segunda-feira, 21 de outubro de 2019

Lição 4 - Ele Sim !



                                                                                                                                                 

Aula Presencial dia 27 de Outubro de 2019

                                                                                                                                                 








                                                                                                                                                 









Clique Aqui - Visualizar e Imprimir estes Subsídio ao Professor


Versículo do Dia
"O que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que também tenhais comunhão conosco; e a nossa comunhão é com o Pai e com seu Filho Jesus Cristo" ( 1 João 1.3 )


Para Impactar
Jesus morreu em uma cruz, e pagou preço de sangue para que pudéssemos ter a chance de sermos chamados filhos de Deus e, assim, agirmos como tais.

Objetivos da Lição
- Entender que precisamos buscar viver em santificação;
- Compreender que a comunhão com Cristo é fundamental para o cristianismo;
- Aprender que Deus espera que, cada vez mais, o homem se volte para Ele.


Atos 2.41-47
41 - De sorte que foram batizados os que de bom grado receberam a sua palavra; e naquele dia agregaram-se quase três mil almas,
42 - E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações.
43 - E em toda a alma havia temor, e muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos.
44 - E todos os que criam estavam juntos, e tinham tudo em comum.
45 - E vendiam suas propriedades e bens, e repartiam com todos, segundo cada um havia de mister.
46 - E, perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração,
47 - Louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo. E todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar.



Introdução



#pontochave
"O primeiro ponto, para se ter uma comunhão real com Cristo, deve ser o reconhecimento de que Ele é Senhor sobre todos os nossos caminhos."


1 - Tendo Comunhão com Cristo
"Se dissermos que temos comunhão com ele, e andarmos em trevas , mentimos, e não praticarmos a verdade.", (1 João 1.6)

1.1 - Entendendo o que é Comunhão
Comunhão é o ato de se identificar com alguém, com quem se estabelece um contato harmonioso tanto na forma de pensar como na forma de agir, é uma socialização próxima com caráter moral e afetivo.
A comunhão com o Senhor implica na comunhão com os irmãos (1Jo 1.7). O relacionamento do discípulo do Senhor é caracterizado por dois aspectos: vertical (com Cristo, cabeça da Igreja) e horizontal (com o Corpo de Cristo).. É oportunidade para manter a consciência da unidade do Corpo de Cristo. As diferenças não afetam o fato de que há uma unidade na diversidade (Sl 133; Ef 4.1-16).(Revista do professor, betel ,4º trim ,2017)

Se alguém declarar: “Eu amo a Deus!”, porém odiar a seu irmão, é mentiroso, porquanto quem não ama seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não enxerga. (1Jo 4.20)

1.2 - Passos para a Comunhão Real

Para se ter uma comunhão real e plena, além do reconhecimento de Cristo em todo o nosso caminho, também é necessário tratar Jesus e o Reino dos céus como prioridade:
"Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.", Mt 6.33
“Definindo o Reino de Deus
[...] O Reino de Deus pode ser definido como o domínio eterno de Deus em todas as eras, exercendo a sua soberania sobre o Universo, intervindo na história para conduzi-la ao ápice — a restauração de todas as coisas — e ‘revelando-se com poder na execução de todas as suas obras’. O Reino de Deus tem, portanto, uma dimensão presente, como já vimos, que se configura no cumprimento em Cristo de todas as promessas messiânicas do Antigo Testamento. A expressão ‘é chegado’, que aparece tanto em Mateus 4.17 como em 12.28, segundo pensam os eruditos, denota a ideia de ‘presença real’, agora, e não de proximidade, como algo apenas para o futuro. Ou seja, a presença pessoal do Messias na história implica a presença efetiva do Reino de Deus entre os homens. Ele se manifesta a partir do coração de cada um, daí porque onde se percebe que o Reino está presente é também possível sentir os seus efeitos.No entanto, reitere-se, não se pode esquecer do caráter escatológico do Reino de Deus. Será o tempo no qual cumprir-se-á a profecia de Daniel em que os reinos deste mundo serão destruídos, o mal aniquilado, restabelecer-se-á a comunhão perfeita com Deus e o Senhor reinará com justiça para sempre” (COUTO, G. A Transparência da Vida Cristã. Comentário Devocional do Sermão do Monte. 1.ed., RJ: CPAD, 2001, pp.257,258).

#pararefletireadorar
"O legalismo ofende a justiça de Deus porque julga os irmãos segundo um código moral humano e não em termos de uma comunhão com Cristo". Russel Shedd


2 - Tendo Comunhão com o Próximo
"Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros." (Rm 12.10).

2.1 - Vivendo em Harmonia
Como foi visto acima, o cristão deve em todo o tempo estar em comunhão com Deus, e o reflexo real dessa comunhão está na unidade com os irmãos.

A prova viva de que entendemos que, com Cristo estamos na luz é quando demonstramos com ações e sentimentos a importância de vivermos em comunhão com o próximo.
"Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho nos purifica de todo o pecado" (1 João 1.7).

 Resumindo :

“Ação Social: Compromisso de uma Igreja
O avivamento espiritual, que é tanto a causa como o produto de uma Igreja Viva, precisa abranger a igreja como um todo, se não queremos um organismo aleijado ou disforme. Não se pode falar de um avivamento que priorize apenas um aspecto da totalidade do ser humano como, por exemplo, o destino de sua alma, em detrimento de seu bem-estar físico e social. Não nos interessa uma comunidade apenas voltada para o futuro, em prejuízo do hoje, pois isso implica em negligenciar as necessidades imediatas e urgentes do ser humano. O homem vive na dimensão do aqui e agora. Tem fome, frio, doença, sofre injustiças; enfim, tem mil motivos para não ser feliz. Nossa missão, pois, é socorrer o homem no seu todo, para que não somente usufrua paz de espírito, mas também conserve no corpo e na mente motivos de alegria e esperança. O projeto de Jesus é para o homem todo e para todos os homens. Fugir dessa verdade é desobediência e rebelião contra aquEle que nos comissionou. Um verdadeiro avivamento trará de volta ao crente brasileiro o amor pelos quase 50 milhões de irmãos pátrios que vivem na pobreza absoluta. O estilo de vida de uma igreja avivada não se presta a esquisitices humanas, mas à formação de personalidades de acordo com o caráter de Cristo, que não negligenciam o amor ao próximo”.

(CIDACO, J. A. Um Grito pela Vida da Igreja. 1.ed. RJ, CPAD, 1996, pp.87-8)

2.2 - Dedicando-se ao Próximo
O início da igreja primitiva foi marcado por quatro ações que identificam o cristianismo como essencialmente caridoso e altruísta.
"E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e na oração" (At. 2.42).
"E todos os que criam estavam juntos e tinham tudo em comum" (At 2.44).
A Comunidade. O texto de Atos 2.42 diz que “perseveravam na comunhão”. Os fiéis se reuniam fraternalmente e tinham uma causa comum. A igreja cristã era a comunidade dos remidos. Todos compartilhavam dos mesmos interesses. Ninguém se sentia excluído, pois as diferenças sociais e espirituais não eram superiores à fraternidade comunitária. Tal comunhão vinha do Espírito Santo que os enchia, como em Atos 4.31,32. Assim deve ser numa comunidade cristã autêntica, cheia do Espírito Santo e do seu fruto, como está patente em     1 Coríntios 13.4-7, Gálatas 5.22,23 e Efésios 4.9,10.
APLICAÇÃO PESSOAL
Comunhão é o sentimento de unidade que leva os cristãos a se sentirem um só corpo em Cristo Jesus. Tendo como vínculo o amor, a comunhão cristã desconhece distinções sociais, culturais e nacionais. Agora somos um em Cristo. Não basta amar o próximo como a nós mesmos; temos de amá-lo como Jesus nos amou. Somente assim poderemos expressar o amor ágape, tal qual afirma a Escritura em 1 Coríntios 13.

O amor de Jesus por nós é o exemplo do amor que devemos expressar na comunhão diária com nossos irmãos em Cristo. O amor ágape, manifestado entre os irmão, é mais precioso do que a manifestação do dom profético, da sabedoria ou da fé. Pois somente através do amor é que podemos entender e nos relacionarmos adequadamente uns com os outros.(Lições CPAD Jovens e Adultos » 2007 » 1º Trim.)


3- Santificação, um Estilo de Vida
"Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor" (Hb 12;14)

3.1 - O que é Santificação ?

Definição etimológica. A palavra santificação, nos seus dois principais termos das Sagradas Escrituras (qōdesh, no A.T., e hagiazō, no N.T.), significam: separação do mundo e consagração a Deus.
Definição teológica. Tendo por base a graça divina, a santificação leva o crente a separar-se do mundo, de sua filosofia de vida e de suas vis concupiscências, a fim de consagrar-se totalmente a Deus e ao serviço de seu Reino.
(Lições CPAD Jovens e Adultos 2006 » 4º Trim.)
Não que já a tenha alcançado, ou que seja perfeito; mas prossigo para alcançar aquilo para o que fui também preso por Cristo Jesus.
(Fl 3:12)
Ora, amados, pois que temos tais promessas, purifiquemo-nos de toda a imundícia da carne e do espírito, aperfeiçoando a santificação no temor de Deus.(2 Co 7:1)
Interessante pensar, a princípio, sobre alguns pensamentos populares: “ninguém é santo”; “não sou santo”. São ditos usados várias vezes como argumentos para um viver “acomodado” e justificativas incompatíveis com o padrão bíblico para o discípulo do Senhor. Como se fosse uma “utopia” falar e buscar viver em santificação. Por isso, a importância da presente lição, pois trata-se de um assunto que é fruto de nosso relacionamento com Deus. Somos eleitos de Deus, em Cristo Jesus, para sermos “santos e irrepreensíveis” (Ef 1.4), pois a vontade de Deus é a nossa santificação (1Ts 4.3). (Lições BETEL Jovens e Adultos 2017 » 4º Trim.)

O chamado à santificação e a expressão da vontade de Deus com relação à santificação encontramos explicito:
Assim como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo.
E por eles me santifico a mim mesmo, para que também eles sejam santificados na verdade.
E não rogo somente por estes, mas também por aqueles que pela tua palavra hão de crer em mim.(Jo 17:18-20)
Deus nos chamou para a santificação (1 Ts 4.7). Ao meditarmos em tão relevante tema, precisamos fazê-lo a partir da Sagradas Escrituras e não de nossas limitações, imperfeições e “achismos”. No livro do profeta Isaías, capítulo 6, encontramos um exemplo desta ordem: primeiro é revelado ao profeta a santidade de Deus; a seguir ele reconhece sua impureza e confessa; então Deus age para purificá-lo.( (Lições BETEL Jovens e Adultos 2017 » 4º Trim, Revista do prof.)

3.2- O Processo de Santificação

Professor enfatize que a regeneração é um ato instantâneo e a santificação é um processo contínuo, progressivo e essencial na vida do cristão. A participação do Espírito Santo e da Palavra de Deus na regeneração continua na santificação dos salvos  até a vinda de Jesus.
São dois os caminhos: Caminho do pecado ou caminho da santificação,
O caminho do pecado conduz à morte, o caminho da santificação nos conduz à vida.
Porque, se viverdes segundo a carne, morrereis; mas, se pelo Espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis.(Rm 8.13)
O princípio. ‘Porque os que são segundo a carne inclinam-se para as coisas da carne; mas os que são do Espírito, para as coisas do Espírito’. A palavra ‘carne’ representa a natureza antiga e pecaminosa que não recebeu a renovação e vive segundo o homem não regenerado. Pode ser considerada a ‘baixa natureza’ ou a ‘natureza animalesca’. A expressão abrange tanto a totalidade da vida não renovada e que vive longe de Deus, como todas as atividades em que o eu-próprio é o centro. Quando alguém coloca Deus no centro da sua vida, passa a andar segundo o Espírito.
O resultado. ‘Porque a inclinação da carne é morte; mas a inclinação do Espírito é vida e paz’. O termo ‘morte’ se refere não apenas à morte física, mas a separação presente e futura de Deus, fonte de toda vida espiritual.
A razão. ‘Porquanto a inclinação da carne é inimizade contra Deus, pois não é sujeita à lei de Deus, nem, em verdade, o pode ser’. O homem carnal, para quem o eu-próprio é a lei suprema, naturalmente tem ressentimento contra Deus e sua bendita vontade [...]”
( PEARLMAN, M. Epístolas paulinas: Semeando as doutrinas cristãs. Coleção Myer Pearlman. RJ: CPAD, 1998, pp.28-9).


Conclusão
A Comunhão com Deus, com os irmãos e a busca pela santificação são armas extremamente eficazes contra as ciladas do inimigo, desde que saiam da teoria e sejam praticados contínuo e diligentemente.

Você foi chamado para uma grande obra, e só depende de sua dedicação ao Senhor para fazer a diferença em meio a esta geração que pratica o pecado deliberadamente.

Fonte
Revista BETEL - Conectar +. Tema: Escapa-te por tua vida, 4 Trimestre 2019


                                                                                                                                                 


Estimado professor, segue abaixo alguns links como material de apoio desta lição.

Clique Aqui - Lição CPAD - Necessidade de Termos uma Vida Santa

Clique Aqui - Lição Betel - Santificação

                                                                                                                                                 

Nenhum comentário:

Postar um comentário