina juntamente com a igreja para por fim ao escândalo (vv.4,13). A igreja local, tendo à frente seu líder tem o dever de preservar a disciplina preventiva e a corretiva entre os seus membros.( Lições CPAD Jovens e Adultos » 2009 » 2º Trim)

2.3. Os cuidados e objetivos na aplicação da disciplina.
Tendo a consciência de que encontramos na Bíblia instruções para orientar a igreja em questões fundamentais de disciplina, é importante, também, conhecermos os cuidados e os objetivos na aplicação da mesma. O Senhor Jesus usou uma expressão muito interessante ao instruir sobre como lidar com o pecado de um irmão, que retrata bem o objetivo da disciplina: “ganhaste a teu irmão” (Mt 18.15).
Professor destaque que a aplicação da disciplina deve ter objetivo, citamos no tópico anterior um caso gravíssimo ocorrido na igreja de Corinto e a disciplina foi na mesma medida, todavia na maioria dos casos a disciplina visa à restauração, correção, reintegração do irmão disciplinado, conforme belíssima explicação do nosso comentarista:
Paulo escrevendo a Timóteo declara o objetivo do corretivo aplicado a dois homens: “para que aprendam” (1Tm 1.20). A Igreja, ao tratar uma pessoa surpeendida em alguma ofensa, deve agir: “encaminhai o tal” (Gl 6.1). Esta palavra no original grego, usada em sentido figurado, tem o significado de “restaurar, endireitar”. Tratar o faltoso, admoestando-o (2Ts 3.15), ou seja, “advertir ou reprovar gentilmente”. É preciso também, atentarmos para alguns cuidados quando os membros da igreja estiverem envolvidos na aplicação da disciplina: 1) Agir com humildade e atenção consigo mesmo para não sermos tentados (Gl 6.1); 2) Amor, mansidão e capacitação para ensinar (2Tm 2.24-26); 3) Tendo em mente que se trata não de um inimigo, mas um irmão (2Ts 3.15). (Revista do professor)
Por muitos anos a palavra disciplina erroneamente foi sinônima de separação de Deus e da comunhão com a igreja, era comum dizer que alguém estava disciplinado e o mesmo não era considerado nem mesmo pelos irmãos que faziam parte da mesma igreja local. Que triste,muitos irmãos se sentiam rejeitados ao ponto de nunca mais voltarem à casa do Pai.Que o Senhor nos ajude e nos ensine a amar nossos irmãos independente das circunstancias...
Todavia não o tenhais como inimigo, mas admoestai-o como irmão (2 Ts 3:15).

3. É preciso lidar com a disciplina.
O povo de Deus, representado no Antigo Testamento por Israel e no Novo Testamento pela Igreja, por toda a Bíblia é alvo de atitudes de disciplina por parte de Deus, da própria pessoa e da comunidade. Assim, aprendemos que a vida do povo de Deus é uma vida que envolve disciplina, pois "Deus não é Deus de confusão" e se requer que tudo seja feito com ordem e decência (1Co 14.33,40).

3.1. A autodisciplina.
Durante muito tempo a maior ocupação da medicina foi a identificação e a cura das doenças. Hoje é notória a ênfase na prevenção principalmente com a adoção de hábitos de vida saudáveis. O mesmo princípio se aplica ao cuidado com a vida do discípulo de Cristo, que envolve não apenas o corpo, mas, também, o aspecto espiritual. São diversas as admoestações da Palavra de Deus quanto ao cuidado conosco mesmo (At 20.28; 1Co 9.24-27; 2Co 13.5; Ef 6.11, 13; 1Tm 4.16; Jd 20.21).
Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue.(Atos 20:28)
Mas vós, amados, edificando-vos a vós mesmos sobre a vossa santíssima fé, orando no Espírito Santo,
Conservai-vos a vós mesmos no amor de Deus, esperando a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo para a vida eterna.(Judas 1:20,21)
A autodisciplina consiste na consciência (iluminada e despertada pela Palavra de Deus) e em atitudes. Não basta identificar os erros, é necessário agir para corrigir e prevenir. É um verdadeiro exercício espiritual (1Tm 4.7-8). Leitura bíblica e oração diárias, frequência à Escola Bíblica Dominical e aos cultos de ensino, participação na Ceia do Senhor, envolvimento nas atividades da igreja local, constante vigilância, prática do jejum com propósitos específicos, renúncia, são alguns dos exemplos de ações de autodisciplina, que compõem o processo de prevenção. (Revista do professor)

3.2. Sendo disciplinado.
Normalmente, quando não priorizamos a autodisciplina, acarretando, assim, descuido conosco mesmo, se faz necessário sermos alvos de disciplina, seja diretamente da parte de Deus ou por intermédio da igreja. Daí a importância de conhecermos este assunto bíblico, seu significado e propósitos, para que saibamos lidar com maturidade e, assim, prosseguirmos até que cheguemos “à medida da estatura completa de Cristo” (Ef 4.13).
Como membros do Corpo de Cristo, devemos nos submeter às autoridades da igreja do Senhor, enquanto permanecerem fiéis às Sagradas Escrituras. Conforme encontramos na Palavra, o Senhor usa pessoas na igreja como instrumentos para que sejamos tratados, visando o nosso aperfeiçoamento (Ef 4.11-16). Então, devemos buscar no Senhor humildade para nos submetermos àqueles que têm sido constituídos por Deus. Assim escreveu Calvino: “Se o açoite de Deus testifica de seu amor para conosco, é uma vergonha que o reputemos com desprazer ou ódio. Pois aqueles que não toleram ser castigados por Deus, para sua própria salvação, sim, que rejeitam a prova de sua bondade paternal, sem dúvidas são extremamente ingratos”.

3.3. A questão da tolerância.
Na mensagem enviada à igreja em Tiatira, um grande centro comercial na Ásia Menor, Jesus menciona: obras, amor, serviço, fé, paciência e crescimento (Ap 2.18-29). Contudo, havia um porém: “toleras Jezabel”. Uma expressão que indica “aceitar sem reagir”. Havia a tendência de admitir modos de pensar, agir e sentir que diferem da sã doutrina. Não estavam exercendo a disciplina. Uma das lições que podemos extrair dessa mensagem é que amar não significa aceitar tudo. O amor não pode ser usado como escudo para esconder o mal e permitir o pecado.
O fermento do erro (1Co5.6). O silêncio da igreja nesses casos, deixa claro a sua omissão, além de abrir o caminho para que o pecado se alastre. Atualmente é grande o número de igrejas que se gabam de serem "abertas" e "livres". Por isso lhes é fácil reunir muita gente. Seus dirigentes não observam que não é somente a porta de entrada da salvação que é "estreita"; o caminho a ser percorrido, após a porta, é "apertado" (Mt 7.14). Isso tem a ver com renúncia em nosso seguir a Cristo (Lc 14.33).( Lições CPAD Jovens e Adultos » 2009 » 2º Trim)

CONCLUSÃO
Disciplina faz parte do tratamento de Deus para com aquele que Ele ama e adotou como Seu filho. Não rejeitemos, pois, nem a autodisciplina, nem a disciplina de Deus, seja diretamente ou por intermédio da igreja. É para o nosso bem e aperfeiçoamento (Pv 12.1).

Provérbios 12.1
"O que ama a correção ama o conhecimento, mas o que aborrece a repreensão é um bruto". Se você não quer aprender, os anos de escolha lhe ensinarão muito pouco. Mas, se você quer ser ensinado, o que você pode aprender não tem fim. Isto inclui estar disposto a aceitar disciplina e correção, e aprender com a sabedoria dos outros. Uma pessoa que se recusa a aceitar criticas construtivas tem um problema com a soberba e é improvável que aprenda muita coisa.
(Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal - CPAD - Pág.657)

Bibliografia
[1] Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal - CPAD - ARC
Biblia de estudo pentecostal, Almeida revista e corrigida, Rio de Janeiro, CPAD
Bíblia do Culto - Editora Betel
Revista EBD Betel Dominical Professor - 2 trimestre 2018, ano 28, número 107 - Editora Betel
PAE - Plano de Aula Expositiva - Auxílio EBD - http://editorabetel.com.br/auxilio/beteldominical/

1. Por intermédio da correção e instrução, o que vai sendo aplicado em nós?
R: O processo educacional de Deus (2Tm 3.16, Hb 12.11)

2. De quem é a Igreja?
R: De Deus (At 20.28; 1 Pe 2.9-10)

3. Quem primeiro tratou sobre a Igreja lidar com a aplicação da disciplina?
R: Jesus Cristo (Mt 18.15-19)

4. Qual expressão Jesus usou ao instruir sobre como lidar com o pecado de um irmão, que retrata bem o objetivo da disciplina?
R: "Ganhaste a teu irmão" (Mt 18.15) 

5. O que não pode ser usado como escudo para esconder o mal e permitir o pecado?
R: O amor (Ap 2.18-29)

                              AGORA VAMOS A VÍDEO AULA SOBRE ESTA LIÇÃO.  TENHA BOM ESTUDO !                             
Antes de Assistir os vídeos, se a radio do site estiver tocando, suba a página até a radio e 
toque no vídeo da musica que estiver tocando para interromper o som.






                                                                                                                                                                              
[     

Estimado Professor, segue abaixo o material de apoio para nossos estudos !

Clique Aqui - Pastores falam sobre disciplina eclesiastica



Comentário Revista CPAD - 1 Trimestre - 2011
Pr. Claudionor de Andrade





Antes de Assistir os vídeos, se a radio do site estiver tocando, suba a página até a radio e 
toque no vídeo da musica que estiver tocando para interromper o som.
Vídeo Imperdível
 Cristão e a Disciplina 
 Pr.Francisco Cícero Miranda - AD Mossoró 
Tempo do Vídeo : 41 Minutos

                                                                                                                                                                              

Nenhum comentário:

Postar um comentário