domingo, 31 de janeiro de 2021

Lição 6 - O Cristão e o Cuidado de Deus

       


 
 
 











Lição 6 - O Cristão e o Cuidado de Deus

Ponto de Partida
Devemos nos submeter à vontade de Deus.


Texto Áureo
"Porque, se de todo te calares neste tempo, socorro e livramento de outra parte virá para os judeus, mas tu e a casa de teu pai perecereis; e quem sabe se para tal tempo como este chegaste a este reino?" (Ester 4.14)

Verdade Aplicada
O caráter da rainha Ester ensina como submeter-se à vontade de Deus e apreciar Seu cuidado constante.

Texto de Referência
Ester 3.4-7
4 - Então vieram as moças de Ester e os seus eunucos e fizeram-lhe saber, do que a rainha muito se doeu; e mandou vestidos para vestir a Mardoqueu, e tirar-lhe o pano de saco, porém ele os não aceitou.
5 - Então Ester chamou a Hataque (um dos eunucos do rei, que este tinha posto na presença dela) e deu-lhe mandado para Mardoqueu, para saber que era aquilo e para quê.
6 - E, saindo Hataque e Mardoqueu, à praça da cidade que estava diante da porta do rei, 
7 - Mardoqueu lhe fez saber tudo o quanto lhe tinha sucedido, como também a oferta da prata, que Hamã dissera que daria para os tesouros do rei, pelos judeus, para os lançar a perder.

Objetivos da Lição
Compreender que o amor de Deus é imensurável
- Mostrar que a dor nos aproxima de Deus
- Entender que nosso fundamento é Cristo

Introdução
Nesta Lição, veremos que, muitas vezes, a dor é o agente que nos leva a buscar a Deus, observaremos ainda que a destruição familiar é um incansável meio que Satanás emprega para roubar a paz do mundo. 
“Tenho-vos dito isso, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo; eu venci o mundo” (Jo 16.33).

1 - O Cristão e o seu Ponto de Equilíbrio
[...]O ponto de equilíbrio do cristão para superar a diversidade é agir com  quietude e confiança em Deus.

1.1 - O Cuidado de Deus com Seu Povo
Estar sob os cuidados de Deus significa segurança; é a garantia de sucesso nos momentos difíceis.
Deus cuida do seu povo (Êx 16.4; Dt 29.5). O Senhor não mudou, Ele cuidou do seu povo na travessia pelo deserto e também cuida de nós em todo o tempo (Hb 13.5). Confie no Senhor e não murmure como fez o povo no deserto, pois o Pai cuida de nossa provisão. Em o Novo Testamento, Paulo faz uma séria recomendação, a fim de que não venhamos nunca a seguir o exemplo de Israel: “E não murmureis, como também alguns deles murmuraram e pereceram pelo destruidor” (1Co 10.10). Murmurar é falar mal de alguém ou algo. A murmuração é um grave pecado contra Deus (Fp 2.14).( Lições CPAD Jovens e Adultos » 2014 » 1º Trim.)
Sejam vossos costumes sem avareza, contentando-vos com o que tendes; porque ele disse: Não te deixarei, nem te desampararei.(Hb13:5) Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós.(1Pe 5.7)

1.2 - O Senhor deve guiar a nossa Vida
Jeremias 29.11 nos faz entender que Deus nos conhece e tem excelentes planos para cada um de nós. A vida de Ester foi dirigida do início ao fim pelo Senhor. Ela pôde entender que os planos de Deus são sempre os melhores. Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam [Rm 8.28].
Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor.(Isaías 55:8) 
[...] profeta Isaías refere-se aos pensamentos de Deus, seus propósitos e seus caminhos como a fonte soberana de onde se derivam todas as suas ações no seu relacionamento com o homem, inclusive as suas promessas (vv.8,9). Parece uma verdade óbvia; porém, ela implica reconhecer que o plano de Deus para a humanidade vai muito além de nossas expectativas.[...]As promessas de Deus asseguram-nos que Ele sempre cuida de nós em quaisquer circunstâncias. Ao mesmo tempo, precisamos compreender que essas promessas acham-se vinculadas a um pacto, no qual há cláusulas a serem observadas por nós. Deus faz a sua parte. Ele espera que façamos a nossa e que entendamos suas promessas à luz de sua soberania.

Sete princípios para interpretar as Promessas Bíblicas

1.Procure distinguir as promessas feitas a Israel daquelas feitas à Igreja.

2.Respeite o princípio de que algumas promessas estão condicionadas à obediência.

3.Não aplique para os dias de hoje, promessas escatológicas.

4.Observe o contexto histórico, cultural e gramatical das promessas.

5.Embase as promessas em mais de duas referências bíblicas.

6.Busque exemplos bíblicos que confirmem as promessas gerais.

7.Não atribua a si, promessas específicas à pessoas específicas.

( Lições CPAD Jovens e Adultos » 2007 » 4º Trim.)

1.3 - Ester, uma Serva Altruísta
Disse Ester: "Porque como poderei ver o mal que sobrevirá ao meu povo? E como poderei ver a perdição da minha geração?" [Et 8.6].

Ester nos mostra que o principal alvo da vida cristã não é a felicidade pessoal, e, sim, o amor ao próximo.

16 - Conhecemos o amor nisto: que ele deu a sua vida por nós, e nós devemos dar a vida pelos irmãos.

17 - Quem, pois, tiver bens do mundo, e, vendo o seu irmão necessitado, lhe cerrar as suas entranhas, como estará nele o amor de Deus?
18 - Meus filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e em verdade.

19 - E nisto conhecemos que somos da verdade, e diante dele asseguraremos nossos corações; (1 João 3.16-19)

O apóstolo João diz que Deus é amor, quem não ama, jamais o conheceu (1Jo 4.7,8,12,20). Certa vez, um fariseu perguntou a Jesus qual era o grande mandamento da Lei. Então, o Mestre ensinou que amar ao Senhor de todo o coração e ao próximo é um resumo de todos os mandamentos (Mt 22.37-40). É importante ressaltar que amor não é somente sentimento, mas ação. Não basta amar somente de palavras.

O amor como fruto do Espírito faz com que eu queira para os outros aquilo que desejo para mim. Faz com que eu tenha prazer em doar meu tempo, meus dons e talentos para o bem do meu próximo. (Lições CPAD Jovens e Adultos » Adultos 2017 » 1º Trimestre)

 Um verdadeiro avivamento trará de volta ao crente brasileiro o amor pelos quase 50 milhões de irmãos pátrios que vivem na pobreza absoluta. O estilo de vida de uma igreja avivada não se presta a esquisitices humanas, mas à formação de personalidades de acordo com o caráter de Cristo, que não negligenciam o amor ao próximo”. (CIDACO, J. A. Um grito pela vida da igreja. RJ: CPAD, 1996, p.87-8.)


2 - A Dor nos Impulsiona a Buscar a Deus
O significado da palavra dor no dicionário tem a seguinte definição: "Expressão de um sofrimento, de uma tristeza física ou moral". Era este o sentimento que pairava em todas as províncias aonde chegava a palavra do rei e a sua lei [Et 4.3]. O Sofrimento traz perturbação na alma [Sl 42.5]. Mediante o tamanho da consternação de sua alma, Ester e seu povo foram impulsionados a buscar ao Senhor [Sl 91.15].

2.1 - Devemos Agir por Fé
À medida que as cartas de extermínio dos judeus chegavam às províncias, só restava a Ester olhar para o alto, e se lembrar dos ensinamentos de seu primo a respeito de como o Senhor havia libertado Seu povo do Egito, e acreditar que este mesmo Deus poderia livra-los desta terrível ameaça.  A Bíblia está cheia de recomendações para agir por meio da fé.

No Novo Testamento, o verbo pisteuõ ('creio, confio') e o substantivo pistis ('fé') ocorrem cerca de 480 vezes. Poucas vezes o substantivo reflete a ideia da fidelidade como no Antigo Testamento (por exemplo, (Mt 23.23; Rm 3-3; Gl 5.22). Pelo contrário, normalmente funciona como um termo técnico, usado exclusivamente para se referir à confiança ilimitada (com obediência e total dependência) em Deus (Rm 4.24), em Cristo (At 16.31), no Evangelho (Mc 1.15) ou no nome de Cristo (Jo 1.12). Tudo isso deixa claro que, na Bíblia, a fé não é 'um salto no escuro'.Somos salvos pela graça mediante a fé (Ef 2.8). Crer no Filho de Deus leva à vida eterna (Jo 3.16). Sem fé, não poderemos agradar a Deus (Hb 11.6). A fé, portanto, é a atitude da nossa dependência confiante e obediente em Deus e na sua fidelidade. Essa fé caracteriza todo filho de Deus fiel. É o nosso sangue espiritual (Cl 2.20)" (HORTON, Stanley M. Teologia Sistemática: Uma perspectiva pentecostal 1 .ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1996, pp. 369,370).


2.2 - Ou Clama ou Perece
Deus anseia que nós o procuremos e clamemos por Ele. Assim como uma criança alarmada pelo perigo grita ao pai, também podemos clamar ao Senhor, sabendo que nosso Pai virá em nosso auxílio [Jr 33.3]. Ester tomou uma decisão sábia de jejuar e de clamar juntamente com seu povo a Deus. Essa atitude de clamor fez com que o Senhor escutasse as suas súplicas. O Senhor deseja responder nossas orações e nos surpreender com milagres além da nossa compreensão

Cheguemos, pois, com confiança ao trono da graça, para que possamos alcançar misericórdia e achar graça, a fim de sermos ajudados em tempo oportuno.( Hb 4.16)

Os três imperativos em Mateus 7.7 (‘pedi’, ‘buscai’ e ‘batei’) são verbos que originalmente estão no presente ativo. Por conseguinte, o sentido dessa passagem é: ‘Continuai pedindo, até receberdes; continuai buscando, até encontrardes; continuai batendo, até que vos seja aberta a porta’. Muito diferente da incredulidade, a importunação e a persistência demonstram a firme determinação de se alcançar um fim desejado, ao mesmo tempo que evidenciam a fé que prevalece contra todos os obstáculos” (BICKET, Zenas 3.; BRANDT, Robert L, Teologia Bíblica da Oração. 6ª Reimpressão. RJ: CPAD, 2006, p.206).

“Porque o que duvida é semelhante à onda do mar, que é levada pelo vento e lançada de uma para outra parte”( Tiago 1.6 )


2.3 - Buscando Forças na Adversidade
As circunstâncias diziam que a morte era questão de dias para o povo, a sorte já havia sido lançada. Apropriando-se de uma fé extraordinária, por causa do sofrimento de seu povo [Et 4.16], Ester buscou auxílio no Todo-Poderoso. Ela conseguiu extrair da adversidade forças para buscar auxílio em Deus.

A parábola do juiz iníquo é um exemplo interessante sobre buscar a Deus na adversidade:

“A Parábola do Juiz e da Viúva enfoca a oração persistente. Claro que Jesus não está ensinando que Deus é como um juiz injusto. A parábola é dita num estilo ‘quanto mais’. Se um homem iníquo finalmente responde os clamores de uma viúva, quanto mais um Deus justo ouvirá as orações dos seus filhos. A parábola fala sobre uma situação da vida real. O juiz não tem reverência a Deus ou respeito pelos direitos das pessoas. Uma viúva pobre envolvida num processo na mesma cidade pleiteia com o juiz insensível para decidir em favor dela contra um adversário (v.3). Por um longo tempo ele não faz nada, ignorando os clamores por justiça. Como outras viúvas naquela sociedade, ela é impotente e entre a mais vulnerável das pessoas. Ela é dependente dos outros para cuidar dela” (ARRINGTON, F. L. In ARRINGTON, French L.; STRONDAD, Roger (Eds.). Comentário Bíblico Pentecostal. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2003, p.435).


3 - Nosso Fundamento é Cristo
O principal alvo de Satanás é a família, independentemente de ser cristã ou não. Como nos dias de Ester, ainda hoje a família é atingida por diversos males, frutos de uma sociedade mergulhada no pecado.

São muitos os desafios para manter uma família dentro dos preceitos bíblicos.

A família foi estabelecida por Deus e sua continuidade depende inteiramente do criador. Não podemos permitir que o secularismo venha invadir a família.

Lembre-se que o secularismo é a doutrina que ignora os princípios espirituais na condução dos negócios humanos.(dic. teológico CPAD).

Uma família secularizada despreza os valores espirituais fundamentados na bíblia e aderem a valorização dos princípios humanos e materiais. Quando isso acontece o certo passa ser errado e vice-versa.

Vejam alguns desafios da igreja com relação à família:

“No século XXI, a família está sob ataque das forças do inferno  de maneira sistemática e insidiosa. Em todos os tempos, esse ataque tem sido real. Mas nunca como nos dias presentes. Satanás tem conseguido mobilizar governos, sistemas judiciários, escolas e faculdades, para minar as bases da instituição familiar. Só em Cristo a família pode resistir às investidas satânicas.

Formadores de opinião trabalham para a destruição da entidade familiar, tal como Deus a criou, pela união de um homem e de uma mulher através do casamento. A sociedade sem Deus admite outros ‘arranjos’ de família.

Hoje, porém, com a influência dos meios de comunicação, os costumes têm mudado drasticamente, alcançando todos os rincões do país. Seja nas grandes capitais, seja nos menores distritos, vilas e povoados, a influência nefanda desse falso ‘progresso’ tem chegado, dominando as mentes e as consciências.

Infelizmente, os governos estão alinhados com o espírito do Anticristo. Quase sem exceção, todos estão de acordo com as mudanças perniciosas que se voltam contra a família. Até porque, com a ‘nova visão de mundo’, a família tradicional é considerada ultrapassada. O casamento monogâmico e heterossexual é retrógrado e precisa dar lugar a ‘novas configurações de família’” (RENOVATO, Elinaldo. A Família Cristã e os Ataques do Inimigo. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2013, pp.40-42).


3.1 - Deus sempre estará Conosco
Quando a desesperança da alma atingir o nosso ser, careceremos de buscar o alento em Cristo. O apóstolo Paulo dá uma receita para todo o cristão ser vitorioso: "Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração." [Rm 12.2]. Através do livramento de Ester, pode-se perceber que Deus está conosco e sempre vem ao nosso encontro nos dando a vitória, e nos livrando das garras do diabo. Apesar de passarmos por lutas diárias, a misericórdia do Senhor sempre nos alcança [Sl 42.8]. 

O significado do Emanuel.

 Emanuel, no hebraico, é a junção de dois termos — immánu, que significa “conosco”, e El, que significa “Deus” ou “Senhor”, literalmente “conosco [está] Deus”. Jesus não somente foi homem, mas estabeleceu morada entre os homens. Essa atitude de Jesus demonstra o imenso amor de Deus para com a humanidade perdida, que de outra forma jamais entenderia esse amor. Ele se tornou como um de nós e nos amou para que nós o amassemos e fôssemos definitivamente dEle. Jesus não se chamava Emanuel como nome próprio, mas vários textos bíblicos apontam para Ele como sendo designado por esse nome como aquilo que Ele de fato é: Deus Conosco. Esse nome designa sua missão entre a humanidade de fazer Deus estar com a humanidade, de habitar entre os homens. Mostra a natureza divina do Filho de Deus como sua obra messiânica da graça, habitando entre os homens e ao mesmo tempo significando que “porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade” (Cl 2.9). ( Lições CPAD Jovens  » 2016 » 3º Trim.)

3.2- Não deixe que nada roube sua Paz
O extermínio familiar é uma luta intensa que o diabo trava desde o momento em que soube que de uma mulher nasceria o Salvador do mundo [Gn 3.15]. Ele amofina a família, pois sabe que, se em casa está mal, não importa o quanto as outras coisas estejam bem, porque a nossa mente não estará em paz. Se desejamos uma vida familiar bem-sucedida, necessitamos habitar em total conexão com o Senhor todos os dias e precisamos da armadura de Deus para que possamos enfrentar as lutas e os desafios do nosso tempo, e nos fortalecermos no Senhor [Ef 6.10-11]. Oremos por nossas famílias, cuidemos dela; é presente de Deus para nossas vidas.

“A família tem sido atacada no lado espiritual, com as investidas satânicas que propõem a sua destruição. Grande parte das famílias, em todo o mundo, não tem estrutura para enfrentar as mudanças rápidas e desintegradoras das famílias. A falta de Deus é o inimigo número 1 do lar. Ele se revela quando o ambiente em casa é destituído de espiritualidade. Quando Deus está presente no lar, sente-se uma atmosfera diferente, agradável e santa. O pai e a mãe se unem aos filhos para servirem ao Senhor. Deus é o hóspede invisível, mas real, que domina o ambiente da família. Em cada canto da casa, pode-se sentir Deus. Há harmonia entre todos. Há louvores. Há devoção sincera ao Senhor. As coisas de Deus são colocadas em primeiro lugar e o lar é uma continuação da igreja. Por outro lado, quando Deus não está no lar, sente-se que o ambiente é carnal, pesado, cheio de manifestações mundanas. As coisas materiais estão em primeiro lugar. Só pensam em prazeres materiais, riquezas, dinheiro, diversão e coisas mundanas! A casa é uma continuação mundo!
[…] É interessante que os que vão constituir família convidem Jesus para se fazer presente no seu lar, mesmo antes de se casarem” (RENOVATO, Elinaldo. A Família Cristã e os Ataques do Inimigo. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2013, p.66).

3.3- Sua Família Espiritual é o Alvo
A Bíblia nos descreve com nitidez que nos últimos dias a Igreja enfrentaria a ira de Satanás. Ele sabe que seu tempo está finalizando e seu maior desejo é devastar o povo de Deus [Ap 12.12]. Diante das transformações sociais com todas as suas decorrências, a Igreja, sem dúvida, é a maior instituição a interceder em favor do modelo convencional de família.

Buscando a sabedoria que vem do alto.

Diante da complexidade da dinâmica familiar, da importância do relacionamento conjugal, e pelo fato de sermos discípulos de Cristo, precisamos, humilde, incessante e reverentemente, buscar a "sabedoria que vem do alto" [Tg 1.13-18]. A Bíblia diz que "com a sabedoria se edifica a casa" [Pv 24.3]. Então, podemos crer que a sabedoria que vem do alto nos capacita a sermos agentes cooperadores de Deus neste contínuo e necessário processo de aperfeiçoamento conjugal.

Conclusão
Mardoqueu nos deixou um grande legado. Sua confiança e sua fidelidade a Deus tornaram-se para os cristãos de hoje um grande exemplo: o de se curvar somente a Deus. O cristão que tem a sua confiança em Deus, através de Sua Palavra, também deseja obedecê-lo para ser vitorioso.