domingo, 28 de fevereiro de 2021

Lição 10 - O Senhor Jesus Cura Hoje

    



 











Prof. Pr. Éder Tomé



Ponto Central
A Cura divina é para hoje.


Texto Áureo
"É ele que perdoa todas as tuas iniquidades e sara todas as tuas enfermidades." (Sl 103.3)

Verdade Prática
A cura da enfermidades é um dos benefícios da obra redentora do Calvário.
Leitura Bíblica em Classe
      Isaías 53.4-6
4 - Verdadeiramente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores sobre si, e nós o reputamos por aflito, ferido de Deus e oprimido.
5 - Mas ele foi ferido pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e, pelas suas pisaduras, fomos sarados.
6 - Todo nós andamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho, mas o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de nós todos.                    
Mateus 8.16-17
16 - E, chegada a tarde, trouxeram-lhe muitos endemoninhados, e ele, com a sua palavra, expulsou deles os espíritos e curou todos os que estavam enfermos,
17 - para que se cumprisse o que fora dito pelo profeta Isaías, que diz: Ele tomou sobre si as nossas enfermidades e levou as nossas doenças.
                    
Objetivos Geral
Esclarecer que a cura divina acontece hoje.

Objetivos da Lição
- Conceituar a cura divina na Bíblia;
- Pontuar a cura divina como parte da salvação;
- Refletir sobre a cura divina e os desafios atuais.

Introdução


Dentre as consequências da entrada do pecado no mundo, certamente as enfermidades são as que mais perturbam as pessoas.
Até mesmo os crentes em Jesus são acometidos de doenças, muitas vezes graves, que os levam à morte. Entretanto, o Senhor Jesus Cristo deu à sua igreja a autoridade para curar enfermos em seu nome.
(Pr. Elinaldo Renovato - Revista CPAD Adultos - 2T - 2000)

I - A Cura Divina na Bíblia
A cura divina na Bíblia tem a ver com a saúde pública no Antigo Testamento.
A prevenção de doenças como uma orientação bíblica e as curas de Jesus no Novo Testamento.

1 - A Saúde Pública no Antigo Testamento
Em Israel, a saúde era um promessa de Deus, mas o povo tinha que fazer a sua parte. 
"Nenhuma das enfermidades porei sobre ti, que pus sobre o Egito; porque eu sou o Senhor, que te sara" (Êx 15.26)
Deus prometeu ao povo de Israel abençoá-lo grandemente, caso obedecessem à sua voz (Dt 28.1-13). Em contrapartida, se desobedecessem, levariam sobre si as maldições proferidas no Monte Ebal (Dt 27.11-26), entre as quais todos os tipos de enfermidades.
(Pr. Elinaldo Renovato - Revista CPAD Adultos - 2T 2007)

Tanto no Antigo como no Novo Testamento, o Senhor é apresentado como aquEle que sara as enfermidades do seu povo (Êx 15.26; Mt 8.14-17; 1Pe 2.21; Sl 103.3). No Antigo Testamento, a condição para experimentar a cura divina era a obediência à Lei (Dt 7.11-15), mas em o Novo ela está disponível a todos quantos se convertem a Deus mediante a fé em Jesus.
Êxodo 15.26, apresenta algumas condições para que o homem viva uma vida abençoada e saudável, vejamos:
Obedecer à voz do Senhor
Deus fez promessas maravilhosas ao seu povo como resultado da obediência (Dt 28.1,2). A obediência irrestrita a Deus põe o homem em comunhão com o Espírito Santo. Essa sujeição à vontade do Senhor, por meio do relacionamento do crente com o Espírito de Cristo, é fundamental para o equilíbrio emocional.
Guardar os estatutos do Senhor
Os estatutos são como uma regulamentação dos mandamentos de Deus.
É a "lei do Senhor" tão mencionada na Bíblia, principalmente nos Salmos.
Esse "plano de saúde" divino tem sua explicitação em outros textos, como por exemplo, Deuteronômio 7.15a : "E o Senhor de ti desviará toda enfermidade." (Pr. Elinaldo Renovato - Revista CPAD Adultos - 2T 2007)

2 - A Prevenção de doenças é Bíblica


3 - O Novo Testamento: As curas de Jesus



Jesus Cristo é o Médico Divino
Ele curou a muitos de enfermidades físicas (Mt 8.16); expulsou demônios (Mc 1.34); e concedeu, em seu nome, autoridade aos seus servos para também curar e expulsar demônios (Mc 16.17.18).
Jesus não mudou; Ele é o mesmo (Hb 13.8). Em nome de Jesus somos atendidos em nossas orações (Jo 14.13), mas é necessário estarmos em comunhão com Ele e com sua Palavra (Jo 15.7).
(Pr. Elinaldo Renovato - Revista CPAD Adultos - 2T 2007)

Jesus não curava os enfermos buscando publicidade.
Os seus milagres não eram feitos por querer ostentar-se.
Antes, os curava movido de compaixão ao ver suas aflições.
A Bíblia diz que Ele compadecia-se das multidões (Mt 9.36; Mc 6.34).
Jesus curou principalmente movido por sua misericórdia e lançou mão dessas curas para acentuar lições espirituais.
O dom de curar é baseado na compaixão.
(Pr. Elinaldo Renovato - Revista CPAD Adultos - 2T - 2000)

II - A Cura Divina como parte da Salvação
O discurso profético de Isaías 53 anuncia a obra redentora de Jesus no Calvário.
O Novo Testamento mostra com clareza que salvação e cura divina caminham juntas.

1 - Salvação



2 - Cura Divina




A doutrina da cura divina como provisão de Deus à trágica queda do homem no Éden, baseia-se em várias partes das Escrituras: foi estabelecida e tipificada por Deus no Antigo Testamento (Êx 15.26; Nm 21.6-9); anunciada pelos profetas (Is 53.4,5) e exercida por Cristo em seu tríplice ministérios terreno, a saber: 
1 - Ensinando o Evangelho (Mt 4.23a)
     "E percorria Jesus toda a Galiléia, ensinando nas suas sinagogas"
2 - Pregando o Evangelho (Mt 4.23b)
     "e pregando o evangelho do Reino"
3 - Curando enfermidades (Mt 4.23c)
     "e curando todas as enfermidades e moléstias entre o povo"
A pregação de Jesus não era um evangelho só de palavras, como faziam os fariseus (Jo 7.46).
Sua mensagem tornava-se eloquente por causa dos sinais e prodígios que operava (Jo 2.11). Ele próprio enfatizou este aspecto: "Se não virdes sinais e milagres, não crereis" (Jo 4.48).
Muitos creram por causa dos sinais (Jo 2.23; 3.2). Dentre esses sinais, a cura das enfermidades teve lugar especial no ministério terreno do Senhor. (Pr. Elinaldo Renovato - Revista CPAD Adultos - 2T - 2000)

Jesus não condena a Medicina
Criticado por entrar na casa de um publicano, Jesus disse aos escribas e fariseus: "Não necessitam de médico os que estão sãos, mas sim os que estão enfermos" (Lc 5.31). Lucas, discípulo de Jesus, era médico. Quando enfermo, o crente não peca se recorrer à Medicina, pois Deus pode usar os médicos e os remédios para conceder a cura desejada. 
No entanto, para o crente deve sempre prevalecer a vontade divina, pois, às vezes, a cura não é concedida.
(Pr. Elinaldo Renovato - Revista CPAD Adultos - 2T - 2000)

3 - Salvação e Cura


Jesus cumpriu a profecia sobre seu poder sanador, mesmo antes de morrer na cruz. Após o seu sacrifício expiatório, ele assegurou o direito aos seus servos de serem salvos e curados dos males do corpo físico.
O comentário da Bíblia de Estudo Pentecostal (CPAD)  diz: "A morte expiatória de Cristo foi um ato perfeito e suficiente para a redenção do ser humano total - espírito, alma e corpo.
Assim como o pecado e a enfermidade são os gigantes gêmeos, destinados por Satanás para destruir o ser humano, assim também o perdão e a cura divina vêm juntos como bênçãos irmanadas, destiandas por Deus para nos redimir e nos dar saúde (Sl 103.3; Tg 5.14-16)
(Pr. Elinaldo Renovato - Revista CPAD Adultos - 2T - 2000)

Na cruz, Jesus garantiu a salvação de nosso espírito, alma e corpo, dando-nos direito à vida eterna e à cura das enfermidades, em seu nome (Is 53.4,5; Mc 16.18).
Entretanto, quanto ao corpo, o efeito da obra salvífica ainda não se manifestou plenamente. Isso porque, enquanto o espírito e a alma (o homem interior - 2Co 4.16) são salvos no momento da conversão a Cristo, o corpo ainda aguarda a completa redenção (Rm 8.23; 1Co 15.42-45,53,54). Todavia, isto não significa que não podemos ter uma vida saudável.
(Pr. Elinaldo Renovato - Revista CPAD Adultos - 2T 2007)

4 - Isaías 53.3,4


O cumprimento profético da cura divina.
Em visita à casa de Pedro, Jesus "curou todos os que estavam enfermos, para que se cumprisse o que fora dito pelo profeta Isaías, que diz: Ele tomou sobre si as nossas enfermidades e levou as nossas doenças (Mt 8.16,17). Neste texto bíblico, está o cumprimento do que Isaías profetizou (Is 53.4) sete séculos antes de Jesus se manifestar ao mundo, curando os enfermos e doentes.
(Pr. Elinaldo Renovato - Revista CPAD Adultos - 2T - 2000)

III - A Cura Divina e os Desafios Atuais
Os desafios atuais são diversos, e dentre eles, saber sobre a natureza da enfermidade, se o problema é físico ou espiritual, e ter o discernimento sobre a vontade de Deus.

As doenças são reais
Se podemos impor as mãos sobre "os enfermos", é porque eles existem e suas enfermidades são reais ... Não são "sintomas" apenas. São concretas.
É para isso que o crente ora, impondo as mãos ou fazem a "oração da fé" (Tg 5.14,15), que levantará "o doente", de verdade, e não o falso enfermo. O crente pode adoecer e ser curado imediatamente, ou progressivamente; e pode não ser curado, se assim Deus o quiser ou permitir.
A Bíblia diz "Tudo sucede igualmente a todos: o mesmo sucede ao justo e ao ímpio, ao bom e ao puro, como ao impuro..." (Ec 9.2).
Somente na eternidade, o justo será completamente diferente do impio: "Então, vereis outra vez a diferença entre o justo e o ímpio; entre o que serve a Deus e o que não serve" (Ml 3.18)

Jesus deu Autoridade para curar
1. Poder para curar.
Preparando os seus discípulos para a missão de evangelizar, Jesus "deu-lhes poder sobre os espíritos imundos, para os expulsarem e para curarem toda enfermidade e todo mal" (Mt 10.1). Isso é maravilhoso. Os crentes em Jesus têm autoridade para orar pelos enfermos de todo o tipo, seja a enfermidade espiritual, emocional ou física. Na mesma ocasião, ele disse: "Curai os enfermos, limpai os leprosos, ... de graça recebestes, de graça dai" (Mt 10.8). No envio dos 70, ele mandou curar os enfermos (Lc 10.9). Em suas últimas palavras, antes de ser assunto aos céus, Jesus garantiu o seu poder, para que em seu nome os enfermos sejam curados (Mc 16.18).
2. A imposição das mãos
Jesus ensinou que os seus servos "imporão as mãos sobre os enfermos e os curarão". Trata-se de um ato de fé, numa demonstração de que o poder de Deus no crente envolve o seu interior e o exterior. Assim como do corpo de Jesus saiu virtude (Mc 5.30), esta pode, da parte de Deus, fluir do crente para o enfermo e este receber a cura, não por causa das mãos de quem ora, mas pelo poder no nome de Jesus. Além da imposição de mãoso, o crente pode ser curado através da oração da fé com unção com óleo (Tg 5.14-16) ou através dos dons de curar (1Co 12.9).
(Pr. Elinaldo Renovato - Revista CPAD Adultos - 2T - 2000)

1 - As Doenças


As doenças originaram-se da queda do homem no Éder.
Antes do pecado, não havia enfermidades, desgastes, envelhecimento e morte, mas a desobediência de nossos primeiros pais trouxe medo, moléstias, deterioração e morte (Gn 3.10,17-19).
A primeira enfermidade foi da ordem emocional.
A Bíblia sustenta que Adão e Eva, ao pecarem, sentiram medo (Gn 3.8-10).
Depois, certamente sobrevieram-lhes as demais sequelas emocionais, psicológicas e físicas. É do pecado, como estado e como ato, que procedem todas as doenças.
(Pr. Elinaldo Renovato - Revista CPAD Adultos - 2T 2007)

2 - As Enfermidades entre os Crentes


O Crente fiel pode adoecer
Timóteo, "filho na fé" de Paulo, tinha frequentes enfermidades (1Tm 5.23); Trófimo ficou doente em Mileto (2Tm 4.20); Epafrodito esteve quase à morte (Fp 2.25-30). Isso sem falar de Jó, que "era homem sincero, reto e temente a Deus; e se desviava do mal" (Jo 1.1), e padeceu de uma doença que lhe acometeu desde a cabeça até a planta dos pés (Jó 2.7). Em Mc 16.18, Jesus não disse que os enfermos seriam apenas os descrentes.
(Pr. Elinaldo Renovato - Revista CPAD Adultos - 2T - 2000)

Exageros Doutrinários
Com base no texto bíblico de Mt 8.17, que repete em Is 53.4, os adeptos da chamada "confissão positiva" entendem que, como a salvação, a cura divina já foi realizada na cruz, não existindo mais doenças para os crentes. Segundo eles, se o crente apresenta algum problema de saúde, isto é apenas "sintoma", que precisa ser expulso, pois é coisa de Satanás.
Se um crente fica doente, dizem que é por "falta de fé" ou "por causa de pecado". Isso é terrível, pois há homens e mulheres de Deus, fiéis, que ficam doentes e até passam para o Senhor.
Será que eles são pessoas incrédulas ou cheias de pecados?
Por outro lado, há quem diga que o texto refere-se unicamente ao pecado (enfermidade espiritual). Jesus, com seu sacrifício, veio nos dar vitória tanto sobre o pecado, quanto sobre suas consequências, incluindo as enfermidades. Entretanto, a vitória total, ou seja, "a redenção do nosso corpo" (Rm 8.23) só ocorrerá por ocasião da ressurreição (1Co 15.54), no arrependimento (Fp 3.21).

Enfermidades aprofundam a nossa dependência de Cristo
Jesus veio destruir as obras do diabo, que podem ser também doenças espirituais ou físicas, pois no Calvário se cumpriu às palavras: 
"Ele tomou sobre si as nossas enfermidades..."
Embora você cuide de sua saúde, é bom lembrar que na Bíblia, em várias ocasiões, Deus usou a dor, juntamente com outras aflições, como um instrumento para moldar o caráter de seus filhos. Embora ninguém queira ficar doente, as enfermidades aprofundam a nossa dependência de Cristo. Muitos crentes têm a saúde débil, mas espiritualmente estão fortes.
(Pr. Elinaldo Renovato - Revista CPAD Adultos - 2T 2007)

Provados pelas Enfermidades
Quem não quer desfrutar de uma boa saúde?
Algumas enfermidades geram limitações que nos impedem até mesmo de realizarmos a obra do Senhor.
Porém, o Pai Celeste permite algumas vezes que sejamos provados para que a nossa fé cresça mediante uma maior experiência e comunhão com Ele. O corpo pode estar debilitado pela doença, mas o espírito, como resultado da confiança em Deus, está forte.
Na Bíblia, temos muitos exemplos  de homens fiéis, que foram acometidos por enfermidades: Ezequias (2Rs 20.1-11), Jó (Jó 1.1-22), Timóteo (1Tm 5.23). Nos momentos de dor e aflição, corra  para os braços do Pai Celeste! Muitos pensam que chorar é sinal de fraqueza, mas não o é. Chore, e coloque diante do Senhor toda a sua dor e sofrimento (1Pe 5.7). Deus é o dono da vida. A palavra final é sempre dEle!
(Pr.Eliezer de Lira e Sira - Revista CPAD Adultos - 3T - 2012)

3 - Não confundir doença com possessão maligna


Enfermidades de origem Maligna
Existem enfermidades cuja origem é maligna?
Sim, a Bíblia relata vários casos (Mc 9.17; Lc 13.10-17).
Porém, o inimigo das nossas almas não pode tocar na vida e na saúde de ninguém sem a permissão de Deus (Jó 2.6). A enfermidade física não significa necessariamente que alguém esteja experimentando alguma forma de "possessão demoníaca" (1Jo 5.18; 2Ts 3.3)
(Pr.Eliezer de Lira e Sira - Revista CPAD Adultos - 3T - 2012)

Nem todas doenças provém do Maligno
Os pregadores do deus "Papai Noel" asseveram que o crente nunca fica doente, se ficar, está em pecado, não entendeu o que é viver pela fé, além de estar dominado pelo Diabo. Que falácia!
Tudo isso porque as suas mensagens visam agradar o ser humano e atendê-lo em suas necessidades restritas a essa vida, como saúde, prosperidade e bem-estar.
Para início de conversa, nem todas as doenças provém do Maligno.
E, queiram ou não os tais pregadores, toda carne é como a erva, e a glória do homem como a flor da erva (1Pe 1.24).
O ser humano se desgasta, pois o seu corpo é corruptível (2Co 4.16).
Um dia, os salvos se revestirão de incorruptibilidade (1Co 15.54); por enquanto, embora Jesus tenha poder para nos curar, segundo a sua vontade (1Jo 5.14; Mt 6.9,10), estamos sujeitos às enfermidades.
Os pregadores da saúde perfeita sempre "exigem" a cura e dizem que o Senhor cura sempre, pois a saúde é um direito do crente.
Por que, então, Eliseu morreu em decorrência de uma enfermidade (2Rs 13.14)?  Por que Timóteo e Trófimo não foram curados (1Tm 5.23; 2Tm 4.20)? Estariam esses homens de Deus endemoninhados?
Jó e Lázaro estavam igualmente possessos, quando adoeceram (Jó 1.1; 2.12,13)? Se a saúde é um direito do crente, por que ele fica doente?
Em Salmos 41.3, está escrito: 'O Senhor o sustentará no leito da enfermidade; tu renovas a sua cama na doença" (ZIBORDI, Ciro Sanches. Evangelho que Paulo jamais pregaria - RJ - CPAD - 2006, pág.59-60)

A realidade dos Milagres
O cristianismo foi erigido sobre fatos.
O que Jesus fez e ensinou foi às claras (Jo 11.42-44; 18.19-21; At 2.32-36). As pessoas curadas por Ele eram conhecidas do povo.
Esta é a razão pela qual o Senhor nunca foi acusado de trapaça, embuste ou truques ao realizar os milagres. Os fatos eram incontestáveis (At 10.38,39, conforme Jo 9).
Ainda hoje o Senhor Jesus continua operando maravilhas em sua igreja.
Mesmo que não sejamos capazes de explicá-los racionalmente, os milagres são indiscutíveis, reais e atuais, haja os inúmeros testemunhos documentados no jornal Mensageiro do Paz.
Os milagres existem, sim, e continuam desafiando a Ciência. Os métodos científicos têm seu mérito, mas nem sempre são aplicáveis aos acontecimentos extraordinários da Bíblia.
(Pr. Esequias Soares - Revista CPAD Adultos - 1T - 2008)

Conclusão
1 - Precisamos saber que a cura divina é real e atual.
2 - Além disso, devemos entender que o Senhor Jesus cura quando, como e onde quer e não da maneira que, às vezes, pensamos (2Rs 5.10-14)

Um dia não haverá mais doenças e mortes (Ap 21.4).
Porém, enquanto estamos aqui, devemos zelar pela nossa saúde física, mental e emocional.
Precisamos lembrar que o nosso corpo é o templo do Espírito Santo, por isso, temos de cuidar da nossa saúde por meio de uma alimentação correta, repouso adequado, exercícios físicos, jejum e oração.
(Pr. Elinaldo Renovato - Revista CPAD Adultos - 2T 2007)

As doenças no seu aspecto geral, são consequências da entrada do pecado no mundo. No aspecto específico, ou seja, a doença de determinada pessoa, no entanto, não se pode julgar que seja fruto do peado, ou de falta de fé. O Cristão pode adoecer e pode ser curado de imediato ou não. Depende não só de fé, mas, também, da vontade diretiva ou permissiva de Deus. Que o Senhor nos ajude no incremento do ministério de cura divina, não só como fator de alívio para os doentes, mas como meio de propagar o poder de Deus através do evangelho.
(Pr. Elinaldo Renovato - Revista CPAD Adultos - 2T - 2000)