domingo, 8 de dezembro de 2019

Lição 11 - A Ressurreição de Jesus Cristo



                                                                                                                                                 

Aula Presencial dia 15 de dezembro de 2019

                                                                                                                                                 









                                                                                                                                                 

Hinos Sugeridos da Harpa Cristã
183 - Ressuscitou

339 - Jesus Ressuscitado

545 - Porque Ele Vive


                                                                                                                                                 









Ressurreição
Do grego αναστασις (anastasis). A palavra  αναστασις (anastasis) vem de ανιστημι (anistemi), se referindo ao ato de fazer levantar, erguer-se, levantar-se do repouso, levantar-se dentre os mortos.

Texto Áureo
"Ele não está aqui, porque já ressuscitou, como havia dito. Vinde, vede o lugar onde o Senhor jazia.", Mt 28.6
"Dizendo: Convém que o Filho do homem seja entregue nas mãos de homens pecadores, e seja crucificado, e ao terceiro dia ressuscite.", (Lc 24.7)

Estas palavras de Jesus se cumpriram integralmente. A Bíblia, afirma que o túmulo de Jesus foi encontrado vazio (Mt 28.6). Onde, pois, estava o corpo crucificado?

Verdade Aplicada
A informação da ressurreição de Jesus é a maior e a mais sublime mensagem triunfante do cristianismo.

Objetivos da Lição
Provar que o túmulo de Jesus está vazio;
- Estudar as aparições de Jesus posteriores ao Seu túmulo vazio;
- Aprender sobre a importância da ressurreição de Jesus.

Motivo de Oração
Ore pela proteção de Deus sobre os pastores.



1 Coríntios 15.17-21
17 - E, se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados.
18 - E também os que dormiram em Cristo estão perdidos.
19 - Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens.
20 - Mas de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos, e foi feito as primícias dos que dormem.

21 - Porque assim como a morte veio por um homem, também a ressurreição dos mortos veio por um homem.


Introdução
O cristianismo estaria morto se lhe fosse retirada a inconcussa verdade da ressurreição de Cristo, pois ela é o axioma de sua vitória e, conseqüentemente, do cristianismo.
Ele ressuscitou, Confúcio está no túmulo, Buda está no túmulo, Maomé está no túmulo, Gandhi está no túmulo, Allan Kardec está no túmulo, Chico Xavier está no túmulo, mas Jesus está vivo; a morte não pôde detê-lo; Seu túmulo está vazio! Este é o ápice da mensagem de João: o Crucificado ressuscitou! Se Jesus não tivesse ressuscitado, nossa fé seria vã e também a nossa pregação (1 Co 15.14).
As tentativas de varrer as evidências da ressurreição da História foram inúmeras, mas esta axiomática verdade prevalece: Cristo ressuscitou dos mortos e foi feito as primícias dos que dormem (1 Co 15.20). Esta, aliás, é a mensagem arvorada pela Igreja. O Filho de Deus, que fora executado em uma cruz, ressuscitou dentre os mortos (At 2.24-32).A maior importância da ressurreição não está no passado — Cristo ressuscitou —, mas no presente — Cristo está — vivo (KREEFT; TACELLI. Central Gospel, 2008, p. 275). 

NOTA
Significado de Axioma
Evidência cuja comprovação é dispensável por ser óbvia; princípio evidente por si mesmo.
[Matemática] Noção comum; afirmação geral aceita sem discussão



1 - O Túmulo de Jesus Vazio
A morte de Jesus e o consequente sepultamento, eventos de conhecimento público na época dos fatos, exigem, obrigatoriamente, a existência de um túmulo,[...] A sepultura de Jesus vazia é uma das inegáveis provas de que Jesus ressuscitou.

1.1 - Teriam Furtado o Corpo de Jesus os Seus Discípulos
Considerando as informações de Mateus 27.62-66, pode ser afirmado que: as autoridades foram avisadas da possibilidade de roubarem o corpo de Jesus, e conscientizadas do perigo e das consequências se isto acontecesse; seriam apenas três dias, tempo curto, onde é possível manter uma segurança rigorosa; a sepultura foi cavada em rocha e uma grande pedra colocada para fechar a tumba, garantia de total segurança, pois, sua violação exigiria muitas pessoas e muito tempo para ludibriar tamanha segurança (Mt 27.60); túmulo vigiado por soldados romanos. Era impossível os discípulos roubarem o corpo de Jesus.
"Se todos os soldados tivessem realmente dormido, não poderiam saber o que aconteceu. Se algum deles estivesse acordado, teria despertado aos outros e impedido o roubo; se estivessem dormindo, por certo que nunca teriam se atrevido a confessá-lo, pois os governantes judeus teriam sido os primeiros a pedirem o seu castigo. E ainda, se realmente houvesse algo de verdade neste relato, os governantes teriam por esta razão julgado os apóstolos com severidade. A situação completa mostra que a história era totalmente falsa. [...] Deus permitiu que eles mesmos expusessem o seu próprio caminho" (HENRY, Matthew. Comentário Bíblico de Matthew Henry. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2002, p. 794).

1.2 - Teriam Furtado o Corpo de Jesus os seus Adversários
Se os inimigos de Jesus furtado o Seu corpo, teriam mais motivos para devolvê-lo do que escondê-lo, pois ao ocultá-lo estariam contribuindo ainda mais para o argumento da ressurreição. Os inimigos de Jesus não roubaram o Seu corpo.
Mt 28.11-15
Enquanto as mulheres vão até os discípulos para dar as boas-novas, os soldados que guardavam o sepulcro vão até os príncipes dos sacerdotes contar o que havia ocorrido. Então, eles se reuniram com os anciãos para tomar uma decisão a respeito do assunto. A deliberação do conselho foi mentirosa e desonesta: pagar propina aos soldados para que eles mentissem a respeito da ressurreição de Jesus.

Lições CPAD Jovens » 2018 » 1º Trimestre

1.3 - A Inércia das Autoridades Diante dos Fatos Envolvendo a Ressurreição de Jesus
Em suma, para qualquer pessoa, violar o túmulo de Jesus seria um crime, pois estava lacrado com o selo proconsular (Mt 27.66), mas as autoridades nada fizeram. Veja a gravidade dos fatos: por um lado as autoridades religiosas impuseram aos guardas, do túmulo de Jesus, uma mentira - falaram que dormiram (Mt 28.13) - assim, os soldados não foram punidos, como devia ser, pela suposta "falha ao dormir", fato gravíssimo (pelo contrário, foram protegidos pelos sacerdotes Mt 28.14). Por outro lado, da mesma forma foram omissos por não denunciar formalmente os discípulos de Jesus, Já que foram acusados do crime de violação do túmulo de Jesus. Por que não foram punidos? Porque não tinham provas contra os discípulos de Jesus sobre o suposto crime.
Mt 28.11-15

O fato de soldados romanos terem sido enviados para guardar o túmulo, deu mais credibilidade à ressurreição de Jesus. Quem poderia retirar o corpo de um túmulo que estava lacrado e guardado por um destacamento de Roma? Os chefes dos sacerdotes e os fariseus que haviam feito o pedido a Pilatos para guardar o túmulo de Jesus, sem querer, acabaram por colaborar com a comprovação da sua ressurreição.Lições CPAD Jovens » 2018 » 1º Trimestre


2 - As Posteriores Aparições de Jesus
Em 1Coríntios 15.5, temos o testemunho de Paulo, que conhecia pessoalmente os discípulos de Jesus, e ele escreveu que, depois da morte de Jesus os Seus discípulos O viram vivo. Paulo conheceu testemunhas oculares do aparecimento de Jesus após Sua ressurreição. Em outro registro bíblico (1Co 9.1), Paulo revela que ele mesmo também viu Jesus vivo. As aparições de Jesus depois de Sua ressurreição, são fundamentais, porque, através delas, temos provas do fato da ressurreição.

E, caindo em terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues?
E ele disse: Quem és, Senhor? E disse o Senhor: Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Duro é para ti recalcitrar contra os aguilhões.(Atos 9:4,5)

2.1 - Testemunhas da Ressurreição de Jesus
A crença na ressurreição de Jesus não é invenção tardia na história do cristianismo. Já era uma realidade em Jerusalém, cidade onde se deu a grande maravilha da ressurreição, e onde residiam testemunhas oculares que diziam ter visto Jesus depois de sua ressurreição;[...]mais de quinhentos irmãos viram Jesus ressuscitado, e, pelos relatos de Paulo, muitos ainda viviam nos seus dias (1Co 15.6).
As testemunhas
Há doze referências bíblicas às aparições do Cristo ressurreto. Testemunharam esse evento inadjetivável: Maria Madalena (Jo 20.15,16; Mc 16.9); as mulheres no túmulo (Mt 28.9); dois discípulos no caminho para Emaús (Lc 24.13-31); Pedro (Lc 24.34; 1 Co 15.5); dez discípulos (Tomé ausente; Jo 20.19); os Onze (incluindo Tomé; Jo 20.26); os sete discípulos que foram pescar (Jo 21.1-22); os Onze em algum monte na Galileia (Mt 28.16,17); os doze (incluindo Matias; 1 Co 15.5; At 1.21-26); Tiago, irmão do Senhor (1 Co 15.7); todos os apóstolos (1 Co 15.7; Mc 16.19,20; Lc 24.50-53; At 1.3-12,36); e outros 500 irmãos (1 Co 15.6 — a maior parte ainda estava viva quando Paulo escreveu esse texto, confirmando, assim, a ressurreição).
As aparições do Cristo ressurreto, além de confirmar Sua ressurreição, cumpriram o propósito de instruir os discípulos e fortalecê-los na fé. 
Fonte: Lições bíblicas nº 57

2.2 - Testemunho dos Evangelhos sobre a Ressurreição de Jesus
Os evangelhos foram escritos depois do início da igreja, provavelmente entre 65 e 98 d.C. Em 180 d.C., os evangelhos eram universalmente aceitos em todas as igrejas, como o único registro válido a respeito da vida terrena de Jesus. Deles provêem todas as informações que temos a respeito de Jesus. Os quatro escritores dos evangelhos são unânimes ao relatar o fato da ressurreição de Jesus (Mt 28.1-10; Mc 16.1-8; Lc 24.1-12; Jo 20.1-19). A falta de harmonia em pequenos detalhes de seus relatos é mais uma prova da verdade, pois, se houvesse uma uniformidade nas narrativas, seria prova de um conluio.
E que é manifesta agora pela aparição de nosso Salvador Jesus Cristo, o qual aboliu a morte, e trouxe à luz a vida e a incorrupção pelo evangelho;
(2 Tim 1:10)
 No contexto do Novo Testamento.
Com o advento da Nova Aliança a doutrina da ressurreição é demonstrada em sua plenitude (2 Tm 1.10). 
O Novo Testamento registra vários casos de pessoas sendo ressuscitadas. Algumas foram ressurreições efetuadas pelo Senhor Jesus, enquanto outras por seus apóstolos (Mc 5.35-43; Lc 7.11-17; Jo 11.11-45; At 9.36-42; 20.9,10). Em todos os casos, exceto a ressurreição de Jesus, as pessoas ressuscitadas morreram novamente. ( Lições CPAD Jovens » 2015 » 2º Trimestre)


2.3 - Jesus Apareceu Fisicamente após Sua Ressurreição.
Jesus apareceu, após Sua ressurreição, fisicamente e corporalmente, e não através de uma visão, excluindo o argumento de uma simples experiência psicológica. As aparições de Jesus ocorreram no mundo externo, diferente da visão de Estêvão, que disse: "Eis que vejo os céus abertos e o Filho do Homem que está em pé à mão direita de Deus." (At 7.56). Por outro lado, temos a experiência de Tomé, comprovando que as aparições de Jesus não eram ilusões coletivas, mas reais, pois ele mesmo visualizou: "Põe aqui o teu dedo e vê as minhas mãos; e chega a tua mão e mete-a no meu lado", disse-lhe Jesus (Jo 20.27). Nestes dois exemplos, fica evidente a diferença entre visão (Estêvão) e aparição (Tomé) de Jesus ressurreto.
Evidências diretas. As Escrituras apresentam muitas evidências da ressurreição de Jesus. Os apologistas classificam essas evidências em diretas e indiretas. O texto de Lucas 24.13-35 narra o encontro que dois discípulos, no caminho de Emaús, tiveram com Jesus após a sua ressurreição. Trata-se de uma evidência direta da ressurreição porque mostra Jesus ressuscitado com um corpo físico e tangível. Evidência semelhante pode ser vista no relato da ressurreição do Evangelho de João 20.10-18. Nesses relatos observamos que as pessoas para as quais o Senhor apareceu viram o seu corpo, conversaram com Ele e até mesmo chegaram a tocá-lo. Não se tratava, portanto, de uma visão ou sonho, mas de um encontro real!

Evidências indiretas. Como vimos, os Evangelhos apresentam muitas provas diretas da ressurreição do Senhor, todavia, apresentam também outras provas indiretas. Antes da ressureição encontramos um grupo de discípulos desanimado, triste e cabisbaixo. Era um cenário desanimador. Após a ressurreição e Pentecostes, esses mesmos discípulos se apresentam ao povo com uma ousadia nunca vista. Eles agora passaram a testemunhar que o Senhor deles estava vivo e apresentavam provas disso. Eles curavam os doentes, levantavam os paralíticos, expeliam os demônios e testemunhavam: “Deus ressuscitou a este Jesus, do que todos nós somos testemunhas” (At 2.32). A ressurreição de Jesus se tornou o principal tema da pregação apostólica.( Lições CPAD Jovens » 2015 » 2º Trimestre)


3 - Importância da Ressurreição de Jesus
crucificação e a consequente morte de Jesus foram um desastre para os discípulos, pois eles ainda não entendiam os motivos para estes fatos (Lc 18.31-34). Porém, a ressurreição de Jesus traz luz ao referido texto, e os Seus discípulos, com base na ressurreição, conseguiram crer que Jesus era de fato o Cristo. A mensagem do cristianismo estava completa: Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras." (1Co 15.3-4), pois, a morte e ressurreição de Jesus eram os eventos sobre os quais estava fundamentada a proclamação das boas novas de salvação - Evangelho.

3.1 - Jesus Ressurreto é o Alicerce do Cristianismo
Paul E. Little afirma que se Cristo não tivesse ressuscitado dos mortos, o cristianismo seria apenas uma curiosa peça de museu - nada mais. O cristianismo não teria prosperado se Jesus não tivesse ressuscitado. Pelo contrário, o cristianismo estaria enterrado juntamente com Ele, e, certamente, como Seu corpo, estaria em decomposição, assim seria o cristianismo transformado em cinzas e seu fracasso seria inevitável.
Ressurreição, o pilar da fé cristã.
A realidade e historicidade da ressurreição são os pilares mais importantes do Cristianismo. Tudo o que somos e cremos está firmado nela (1Co 15.14).
A realidade da ressurreição.
O pecado exigia um alto preço: a morte. No entanto, qual seria o homem que cumpriria a exigência divina, visto que o mesmo possui natureza pecaminosa? A missão de Cristo só foi completada após Sua ressurreição. Morrer resolveria apenas a questão da justiça. Todavia, continuaríamos subjugados pelo poder do pecado e da morte (1Co 15.22). Era necessário que Ele vencesse a morte e nos desse a possibilidade de vencer juntamente com Ele (Fp 2.8; Cl 2.13-15).

.( Lições BETEL Jovens e adultos » 2015 » 2º Trimestre)

3.2- Jesus Ressurreto deu Convicção aos Seus Discípulos
A ressurreição de Jesus deu a cada um de Seus discípulos a convicção e a coragem para enfrentar a prova da tortura e do martírio. O que transformou um grupo de discípulos atemorizados, acovardados e escondidos, em homens de coragem e convicção? O que mudou o apóstolo Pedro, de um indivíduo que na noite anterior à crucificação, estava tão temeroso da sua própria vida que três vezes negou que conhecia a Jesus, num leão da fé? Cinquenta dias depois da ressurreição de Jesus, este mesmo Pedro, agora cheio do Espírito Santo, arriscou sua vida diante de uma multidão em plena Jerusalém, dizendo que havia visto Jesus ressuscitado dentre os mortos. Isto só foi possível porque Jesus realmente ressuscitou dentre os mortos.
O poderoso efeito da ressurreição.
A mensagem dos apóstolos estava alicerçada única e exclusivamente na ressurreição de Cristo (1Co 15.13; Fp 3.9, 10). Mesmo sofrendo perseguição, eles afirmavam que jesus era a esperança da humanidade. Propagando a fé, tudo o que esses homens esperavam era o desprezo, as prisões, os tormentos e a morte. No entanto, com uma fé heroica, esses homens suportaram firmes todas estas misérias. É magnífico perceber que eles viram coisas espetaculares porque jamais retrocederam. Eles foram expostos a mortes miseráveis, contudo, os sobreviventes prosseguiram com maior vigor e determinação. ( Lições BETEL Jovens e adultos » 2015 » 2º Trimestre)

3.3 - Jesus Ressurreto traz Esperança aos Cristãos
O cristianismo, forte e persistente, vindo até nós desde os primeiros meses após a crucificação, é a maior a maior prova visível e crescente de que Jesus ressuscitou. Jesus, ao ressuscitar, trouxe a vida e a imortalidade à luz, a esperança e o gozo a todos os mortais que O aceitam como Senhor e Salvador, pois Ele é "as primícias dos que dormem" (1Co 15.20-23).
 Eu Sou a ressurreição e a vida
Jesus fez esta declaração no episódio da morte e ressurreição de Lázaro (Jo 11.1-45). Naquele dia, diante da incompreensão de Seus ouvintes, Jesus disse: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá (Jo 11.25). Esta é uma das mais poderosas revelações de Jesus.
Nessa frase, o sujeito e o predicado são permutáveis: Jesus é a ressurreição e a vida; a vida e a ressurreição são Jesus [ou estão em Jesus].Ressurreição e vida não são um Dia; são uma pessoa: Jesus, o Eu Sou! A ressurreição e a vida estão Nele (Rm 6.8-9; 1 Co 15.20,57; Cl 1.18; 1 Ts 4.16). É importante frisar, neste ponto, que, primeiro, vem a ressurreição, depois, a vida; afinal, é a ressurreição em Cristo que dá acesso à vida eterna com Deus. Marta disse: se tu estivesses aqui (passado); depois, transferiu sua esperança para o último Dia (futuro). Jesus, todavia, disse-lhe: Eu Sou (presente)! Nosso Salvador não foi nem será; Ele é! Fonte: Revista Lições da Palavra de Deus n° 57

Conclusão
Concluímos esta lição fazendo uso das palavras do apóstolo Paulo, uma inspirada e fervorosa mensagem sobre o nosso Senhor Jesus Cristo: "Declarado Filho de Deus em poder, segundo o Espírito de santificação, pela ressurreição dos mortos-, Jesus Cristo, nosso Senhor." (Rm 1.4).

Questionário
1) Qual seria o resultado se os inimigos de Jesus tivessem furtado o Seu corpo ?
R. Estariam contribuindo ainda mais para o argumento da ressurreição.

2) Por que seria um crime violar o túmulo de Jesus ?
R. Porque o túmulo de Jesus estava lacrado com selo proconsular.

3) Por que os discípulos de Jesus não foram denunciados e punidos  ?
R. Porque não tinham provas contra eles sobre o suposto crime.

4) Em que data os evangelhos foram aceitos como o único registro válido a respeito da vida de Jesus ?
R. Em 180 d.C.

5) Qual o nome do discípulo que foi desafiado a tocar em Jesus ?
R. Tomé (Jo 20.27).

Fonte
Revista BETEL - Lições Bíblicas Adultos. Tema: Apologética Cristã - A Importância das Defesa da Fé diante dos Desafios da Sociedade Atual, Comentarista Pr. Joabes Rodrigues do Rosário, 4 Trimestre 2019 - Ano 19 - nro. 113.

                                                            Vídeos Pré-Aula                                                       

    
   




                                                                                                                                                 


Estimado professor, segue abaixo alguns links como material de apoio desta lição.

Já estudamos algumas lições sobre a Ressurreição de Jesus Cristo por um determinado foco, vale a pena dar uma lida nas lições abaixo, vai enriquecer a sua aula.  Bom Estudo !

Segue abaixo um trecho da Lição da Betel sobre o tema proposto :

A importância da ressurreição de Jesus.
O apóstolo Paulo nos ensina que, sem a ressurreição de Cristo nossa fé seria vã (1Co 15.17). A nossa pregação seria inútil e a nossa esperança seria vazia. Nosso testemunho seria falso e nossos pecados não seriam perdoados. Seriamos os mais infelizes de todos os homens. Sem a ressurreição de Cristo, o cristianismo seria o maior engodo da história, a maior farsa inventada pelos cristãos. Os mártires teriam morrido por uma mentira e uma mentira teria salvado o mundo. Glórias a Deus porque Jesus ressuscitou e hoje temos vida abundante. Louvado seja Deus por Seu amor em nos conceder a vida eterna (Jo 3.16).
Comente com os alunos que a ressurreição de Cristo é a demonstração do supremo poder de Deus. É o fato mais extraordinário da História. Sem a ressurreição de Cristo, o cristianismo seria uma religião vazia de esperança, um museu de relíquias do passado. Sem a ressurreição de Cristo, a morte teria a última palavra e a esperança do céu seria um pesadelo (1Co 15.17).

Um brado de amor.
Existem muitos outros significados que a cruz de Cristo nos revela, mas existe um que não podemos jamais deixar de apontar: Jesus quis fazer o que fez. Ele sabia no que implicava Sua vinda. Sabia que o único preço para a nossa salvação era Sua morte. Ele poderia evita-la. Ele disse que poderia (Jo 10.17). A ressurreição de Cristo é o brado de Seu amor pela humanidade (Jo 10.11). Se Ele desejasse, chamaria Seus anjos, devastaria Seus inimigos e escaparia da cruz, mas não. Ele escolheu. Ele foi até as mais baixas profundezas para que nenhum de nós tivesse que se perder. Ele nos perdoou, nos aceitou e nos amou de maneira inexplicável (Rm 5.1-11).
Merece ser especialmente explicado para os alunos que qualquer pessoa que tentar afirmar o que disse Jesus Cristo será considerada mentalmente perturbada. Ele disse que tinha autoridade como homem sobre a morte para retomar a Sua vida. Comente com os alunos que Jesus literalmente estava dizendo que poderia controlar a vida e a morte. Que tremendo! 



Segue abaixo um trecho da Lição da CPAD sobre o tema proposto :

Jesus Ressuscitou, nós Ressuscitaremos.
Há uma esperança celestial para os salvos em Cristo quando da gloriosa ressurreição dos mortos, onde estaremos para sempre com o Senhor (1Ts 4.14; Is 26.19). Essa é uma esperança do crente que tem como seu fundamento a ressurreição de Cristo, pois do mesmo modo que Ele ressuscitou, nós ressuscitaremos: "que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a si todas as coisas" (Fp 3.21). Hoje, o nosso corpo está sujeito às enfermidades e demais fragilidades, mas na ressurreição ele será revestido de incorruptibilidade; nunca mais morreremos, pois a ressurreição dos santos será a vitória final sobre a morte e o inferno (1Co 15.54,55).

Primeira Ressurreição
O primeiro a dar início à primeira ressurreição foi Jesus. Ninguém reviveu, vencendo a morte física, definitivamente ou para sempre, antes dEle. Cristo é "as primícias dos que dormem", conforme disse Paulo (1 Co 15:20).
Contudo, na primeira ressurreição, farão também parte desse evento glorioso:
1 - Todos os "crentes salvos que morreram" e aguardam a volta de Jesus, 
2 - As "duas testemunhas" (Ap 11:1-12), 
3- O grupo de "mártires" ou seja aqueles que aceitarão Jesus Cristo na grande tribulação e serão mortos por não negarem a Jesus Cristo (Ap 7:9-17).

Segunda Ressurreição

Será para os ímpios, após o milênio (Ap 20:5,6)


                                                                                                                                                 

5 comentários:

  1. A paz do Senhor Jesus Cristo seja convosco, gostaria de pedir aos editores para que nos temas dos comentários onde se usam a coloração verde com tarja da mesma cor que fosse usado coloração diferente entre as palavras e as tarjas pois ao imprimir os textos o que está escrito ambas na mesma cor as palavras simplesmente não aparecem. No mais gostaria de deixar meus agradecimentos à todos os envolvidos nesta grande obra por sua dedicação e empenho pois tem sido de inestimável valia para nos professores todo o material que vocês vêm de forma tão especial aqui disponibilizado. Só na eternidade é que será reconhecido o vosso esforço quando da entrega de vosso galardão, aliás já deixo aqui uma prévia de uma promessa que se encontra em Daniel 12:3 onde se lê " Os sábios, pois, resplandecerão como o resplendor do firmamento; e os que a muitos ensinam a justiça refulgirão como as estrelas, sempre e eternamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isaque, a paz do Senhor, experimente entrar na opção : "Clique Aqui - Visualizar e Imprimir estes Subsídio ao Professor" e na impressão configure sua impressora para imprimir em preto e branco. Deve funcionar !

      Excluir
  2. Resumo a ressureição de Cristo como, uma essência conclusiva de tudo que Deus planejou para Cristo em sua obra em favor do toda humanidade que crê, sem ela não teria salvação, esperança, uma fé viva, e ainda mais, como também à reconciliação, restauração; e muito mais, e se não houvesse ressureição seria vã a nossa pregação. E a experiência princinpal da ressureição, é saber que Nele estava a vida, e a vida é a luz dos homens, digo também, quanto mais difícil que seja a nossa vida, nunca desista dela, porque em Cristo, nós também iremos ressuscitar, para um dia melhor na eternidade. Isto será o suficiente para termos base, não porque falaram que Ele ressucitou, mas tambem porque Ele está vivo dentre de nós, na qual podemos falar com Ele, e Ele conosco. Oh! Glória!

    ResponderExcluir
  3. Estamos estudando e a lição toda esta muito interessante

    ResponderExcluir
  4. Muito fraca a lição não fala coisa com coisa a lição 11 ea12 tem o mesmo sentido esignificado.Eu achao que os amados irmão escritores devíam ter um pouco mais de carinhos na escolhas dos textos não ficar preocupados em escrever 13 lição quando na verdade só tem munição no Máximo pra. Umas 3 deixa nos professores com cara de bobo perante os alunos sempre repetindo a mesma coisa.muito obrigado.e pense nisso a escolha dos que vao escrever as lição isso e pra quem tem. Dom não pra quem tem. Muitos titolos e.imfruemcia

    ResponderExcluir