terça-feira, 17 de maio de 2016

Lição 8 - Desprezando ofensas através da longanimidade.

Aula Presencial dia 22 de Maio de 2016

OBJETIVO DA LIÇÂO
1 - Ensinar como abrir mão de nossas vontades para nos tornarmos longânimes;
2 - Apresentar Cristo como o verdadeiro exemplo de longanimidade;
3 - Mostrar aos alunos que uma postura longânime nos tornará bons evangelistas.

TEXTO ÁUREO
"Rogo-vos, pois, eu o preso do Senhor, que andeis
como é digno da vocação com que fostes chamados" 
(Efesios 4:1)

VERDADE APLICADA
A longanimidade nos capacita a sermos generosos e pacientes,
mesmo em momentos de grande adversidade.

MOTIVO DE ORAÇÃO
Ore para que a prática da longanimidade seja uma constante em sua vida.

LEITURAS COMPLEMENTARES
Segunda Nm 4.18
Terça      Pv 16.32
Quarta    Mt 5.11
Quinta    Ef 6.18
Sexta     1Tm 2.8
Sábado  1Pe 3.15

TEXTO DE REFERÊNCIA
                                                                                 Isaias 53:7,9                                                                       
7 - Ele foi oprimido, mas não abriu a boca; como um cordeiro, foi levado ao matadouro e, como a ovelha muda perante os seus tosquiadores, ele não abriu a sua boca.
9 - E puseram a sua sepultura com os ímpios, e com o rico, na sua morte; porquanto nunca fez injustiça, nem houve engano na sua boca.
                                                                                 Efésios 4:1-2                                                                      
1 - Rogo-vos, pois eu, o preso do Senhor, que andeis como é digno da vocação com que fostes chamados.
2 - Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor.


IMPORTANTE
Apresento neste Blog a Lição Completa conforme a 
Revista Lições Bíblicas do Professor, os meus comentários 
estarão neste estudo em textos escritos em letras vermelhas.

TENHA UM BOM ESTUDO !


INTRODUÇÃO
Difíceis de serem encontradas nos dias atuais, a longanimidade, benignidade e bondade são características que envolvem posicionamentos, em muitos casos, contrários à nossa personalidades.
                                                               
 1- RESISTINDO AO NOSSO EGO.
Ao estudarmos esta nova seção do fruto do Espírito, descobriremos o quanto é difícil para o homem desenvolver meios para o amadurecimento do fruto. As três características em questão nos mostram que em muitas situações que poderão, em algum momento, ferir o nosso ego. Sendo assim, descobriremos que não é nada fácil negar o nosso eu em favor dos outros (Mc 8:34).


1.1. Desenvolvendo a longanimidade.Aqueles que desenvolvem a longanimidade recebe de Deus  a capacidade de pensar antes de qualquer tomada de atitude, ou seja, desenvolvem a paciência e a perseverança como forma de suportar as adversidades (Rm 5:4). A longanimidade também é responsável pela capacidade que o servo de Deus tem de prosseguir em direção ao seu objetivo, mesmo quanto tudo parece conspirar ao contrário. Ser longâmine produz no indivíduo a capacidade de desprezar as ofensas. Ainda que esteja sendo perseguido por causa do amor de Cristo, ele não desiste de permanecer fiel ao seu Salvador (Mt 5:11); 

        SUBSÍDIO DIDÁTICO
Explique para os alunos que, ao ser longâmine, o servo de Deus terá garantia de ser abençoado, pois tal característica do fruto do Espírito Santo faz com que seja confrontado, o indivíduo não altera a sua postura de homem de Deus. Comente com os alunos que o próprio Cristo nos advertiu acerca da perseguição que sofreríamos enquanto estivéssemos no mundo (Jo 16:33b). Sendo assim, devemos estar preparados para exercer a longanimidade, mesmo diante das adversidades.

1.2. A Bênção da longanimidade Enquanto o mundo oferece, através da mídia e apelos tecnológicos , oportunidades de crescimento social  rápido e ilícito, o salvo em Cristo nunca abre mão dos princípios verdadeiros da Palavra de Deus (2 Pe 1:10), pois tem a plena certeza de que será abençoado através da sua fidelidade e que nada poderá o afligir, uma vez que tem a completa cobertura fornecida pela presença do Espírito Santo em sua vida. Ser longânime proporciona ao indivíduo a oportunidade de conviver em qualquer ambiente e em companhia de qualquer tipo de pessoa sem prejuízo algum para si ou para os outros.

                                                                      SUBSÍDIO DIDÁTICO
Explique para os alunos que a longanimidade produz no homem a capacidade de se posicionar em meio a todo tipo de acontecimento, mesmo que todos estejam aflitos com as notícias e acontecimentos noticiados pela mídia. Reforce para os alunos que o homem longâmine sempre supera as aflições, portando-se de forma segura diante dos acontecimentos. Aqueles que desenvolve esta característica do fruto do Espírito Santo atrai para si outras pessoas, pois transmite sempre uma postura de segurança em relação aos fatos e demostra sempre estar descansando à sombra do Onipotente (Sl 91:1).

1.3. A longanimidade produz a credibilidade. 
A longanimidade não só produz uma defesa para o indivíduo como coloca no mesmo o desejo incontido de interceder em prol daqueles que notoriamente necessitam de oração, fazendo com que o servo longânime se transforme numa coluna de oração. Em sua carta aos Efésios, o apóstolo Paulo determina que a Igreja do Senhor deve orar o tempo todo uns pelos outros (Ef 6:18). Sempre que um membro do corpo é identificado como longânime, este se destaca nesta função, pois tem uma postura que dá credibilidade à sua oração. A oração do longânime tem credibilidade, por este nunca ter uma postura de ira e contenda (1 Tm 2:8).

SUBSÍDIO DIDÁTICO
Comente com os alunos que a palavra de Deus nos dá a garantia de que na Igreja do Senhor está a solução para qualquer tipo de problema. Através da oração, alcançamos vitória sobre qualquer tipo de situação pela qual pode o homem passar. Enfatize para os alunos que a oração tem poder para debelar a aflição, tem poder para salvar, para curar, para perdoar pecado e, sobretudo, tem poder para fortalecer a comunhão entre os irmãos. O indivíduo quando amadurece a longanimidade do fruto do Espírito Santo em sua vida acaba por se tornar um exemplo de homem justificado. Logo, a sua oração será identificada como uma oração de poderes benéficos à coletividade (Tg 5:13-16).

                                                 2- O VERDADEIRO EXEMPLO DE LONGANIMIDADE.
A profecia acerca do Messias proferida pelo profeta Isaías deixou claro o tamanho do sofrimento pelo qual Ele havia de passar. O Messias deveria ser amado, entretanto, foi oprimido e afligido, provando ser longânime por amor à humanidade (Is 53:7).

2.1. Longanimidade é amar sem ser amado. 
Jesus Cristo se entregou ao sofrimento por amor. A sua trajetória terrena culminou com Sua morte e ressurreição. Em nossa trajetória terrena não teremos como superar o que por nós sofreu o Senhor, entretanto, uma das exigências que nos é imposta pela palavra de Deus é que, para alcançarmos a ressurreição em Cristo, devemos suportar uns aos outros em mansidão e sobretudo em longanimidade (2 Pe 1:5,7). Jesus escolheu sofrer por nós para que alcançássemos a salvação. Logo, teremos que passar por algum tipo de sofrimento para sermos glorificados com Ele. Que sofrimento é este? Amar sem ser amador (Efésios 4:2).

                                                                     SUBSÍDIO DIDÁTICO
Comente com os alunos que às vezes em nossos relacionamentos interpessoais na igreja somos tratados sem o mínimo de cortesia, muitos são se dão bem a menos ao cuidado de serem amáveis. Destaque para os alunos que este tipo de comportamento em nossos irmãos pode nos causar um sentimento de tristeza, contudo, se cuidarmos do amadurecimento do fruto que nos foi dado pelo Espírito Santo, alcançaremos longanimidade suficiente para suportar tais comportamentos em nossos irmãos (Cl 4:6).

2.2. Ser longânime garante salvação.
Muitas vezes nos questionamentos porque devemos suportar tanto os outros se a recíproca não acontece. Somos escolhidos para darmos exemplos de Cristo, isto é, através de nós a longanimidade de Jesus Cristo é mostrada de maneira mais enfática para que outros possam ser alcançados pela salvação (1 Tm 1:16). Ao examinarmos este texto da primeira carta a Timóteo fica claro para nós o que o Senhor espera de seus servos fiéis (1 Tm 4:12b). Não interessa o que está sendo apresentado pelos meios de comunicações que dizem que se doar é falta de inteligência. Para os cristãos importa o que ensina a Palavra. Ser longâmine garante a salvação.

SUBSÍDIO DIDÁTICO
Comente com os alunos que a sociedade está cada vez mais impregnada de informações que visam mostrar o contrário do que ensina a palavra de Deus. A Igreja de Cristo tem como dever manter firmes os ensinamentos trazidos ao homem através da Bíblia Sagrada, que foi inspirada pelo Espírito Santo (2 pe 1:21). Ressalte para os alunos que cabe aqui também dizer que o Espírito Santo que inspirou as Sagradas Escrituras é o mesmo que doa o Seu fruto ao homem. Logo, entendemos que a Bíblia e o fruto do Espírito concordam em dizer que aquele que buscar viver uma vida baseada na verdade, não se deixando influenciar pelos apelos midiáticos e tecnológicos e vivendo o fruto do Espírito, alcançará a salvação (Ef 5:8-9).

2.3. A loganimidade opera a paciência. Tanto o cristão imaturo quanto o homem sem Deus não conseguem entender como se desenvolve o amadurecimento do fruto do Espírito Santo. Por este motivo é que aprendemos que uma da principais maneiras que a longanimidade tem de se manifestar é através do exercício da paciência (Rm 5:3-5). O exercício da paciência capacita o servo de Deus a ter o equilíbrio necessário para esperar que o entendimento daqueles que não compreendem o agir do Senhor possa ser tocado pela ação do poder de Deus. Precisamos saber que como ministros de Deus devemos ser recomendáveis em tudo (2 Co 6:4). Se recebemos a paciência de Cristo por nós, temos que exercitá-la para com os outros (2 Ts 3:5).

SUBSÍDIO DIDÁTICO
Comente com os alunos que ser paciente, em muitos casos não é nada agradável. Mas coloque-se no lugar de Jesus que em tudo amou a humanidade e em muitas situações tem que ver o homem se deixar levar por conselhos ministrados por instrumentos do maligno, que têm como único plano destruir a imagem de Deus no homem (Jo 10:10). Merece ser especialmente destacado para os alunos que tais conselhos surgem quando é oferecida ao indivíduo toda sorte de degradação moral e espiritual. Ainda assim, mesmo o homem lhe virando as costas, o Senhor com toda paciência lhe oferece a possibilidade de arrependimento(Lc 5:32).

                                                                       3- LIÇÔES PRÁTICAS
A longanimidade nos faz chegar à conclusão de que todos devem ser alcançados por Cristo. Ser longâmine é entender que não temos nenhum mérito a mais do que o outro diante de Deus. Somos todos iguais, pois Deus não faz acepção de pessoas (At 10:34).



3.1. Longanimidade é controlar impulsos. Longanimidade é ter o espírito controlado por longo tempo, isto é, ser tardio em irar-se. Viver em grupo é sempre complicado, pois devemos procurar compreender o limite dos outros membros do grupo. Ser longâmine é saber controlar seus impulsos. O indivíduo que se ira facilmente sempre sai perdendo (Pv 16:32).

SUBSÍDIO DIDÁTICO
Explique para os alunos que o agir de maneira impulsiva leva sempre ao prejuízo. Saber esperar para tomar uma decisão, mesmo que em situação de aparente derrota, é melhor do que avançar precipitadamente. Comente com os alunos que devemos seguir na posição de longânimes, sempre observando a posição do Senhor (Nm 14:18).

3.2 O bom evangelista tem que ser longâmine.
Ao orientar a Timóteo acerca da postura que ele deveria tomar em relação à pregação da Palavra, Paulo foi enfático em dizer que o jovem pastor deveria ser insistente quando estivesse evangelizando. Entretanto, o apóstolo destacou que, mesmo quando estamos ávidos pelo desejo de ganhar almas (Mc 16:15), devemos nos posicionar com longanimidade, pois temos em muitas situações, que ter paciência para alcançar alguns corações (2 Tm 4:2). Existem pessoas que ao ouvirem poucas palavras acerca do Evangelho já se sentem tocadas pelo Espírito. No entanto, existem outras que necessitam de algum tempo para serem convencidas de que servir ao Senhor é o melhor caminho. O bom evangelista deve saber produzir o amadurecimento do fruto para alcançar êxito em sua tarefa de ganhar almas.

                                                                      SUBSÍDIO DIDÁTICO
Explique para os alunos que a tarefa de evangelizar, por si só, não é fácil. Imaginemos então o quanto deve ser difícil evangelizar uma pessoa questionadora, cheia de dúvidas e pronta a confrontar tudo o que o evangelista tenta passar a ela (2 Tm 2:25). Reforce para os alunos que, neste momento, devemos estar preparados para saber lidar com a situação. Só através do amadurecimento do fruto do Espírito Santo que alcançaremos o temperamento ideal para saber lidar com este tipo de situação (2 Tm 2:24).

3.3 Aprendendo a ser longâmine.
O ser humano tem em si uma característica que lhe é peculiar: esperar que todos o compreendam em suas questões pessoais. Mas é muito difícil encontrarmos alguém que está disposto a compreender o próximo como este espera ser compreendido. A Palavra de Deus nos mostra que a nossa salvação é a longanimidade do Senhor. Se Ele não fosse longâmine, toda a humanidade estaria perdida (Rm 2:4; 1 Pe 3:15).                                                                                                               

                                   SUBSÍDIO DIDÁTICO
Comente com os alunos que, para o homem, ser longâmine é uma tarefa extremamente difícil, é difícil mudar o caráter do indivíduo. Ressalte para os alunos que ser temperamental é ser o inverso de longâmine, então busquemos controlar o nosso temperamento forte, permitindo a ação do Espírito Santo em nós, para que ocorra o amadurecimento do fruto do Espírito (2 Tm 2:22-26).

CONCLUSÃO
Através do estudo da longanimidade, pudemos perceber que o amadurecimento dessa característica do fruto do Espírito Santo fará com que venhamos a nos sentir muito melhor diante das adversidades da vida.

COMENTÁRIO DO NOSSO BLOG




QUESTIONÁRIO

1) Qula é a orientação de Paulo em Efésios 6:18 ?
     R. Que a Igreja do Senhor deve orar o tempo todo uns pelos outros (Ef. 6:18).

2) O que tem a oração do longâmine ?
     R. Tem credibilidade (1 Tm 2:8)

3) O que aprendemos em 2 Coríntios 6:4 ?
     R. Que devemos ser recomendáveis em tudo (2 Co 6:4)

4) O que acontece com o indíviduo que se ira facilmente ?
     R. Ele sempre sai perdendo (Pv 16:32)

5) O que a palavra de Deus nos mostra ?
     R. Que a nossa salvação é a longanimidade do Senhor (Rm 2:4)

Referências Utilizadas no Estudo
Bíblia Sagrada - Thompson - Edição Contemporânea - Editora VIDA, 2000
Revista Jovens e  Adultos - 2 Trimestre 2016 - Editora BETEL, 2016, ano 26, n.99

terça-feira, 10 de maio de 2016

Lição 7 Paz: o prazer inefável da tranquilidade e serenidade

Aula Presencial dia 15 de Maio de 2016

OBJETIVO DA LIÇÂO
1 - Ensinar como encontrar a verdadeira paz;
2 - Revelar como desfrutar de uma paz permanente;
3 - Mostrar que a certeza de vida eterna produz a paz.



TEXTO ÁUREO
"E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos
corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus" 
(Filipenses 4:7)


VERDADE APLICADA
A verdadeira paz produz uma sensação de prazer indescritível na
vida de quem recebe o fruto do Espírito.

MOTIVO DE ORAÇÃO
Peça a Deus que levante pessoas que busquem a justiça e a paz,
e não os próprios interesses.

LEITURAS COMPLEMENTARES


TEXTO DE REFERÊNCIA
 Romanos 5:1-5 
1 - Sendo, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus por nosso Senhor Jesus Cristo;
2 - Pelo qual também temos entrada pela fé a esta graça, na qual estamos firmes; e nos gloriamos na esperança da glória de Deus.
3 - E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações, sabendo que a tribulação produz a paciência.
4 - E a paciência, a experiência; e a experiência, a esperança.
5 - E a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que foi dado.

IMPORTANTE
Apresento neste Blog a Lição Completa conforme a 
Revista Lições Bíblicas do Professor, os meus comentários 
estarão neste estudo em textos escritos em letras vermelhas.

TENHA UM BOM ESTUDO !


INTRODUÇÃO
Nesta lição, estudaremos a característica do fruto do Espírito que produz um efeito profundo na vida do servo de Deus. A paz mantém o indivíduo sereno e tranquilo mesmo em meio às tribulações da vida.

                                                               
 1- EM BUSCA DA VERDADEIRA PAZ.
A partir do momento em que começa a desenvolver o amor e o gozo, o cristão passa a sentir uma imensa sensação de paz, característica de fruto do Espírito que a humanidade mais tem buscado nos dias atuais. Porém, só alcança esta paz quem  tem a certeza de que desfruta de um perfeito relacionamento com o seu Criador. Sem esse relacionamento, o indivíduo anda vagueando pelas infovias em busca de algumas paz (Fp 4:7).

1.1. Paz além do nosso entendimento. Em um de seus diálogos com os discípulos, Jesus os acalentou acerca da paz que tanto o homem busca. As palavras do Mestre visavam trazer um sentimento de tranquilidade para aqueles que puderam experimentar a companhia do próprio Deus durante o Seu ministério terreno (Jo 14:27), Mais adiante, em outro momento especial, Jesus apresenta como essa paz se faria presente em meio ao Seu povo (Jo 16:7). Em seu discurso, o Senhor apresenta o Espírito Santo como agente desta paz. Quando o indivíduo começa a trabalhar em busca do amadurecimento do fruto do Espírito Santo, ele conhece a paz que foi apresentada pelo apóstolo Paulo aos filipenses: a paz que excede todo entendimento (Fp 4:7).

SUBSÍDIO DIDÁTICO
Explique para os alunos que as infovias são um conjunto de linhas por onde trafegam os dados das redes eletrônicas, possibilitando através delas o acesso a todo tipo de informação sem um controle central, ou seja, tudo pode se acessado por todos de maneira global (Dn 12:4). Comente com os alunos que a busca descontrolada por alguma coisa que produz paz acaba por apresentar ao indivíduo um mundo de informações que podem danificar a sua forma de viver, levando muitos a perderem a comunhão com Jesus Cristo, o único que fornece a verdadeira paz.


1.2. O príncipe da Paz. No texto bíblico de Isaías 9:6, Jesus Cristo nos é apresentado como Príncipe da Paz. Este poderia ser encarado como mais um dos tantos títulos maravilhosos que são devotados ao nosso Deus (Ap 1:8). Entretanto, neste título existe uma diferença em relação a todo os outros, pois ele nos mostra que não existe como ser participante da verdadeira paz se não estivermos em uma comunhão perfeita com o Filho de Deus. A paz que nos é fornecida pelo Príncipe da Paz não está atrelada a acontecimentos externos, mas vem direto do Pai das luzes na pessoa do seu Filho.

                                                                     
SUBSÍDIO DIDÁTICO
Explique para os alunos que a sociedade tem cada vez mais tentado provar que paz é a ausência de guerra. A cada dia, os governos têm procurado criar meios de se associarem com a criação de grupos formados por países , buscando um comércio comum e um sistema financeiro unificado ( vide União Européia e Mercosul). Esclareça para os alunos que tais organizações buscam promover uma paz entre as nações, buscando a garantia de que não colocarão o mundo em risco de guerras (Tg 3:18). Mais uma vez, estamos diante dos apelos midiáticos, que visam colocar a todos em um lugar comum.

1.3. Vivendo em paz em um mundo turbulento. 
Viver neste mundo é viver em um barril de pólvora. Por todos os lados ouvimos notícias de guerras e rumores de guerras. A cada dia surge um novo inimigo público, seja no âmbito das nações, com grupos terroristas que aterrorizam a todos, ou no âmbito social, como elementos que se apresentam como paladinos das populações menos favorecidas em prejuízo de todo o resto da sociedade. Como viver em paz diante de um cenário como este? O passo a ser dados é ter paz com o Criador (Sl 91:10). Quando temos paz com Ele, passamos a experimentar, através de Sua infinita graça, este sentimento de bem-estar e satisfação que só se manifesta na vida de quem está na presença de Deus (Rm 5:1-2).
SUBSÍDIO DIDÁTICO
Explique para os alunos que quando o cristão vive uma vida dedicada às coisas concernentes ao Reino de Deus, não teme nada, pois, ao ter uma caminhada dirigida pelo Espírito, tem as suas emoções controladas, impedindo que viva uma vida permeada de ansiedade (1 Pe 5:7), medo e preocupações, ou seja, este tipo de sentimento não tem como ser traduzido de forma racional (Fp 4:7). Comente com os alunos que não saber explicar este sentimento não o torna impossível de ser sentido, mas estar em comunhão com Deus produz um sentimento de confiança que é desenvolvido pelo amadurecimento do fruto do Espírito Santo.

                                                            2- UM DESCANSO PERMANENTE.
A paz é um sentimento íntimo e profundo de sossego vivenciado pelo indivíduo, independente dos acontecimentos que o rodeiam.

2.1. Paz: serenidade em meio às lutas. 
Quando o indivíduo escolhe viver uma vida de paz com Deus, ele começa a ser presenteado por Ele com uma intensa posição de serenidade em relação ao que recebe de informações negativas. Mesmo em meio à tempestade e o medo dos discípulos, Jesus não saiu da Sua posição e, quando solicitado, forneceu a Sua serenidade a todos (Mt 8:23-27). Paulo, em sua carta aos colossenses, disse que fomos chamados por Deus para uma vida de paz, que será vivida por todos que fizerem parte do corpo de Cristo. Logo, devemos ser agradecidos e buscar produzir o amadurecimento do fruto do Espírito, através do qual dominaremos os mais profundos sentimentos em nossos corações (Cl 3:15).

                                                                     SUBSÍDIO DIDÁTICO
Comente com os alunos que hoje já virou um jargão em algumas pregações a seguinte frase: "é muito fácil ser cristão quando tudo vai bem". No entanto, esclareça para os alunos que para o cristão verdadeiro nunca as coisas vão mal, pois, se estiver em Cristo, no momento da tempestade, basta clamar que Ele irá acalmá-la. Ressalte para os alunos que o servo fiel deve manter, sempre, uma posição de serenidade, pois não há mal que poderá se abater sobre a sua vida (Sl 91:10).

2.2. Para vermos a Deus, temos que ter paz com os homens. A paz do fruto do Espírito é algo que deve ser compartilhado com todos aqueles com quem nos relacionamos. Viver em comunhão é fazer parte de um mesmo corpo e não se pode fazer parte de um corpo vivendo um ambiente sem paz. Em sua carta aos Romanos, o apóstolo Paulo orienta que sempre que for possível  devemos buscar viver em paz com todos (Rm 12:18). Viver em paz na sociedade tem como efeito principal o processo de santificação, pelo qual todos devem passar se desejarem ver a Deus (Hb 12:14). Se não buscarmos o amadurecimento da paz do fruto do Espírito em nós, estaremos fadados a nos afastar cada vez mais do Criador, pois, se não cultivarmos a paz com o homem, não poderemos ter paz com o Senhor.

SUBSÍDIO DIDÁTICO
Explique para os alunos que a sociedade atual não tem interesse em promover a paz entre os homens. Quando do nascimento de Jesus Cristo (Lc 2:11), Deus declarou que o Seu desejo era que houvesse paz na Terra. Para que isso viesse a se tornar realidade, Ele estaria disposto a demonstrar boa vontade para com os homens (Lc 2:14). Comente com os alunos que nesta declaração do Senhor fica claro que se dependesse dEle a paz seria uma constante no mundo. Entretanto, a sociedade religiosa da época tratou de interferir nos planos do Senhor, se colocando entre o Cristo e os homens.

2.3. O homem sem Deus não em paz. Os sentimentos de paz, sossego e serenidade são características que fazem do servo do Senhor um indivíduo diferente. A palavra de Deus afirma que os que não servem a Cristo não experimentaram a paz íntima e verdadeira (Is 48:22). Viver em um mundo onde não se tem certeza de nada é algo terrível para muitos. Mas, para quem conhece a Jesus de forma íntima, esta falta de certeza veiculada pela mídia não assusta, pois experimenta uma paz que firma todas as suas emoções em Cristo. Desfrutar de Paz é descansar nos braços do Senhor e ter a certeza de um sono tranquilo. Nenhuma ameaça vinda de pessoas será capaz de tira a paz de um servo fiel (Sl 56:11;118:6).

SUBSÍDIO DIDÁTICO
Explique para os alunos que a paz tem sido responsável pela manutenção da esperança entre os servos de Deus, recebida pela virtude do Espírito Santo (Rm 15:13). Em momentos de tribulação, sabemos que a paciência se manifesta e com isso um crescimento de nossa experiência, que irá fortalecer a nossa esperança nas vitórias que virão das mãos do Senhor (Rm 5:3-4). Comente com os alunos que os momentos de tribulações são, na sua maioria, momentos que devem ser encarados com serenidade, pois a serenidade nada mais é do que um posicionamento de quem desfruta da verdadeira paz do Espírito em Cristo.

                                                                       3- LIÇÔES PRÁTICAS
Estamos vivendo dias em que toda sorte de notícias chega até nós de maneira inesperada. A surpresa provocada por tais notícias são, em muitos casos, a causa de um produto sentimento de tristeza (Jo 16:33).

3.1. O Senhor garante uma alegria duradoura. Tanto nos momentos de grandes provações como nos momentos em que somos pegos de surpresa com alguma má notícia, é comum nos sentirmos abatidos. A aceleração da produção de alta tecnologia tem nos colocado cada vez mais rápido em contato com os acontecimentos, produzindo em muitos um terrível sentimento de tristeza, mas o nosso Senhor nos garante que em breve seremos presenteados com uma alegria que ninguém poderá tirar de nós (Jo 16:22).
SUBSÍDIO DIDÁTICO
Comente com os alunos que para todos os que esperam em Jesus Cristo está garantida uma trajetória sem cansaço e desistência (Is 40:31). Reforce para os alunos que a alegria produzida pelo amadurecimento do fruto do Espírito Santo supera todo sentimento de tristeza produzido pelos apelos midiáticos e tecnológicos.

3.2. Depender de Deus nos torna forte. Existem pelo menos duas coisas que devem garantir a alegria que provem do amadurecimento do fruto do Espírito Santo. Primeiro, a certeza que teremos o nome escrito nos céus (Lc 10:20). Segundo a prova de uma comunhão íntima com o Criador. Quando desfrutarmos desta comunhão, passamos a sentir uma alegria intensa, pois sabemos que estamos vivendo uma vida onde depender de Deus é certeza de que alcançaremos a nossa vitória (Fp 4:13). Depender de Deus nos torna forte e tira de nós a tristeza promovida pelas incertezas acerca do futuro, plantadas pela mídia para desestabilizar a sociedade.

                                                                      SUBSÍDIO DIDÁTICO
Explique para os alunos que nem tudo e veiculado pela mídia tem por interesse desestabilizar a sociedade. Reforce para eles que, entretanto, existem algumas notícias que nos deixam preocupados com o que está acontecendo à nossa volta, mas para o cristão tais notícias não devem incomodar. Enfatize para eles que ser cristão é poder experimentar as bênçãos de Deus sem estar preocupado com as circunstâncias que hão de vir (Mt 6:25-34). 

3.3 Experimentando a perfeita alegria. Se permanecermos em Jesus Cristo, veremos a manifestação do seu amor por nós e experimentaremos a Sua alegria em nós. Quando experimentarmos esta alegria, temos a garantia de que em nós haverá abundância de alegria, produzindo em nós uma alegria completa (Jo 15:10-11) . Esta alegria completa não permite que nada que nos seja apresentado possa nos tirar do foco de estar em Cristo.
                                               
                                     SUBSÍDIO DIDÁTICO
Comente com os alunos que não é fácil ficar firme em meio aos terríveis acontecimentos que rodeiam a Terra, mas é possível permanecer firme naquilo que nos prometeu o Senhor (Hb 10:23). Ressalte para os alunos que ganhar o mundo inteiro possivelmente não é garantia da salvação de nossa alma, mas permanecer firme em Nosso Senhor Jesus Cristo certamente irá nos garantir a alegria, proveniente do amadurecimento do fruto do Espírito Santo.

CONCLUSÃO
O gozo produzido pelo amadurecimento do fruto do Espírito Santo nos garantirá mais momentos de felicidade do que possa tentar nos entristecer Satanás, através de notícias e informações apelativas. Sigamos firmes, não olhamos nem para a direita nem para a esquerda (Tg 1:2).

COMENTÁRIO DO NOSSO BLOG
Defina o que é Paz?  Se sairmos às ruas perguntando para as pessoas definirem o que é PAZ, chegaremos à conclusão que o conceito de PAZ para a maioria das pessoas é superficial e geralmente condicionada à ausência de conflitos externos. Quando nos voltamos para a Bíblia, deparamos com Jesus dizendo: “Deixo-vos a paz, a minha paz vou dou: não vo-la dou como o mundo a dá” (João 14:27).  Então vejamos, Jesus nos dá a PAZ VERDADEIRA, enquanto que o mundo nos dá um outro tipo de paz, uma PAZ MOMENTÂNEA. A PAZ MOMENTÂNEA ou a paz que o mundo dá, é uma paz mentirosa e superficial, permita-me compartilhar uma colocação que li em um artigo:
1.    Duas nações inimigas não estão em guerra, a imprensa afirma que elas estão em paz, todavia suas fronteiras estão sendo guardadas com armamentos pesados sob forte esquema de segurança.
2.      Diz por ai que o Brasil está em paz porque não está envolvido em guerras, todavia ocorreram 59.627 mil homicídios em 2014. O Brasil é o país com mais morte com armas de fogos por habitantes.
3.    Um trabalhador qualificado tem um bom emprego e um ótimo salário para manter sua família, porém vive preocupado com o futuro dos filhos.
4.    Uma mulher afirma haver paz em seu casamento por que está tudo bem, embora a sua consciência a acuse de não amar o seu esposo.
Afinal de contas, Que paz é essa que o mundo dá? 
Quando nós aceitamos Jesus Cristo como nosso salvador pessoal, passamos a desfrutar da paz verdadeira em nosso coração, visto que o Espírito Santo vem habitar em nosso ser e nos faz produzir os frutos do Espírito, sendo um desses frutos: a PAZ.

É de se estranhar um Cristão afirmar que não tem paz, ou então de viver com inimizades nos ambientes que frequenta. Será que esta pessoa tem a verdadeira paz?  Será que este Cristão está produzindo o fruto do Espírito chamado Paz? A Verdadeira paz nos dá tranquilidade e serenidade até mesmo nos momentos das situações desfavoráveis desta vida. A Verdadeira paz é definida pela comunhão e harmonia entre nós e Deus, resultado da nossa reconciliação que Ele próprio fez para conosco.

Para reforçar nosso estudo, vou deixar este vídeo da Pr. Martha Faria da Igreja Novidade de vida. Você está de acordo com o vídeo ? Ouça e se desejar deixe seus comentários. 


  MUSICA ESCOLHIDA PELO BLOGUEIRO SOBRE O TEMA DA LIÇÂO

QUESTIONÁRIO

1) Por que o homem foi dotado por Deus de entendimento ?
     R. Para que pudesse adorar ao Criador de forma racional (Rm 12:2)

2) Do que o servo fiel vive cercado ?
     R. Das misericórdias do Senhor (Sl 32:10)

3) O que Jesus prometeu converter ?
     R. A tristeza em alegria (Jo 16:20)

4) O que o livro de Atos nos mostra ?
     R. Que a Igreja sofreu perseguição sem, contudo, perder a alegria gerada pela ação
           do Espírito Santo.

5) O que a alegria proveniente do amadurecimento do fruto do Espírito Santo nos garante ?
     R. A certeza de que teremos o nome escrito nos céus (Lc 10:20).

Referências Utilizadas no Estudo
Bíblia Sagrada - Thompson - Edição Contemporânea - Editora VIDA, 2000
http://www.igrejasementedavida.com.br/docs/obrasefrutos/aula21.html
Revista Jovens e  Adultos - 2 Trimestre 2016 - Editora BETEL, 2016, ano 26, n.99