quarta-feira, 28 de agosto de 2019

Lição 9 - Recebendo o Reino de Deus como Menino

Aula presencial dia 1 de Setembro de 2019 





Hinos sugeridos para essa Aula

127 - Fala Deus

224 - Tempo de Segar

305 - Campeões da Luz








                                       


Texto Áureo
"E m verdade vos digo que qualquer que não receber o reino de Deus como menino, de maneira nenhuma entrará nele." Mc 10.15
Jesus, como Rei, fez uma releitura de alguns ícones do judaísmo, como por exemplo: das tradições já existentes (Mt 5.21-48), da vontade de Deus que era desde o começo (Mt 19.3-6), dos ensinamentos de Moisés (Mt 8.1-4), de Davi (Mt 12.3; 22.42-45) e dos profetas (Mt 9.10-13). Os líderes religiosos judeus, contemporâneos de Jesus, acreditavam que a justiça era baseada somente no cumprimento da Lei segundo suas interpretações e tradições. Então, Jesus questiona a falsa religiosidade e as práticas religiosas opressoras e enganosas desses líderes. Ele faz advertências rígidas contra o abuso de poder, a luxúria, o adultério, o divórcio, a avareza e a exploração dos pobres (Mt 5.27-32; 6.19-34; 19.3-12, 6-30). Assim, os valores e princípios do seu reino eram diferentes dos reinos terrenos.( Lições CPAD Jovens e Adultos  » Jovens 2018 » 1º Trimestre)
1. O que é o Reino de Deus? O Reino de Deus é, de forma resumida, um ambiente em que Deus é o soberano, o governador, aquELe que organiza todas as coisas, age com justiça, sustenta e protege seus súditos. A Bíblia usa outra expressão, “o Reino dos céus”, como sinônimo do Reino de Deus, distinção é que o Reino dos céus traz a ideia de um lugar para onde vão os salvos bem-aventurados. Certa vez, Jesus afirmou que “nem todo o que me diz; Senhor, Senhor! entrará no Reino dos céus” (Mt 7.21). Já a expressão Reino de Deus é mai s ampla, abrangendo não apenas um lugar, mas igualmente um estado de bem-aventurança. O Reino de Deus não tem limitação geográfica nem temporal, ou seja, ele abrange todos os lugares e épocas, nações e etnias (Mt 8.11). Não é um reino de comidas e bebidas, e sim de justiça, paz e alegria no Espírito Santo (Rm 14.17).
CPAD Jovens e Adultos  » Jovens 2015 » 1º Trimestre



Verdade Aplicada
Participam do Reino de Deus aqueles que, como crianças, confiam e são humildes e submissos ao Senhor Jesus Cristo.



Objetivos da Lição
1 - Mostrar como Jesus foi carinhoso com as crianças;
2 - Apresentar pontos que relacionam Jesus com as crianças;
3 - Ensinar como se recebe o Reino de Deus como criança.



Motivo de Oração
Ore para que Deus se revele às crianças, usando-as para engrandecer Seu nome.




 Lucas 18.15-17 
15 - E traziam-lhe também meninos, para que ele lhes tocasse; e os discípulos, vendo isto, repreendiam-nos.
16 - Mas Jesus, chamando-os para si, disse: Deixai vir a mim os meninos e não os impeçais, porque dos tais é o reino de Deus. 
17 - Em verdade vos digo que qualquer que não receber o reino de Deus como menino, não entrará nele.
 Marcos 10.16 

16 - E, tomando-os nos seus braços e impondo-lhes as mãos, os abençoou.



INTRODUÇÃO 
Lucas registra a preciosa narrativa de Jesus abençoando os meninos que a Ele foram conduzidos. Nesta lição teremos uma idéia do amor de Jesus pelas crianças, como elas pontilharam o seu ministério, trazendo-nos preciosas lições.



1. DEIXAI VIR A MIM OS MENINOS 
Os meninos foram levados a Jesus para serem abençoados por Ele. Isso aconteceu, de acordo com o evangelho de Lucas, dentro de um contexto bem difícil. Pois, Jesus se dirigia a Jerusalém pela última vez, quando, a seguir, seria crucificado. Vemos que, mesmo sob intensa pressão, não deixou de demonstrar amor para com as crianças.

1.1  Dignos da Atenção de Jesus. 
Conduzir as crianças aos rabinos para serem abençoadas por eles era uma prática comum em Israel, e eles os abençoavam. Mesmo num tempo em que ninguém gostava de dar atenção a crianças, exceto alguns pais e adultos carinhosos por natureza, Jesus reservou Seu tempo para dar-lhes atenção.
As sinagogas também eram um centro de instrução onde os meninos judeus aprendiam a respeito da lei. Mesmo havendo essas “escolas” a educação no lar era prioritária. Jesus, como menino judeu, provavelmente participou do ensino nas sinagogas, pois seus pais cumpriam os rituais judaicos (Lc 2.21-24,39-42). Em sua pré-adolescência, Jesus já sabia de cor a Torá, chegando a confundir os doutores no templo (Lc 2.46,47). Em o Novo Testamento vemos que a educação começava no lar, passava pela sinagoga, e se fortalecia no templo. Temos também o exemplo do jovem obreiro Timóteo. O apóstolo Paulo escreveu a Timóteo exortando-o a permanecer nas Sagradas Escrituras, que havia aprendido ainda menino (2Tm 1.5,6; 3.14-17). .( Lições CPAD Jovens e Adultos  2013, 2º Trim.)

1.2  Jesus Abençoa os Meninos. 
“E traziam-lhe também meninos, para lhes tocasse”, esta é a descrição de Lucas deste acontecimento (Lc 18.15). Este tocar é a maneira própria de abençoar.
Nesse tópico é importante enfatizar que precisamos conduzir as crianças até Jesus, para que sejam tocadas pelo Senhor. Os pais devem conduzir seus filhos, a igreja local também deve conduzir suas crianças, para terem desde a mais tenra idade, uma oportunidade de conhecer Jesus, fato  que pode influenciar a sua vida inteira.
"A ordem do Mestre para nós, seus discípulos, foi: 'Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura' (Mc 16.15). A criança é uma criatura, por isso, está inserida nesta ordenança. Porém quando lemos este texto bíblico, em geral nossa mente nos remete apenas aos adultos. Nossos filhos e alunos precisam ter um encontro pessoal com Jesus a fim de que se tornem filhos de Deus (Jo 1.12). Depois de receberem a Jesus como Salvador, as crianças necessitam do discipulado, a fim de que '[cresçam] na graça e no conhecimento de Deus' (1 Pe 3.18). O desejo de conhecer a Deus na criança é inato.A fé em Cristo não é herdada, mas aprendida. Um dos fatores que impedem investimentos e esforços na evangelização e discipulado infantil é a crença infundada de que nascer em um lar evangélico e frequentar a Escola Dominical são suficientes para que a criança receba a salvação e se torne um cristão. Isso não é suficiente. Vou fazer uma analogia bem simples para que fique bem claro o pensamento: 'Deixar o seu filho(a) durante várias horas em uma cozinha vai fazer dele(a) um cozinheiro(a)?' A Bíblia relata que Samuel desde pequeno viveu no Templo junto ao sacerdote Eli, porém em 1 Samuel 3.7 lemos que 'ele ainda não conhecia  ao Senhor'. Triste, não? Existem milhares de crianças que vão à igreja, pertencem a famílias cristãs, mas também não conhecem a Jesus como Salvador" (BUENO, Telma. Ensinando a Fé Cristã às Crianças: Um guia para pais e professores. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2013, pp. 13,14).

1.3  Jesus Toma as Crianças nos Braços. 
Além do toque abençoador, o texto nos mostra um toque afetivo do Senhor Jesus. O que demonstra que não foi algo mecânico, destituído de sentimentos, para se ver logo livre dos meninos. Ao contrário, foi um gesto revestido do Seu amor pelo ser humano, a quem ama desde a sua tenra idade (Mc 10.13-16).
“Assim também não é vontade de vosso Pai, que estás nos céus, que um destes pequeninos se perca” Mt 18.14

A Escola Dominical começou com algumas crianças inglesas. Se hoje temos Escolas Dominicais estruturadas nas igrejas evangélicas, devemos nos lembrar de que o trabalho pioneiro de Robert Raikes junto às crianças abriu o caminho para a Escola Dominical como a conhecemos hoje. Devemos priorizar o ensino cristão para as crianças, tendo em vista que Jesus deixou claro: “Não as impeçais de vir a mim” (Mt 19.14).  (Lições CPAD Jovens   2017, 1º Trim.)



2.  CRIANÇAS NO MINISTÉRIO DE JESUS 
Crianças estavam em toda a parte aonde quer que Jesus fosse. Desse modo, em vários momentos elas tomaram parte do ministério de Jesus. Há relatos de crianças, adolescentes e jovens sendo abençoados, curados,libertos,ressuscitados,etc.

2.1  Contempladas por Jesus. 
Na língua grega há várias expressões para a palavra criança, admitindo vários significados: “criança”, “infante”, “menor”, “jovem”, entre outros. As crianças se igualam nas mesmas necessidades espirituais dos adultos. (inclusive evangelização)
A Bíblia apresenta algumas razões pelas quais devemos evangelizar as crianças:
1. É mandamento bíblico (Dt 4.9,10; 6.6,7; Pv 22.6);
2. Jesus deu o exemplo, por isso devemos imitá-lo (Mt 18.2; Mc 9.36, 37).
3. Todos pecaram, inclusive a criança (Sl 58.3; Rm 3.23). Atos como ira, obstinação, inveja, desobediência e mentira fazem parte da natureza humana.
4. Os infanto-juvenis possuem  alma imortal (Ez 18.4).
5. A Bíblia esclarece que uma criança pode ser salva (Mt 18.6).
6. Jesus recebeu 'perfeito louvor' da boca dos pequeninos (Mt 21.16).
É bom saber que a salvação é para todos, sem excluir ninguém. Sem nenhuma restrição quanto a cor, raça, língua, religião e idade. A forma de receber a salvação também é única - a fé em  Cristo (Jo 1.12). A verdadeira evangelização é global e, por fim, a evangelização das crianças é o cumprimento da vontade de Deus.

A infância é o período em que o coração  e a mente estão mais predispostos à influência do evangelho. Uma criança ganha para Cristo representa uma alma salva e uma vida que poderá ser empregada no serviço do Mestre" (FIGUEIREDO, Helena.  A Importância do Evangelismo Infanto-Juvenil. 2.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2012, pp. 22,23).

2.2  Dignas de Apascentamento. 
O termo “apascentar” (1Pe 5.2), no grego significa “cuidar como um pastor”, “alimentar”, “orientar”, entre outros. Portanto, as crianças também necessitam ser apascentadas. O próprio Cristo as chamou e ordenou que não fossem impedidas de ir a Ele. Quanta responsabilidade dos pais, professores e pastores: “não impedir”, ou seja, não dificultar ou impossibilitar. Portanto, faz-se necessário uma constante revisão em nossas atividades para não esquecermos que as crianças também necessitam de alimento da Palavra e orientação espiritual adequados à idade.
"Talvez você deseje fazer as seguintes indagações: 'As crianças são pecadoras?' 'Elas não são puras como os anjos?'  'Elas podem receber a Cristo como Salvador?' Segundo Normam Geisler, 'a situação eterna dos infantes sempre representou uma questão polêmica na Teologia cristã ortodoxo'. Os crentes têm muitas dúvidas em relação à salvação das crianças. É um assunto polêmico. Estariam os bebês condenados ao fogo do inferno? Se fomos concebidos em pecado, não somos todos filhos da ira (Ef 2.3)?
Todos os seres humanos já nascem com uma natureza pecaminosa, que é chamado de pecado original (Rm 3.23). Somos filhos da ira, porém, durante um tempo, a criança não tem condições, ou seja, estruturas cognitivas, para discernir entre o bem e o mal, o certo e o errado. Essa fase é comumente chamada de fase da inocência. Logo, não existe condenação para o pecado nesse período, pois não há discernimento entre o bem e o mal. Isaías fala a respeito da criança  rejeitar o mal e saber escolher o bem (Is 8.15,16). 'Mas essa fase se estende até que idade?' Não sabemos. Isso mesmo, não podemos afirmar a idade certa. Cada criança é única. Vai depender do desenvolvimento mental, cognitivo de cada uma. Como não sabemos o tempo preciso, o melhor é falar a respeito de Jesus e apresentar-lhe o plano da salvação o quanto antes." (BUENO, Telma.  Ensinando a Fé Cristã às Crianças: Um guia para pais e professores. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2013, p. 43).

2.3  Os Discípulos são Chamados de Pequeninos. 
O que Jesus tinha em mente ao chamar Seus discípulos de pequeninos? Em Lucas 10.21, vemos Jesus agradecendo ao Pai por ter revelado as verdades acerca do Reino de Deus às “criancinhas” (gr. Nepios) – metaforicamente, um bebê, alguém sem esclarecimento, simples (Mt 11.25). São os humildes, em contraste com os exaltados e que se acham auto-suficientes. Noutra ocasião, Jesus advertiu seriamente aos que tentassem derrubar ou fizessem tropeçar um de Seus pequeninos crentes (Mc 9.42). As crianças possuem qualidades que ilustram muito bem como os seguidores de Cristo devem ser.
“A Lição da Humildade
E, lançando mão de uma criança (v.36). Cristo, assim como os profetas da antiguidade, ensinava por meio de gestos, sinais e objetos materiais. A lição da humildade é tão importante que, de qualquer maneira, devemos aprendê-la. Em vez de menosprezar as crianças, como nosso orgulho nos leva a fazer, devemos contemplá-las e meditar nesta lição de Cristo sobre a humildade.
Se não vos converterdes e não vos fizerdes como crianças (Mt 18.3). Aos que procuram os lugares de mais honra no Reino, Jesus declara que realmente não estão no Reino. Anjos foram lançados fora dos céus por causa do orgulho. Os que se ensoberbecem cairão na condenação do diabo (1 Tm 3.6). Se não abandonarmos o nosso orgulho, a entrada nos céus ser-nos-á vedada.
Se não vos fizerdes como crianças, de modo algum entrareis no Reino de Deus (Mt 18.3). É evidente, portanto, que as criancinhas são salvas.
Aquele que se tornar humilde como esta criança, esse é o maior no Reino dos céus (Mt 18.4). A resposta de Jesus causa grande surpresa. Conforme a ideia popular, deveria responder: Quem pois, se tornar com um anjo, ou como o pastor de nossa igreja, esse é o maior no Reino dos céus.
Se não vos fizerdes como crianças (Mt 18.3). Não significa meninos: 1) no entendimento (1 Co 14.20); 2) na firmeza (Ef 4.14); 3) na censura (Mt 11.16,17); 4) no conhecimento da Palavra (Hb 5.12-14). Mas, sim, meninos: 1) em desejar o leite espiritual da Palavra (1 Pe 2.2); 2) em confiar no Pai celestial que nos alimentará e vestirá (Mt 6.25); 3) isentos da malícia (1 Co 14.20); 4) na humildade. É a isso que se refere Cristo. Como crianças, ‘não ambicioneis coisas altas, mas acomodai-vos às humildes, não sejais sábios em vós mesmos’ (Rm 12.16).
Qualquer que receber uma destas (v.37). Receamos que se nos humilharmos como criança, ninguém nos receberá mais? Receamos que o próximo nos maltratará? Mas a essa dificuldade Cristo antecipa, acrescentando: ‘Qualquer que receber em meu nome uma criança tal como esta a mim me recebe. Mas qualquer que escandalizar um destes pequeninos que crêem em mim, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma mó de azenha, e se submergisse na profundeza do mar’ (Mt 18.5,6). Esta palavra divina é como uma barreira de fogo em redor dos seus fiéis.

A mim me recebe (v.37). Quem põe sua mão sobre a cabeça da criança, põe-na sobre o coração da mãe da criança. Igualmente, quem recebe um dos mais pequenos recebe a Cristo, que tanto ama os pequeninos” (BOYER, O. Espada Cortante 1:Daniel, Apocalipse, Mateus e Marcos. 1.ed., RJ: CPAD, 2007, p.542).



3. RECEBENDO O REINO COMO UM MENINO  
O Reino de Deus é uma herança que Ele deseja compartilhar com todos. Mas há coisas que precisamos entender e fazer para que possamos nos tornar herdeiros dessa dádiva divina. A criança é uma figura que retrata perfeitamente as qualificações que o Pai celestial requer de nós, para que desfrutemos dessa herança. (Mt 18.2-4; Lc 18.17).

3.1  Confiança. 
A maioria das crianças traz consigo naturalmente uma impressionante confiança. A não ser que lhes aconteça algo negativo, elas continuam assim, crédulas. Alguns dizem que é ingenuidade, outros imaturidade e ainda outros consideram ridícula tal característica. A confiança, porém é inerente à crianças.
Sobre esta confiança o Senhor Jesus nos ensinou: Mateus 6.25-34
25 Por isso, vos digo: não andeis cuidadosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer ou pelo que haveis de beber; nem quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o mantimento, e o corpo, mais do que a vestimenta?
26 Olhai para as aves do céu, que não semeiam, nem segam, nem ajuntam em celeiros; e vosso Pai celestial as alimenta. Não tendes vós muito mais valor do que elas?
27 E qual de vós poderá, com todos os seus cuidados, acrescentar um côvado à sua estatura?
28 E, quanto ao vestuário, porque andais solícitos? Olhai para os lírios do campo, como eles crescem; não trabalham, nem fiam.
29 E eu vos digo que nem mesmo Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles.
30 Pois, se Deus assim veste a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada no forno, não vos vestirá muito mais a vós, homens de pequena fé?
31 Não andeis, pois, inquietos, dizendo: Que comeremos ou que beberemos ou com que nos vestiremos?
32 (Porque todas essas coisas os gentios procuram.) Decerto, vosso Pai celestial bem sabe que necessitais de todas essas coisas;
33 Mas buscai primeiro o Reino de Deus, e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas.
34 Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal.
[...]Assim, o discípulo que está a serviço do Mestre não deve estar ansioso por nada deste mundo, pois o Criador sabe das necessidades do ser humano (vv.31,32). A recomendação a esse respeito é buscar viver a justiça do Reino de Deus, e também promovê-la, pois essas coisas básicas (comida, vestuário), certamente haverão de ser supridas (v.33). Não se deve viver nessa busca frenética, pois assim se comportam os que não conhecem a Deus (v.32).

3.2  Humildade. 
Há dois grandes exemplos de humildade nas Escrituras: as crianças e o próprio Cristo. No Mundo Antigo, a humildade e a mansidão não eram virtudes desejáveis para os grandes dessa terra. Jesus, porém, apontou a humildade como uma grande virtude daqueles que almejam o Reino de Deus. Crianças são simples, o que é o oposto da soberba.
Humildade
A humildade é uma das mais difíceis virtudes cristãs. Humildade é ter  uma concepção equilibrada de si, considerando que Deus é sempre digno de louvor (Rm 12.3). Humildade é, também, a característica de quem age com modéstia, entendendo os próprios limites, sem traços de orgulho.
A verdadeira humildade não é uma virtude criada pela filosofia humana, mas pela ação do Espírito na vida do cristão. A pessoa humilde não é arrogante; entretanto, isso não significa que não ame a si próprio. Na verdade, ele tem conhecimento de suas qualidades e louva a Deus por elas, sendo conhecedor de suas fraquezas, pedindo auxílio ao Senhor para corrigi-las.C. S. Lewis declarou sobre a humildade: “O primeiro passo rumo à humildade é o reconhecimento do nosso orgulho”.
Depois que o seu orgulho é reconhecido e confessado a Deus, pode-se caminhar para a prática da humildade, ou seja, a arte da restrição e renúncia da vaidade e do excesso de estima.
Jesus mostrou humildade quando abriu mão de sua posição junto a Deus, tomando a forma de homem, sofrendo e morrendo por todos (Fp 2.8b).(Fonte: Revista Lições da Palavra de Deus n° 55, 3ºtrim 2018)

3.3  Submissão. 
A conversão sincera e a humildade conduzirão a submissão a Deus, como um menino. Jesus disse: “Se não vos converterdes e não vos fizerdes como meninos...aquele que se tornar humilde como esse menino" (Mt 18.3-4). Um bom menino, conservado das influências malévolas, não tem problemas com submissão à autoridade. Para herdar o Reino de Deus, é preciso ser obediente ao Pai Celestial. Caso contrário, poderemos até ter práticas religiosas, mas o nosso coração estará longe de Deus.
Como cidadãos do reino devemos ser submissos:
O que significa ter uma cidadaniaTer cidadania significa, para o mundo, ser uma pessoa que tem o direito à liberdade, à saúde, à educação, segurança e trabalho, vivendo de forma digna com uma série de direitos e prerrogativas, inclusive votar em seus representantes e receber votos. Ser cidadão também implica ter uma série de obrigações, ou seja, a cidadania oferece direitos e exige responsabilidades. Esses mesmos conceitos podem ser aplicados aos cidadãos do Reino de Deus: possuem direitos e têm obrigações, pois diante do mundo corrompido em que vivemos, como cidadãos do Reino, temos uma grande responsabilidade de representar Deus e sua Palavra.
O cidadão do Reino de Deus. O cidadão do Reino de Deus, de acordo com Jesus no Sermão do Monte, é uma pessoa que busca a realização da vontade de Deus neste mundo, ou seja, os princípios e regras de Deus sendo aplicados nesta vida (Mt 6.10). Portanto, o cidadão do Reino de Deus busca fazer a vontade dEle neste mundo, da mesma forma que ela já é feita nos céus. (CPAD Jovens e Adultos  » Jovens 2015 » 1º Trim)



CONCLUSÃO
Quão maravilhoso é refletir sobre o amor de Jesus pelas crianças. Sentimo-nos, assim, amados, pois já fomos crianças e, mesmo como jovens e adultos, Ele continua a nos amar e proteger. É, porém, imperioso que o sirvamos de coração e com atitudes que demonstrem que pertencemos ao Seu Reino.



QUESTIONÁRIO

1. Quem utilizava as crianças como ilustrações de suas mensagens  ?
R.: Jesus (Lc 7.32).

2. O que significa o termo "apascentar" no grego ?
R.: Significa "cuidar como um pastor", "alimentar", "orientar", entre outros (1 Pe 5.2).

3. O que vemos em Lucas 10.21 ?
R.: Jesus agradecendo ao Pai por ter revelado as verdades acerca do Reino de Deus às "criancinhas" (Lc 10.21).

4. O que encontramos no Salmo 125.1 ?
R.: A expressão "os que confiam no Senhor" (Sl 125.1).

5. Quem conduziu o homem à grandeza diante de Deus ?
R.: A humanidade (Fp 2.6-7).



BIBLIOGRAFIA

[1] Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal - CPAD - ARC
Biblia de estudo pentecostal, Almeida revista e corrigida, Rio de Janeiro, CPAD
Bíblia do Culto - Editora Betel
Revista EBD Betel Dominical Professor - 3 trimestre 2019, ano 29, número 112 - Editora Betel


                              AGORA VAMOS A VÍDEO AULA SOBRE ESTA LIÇÃO.  TENHA BOM ESTUDO !                             
    
   





                                                                                                                                                                              
[     

Olá Estimado Professor, segue abaixo o material de apoio.

                                                                                                                                                                              


20 comentários:


  1. REINO DE DEUS X REINO DOS CÉUS (Diferenças)

    ABRANGÊNCIA
    REINO DE DEUS - Abrange apenas o ser humano sob a terra.
    REINO DOS CÉUS - Abrange somente a terra, estando ela sob os céus (Dn. 7:13, 14,27 Zc. 4:9, Lc. 1:31, 33).

    NATUREZA
    REINO DE DEUS - Espiritual (Rm. 14:17, Jo. 3:5).
    REINO DOS CÉUS - Política (Lc. 1:32, 33, Dn. 78:14).

    MANIFESTAÇÃO
    REINO DE DEUS – Interior (Lc. 17:20, 21, Rm. 14:17, 1ª Co. 4:20).
    REINO DOS CÉUS – Exterior (Mt. 25:31, Dn. 7:13).

    QUEM HERDARÁ
    REINO DE DEUS – A carne e o sangue não herdará (1ª Co. 15:50-51)
    REINO DOS CÉUS – A carne e o sangue herdará (Mt. 25:34, Dn. 7:18).

    TEMPO
    REINO DE DEUS – Presente (Rm. 14:27)
    REINO DOS CÉUS – Futuro (Mt. 6:10, 2ª Tm. 4:1, Zc. 14:9).


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pinheiro, Deus Abençoe por compartilhar essa reflexão conosco !

      Excluir
    2. Muito bom conteúdo bem esclarecido PARABÉNS

      Excluir
  2. Muito bom, rico em esclarecimentos .

    ResponderExcluir
  3. Paz do Senhor irmãos amados! Que Deus abençoe este blog. Tem sido de grande valia pra obra de Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A paz do Senhor Jesus!
      Sua participação e interação é muito importante para nós.Em nome da equipe, nosso muito obrigado e um forte abraço.
      Pb. Gerson Tomé

      Excluir
  4. A paz do Senhor, fico grato por vossas vidas, os comentários que vocês colocam aqui tem muito ajudado os professores da classe de nossa igreja Deus os abençoe.
    PR. Adilson

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pr. Adilson a paz do Senhor!
      Nos sentimos felizes por saber que o nosso objetivo está sendo alcançado.(auxiliar os professores que se dedicam ao ensino da palavra de Deus).Se possível, nos inclua nas vossas orações.Um forte abraço.
      Pb Gerson Tomé

      Excluir
  5. A paz do senhor Jesus Cristo. Conteúdo muito bom e nôs ajuda muito , fazendo refletir as nossas ações. Valeu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A paz do Senhor Jesus!
      Muito obrigado, sua participação e opinião é muito importante para nós.continue nos visitando.
      Pb. Gerson Tomé

      Excluir
  6. Deus vos abençoe por este conteúdo. É muito útil para mim e vejo toda semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelo retorno e também por confiar e utilizar o material postado.
      Pb.Gerson Tomé

      Excluir
  7. Receber o Reino de Deus como uma criança assim o recebe, é tão influenciador que nos instiga à recebe-lo também da mesma forma, como uma criança. Como diz a bíblia, sejas criança na malícia, mas adulto no conhecimento, falar de ser uma crianca, é ter qualidades que segue; como a sinceridade, humildade, pureza, não guardam rancor, ela é verdadeiramente expressiva quando se apresentam, enfim uma série de características que vem delas. Quando Jesus disse que das tais é o reino de Deus, está referindo que se não tivermos um coração de uma criança não podemos entrar no reino de Deus, não digo que para ser criança, precisem fazer criancice e sim, ser e ter sentimentos verdadeiros, só assim seremos o que Deus quer que realmente sejamos. Em nosso corações, não podemos ter; magoas, rancores, mentiras, falsidades, e acima de tudo, precisamos ser uma terra fértil, como à de uma criança, para que o Senhor possa fazer de cada um de nós um atalaia em suas mãos,
    para abençoar assim os nossos caminhos. Oh! Glória!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Robson,
      Como sempre, estamos sendo abençoados por sua reflexão contextualizada à lição.Deus continue abençoando sua vida e "ministério".
      Pb.Gerson Tomé

      Excluir
  8. Obgd por esse Maravilhoso Estudo Que Deus Abençoe e Recompense

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém, Cantora Rose, que Deus continue abençoando vosso ministério também, obrigado por visitar nosso BLOG.

      Excluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir