segunda-feira, 9 de setembro de 2019

Lição 11 - A Páscoa Desejada

Aula presencial dia 15 de Setembro de 2019 





Hinos sugeridos para essa Aula

39 - Alvo mais que a Neve

301 - Vem Cear

328 - O Pão da Vida










                                       

Lição 11 - A Páscoa Desejada


Professor, que tal iniciarmos a lição perguntando para a classe: “O que significa a palavra Páscoa?”. A palavra é derivada do verbo hebraico pasah, com o sentido de “passar por cima”. Essa festa tem sua origem nos dias que antecedem o êxodo dos israelitas do Egito, conforme narrado em Êxodo 12.



Texto Áureo
"E disse-lhes: Desejei muito comer convosco esta páscoa, antes que padeça;", Lc 22.15
Esta ultima páscoa que Jesus participou tinha um significado todo especial, pois literalmente se cumpriria Nele toda tipologia, embora nem mesmo os discípulos demonstrassem que estavam entendendo a importância daquela reunião diferenciada.

[...]. Porque Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós. (1 Co 5:7b)



Verdade Aplicada
A Páscoa que antecedeu o padecimento de Cristo foi um momento repleto de significados e revelações, que devem continuar impactando a Igreja, até que Ele venha.



Objetivos da Lição
1 - Explicar a instituição da Páscoa;
2 - Mostrar os preparativos para a última Páscoa;
3 - Entender como a Páscoa judaica ganhou um novo sentido em Jesus.



Motivo de Oração
Ore pela comunhão e unidade do Corpo de Cristo.





 Lucas 22.17-20 
17 - E, tomando o cálice, e havendo dado graças, disse: Tomai-o, e reparti-o entre vós;
18 - Porque vos digo que já não beberei do fruto da vide, até que venha o reino de Deus.
19 - E, tomando o pão, e havendo dado graças, partiu-o, e deu-lho, dizendo: Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isto em memória de mim.
20 - Semelhantemente, tomou o cálice, depois da ceia, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue, que é derramado por vós.



INTRODUÇÃO 
Trataremos nesta lição sobre a páscoa mais desejada de Jesus, que precedeu a Sua morte. Relembraremos a Sua instituição e como ganhou em Cristo um caráter diferenciado, que impacta a igreja cristã e o mundo até hoje.

Nesta lição temos como desafio além dos objetivos da lição, destacar pelo menos três pontos: o conceito da Páscoa; o significado da Páscoa para os judeus; o significado da Páscoa para os cristãos.



1. A TRADIÇÃO PASCAL 
Para compreendermos a tradição pascoal, é necessário conhecermos como ela surgiu. A idéia central da celebração da Páscoa é a libertação do povo de Deus do jugo de escravidão egípcia. Os fatos que ocorreram foram tão marcantes na primeira Páscoa que os pais passaram fielmente de geração em geração.

1.1  Sua Instituição. 
A primeira Páscoa foi ordenada por Deus aos hebreus, por ocasião de sua saída do Egito.
A palavra páscoa no hebraico é “pasah” ou “Pesah”
Páscoa significa "passa por cima". Esse termo foi cunhado na noite em que os primogênitos foram mortos no Egito, uma vez que nas casas que tinham sangue nas vergas da porta, o anjo passou por cima (Êx 12.13-14).
(Revista EBD BETEL,3º TRIM,2018)

“A figura de um cordeiro ou cabrito sacrificado como parte do drama da salvação e da redenção remonta à Páscoa (Êx 12.1-13). Deus veria o sangue aspergido e ‘passaria por cima’(pasah) daqueles que eram protegidos por sua marca. Quando o crente do Antigo Testamento colocava as suas mãos no sacrifício, o significado era muito mais que identificação (isto é: ‘Meu sacrifício’). Era um substituto sacrificial (isto é: ‘Sacrifico isto em meu lugar’).
Embora não se deva forçar demais as comparações, a figura é claramente transferida a Cristo no Novo Testamento. João Batista apresentou-o, anunciando: ‘Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo’ (Jo 1.29). Em Atos 8, Filipe aplica às boas novas a respeito de Jesus a profecia de Isaías que diz que o Servo seria levado como um cordeiro ao matadouro (Is 53.7). Paulo se refere a Cristo como ‘nossa páscoa’ (1Co 5.7). Pedro afirma que fomos redimidos ‘com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado’ (1Pe 1.19)”
(HORTON, Stanley (Ed). Teologia Sistemática: Uma perspectiva pentecostal1ª Edição. RJ: CPAD, 1996, p.352).

Conceito. Do hebraico pesah, que significa "passagem", e de acordo com Êxodo 12.13,23,27, o termo hebraico significa que o Senhor "passou por cima", isto é, "pulou as casas israelitas" marcadas com sangue quando o Senhor feriu os egípcios.
 A palavra hebraica aplicada no Êxodo traz a ideia de "proteção", "libertação" e "salvação". Assim, o significado literário da Páscoa remonta à festa com que os israelitas comemoraram a saída do Egito e a passagem da escravidão à libertação; da separação à comunhão com o Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó (Êx 12). Para os judeus, é o acontecimento mais importante do Antigo Testamento. E para os cristãos, é a história que culmina gloriosamente em o Novo Testamento.
Significado da Páscoa para os judeus. A primeira ocorrência da Páscoa na Bíblia está registrada em Êxodo 12. O texto remonta o legislador Moisés aspergindo o sangue do cordeiro para que os primogênitos israelitas não fossem atingidos pelo juízo de Deus reservado a Faraó por meio da morte ;os primogênitos do Egito. Foi um acontecimento tão assombroso e maravilhoso que os israelitas tinham um compromisso firmado em Lei para que tal ocorrência fosse passada de geração a geração (Dt 20-23). A fatídica noite para os egípcios foi o dia de libertação para os judeus; foi quando o povo de Israel viu o grande livramento do Senhor; foi a noite que Deus demonstrou tamanho amor sem medida pela nação escolhida.
Significado da Páscoa para os cristãos.
A revelação progressiva de Deus no Antigo Testamento mostra que o livramento de Israel do Egito era o preâmbulo histórico-divino para a execução do seu plano salvífico. 
O sentido da Páscoa atingiu seu significado pleno na crucificação, morte e ressurreição de Jesus Cristo, o verdadeiro Cordeiro pascal. Esse foi dia do grande livramento da humanidade condenada para viver a ira Deus. Foi a extraordinária ação do amor de Deus, intermédio do seu filho unigênito, provendo livramento para os seres humanos. Para nós, os cristãos, a páscoa representa a liberdade, o recomeço, o perdão, a segunda chance, a nova vida, a alegria, a paz, a comunhão, a vida com Deus, a vida com o próximo. (Ensinador Cristão - número 72)

1.2  Seu Objetivo ao Longo das Gerações. 
O objetivo central da celebração da páscoa ano após ano era o não-esquecimento da libertação efetuada por Deus. O cordeiro pascoal era um tipo de Cristo Jesus. Isso significa que, assim como um cordeiro pascoal representa a libertação de um cativeiro humano, o egípcio, o Messias sofredor representaria a libertação total e definitiva do poder do pecado e do cativeiro das trevas. Muitas gerações de judeus celebraram a Páscoa com um entendimento limitado, reportando-se tão somente ao passado histórico, porém em Jesus Cristo esta cerimônia ganharia um novo sentido.
Utilize o quadro abaixo, para explicar aos alunos o significado desta celebração ao longo das gerações para os egípcios, judeus e cristãos. 


1.3  O Contexto Pascoal do Tempo de Jesus. 
A Páscoa era um grande evento, muito celebrado em Jerusalém. Judeus de todas as partes de Israel e os dispersos entre as muitas nações se dirigiam para lá. Os judeus dispersos almejavam em cada celebração da Páscoa que no próximo ano a celebrassem em Jerusalém, nem que fosse uma única vez na sua vida. Assim, esse tipo de multidão, formada por tantas pessoas oriundas de diferentes regiões, poderia facilmente estimulada a provocar algum levante e revolta. Segundo o historiador Josefo, insurreições sangrentas ocorreram na Palestina no primeiro século. Por isso o temor das autoridades religiosas em causar alvoroço com a prisão de Jesus (Mt 26.4-5).
Textos rabínicos relatam que aproximadamente 12 milhões de pessoas reuniam-se para celebrar a Páscoa. Josefo estima que fossem 3 milhões. Estes números são elevados, considerando a área dentro e ao redor de Jerusalém. Mas fica claro que a população da cidade de cerca de 55.000 pessoas no século I era dobrada ou triplicada pelos visitantes, dos quais muitos vinham para a Páscoa e permaneciam até Pentecostes.
A referência de Lucas às terras nativas das quais vinham muitos dos peregrinos judeus (At 2.8-11) está em completa harmonia com o que conhecemos da diáspora judaica do século I”.
(RICHARDS, L. O. Comentário Histórico Cultural do Novo testamento. 1.ed. RJ: CPAD, 2007, p.253)

Obs: Dados de 2016 sobre a cidade
Área125,1 km²
População874.186 (2016)



2.  MOMENTOS QUE ANTECIPARAM A PÁSCOA  
Além do contexto geral acima apresentado, estudaremos fatos que anteciparam a Última Páscoa do Senhor Jesus com Seus discípulos. 

2.1  Uma Maneira de Prender Jesus. 
Os chefes dos sacerdotes e os escribas pensavam continuamente numa maneira de prender Jesus (Lc 22.2-5). O Mestre ensinava todas as manhãs no templo e Sua notoriedade incomodava a muitos.
Neste tópico o que devemos enfatizar é que neste contexto da historia nada estava acontecendo por acaso, mas Deus cumpriria em Jesus aquilo que estava previamente determinado:
18 - Mas Deus assim cumpriu o que já dantes pela boca de todos os seus profetas havia anunciado: que o Cristo havia de padecer.(At 3.18)

“O Sacrifício Expiatório
O sacrifício expiatório do Messias foi ensinado nas profecias e símbolos do Antigo Testamento, e Jesus compreendia perfeitamente as Escrituras judaicas. Todo o sistema sacrificial mosaico e o sacerdócio que o mantinha eram símbolos e sombras das Boas Novas vindouras. Jesus tinha conhecimento de que os demais judeus sabiam que o núcleo desse sistema era Levítico 17.11: ‘Porque a vida da carne está no sangue. Eu vo-lo tenho dado sobre o altar, para fazer expiação pela vossa alma, porquanto é o sangue que fará expiação em virtude da vida’.
Ao ‘anunciar o seu nascimento’, Jesus declarou que a sua encarnação lhe deu um corpo que Ele ofereceria como sacrifício pelos pecados do mundo. Portanto, quando veio ao mundo, Ele disse: ‘Por isso, ao entrar no mundo, diz: Sacrifício e oferta não quiseste; antes, corpo me formaste; não te deleitaste com holocaustos e ofertas pelo pecado. Então, eu disse: Eis aqui estou (no rolo do livro está escrito a meu respeito), para fazer, ó Deus, a tua vontade’ (Hb 10.5-7).
Jesus se entregaria como oferta queimada, em submissão total a Deus, assim como oferta pelo pecado para pagar o preço das nossas ofensas contra Deus”.

(WIERSBE, W. W. O que as palavras da cruz significam para nós. RJ: CPAD, 2001, pp.12-3.)

2.2  Jesus Ensinando no Templo. 
E disse-lhes: São estas as palavras que vos disse estando ainda convosco: convinha que se cumprisse tudo o que de mim estava escrito na Lei de Moisés, e nos Profetas, e nos Salmos” (Lc 24.44). 
Jerusalém estava apinhada dos judeus de todos os lugares. Uma ocasião oportuna para muitos subirem ao templo para orar e receber algum ensinamento. Bem cedo Jesus se dirigia para lá a fim de ensinar o povo e grande número de pessoas iam para ouvi-lo (Lc 21.38). Como podemos entender isso? Jesus demonstra segurança e tranquilidade em estar ali, mesmo sabendo o risco de ser preso a qualquer momento. Após a purificação do templo (Lc 19.47-48), o Senhor ocupa seus últimos dias de liberdade ensinando o povo ali. O evangelista Marcos registra que enquanto Jesus ensinava no templo em sua última semana: 1) As autoridades religiosas buscavam matá-lo; e 2) A multidão estava admirada acerca da sua doutrina (Mc 11.18).
Sua vida e ministério. O profeta Isaías anunciou que o Messias haveria de habitar em Naftali, nos confins de Zebulom (Is 9.1-4); o Novo Testamento o confirma (Mt 4.13). O profeta Zacarias predisse a sua entrada triunfal em Jerusalém, montado num jumento (Zc 9.9); os Evangelhos registram o referido acontecimento (Mt 21.1-11). A palavra profética anuncia também a sua traição; seria traído por um amigo (Sl 41.9), ou seja, por Judas Iscariotes (Mt 26.14-16; Jo 13.2; 17.12).

2.3  Os Preparativos para a Páscoa. 
A cidade de Jerusalém, por ocasião da Páscoa, ficava lotada. Por esse motivo, era necessário fazer os preparativos para a Páscoa (Lc 22.8-13). Era necessário providenciar um ambiente adequado para que Jesus e Seus discípulos celebrassem aquela ceia especial. Então Jesus enviou Pedro e João antecipadamente para confirmar o local com determinado homem, que passaria levando consigo um cântaro de água. O tal homem mostrou-lhes o lugar onde Jesus celebraria a Páscoa com Seus discípulos. Aprendemos, assim, quão previdente e organizado era o Senhor Jesus naquilo que pretendia fazer.
Jesus possuía consciência de que a sua morte na cruz se aproximava e que Ele era o Cordeiro de Deus do qual o cordeiro da Páscoa era apenas um tipo (Jo 1.29). Com certeza milhares de cordeiros foram sacrificados em Jerusalém nessa data, mas somente Jesus era o “Cordeiro de Deus que tiraria o pecado do mundo” (Jo 1.29). Se a Páscoa judaica marcou a libertação do sofrimento do cativeiro egípcio, agora Jesus, através do seu sofrimento, libertaria a humanidade da escravidão do pecado. Pedro e João fazem os preparativos exigidos sobre a última Páscoa (Lc 22.7-20) e é durante a celebração da última Páscoa que Jesus instituiu a Ceia do Senhor (Lc 22.19,20). No contexto da Nova Aliança a Ceia do Senhor substituiu a Páscoa judaica (1Co 11.20,23).

(Lições CPAD Jovens e Adultos » 2015 » 2º Trim).



3. A PÁSCOA DESEJADA  
A última Páscoa da vida do Senhor Jesus com os Seus discípulos foi a mais desejada por Ele, por preceder o Seu sacrifício na cruz e ganhar um sentido novo e mais completo. De maneira que ela se tornou mais que um ritual, pois os seus elementos, tais como o pão e o vinho, ganharam significados além de si mesmos.

3.1  O Novo Significado do Pão. 
O pão usado por ocasião da ceia era um pão sem fermento, pois o fermento tinha um sentido pecaminoso nessa ocasião. Nos outros dias os judeus usavam fermento normalmente, mas na semana da Páscoa eles pegavam uma lamparina, analisavam cada canto da casa e removiam todo o vestígio de fermento. O pão asmo reportava à pressa com que os filhos de Israel saíram do Egito. No entanto, agora Jesus diz desse pão: Isto é meu corpo, que por vós é dado; fazei isto em memória de mim" (Lc 22.19). Os apóstolos só entenderam o pleno sentido dessas palavras depois da Sua ressurreição.
O pão. Após tomar o pão, dar graças e partir, Jesus disse: “Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isso em memória de mim” (Lc 22.19). Jesus usa a expressão: “isto é o meu corpo” com sentido metafórico, da mesma forma que Ele disse: “Eu sou a porta” (Jo 10.9). O pão era um símbolo do corpo de Jesus da mesma forma que o vinho era do seu sangue. A palavra “oferecido” traduz o verbo grego didomi, que também possui o sentido de entregar. Esse mesmo verbo é usado nos textos de Isaías 53.6,10,12, onde há uma clara referência a um sacrifício (cf. Êx 30.14; Lv 22.14). O corpo de Jesus seria oferecido vicariamente em favor dos pecadores. (Lições CPAD Jovens e Adultos » 2015 » 2º Trim).

Há, pelo menos, três doutrinas concernentes aos elementos da Santa Ceia:
1) Transubstanciação - ensina que os elementos da Santa Ceia, no ato da consagração, transformam-se literalmente em carne e sangue de Jesus Cristo;
2) Consubstanciação - ensina que as substâncias do Corpo e do Sangue de Cristo se unem a substância dos elemen­tos da Ceia, no instante que são consagrados;
3) Substanciação - ensina que a substância dos elementos da Ceia continuam sem alteração, apenas simbolizando o corpo e o sangue de Cristo. A doutrina ensinando que os elementos da Ceia são símbolos, e que tem apoio bíblico 1 Co 11.23-26). .(Revista ,BETEL,2014 1º trim.)
Obs. Nós assembleianos cremos na substanciação

3.2  O Novo Significado do Vinho. 
O próprio Senhor estabeleceu o significado ao tomar o cálice; “É o Novo Testamento no meu sangue” (Lc 22.20) e o conteúdo do mesmo, ou seja, vinho (Lc 22.18). Ele fez a associação entre o vinho e o Seu sangue que seria derramado, afirmando o estabelecimento de um Novo Concerto (Hb 8.13;9.15), que já havia sido predito pelo profeta Jeremias (Jr 31.31).
O vinho. O terceiro Evangelho faz referência ao uso do cálice por duas vezes, a primeira delas antes de mencionar o pão (Lc 22.17,20). Mas essa reversão da ordem dos elementos não modifica em nada o significado da Ceia. Nesse particular, a liturgia cristã segue o modelo dos outros evangelistas e de Paulo, onde o uso do vinho é precedido pelo pão (Mc 14.22-26; Mt 26.26-30; 1Co 11.23-25).
Tomando o cálice, Jesus falou: “Este cálice é o Novo Testamento no meu sangue, que é derramado por vós” (Lc 22.20). O sentido desse texto é que o vinho é um símbolo da Nova Aliança que foi selada com o sangue de Jesus, o Cordeiro de Deus (Êx 12.6,7,13; 24.8; Zc 9.11; Is 53.12).

3.3  A Honra e a Responsabilidade de Participar da Ceia. 
É possível que os discípulos não compreenderam plenamente o que significava a participação naquela celebração repleta de significados envolvendo aspectos tipológicos [...],Contudo, hoje, temos a Bíblia completa, o Espírito Santo em nós e uma história de mais de dois mil anos desde o Pentecostes. Temos discernido o que significa participar da Ceia do Senhor? (1Co 11.27-29).
Um pouco antes de ser traído, Jesus se reuniu com Seus discípulos para uma refeição comemorativa que marcaria para sempre a humanidade. Essa refeição deveria ser comemorada pelas futuras gerações, para demonstrar o profundo significado do que Ele fez por todos nós. A Ceia é um memorial de Sua morte; é a proclamação da Sua obra redentora e um alerta quanto ao Seu retorno (1Co 11.24-26).
Portanto não é um meio de salvação para aqueles que participam do cálice e do pão, mas um memorial para os que são salvos. 
Este culto não pode ser utilizado para outra finalidade ou tratar de assuntos que desviem do verdadeiro propósito para o qual foi instituído.
Infelizmente esta pratica tem se tornado comum, entristecendo Jesus. Há cultos de santa ceia que falta tempo para realizá-lo porque o tempo foi mal administrado. Senhor tem misericórdia de sua igreja, abençoe todos nossos amados lideres para que atentem para este fato.
Porque o que come e bebe indignamente, come e bebe para sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor.
Por causa disto há entre vós muitos fracos e doentes, e muitos que dormem. (1 Co 11:29-30)  
Notar o que diz o texto: “Examine-se... e assim coma...”, Indica, assim, que não é apenas examinar, mas uma atitude pessoal visando participar. Ou seja, acertar o que precisa ser acertado. Não devemos nos acomodar no erro. O versículo em estudo pressupõe que, caso o indivíduo não se considere em condições de participar, esta conclusão o conduzirá ao arrependimento e à correção de suas ações. (Revista do professor) (Revista jovens e adultos EBD BETEL,4º TRIM,2017)



CONCLUSÃO
Cristo é a nossa Páscoa (1Co 5.7). Assim, na Nova Aliança, a Igreja tem o dever de celebrar a Ceia do Senhor, que substituiu a Páscoa (1Co 11.26), até que Ele venha e nos conduza à participação nas Bodas do Cordeiro.



QUESTIONÁRIO

1. Para quem a Páscoa no Antigo Testamento apontava  ?
R.: Para Jesus Cristo (1Co 5.7).

2. No que os chefes dos sacerdotes e os escribas pensavam continuamente ?
R.: Numa Maneira de prender Jesus  (Lc 22.2-5).

3. O que alegrou as autoridades religiosas ?
R.: A proposta apresentada por Judas (Lc 22.5).

4. Por que era necessário fazer os preparativos para a Páscoa ?
R.: Porque a cidade de Jerusalém, por ocasião da Páscoa, ficava lotada (Lc 22.8-13).

5. O que já havia sido predito pelo profeta Jeremias ?
R.: O estabelecimento de um Novo Concerto (Jr  31.31).



BIBLIOGRAFIA

[1] Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal - CPAD - ARC
Biblia de estudo pentecostal, Almeida revista e corrigida, Rio de Janeiro, CPAD
Bíblia do Culto - Editora Betel
Revista EBD Betel Dominical Professor - 3 trimestre 2019, ano 29, número 112 - Editora Betel


                              AGORA VAMOS A VÍDEO AULA SOBRE ESTA LIÇÃO.  TENHA BOM ESTUDO !                             
    
   






                                                                                                                                                                              
[     

                                                                                                                                                                              


9 comentários:

  1. na verdade a revista ta trazendo um assunto de alerta para nos claros e objetivos. e eu gosto muito dessa complementação que e exposto aqui para nos professores enriquecermos nossas aulas. cada trimestre ensino e aprendo muito mais.

    ResponderExcluir
  2. Paz! Boa noite. Quando será publicada a lição 11 da conectar?? Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Postagem efetuada ! Sempre até Sexta-feira estaremos postando !

      Excluir
  3. A pascoa por uma linguagen figurada passa para nós, um meio pelo qual nos garantirá uma oportunidade que é oferecida de Deus, para tirar de nós uma vivencia escravizada pelo pecado, porque a permanencia no mesmo resultaria em morte eterna, por isso que Cristo é a nossa Páscoa, oferecendo vida ao crer Nele, seguindo Ele, e vivendo Nele, e para que isto se complete em comunhão, foi assemelhado isto, com a Santa Ceia, e com esta reunião eclesiástica se fortalecemos e resforçamos nossa comunhão com Deus, ao ponto de lembrar que Cristo morreu em nosso lugar, puramente por amor a cada um de nós, sendo então, esta à Páscoa desejada, que mudará radicalmente as nossas vidas, não importando tanto a nossa posição diante Dele, porque veio Ele mudar a nossa história, virando a página da nossa vida para melhor, se estais fraco Ele nos fará ser fortes; se estais doente Ele nos dará saúde; se estiver dormindo Ele nos despertará, e no mais para herdar o céu, o seu sangue nos purifica de todo pecado. Oh! Glória! .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Robson à paz do Senhor Jesus!
      Realmente, um dos objetivos da lição é contextualizar a simbologia da páscoa aos dias atuais.Muito obrigado por sua reflexão.
      Pb. Gerson Tomé

      Excluir
  4. A paz do Senhor. O tópico 3.2 do resumo, "Olhai por Vós.", não foi atualizado para a presente lição.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deus Abençoe, já fizemos a correção ! A Paz do Senhor !

      Excluir
  5. Agradeço a todos os irmãos da Adebras União de vila Nova (regional 41),cujo dirigente é o Pr.Adão, por confiar e utilizar o material que é postado semanalmente neste blog.
    Agradeço também ao Ev. Marcial pela mensagem enviada via Whatsapp,que certamente nos anima a continuidade deste trabalho.Um forte abraço a todos.
    Pb. Gerson Tomé

    ResponderExcluir
  6. hoje tivemos aula com o irmao Efraim sobre a pascoa ,foi muito importante p mim essa aula. Me senti como o varao que estava carregando o cantaro de agua, pois o Senhor honrou a mim e outra diaconisa p estarmos preparando a mesa da ceia em nossa congregaçao.Deus muitas vezes nos presenteia com bençaos que nao merecemos e nem percebemos o quanto somos amadas por Ele,eu te agradeço Pai por tanto amor. Dianonisa Adelasir Ap. Cruz.

    ResponderExcluir