terça-feira, 16 de julho de 2019

Lição 6 - Jesus Cristo o Filho de Deus

Aula presencial dia 11 de Agosto de 2019 












    

Versículo do Dia
"E, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com sua sombra, pelo que também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus" (Lc 1.35)



Para Impactar
Dentre os mistérios da Trindade, uma coisa é certa, Jesus é o Filho de Deus e também o Deus Filho, que juntamente com o Pai e o Espírito Santo, são o Deus Todo-Poderoso.



Objetivos da Lição
1 - Conhecer quem é Jesus;
2 - Entender que Cristo faz parte da Trindade Divina; 
3 -  Aprender que Jesus tem todo o poder como Deus.




Texto de Referência
 Lucas 1.31-35 
31 - E eis que em teu ventre conceberás e darás à luz um filho, e pôr-lhe-ás o nome de Jesus.
32 - Este será grande, e será chamado filho do Altíssimo; e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai;
33 - E reinará eternamente na casa de Jacó, e o seu reino não terá fim.
34 - E disse Maria ao anjo: Como se fará isto, visto que não conheço homem algum?
35 - E, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus.




INTRODUÇÃO 
Jesus Cristo é apresentado em seu Evangelho como o Unigênito Filho de Deus, e é sobre Ele que vamos tratar nesta lição: a segunda pessoa da Trindade, Jesus, que é Filho e também Deus.



PONTO CHAVE 
Jesus quando veio a terra como homem, ele cumpriu a lei, amou a próximo, salvou o homem do pecado, e deixou bem claro que realmente é o Filho de Deus.



1. JESUS, O FILHO DE DEUS 
"Nisto se manifestou o amor de Deus para conosco: que Deus enviou seu Filho unigênito ao mundo, para que por ele vivamos.
Nisto está o amor, não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou a nós, e enviou seu Filho para propiciação pelos nossos pecados."
 1 Jo 4.9-10

1.1  A Veracidade de Jesus como Filho. 
O Novo Testamento é muito claro concernente a Cristo ser o Filho de Deus, pois isto é atestado por Deus, pelos discípulos e até mesmo por seu perseguidores, é importante entender que a Bíblia é um livro inspirado por Deus, e que sua historicidade é real, os fatos nela contidos, relatam a verdade absoluta da existência humana de Jesus. Desta forma, as Sagradas Escrituras relatam a verdade sobre quem foi, quem é e quem sempre será o nosso Senhor Jesus Cristo.
O Filho de Deus.
O apóstolo João explica o motivo que o levou a escrever o seu evangelho com as seguintes palavras: "Estes, porém, foram escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome" (Jo 20.31). Temos aqui dois pontos importantes. O primeiro é sobre a identidade de Jesus: Ele é o Cristo e o Filho de Deus; o outro é o motivo dessa revelação, a redenção de todo aquele que crê nessa verdade. É de toda importância saber o significado do título "Filho de Deus". A profecia de Isaías anuncia: "Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu" (Is 9.6). Note que o menino nasceu, mas o Filho, segundo a palavra profética, não nasceu, mas "se nos deu". O nascimento desse menino aconteceu em Belém, mas o Filho foi gerado desde a eternidade (Jo 17.5, 24), pois transcende a criação: "E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele" (Cl 1.17). É como disse Atanásio, em resposta aos arianistas, referindo-se à eternidade de Jesus: "o Pai não seria Pai se não existisse o Filho".

(Lições CPAD Jovens   2017 » 3º Trim.)  

1.2  A Promessa no Antigo Testamento.                      
"Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.", Is 9.6
O Antigo Testamento também revela Cristo como o Messias que haveria de vir e que ele é o próprio Deus Filho.
“Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei” Gálatas 4:4
O Mundo já havia experimento três impérios mundiais: babilônico; persa; grego e estava no apogeu do quarto, o império romano, mais forte (ferro – visão de Daniel), mais violento e com uma maior expansão territorial, incluindo a terra de Israel. E o Mundo globalizado, da época, com uma língua universal (o grego), estradas e rotas marítimas ligando os continentes. Herodes, o idumeu (descendente de Esaú), era o rei de Israel e a nação judaica estava subjugada a Roma. É justamente a esse período que o apóstolo Paulo chama “plenitude dos tempos”. Ou seja, o mundo estava preparado para receber o Filho de Deus.

Por : Alexandre Dutra(2017) ,  GOPELPRIME

2.  MESMO PODER  
Jesus quando veio na terra como homem, Ele cumpriu a lei, amou o próximo, salvou o homem do pecado, e deixou bem claro que realmente é o Filho de Deus.

2.1  Vendo o Pai no Filho. 
João 14 relata que certa feita Jesus estava ministrando aos seus, tratando sobre sua ascensão ao céu, e a sua volta para buscar seu povo e Tomé lhe questiona sobre qual era o caminho que devia seguir e Cristo lhe respondeu que Ele mesmo é o caminho que leva o homem ao Pai.
Jesus traz uma afirmação extremamente importante, dizendo que, se o conhecessem, também conheceriam o Pai, então vem o comentário de Filipe que foi fundamental para identificarmos quem realmente é Jesus.
Filipe pede para ver o Pai, e Jesus lhe responde:
"Disse-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, o que nos basta.
Disse-lhe Jesus: Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes  conhecido, Filipe? Quem me vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai?", Jo 14.8-9
Os pais da Igreja perceberam também que, além das construções tripartidas, do relacionamento intratrinitariano e histórico-salvífico revelado nas Escrituras Sagradas, havia ainda as construções bipartidas que identificam a mesma deidade no Pai e no Filho. O Pai e o Filho aparecem no mesmo nível de divindade (Gl 1.1; 1 Tm 6.13; 2 Tm 4.1). Essas expressões bipartidas provam que o Pai e o Filho são o mesmo Deus, possuindo a mesma substância, mas são diferentes na forma e na função, não em poder e majestade. Veja o seguinte exemplo: "Graça e paz de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo" (Rm 1.7). Os primeiros cristãos não precisavam de explicações adicionais para compreender a divindade de Jesus em declarações como essas (2 Pe 1.1).

(Lições CPAD Jovens e Adultos   2017 » 3º Trim.)  

2.2  Jesus estava na Criação de todas as coisas. 
"Ele estava no princípio com Deus.Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez.", Jo 1.2-3
João escreve no capítulo primeiro sobre o Verbo que era Deus e que estava com Deus, trazendo uma referência sobre a Trindade, definindo Cristo como Deus e que também estava com Deus, e que Jesus estava na criação de todas as coisas, e sem Ele nada existiria.
Essa referência nos faz entender que Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo realmente são a mesma essência, ou seja, Deus.
O Verbo de Deus (Jo 1.1).

O "Verbo" é a Palavra, do grego Logos. O termo "Deus" aparece duas vezes nessa passagem, uma delas em referência ao Pai: "e o Verbo estava com Deus". Aqui temos uma indicação do relacionamento intratrinitariano, ou seja, entre a Trindade, antes mesmo da fundação do mundo. A preposição grega pros, usada para "com" nessa segunda cláusula, diz respeito ao plano de igualdade e intimidade, face a face, além de mostrar a distinção entre o Pai e o Filho, um golpe mortal contra o sabelianismo. A segunda referência,"e o Verbo era Deus", aponta para o Filho. Não se trata de acréscimo de mais um Deus aqui, posto que ao apóstolo foi revelado, pelo Espírito Santo, que o Verbo divino está incluído na essência una e indivisível da Deidade, embora seja Ele distinto do Pai (Jo 8.17,18; 2 Jo 3). Da mesma forma, o apóstolo Paulo transmitiu essa verdade, ao dizer que "para nós há um só Deus, o Pai, de quem é tudo e para quem nós vivemos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós por ele" (1 Co 8.6). Trata-se do monoteísmo cristão. (Lições CPAD Jovens e Adultos   2017 » 3º Trim.)  

3. O GRANDE PROJETO  
"Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.",
 (Jo 3.16) 

3.1  Após a Queda. 
Após a queda do homem, o contato dele com Deus ficou inviável, porém o amor de Deus pela sua criação falou mais alto, e um projeto foi colocado em prática, no qual a Trindade demonstrou o quão especial é o homem para o Senhor.
Necessidade da encarnação do Verbo.
Jesus foi revestido do corpo humano porque o pecado entrou na humanidade por meio do casal Adão e Eva, seres humanos, e pela justiça de Deus o pecado tinha de ser vencido também por um ser humano (Rm 5.12, 17-19). Jesus se fez carne. Fez-se homem sujeito ao pecado, embora nunca houvesse pecado, e venceu o pecado como homem (Rm 8.3). A Bíblia mostra que todo o gênero humano está condenado; que o homem está perdido e debaixo da maldição do pecado (Sl 14.2,3; Rm 3.23). Todos são devedores, por isso, ninguém pode pagar a dívida do outro. A Bíblia afirma que somente Deus pode salvar (Is 43.11). Então, esse mesmo Deus tornou-se homem, trazendo-nos o perdão de nossos pecados e cumprindo Ele mesmo a lei que promulgara (At 4.12; 1 Tm 3.16; Cl 2.14).
(Lições CPAD Jovens e Adultos   2017 » 3º Trim.)  

3.2  A Trindade Trabalhando. 
Deus Pai resolve enviar o Deus Filho para morrer em lugar da humanidade, Deus Filho faz a vontade do Pai, e o Deus Espírito Santo vem diante dos homens convencê-los de seus pecados e aproximá-los de Deus novamente.
“Foi ele, o consagrado, que disse: ‘Deleito-me em fazer a tua vontade, ó Deus meu; sim, a tua lei está dentro do meu coração’ (Sl 40.8); ‘A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou e realizar a sua obra’ (Jo 4.34); e ‘[...] porque não busco a minha vontade, mas a vontade do Pai, que me enviou’ (Jo 5.30). Também em João 17.4, na grande oração sacerdotal, Ele disse: ‘Eu glorifiquei-te na terra, tendo consumado a obra que me deste a fazer’. Na cruz, uma de suas últimas elocuções foi: ‘Está consumado’. Certamente, a Salvação estava completa para nós. Jesus foi a primeira oferta de holocausto perfeita trazida perante Deus.
Cristo foi a oferta de holocausto. Ele nasceu para que pudéssemos renascer, Ele morreu para que pudéssemos morrer para o pecado e viver nEle, Ele ressuscitou para que pudéssemos conhecer o poder de sua ressurreição em nossas vidas. ‘E, se o Espírito daquele que dos mortos ressuscitou a Jesus habita em vós, aquele que dos mortos ressuscitou a Cristo também vivificará os vossos corpos mortais, pelo seu Espírito que em vós habita’ (Rm 8.11)” (Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2015, p.1752).

CONCLUSÃO
Jesus provou ser Deus ao ressuscitar. Ele vencer a morte porque era perfeito e era Deus. A Bíblia não deixa dúvidas: Jesus Cristo é o Filho de Deus com mesmo Poder, Glória e honra que tem o seu próprio Pai.



BIBLIOGRAFIA

[1] Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal - CPAD - ARC
Biblia de estudo pentecostal, Almeida revista e corrigida, Rio de Janeiro, CPAD
Bíblia do Culto - Editora Betel
Revista EBD Betel Conectar + - 3 trimestre 2019, ano 3, número 10 - Editora Betel



                                                                                                                                                                              
[     

Olá Estimado Professor, segue abaixo o material de apoio que encontrei para acrescentar algo mais na sua preparação de Plano Aula.

                                                                                                                                                                              


Nenhum comentário:

Postar um comentário