sábado, 6 de fevereiro de 2021

Lição 7 - Deus intervém através de Suas ações

        



 






Prof. Pr. Éder Tomé




Lição 7 - Deus intervém através de Suas ações

Deus estava no controle, mas Mardoqueu e Ester deviam AGIR.
Não podemos entender como estas duas situações podem ser simultaneamente verdadeiras mas são.
Deus escolhe operar através daqueles que estão dispostos a AGIR em seu nome. Devemos ORAR como se tudo dependesse de Deus e AGIR como se tudo dependesse de nós. Devemos evitar dois extremos: não fazer nada ou sentir que temos que fazer tudo.
(Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal - CPAD - Pág.1189)

Ponto de Partida
Deus cuida do Seu povo em todo tempo.


Texto Áureo
"E invoca-me no dia da angústia; eu te livrarei, e tu me glorificarás" 
(Salmo 50.15)
Verdade Aplicada
Ester não se corrompeu com o sistema e, apesar de estar intimamente inserida nele, continuou fiel a Deus e ao seu povo.

Texto de Referência
Ester 4.13-16
13 - Então disse Mardoqueu que tornassem a dizer a Ester: Não imagines, em teu ânimo, que escaparás na casa do rei, mais do que todos os outros judeus.
14 - Porque, se de todo te calares neste tempo, socorro e livramento de outra parte virá para os judeus, mas tu e a casa de teu pai perecereis; e quem sabe se para tal tempo como este chegaste a este reino?
15 - Então disse Ester que tornasse a dizer a Mardoqueu:
16 - Vai, ajunta todos os judeus que se acharem em Susã, e jejuai por mim, e não comais nem bebais por três dias, nem de dia e nem de noite, e eu e as minhas moças também assim jejuaremos; e assim irei ter com o rei, ainda que não é segundo a lei; e, perecendo, pereço.

Objetivos da Lição
- Entender que a única alegria está no Senhor.
- Destacar que o verdadeiro refúgio está em Deus.
- Ressaltar a importância do jejum

Introdução
Deus honra o desejo profundo de cada cristão em estar em Sua presença.
A Oração e o Jejum são recursos que o povo de Deus não deve desprezar, principalmente em dias difíceis e trabalhosos.

Conceito de Jejum
Jejuar significa abster-se total ou parcialmente de alimento durante um determinado período para fins de aprimorar o exercício da oração e da meditação (Dicionário Teológico, CPAD).
O jejum bíblico não pode ser visto como penitência, mas como um sacrifício vivo e agradável a Deus. Para que seja aceito, deve ser acompanhado de justas e piedosas intenções. 
O estudo bíblico dos casos de observância do jejum e oração pelo povo de Deus, suas razões, objetivos e resultados, nos ensina a relevância desta edificante doutrina e aspecto da vida cristã.
(Pr. Elionaldo Renovato - Revista Lições Bíblicas - CPAD - 3T - 2003)

O Jejum na Bíblia
Na Bíblia encontramos o Jejum :
1 - Como expressão de arrependimento (1Sm 7.1-12)
2 - Na busca da orientação divina (Ne 1.4; At 10.1-33, 44-48)
3 - Diante da ação do maligno (Mt 4.1-11; 17.14-21)
4 - Nas lutas do dia-a-dia (Ef 6.10-18)
5 - Na intercessão pela pátria (Jl 1.14)
(Pr. Elionaldo Renovato - Revista Lições Bíblicas - CPAD - 3T - 2003)

1 - O Ladrão da Alegria
Na história de Ester vemos a tristeza do povo em virtude de Hamã ter roubado a alegria do povo judeu.
Ester, diante do "Ladrão da Alegria", demonstrou um equilíbrio emocional, que serve para todos os cristãos de hoje.
Permaneçamos na presença do Senhor para não perdermos a alegria produzida pelo Espírito Santo.
"Porque o Reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo" (Rm 14.17)
"Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança" (Gl 5.22)
Pensar nas coisas que são de cima, por exemplo, não sugere que devamos viver uma espiritualidade irreal, e sim equilibrada, conjugando mente e coração a partir dos valores espirituais na vida terrena. 
(Pr. Eliezer de Lira e Silva - Revista Lições Bíblicas - 3T - 2012 - Pág.8)

1.1 - Lidando com as adversidades
Ester teve que lutar contra o extermínio iminente do povo judeu.
Quer desejemos ou não, as adversidades fazem parte de nossa existência.
As aflições e as adversidades desta vida são inevitáveis até mesmo na vida do cristão mais fiel, ao contrário, do que se ensina na doutrina da Teologia da prosperidade. Estamos sujeitos as perseguições, planos arquitetados para nos derrubar; é impossível viver neste sistema sem ter sido uma vítima da astúcia, da inveja, da má-fé e do oportunismo.
Nosso Jesus Cristo padeceu também na terra, passou por aflições e adversidades, isso é fato, morreu a morte de cruz, mas triunfou, e hoje somos mais que vencedores em Cristo. 
"Como está escrito: 'Por amor de ti somos entregues à morte todos os dias; fomos considerados como ovelhas para o matadouro'. Contudo, em todas as coisas somos mais que vencedores, por aquele que nos amou". (Rm 8.36-37)

Ester propôs que todos os judeus que estivessem em Susã fizessem um jejum, com duração de três dias, para ela entrar na presença do rei, e assim poder interceder por eles.
Foi assim que Ester venceu as suas adversidades, confiando em Deus.
"Vai, ajunta todos os judeus que se acharem em Susã, e jejuai por mim, e não comais nem bebais por três dias, nem dia e nem de noite, e eu e as minhas moças também assim jejuaremos; e assim irei ter com o rei, ainda que não é segundo a lei; e, perecendo, pereço" (Ester 4.16)
Ao pedir que os judeus jejuassem, Ester estava pedindo  que seu povo orasse buscando a ajuda de Deus para sua perigosa missão. 
No Antigo Testamento, a oração sempre acompanhava o Jejum (veja Êx 34.28; Dt 9.9; Ed 8.21-23).
Uma das importantes funções de uma comunidade de crentes é o apoio mútuo em momentos difíceis. Quando você estiver enfrentando lutas e conflitos, dirija-se aos outros crentes em busca de apoio. Compartilhe suas provações e seja fortalecido através do vínculo que lhe une a eles. Peça-lhes para orarem por você. E quando outros crentes precisarem de seu apoio, ajude-os de bom grado.
"Salve sua pele" e "Cuide primeiro de si mesmo" são lemas que refletem a perspectiva egoísta do nosso mundo sobre a vida. A atitude de Ester contrasta fortemente com esta perspectiva. Ela sabia o que tinha que fazer, e sabia que isto poderia custar sua vida. E ainda assim ela respondeu: "Perecendo, pereço".
Devemos ter o mesmo compromisso de fazer o que é certo apesar de possíveis consequências. Você tenta salva a si mesmo permanecendo em silêncio em vez de defender o que é certo? Decida fazer a vontade de Deus, e confie os resultados a Ele.
Essa atitude de Ester nos ensina algumas lições:
1 - Muitas vezes, servir a Deus exige que arrisquemos nosso própria segurança
2 - Deus tem um propósito nas situações em que nos coloca
3 - Embora muitas vezes a coragem seja vital, ela não substitui um planejamento cuidadoso
(Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal - CPAD - Pág.1185-1189|)

Orar e Jejuar pela nação. 
Esta é uma das mais nobres disciplinas da vida cristã.
Ao invés de criticarmos as autoridades, intercedamos por estas, a fim de que cumpram o seu mandato na promoção do bem comum. Tem você orado pelo Brasil? Se não intercedemos por nossa gente, como nos haveremos no último dia? (Pr. Claudionor de Andrade - Revista Lições Bíblicas - CPAD - 2T - 2008 - Pág.83)

1.2 - A Alegria da Salvação
Ester lidava com seus problemas sem se desesperar, nunca perdeu a fé.
Diante de uma adversidade ensine seu aluno a não ficar questionando a Deus: "Por que Deus?"  Diante da enfermidade, da morte, dos traumas da violência social, da viuvez, da despensa vazia, da rebeldia dos filhos, da angústia das dívidas, das perdas dos bens terrenos, das dores do abandono ... ensine seu aluno a não se desesperar, mas confiar no Senhor, Ele jamais vai nos abandonar, na Bíblia encontramos essa segurança em Deus, há vários versículos que encontramos na Bíblia que diz "Não temas".  Se Deus permite é porque ele tem algum propósito ... ele sabe o que vem lá na frente. O Rei Ezequias sabendo que iria morrer pelo profeta colocou o rosto para a parede e orou pedindo mais tempo de vida ...
"Vai e dize a Ezequias: Assim diz o SENHOR, o Deus de Davi, teu pai: Ouvi a tua oração e vi as tuas lágrimas; eis que acrescentarei aos teus dias quinze anos" (Is 38.5)
Sabe qual foi o resultado dessa sobrevida? Ezequias cometeu um de seus maiores erros, mostrou todas as riquezas de Judá e seu poder de guerra para o "adversário", o rei da Babilônia (Is 39.1-8)

Por incrível que possa parecer, grande parte dos cristãos tem dificuldades em resolver os seus problemas, deixando-se submergir pela aflição, agonia, ansiedade e fraqueza.
Ester nos ensina que, quando estivermos passando por problemas devemos acreditar somente em Deus.
Olhar para o sofrimento e a aflição humana e, paradoxalmente, desfrutar da paz de Cristo, parece-nos loucura!
Mas não o é quando entendemos que Deus age segundo o conselho da sua vontade, visando sempre o bem e o crescimento dos seus filhos.
O deserto da vida não é percorrido sob a ilusão mágica da "sombra e água fresca", mas com os pés firmes na realidade desértica do sol escaldante (Rm 5.1-5; Fp 4.7). Nesse interregno (ausência de governo), porém, desfrutamos a bondade, a misericórdia e a proteção do Criador dos céus e da terra. Mesmo vivendo em um mundo de aflições, podemos experimentar a paz que excede todo o entendimento e cantar em alto e bom som o coro do hino 178 da Harpa Cristã: "Paz, paz / Gloriosa Paz / Paz, paz / Perfeita Paz / desde que Cristo minh'alma salvou / tenho doce paz!" (Pr. Eliezer de Lira e Silva - Revista Lições Bíblicas - 3T - 2012 - Pág.8)

1.3 - A Verdadeira Alegria está em servir ao Senhor
Deus é a fonte de Alegria.
A Alegria cristã tem como fonte a pessoa bendita do Senhor Jesus.
É por isso que, mesmo em meio às adversidades sofridas em Filipos, o apóstolo Paulo teve grandes experiências de alegrias espirituais.
A Alegria do Senhor desfaz a ansiedade, pois esta contraria a confiança que afirmamos ter em Deus. Nada pode tirar a nossa paz, perturbando-nos a mente e o coração. 
A Alegria do Senhor alimenta a nossa alma e produz paz e segurança, porque essa 'paz é como um sentinela celestial" que nos guarda do mal.
Ora, a alegria também é "fruto do Espírito" (Gl 5.22), pois a presença dela em nós produz uma vida interior que supera todas as nossas vicissitudes.
(Pr. Elienai Cabral - Revista Lições Bíblicas - CPAD - Pág.68-69)

Davi foi um verdadeiro adorador, em Salmos dá destaque não só ao que Deus faz, mas principalmente ao que Ele é.
"Regozijai-vos, sempre, no Senhor; outra vez digo: regozijai-vos." (Fp 4.4)
Alegria, regozijo e contentamento são expressões comuns ao longo da Epístola  de Paulo aos Filipenses. Paradoxalmente, elas revelam o coração do apóstolo na prisão de Roma. Paulo não se desesperou com o seu cativeiro, mas alegrou-se no Senhor. Ele sabia que estava nas mãos de Deus e contentava-se com as notícias de que a igreja de Filipos, fruto do seu árduo ministério, caminhava muito bem. O apóstolo não deixou se abater com as tribulações do seu ministério, pois nelas, ele via a providência amorosa do Altíssimo. (Pr. Elienai Cabral - Revista Lições Bíblicas - CPAD - 3T - 2013 - Pág.67)

2 - O Verdadeiro Refúgio está em Deus
Segundo a tradição persa, nenhum homem ou mulher poderia entrar na presença do rei sem ser chamado:
"Todos os servos do rei e o povo das províncias do rei bem sabem que para todo homem ou mulher que entrar ao rei, no pátio interior, sem ser chamado, não há senão uma sentença, a de morte, salvo se o rei estender para ele o cetro de ouro ..." (Et 4.11)
Ao se dirigir ao rei, Ester arriscou sua vida.
Seu ato de coragem nos fornece um modelo a seguir em relação a abordar uma tarefa difícil ou perigosa. Como Ester, nós podemos:
(1) Calcular o custo. Ester percebeu que sua vida estava em risco.
(2) Definir prioridades. Ela acreditava que a segurança da raça judaica era mais importante do que sua vida, individualmente.
(3) Nos preparar. Ela reuniu apoio e jejuou
(4) Determinar um curso de ação e seguir em frente com coragem.
Ester não permitiu que a hesitação tomasse conta de seu pensamento e enfraquecesse seu compromisso com aquilo que tinha que fazer.
(Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal - CPAD - Pág.1188)

2.1 - A Única Saída era o Senhor
Ester colocou sua esperança em Deus.
Após o período de Jejum e oração de Ester e todo o povo judeu.
"Sucedeu, pois, que, ao terceiro dia, Ester se vestiu de suas vestes reais e se pôs no pátio interior da casa do rei, defronte do aposento do rei, e o rei estava assentado sobre o seu trono real, na casa real, defronte da porta do aposento. E sucedeu que, vendo o rei a rainha Ester, que estava no pátio ... apontou para Estero cetro de ouro ..." (Et 5.1-2)
Após o Jejum e Oração veio a Ação:
Sabemos que a sociedade atual é dominada por ideologias contrárias ao Evangelho. E é exatamente a esse mundo que o Senhor Jesus nos enviou a fazer a obra (Jo 17.18; cf. Mt 28.19). Temos de atender o seu chamado! Não com medo, mas com coragem; não com ignorância, mas sabiamente; não como quem impõe uma verdade particular, mas como quem expõe e testemunha verdades eternas. À luz do exemplo de Jesus Cristo, sejamos sal da terra e luz do mundo tendo "luz na mente, mas fogo no coração".
(Pr. Elienai Cabral - Revista Lições Bíblicas - CPAD - 3T - 2013 - Pág.67)


Orar é tarefa sublime. À oração opõe até o inferno.
No dizer de certo pregador: "O Diabo ri de nossa sabedoria, zomba de nossas pregações, mas treme diante de nossas orações". Faz sentido.
Quando o crente ora, descortina-se diante de si, uma panorama espiritual, que lhe propicia o contato com os céus. Ele chega ao próprio trono de Deus, através de Jesus Cristo. (Pr.Elinaldo Renovato - Revista Lições Bíblicas - CPAD - 2T - 2000)

2.2 - O Altruísmo de Ester


Ester poderia não se envolver com o problema do povo judeu e com a dor de Mardoqueu, permanecendo na zona de conforto, todavia, agiu, mostrando o seu altruísmo, sua ação beneficiou não só Mardoqueu, como todo o povo de judeu na Babilônia sob o domínio do reino da Pérsia.


2.3 - O Bálsamo do Amor de Deus



3 - A Importância do Jejum
Ester buscava a face do Senhor através de jejuns e orações, e teve uma intimidade profunda com Ele.

Combinando oração com Jejum
O exercício espiritual de jejuar e orar longamente, em face de uma necessidade urgente, não pode ser encarado como um artifício para se obter a atenção de Deus ou sua aprovação àquilo que desejamos.
Apesar de o jejum ter consigo mesmo uma recompensa toda peculiar, tal recompensa diz respeito mais àquele que jejua do que ao objetivo final da oração.
A prática de oração associada ao jejum deve resultar numa percepção espiritual mais aguçada e num aumento de fé.
A oração e o jejum podem trazer valiosas contribuições à vida do crente ou de toda a congregação, embora nunca se deva permitir que sua prática degenere numa formalidade vazia ou numa tentativa de manipular Deus [...] (Brandt, R.L.; Bicket, .Z.J. Teologia bíblica da oração, 3d - RJ - CPAD - 2003 - pp.275-276).

3.1 - O Jejum no Antigo Testamento
Levítico 16 narra o mais importante dia para o povo judeu: o dia da Expiação. O dia em que todo judeu devia observar um jejum e não fazer qualquer trabalho. Esse dia é ainda hoje observado por eles como Yom Kippur, o "Dia do Perdão".
(Pr. Eienai Cabral - Revista Lições Bíblicas - CPAD - 2T - 2019)



3.2 - O Jejum no Novo Testamento



3.3 - O que o Jesus ensinou sobre o Jejum
O Jejum é algo tão íntimo que, se uma pessoa descrevesse a você como ela faz o jejum. já não seria um jejum autêntico [Mt 6.16-18].
Jesus jejuou. O divino Mestre deixou-nos o exemplo.
A prática do jejum é salutar e valiosa para a vida espiritual.
Sem dúvida, um excelente reforço à oração e à suplica. Entretanto, alguns cuidados devem ser tomados.
Jamais podemos pensar que, em virtude de praticarmos o jejum, somos mais santos que os demais irmãos.
O jejum só terá valor se o crente estiver em plena comunhão com Deus e com o próximo.
(Pr. Elionaldo Renovato - Revista Lições Bíblicas - CPAD - 3T - 2003)




Conclusão
Todos nós fomos chamados para servir a Deus.
Que todos empecilho à presença do Pai e toda cilada de Satanás sejam repreendidas em nome de Jesus.
Que o céu venha a se abrir para sua vitória e de sua família em nome de Jesus Cristo, o Nazareno. Que possamos servi-lo com alegria.














Lição 7 - Deus intervém através 
          de Suas ações

Ponto de Partida
Deus cuida do Seu povo em todo tempo.


Texto Áureo
"E invoca-me no dia da angústia; eu te livrarei, e tu me glorificarás" 
(Salmo 50.15)
Verdade Aplicada
Ester não se corrompeu com o sistema e, apesar de estar intimamente inserida nele, continuou fiel a Deus e ao seu povo.

Texto de Referência
Ester 4.13-16
13 - Então disse Mardoqueu que tornassem a dizer a Ester: Não imagines, em teu ânimo, que escaparás na casa do rei, mais do que todos os outros judeus.
14 - Porque, se de todo te calares neste tempo, socorro e livramento de outra parte virá para os judeus, mas tu e a casa de teu pai perecereis; e quem sabe se para tal tempo como este chegaste a este reino?
15 - Então disse Ester que tornasse a dizer a Mardoqueu:
16 - Vai, ajunta todos os judeus que se acharem em Susã, e jejuai por mim, e não comais nem bebais por três dias, nem de dia e nem de noite, e eu e as minhas moças também assim jejuaremos; e assim irei ter com o rei, ainda que não é segundo a lei; e, perecendo, pereço.

Objetivos da Lição
- Entender que a única alegria está no Senhor.
- Destacar que o verdadeiro refúgio está em Deus.
- Ressaltar a importância do jejum

Introdução
Nesta lição, estudaremos que Deus honra o desejo profundo de cada cristão em estar em Sua presença, e que a oração e o jejum são recursos que o povo de Deus não deve desprezar, principalmente em dias difíceis e trabalhosos.

1 - O Ladrão da Alegria
Na história de Ester vemos a tristeza do povo em virtude de Hamã ter roubado a alegria do povo judeu. Semelhantemente, hoje também nos deparamos com vários "Hamãs" que tentam roubar a nossa alegria. Ester, diante do "ladrão da alegria", demonstrou um equilíbrio emocional, que serve de exemplo para todos os cristãos hoje. Permaneçamos na presença do Senhor para não perdermos a alegria produzida pelo Espírito Santo [Rm 14.17; Gl 5.22].

1.1 - Lidando com as adversidades
Quer desejemos ou não, as adversidades fazem parte de nossa existência. Sobrepujar as adversidades é um dos maiores obstáculos que o ser humano enfrenta. Com Ester não foi diferente. Ela teve que lutar contra o extermínio iminente do povo judeu; demonstrando através de sua história que os problemas, sejam eles grandes ou pequenos, devem sempre nos conduzir a buscar o auxílio de Deus. Ela propôs que todos os judeus que estivessem em Susã fizessem um jejum, com duração de três dias, para ela entrar na presença do rei, e assim poder interceder por eles [Et 4.16]. Foi assim que Ester venceu as suas adversidades, confiando em Deus.

"Então me invocareis, e ireis, e orareis a mim, e eu vos ouvirei. E buscar-me-ei s e me achareis, quando me buscardes de todo o vosso coração” (Jr 29.12-13)

Aqueles que confiam em Deus jamais serão vencidos pelo desespero; em meio às crises brotará a esperança. Professor desperte e incentive em seus alunos o desejo de buscar uma vida de comunhão com o Espírito Santo.

O chamado se confirma na oração, na intimidade e comunhão com Deus. As adversidades do chamado são atravessadas e enfrentadas na caminhada sincera de rendição e oração a Deus” (BRANDT, L. Robert; BICKET, J. Zenas. O Espírito nos Ajuda a Orar: Uma Teologia Bíblica da Oração. 1ª Edição. RJ: CPAD, 1996. pp.175-177).


1.2 - A Alegria da Salvação
A verdadeira felicidade nunca depende de não se ter problemas, mas, sim, da forma como passar por eles. [...]Ester nos ensina que, quando estivermos atravessando por problemas, devemos acreditar somente em Deus. Somente Ele poderá ajudar-nos a encarar  a situação com mais entusiasmo. Ore a Deus e confie nEle [Rm 8.31].

A paz interior(a alegria) que o homem alcança pelo sacrifício pacífico que Jesus fez por nós não está sujeita a situações externas que venhamos a enfrentar.[...] porque a paz a (alegria)não está alicerçada em situações exteriores do dia a dia, mas na obra que Jesus consumou. Esta obra, sim, uma obra perfeita que foi do agrado do Pai e traz ao homem a tão necessária paz para a sua existência. Numa sociedade que cada vez mais se afasta de Deus e um mundo cheio de conturbações, temos as doces palavras de Jesus: “para que em mim tenhais paz” (Jo 16.33). (Revista do professor,BETEl, 2018 )

Porquanto o Reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, paz e alegria no Espírito Santo;(Rm 14.17)

Com o coração repleto de alegria tirareis água pura das fontes da salvação! (Is12.3)


1.3 - A Verdadeira Alegria está em servir ao Senhor
Deus é fonte de alegria. Antes de a Terra existir, a alegria já se fazia patente. Era com júbilo que os anjos cantavam e demonstravam seu amor a Deus [Jó 38.7]. Assim sendo, todo o povo que é abençoado por Deus é um povo feliz.

 A alegria do povo de Deus. O apóstolo estimula os filipenses a celebrarem juntamente com ele esta tão grande salvação (Hb 2.3). O apelo de Paulo é contagiante: “regozijai-vos e alegrai-vos comigo por isto mesmo” (Fl 2.18). A alegria de Paulo é proveniente do fato de que uma vez que Jesus nos salvou mediante o seu sacrifício no Calvário, agora o Mestre nos chama para testemunharmos a verdade desta mesma salvação operada em nós (Fl2.13). Portanto, alegremo-nos e regozijemo-nos nisto. (Lições CPAD Jovens e Adultos »  2013 » 3º Trim.)


2 - O Verdadeiro Refúgio está em Deus
Segundo a tradição persa, nenhum homem ou mulher poderia entrar na presença do rei sem ser chamado [Et 4.11]. [...]Ester jejuou, orou e arriscou a sua vida; comparecendo diante do rei e pedindo a ele por seu povo [Et 7.3].

2.1 - A Única Saída era o Senhor
O jejum contribui para quebrantamento e subjugar a natureza humana, sendo, assim, um verdadeiro exercício na prática da piedade. A amizade com o Senhor traz paz e segurança ao coração. Ester, após ter conclamado um jejum de três dias, se atreveu a entrar na presença do rei sem ser convidada; podendo isto lhe custar a vida, pois todos conheciam a sentença, que era a morte, salvo se o rei estendesse o seu cetro de ouro [Et 4.11]. Porém, Ester colocou sua esperança em Deus [Et 5.1]. Então Ester achou graça aos olhos do rei, que estendeu seu cetro e lhe permitiu estar em sua presença [Et 5.3]. [...]

“Combinando oração com jejum O exercício espiritual de jejuar e orar longamente, em face de uma necessidade urgente, não pode ser encarado como um artifício para se obter a atenção de Deus ou sua aprovação àquilo que desejamos. Apesar de o jejum ter consigo mesmo uma recompensa toda peculiar, tal recompensa diz respeito mais àquele que jejua do que ao objetivo final da oração. A prática da oração associada ao jejum deve resultar numa percepção espiritual mais aguçada e num aumento de fé. A oração e o jejum podem trazer valiosas contribuições à vida do crente ou de toda a congregação, embora nunca se deva permitir que sua prática degenere numa formalidade vazia ou numa tentativa de manipular Deus […]”.(BRANDT, R. L.; BICKET, Z. J. Teologia bíblica da oração. 3.ed., RJ: CPAD, 2003, pp.275,276).


2.2 - O Altruísmo de Ester
Uma pessoa altruísta é aquela que pensa nos outros antes de pensar em si própria. O altruísmo é uma das bases de várias doutrinas religiosas, como o Cristianismo, por exemplo. No caso do Cristianismo, o altruísmo é revelado através do amor ao próximo, um dos mandamentos deixados por Jesus (João 13:34). Apesar disso, o altruísmo não é uma atitude exclusiva de uma pessoa que segue uma religião e pode ser demonstrado por qualquer pessoa, sendo uma questão de moral.
(https://www.significados.com.br/altruismo/)

Jesus foi o maior exemplo de altruísmo

5 - De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus,   6 - que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus.    7 - Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens;

O grito de desespero começou na cidade de Susã e se espalhou pelas províncias, conforme a chegada da notícia do decreto real [Et 4.3]. As moças e os eunucos trouxeram a notícia para Ester de que seu primo estava sofrendo por algum motivo. Sem saber do que se tratava, ela sentiu a dor dele [Et 4.4]. Imediatamente, solicitou que seu eunuco fosse ao encontro de Mardoqueu, para saber a causa de tamanha tristeza. Mardoqueu então lhe fez saber toda a maldade tramada por Hamã [Et 4.6]. A espera por uma resposta do Senhor doeu, não há dúvidas. Mas é na esperança que saboreamos nosso relacionamento com Deus, e nenhuma dor pode ser comparada ao bálsamo do Seu amor.

Tudo posso naquele que me fortalece. Essa expressão revela o contentamento de Paulo e a sua verdadeira fonte: Jesus Cristo. Infelizmente, a expressão paulina tem sido mal interpretada. O texto não mostra nada além da maturidade que o apóstolo adquiriu. Após, e durante todo o sofrimento por amor a Cristo, o apóstolo pôde regozijar-se, não pela autossuficiência, mas pela confiança em Cristo, nosso Senhor. Diante de toda a provação e sofrimento, o Pai Celestial pode nos dar a sua graça para suportar as aflições do mundo. Pois, verdadeiramente podemos dizer: “Posso todas as coisas naquele que me fortalece” (Fp 4.13).


2.3 - O Bálsamo do Amor de Deus
As Escrituras nos relatam que o povo de Deus vivia uma dura escravidão. E as coisas estavam por piorar: Havia uma lei cuja ordem era matar todos os judeus. Dessa agonia emerge um grito de dor que sobe ao céu. Era Ester nos seus aposentos após jejuar por três dias e três noites, era a hora de gritar por socorro. Deus ouve o grito de Ester. E decide acalentá-la com o Seu bálsamo.

1 - Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem-presente na angústia. 

2 - Pelo que não temeremos, ainda que a terra se mude, e ainda que os montes se transportem para o meio dos mares. 

10 - Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus; serei exaltado entre as nações; serei exaltado sobre a terra. (Sl 46.1,2,10)

‘Toda a arma forjada contra ti, não prosperará’ (Is 54.17). Este verso pode ser assim traduzido: ‘Nenhum plano, nenhum instrumento de destruição, nenhuma artilharia satânica pode empurrá-lo ou atropelá-lo; estes serão atirados longe’.

Os planos de Satanás para nos derrubar não surtirão efeito. Temos a promessa de que Deus impedirá qualquer ataque contra nós. Aquelas armas enormes, apontadas em nossa direção, evaporarão na presença de Cristo. Deus revela, através de Isaías: ‘... criei o assolador, para destruir...’ (Is 54.16). O assolador está sob seu controle. E os que zelosamente procuram a Deus, recebem dEle o privilégio de se tornarem ‘mais que vencedores’ (Rm 8.37)”. (WILKERSON, D. Como receber mais de Jesus. 8.ed., RJ: CPAD, 2001, p.72-3.)


3 - A Importância do Jejum
Ester foi uma mulher que verdadeiramente consagrou-se ao Senhor, e era, sem dúvida, repleta do Espírito Santo. Ela tinha algo dentro dela que sobrepujava todos as suas fraquezas. Algo tão profundo que sustentava sua confiança em Deus. Ester buscava a face do Senhor através de jejuns e de orações, e teve uma intimidade profunda com Ele.

3.1 - O Jejum no Antigo Testamento
A lei exigia a oração e o jejum em apenas uma ocasião, o dia da Expiação [Lv 23.26-32]. Este dia era consagrado somente ao jejum, às orações e às confissões. Segundo a tradição judaica, um dia especial, concedido por Deus ao Seu povo para receber perdão dos seus pecados. Neste dia, o sumo sacerdote fazia expiação por todo o povo. A finalidade do dia da Expiação era apresentar sacrifício a Deus para conseguir o perdão pelos pecados do povo hebreu, e fazer o povo procurar o favor diante dEle. Era o dia mais importante do ano para os israelitas. Embora diariamente sacrifícios fossem oferecidos, neste dia especial todas as pessoas buscavam a Deus para serem perdoadas.

A prática do jejum no Antigo Testamento. Considerando o volume de texto, são poucas as referências a respeito do jejum no Antigo Testamento. A recomendação na Lei, por exemplo, era que se fizesse uma vez ao ano na chamada Festa da Expiação (Lv 16.29-34). Outras referências à prática do jejum no Antigo Testamento têm uma relação direta com a crença e a devoção pessoais (2Sm 12.16-23; 2Cr 20.3; Ed 8.21; Ne 9.1; Et 4.3; Jl 2.12; Jn 3.5, etc.). (Lições CPAD  » Jovens 2017 » 2º Trim.)

3.2 - O Jejum no Novo Testamento
De igual modo, a prática do jejum também aparece no Novo testamento. A Bíblia menciona que Ana não se afastava do templo, servindo a Deus noite e dia em jejuns e orações [Lc 2.37]. João Batista também ensinou seus discípulos a jejuar [Mc 2.18]. Jesus jejuou antes de ser tentado por Satanás [Mt 4.2]. A igreja de Antioquia jejuou antes de enviar Paulo e Barnabé em viagem missionária [At 13.3]. Paulo e Barnabé clamaram e jejuaram antes da instituição dos anciãos nas igrejas [At 14.23].

O jejum no Novo Testamento. Jesus falou acerca do jejum unido à oração com finalidades bem definidas (Mt 17.21). Já os fariseus jejuavam, ritualística e religiosamente, duas vezes na semana (Lc 18.12). A fim de que não restassem dúvidas de que eles estavam jejuando, os fariseus adotavam outros procedimentos que caracterizavam a prática e, assim, garantiam a si próprios que as pessoas reconheceriam que eles estavam jejuando (v.16 cf. Mt 11.21; Lc 10.13). (Lições CPAD  » Jovens 2017 » 2º Trim.)

3.3 - O que o Jesus ensinou sobre o Jejum
Muitos cristãos ignoram o que a Bíblia diz sobre o jejum. Ou receberam um ensino distorcido ou não receberam ensinamento algum sobre este assunto. O jejum é algo tão íntimo que, se uma pessoa descrevesse a você como ela faz o jejum, já não seria um jejum autêntico [Mt 6.16-18]. Jesus nunca desestimulou a prática do jejum. Ele mesmo exercitou-o e disse que, quando Ele fosse tirado da terra, seus discípulos jejuariam [Mt 9.15].

O verdadeiro jejum. O Mestre diz que, tal como a prática de dar esmolas e orar, o jejum deve ser discreto e ter motivações nobres, pois do contrário a pessoa já recebia sua recompensa (v.16). Assim, o ensino de Jesus objetiva a discrição ao jejuar, pois se tal ato visa agradar a Deus, não há necessidade alguma de que isso transpareça a outros (vv.17,18). Ademais, é sempre oportuno lembrar-se do jejum requerido por Deus em Isaías 58.2-12. (Lições CPAD  » Jovens 2017 » 2º Trim.)

Conclusão
Todos nós fomos chamados para servir a Deus.
Que todos empecilho à presença do Pai e toda cilada de Satanás sejam repreendidas em nome de Jesus.
Que o céu venha a se abrir para sua vitória e de sua família em nome de Jesus Cristo, o Nazareno. Que possamos servi-lo com alegria.








    









6 comentários:

  1. Respostas
    1. Sim, um estudo do Livro de Ester com aplicação Pessoal para nossa vida cristã nos dias atuais, creio que muitas vidas estão sendo edificadas ! Deus abençoe irmã Cida por interagir conosco !

      Excluir
  2. Paz do SENHOR!!!!!
    Só exemplos ricos!!!!!!
    Show de mensagens!!!!!!
    Deve ser PRIORIDADE hoje!!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém, a paz do Senhor, e já vamos passar para a Lição 8 , já começamos a ficar ansiosos para saber o Tema da revista do próximo trimestre !

      Excluir