terça-feira, 14 de maio de 2019

Lição 7 - O Desafio dos Novas Teologias e Modismos

Aula presencial dia 19 de Maio de 2019 

Estimado professor,   acredito que já tenha percebido que nosso SLIDE semanal traz uma abordagem DETALHADA de todos os pontos abordados na lição. É um resumo da lição fazendo uso de uma metodologia moderna de ensino,  tornando-o mais eficiente e efetivo. Aplica-se ao conteúdo da lição, ilustrações com figuras relacionadas com cada tópico a ser ensinado.  
Baixe o Slide no formato desejado, Tenha liberdade de cortar, alterar e 
adicionar conteúdo para uso na sua EBD. 


Hinos sugeridos para essa Aula

83 - Não Posso Explicar

225 - Sê Valente

 156 - A Ovelha Perdida









                                       

Lição 7 - O Desafio das Novas Teologias e Modismos
Antes, crescei na graça e conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. A ele seja dada a glória, assim agora como no dia da eternidade. Amém!" (2Pe 3.18).


O novo nascimento é o início do processo de crescimento espiritual, que deve ser contínuo e progressivo.
até que todos alcancemos a unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, e cheguemos à maturidade, atingindo a medida da plenitude de Cristo.(Efésios 4:13) (NVI).
O processo de crescimento espiritual deve ser contínuo enquanto estivermos aqui na terra (Ef 4.15-16). No Novo Testamento encontramos a expressão grega “auxanõ”, que indica crescer e aumentar (Ef 4.15; Cl 1.10; 1Pe 2.2; 2Pe 3.18). Interessante notarmos que a palavra grega citada acima tem a ver com a vida das plantas, significando o processo natural de crescimento.(Revista do professor,Betel,2018 2º trim.)
Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo. (Efésios 4:15)



Verdade Aplicada
A Igreja contemporânea, para vencer a guerra espiritual, precisa estar informada sobre a rápidas mudança e alicerçada na Palavra de Deus.
Têm-se consciência que a palavra de Deus é um dos fatores que gera o crescimento, então porque poucas igrejas priorizam a EBD?
A escola bíblica dominical é o local onde dividimos os irmãos por faixa etária, para que o ensinamento de forma didática atinja o objetivo maior (crescimento espiritual). Infelizmente a ausência dos irmãos na EBD, se dá pelo mau exemplo de alguns que estão à frente do rebanho.
“mas sê o exemplo dos fiéis, na palavra, no trato, no amor, no espírito, na fé, na pureza. (1 Tm 4:12)



Objetivos da Lição
1 - Mostrar novas teologias e modismos;
2 - Refutar à luz da Palavra essas teologias;
3 - Comparar as afirmações errôneas com a Palavra de Deus.



Motivo de Oração
Ore pelas lideranças das igrejas evangélicas por todo o mundo.




Atos 17.10-12 
10 - E logo os irmãos enviaram de noite Paulo e Silas a Beréia; e eles, chegando lá, foram à sinagoga dos judeus.
11 - Ora, estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim.
12 - De sorte que creram muito deles, e também mulheres gregas da classe nobre, e não poucos varões.



INTRODUÇÃO 
Os desafios dos nossos tempos exigem de nós autorreflexão e uma vida pautada pela Palavra de Deus. Contudo, não podemos perder nossa identidade.

Amados, não deixem de utilizar os excelentes comentários do Pr.Sergio nascimento da costa (nosso comentarista). Eu não o transcrevo na integra(por razões já exposta),mas você o tem através da revista.



1. O PRAGMATISMO PENTECOSTAL 
O evangelho das multidões em detrimento ao evangelho da renúncia e do discipulado tem caracterizado os tempos atuais. 
Note: dois evangelhos sendo disseminados:
* O evangelho das multidões (o evangelho que o povo quer ouvir)

* O evangelho da renúncia (o evangelho que o povo precisa ouvir) 

1.1  Pragmatismo religioso e discipulado. 
Professor, nesse tópico o objetivo é compararmos o pragmatismo com o verdadeiro discipulado.
O pragmatismo é a filosofia que prega que a validade de uma doutrina é determinada pelo seu bom êxito prático. Com isso, vemos que o pragmatismo religioso está impregnado no contexto evangélico. Está inserida nesse contexto a pregação que valoriza mais os resultados em detrimento ao conteúdo fiel à mensagem bíblica. Muitos consideram unicamente o crescimento numérico como critério de aprovação de um trabalho ou pregação. A Bíblia, em especial nos evangelhos, nos mostra a dicotomia entre a multidão e os discípulos de Jesus. A grande diferença entre a multidão e o discipulado, está em seu compromisso com Jesus (Jo 6.26-27, 66-67). Enquanto que a multidão é pragmática, só está atrás de Jesus enquanto Ele tem algo a oferecer, os discípulos O seguem em compromisso com a Sua Pessoa e Palavra (Jo 6.68).
Segundo o Pr.José Gonçalves (2013), Pragmatismo é o estilo de vida que objetiva o lucro pessoal. Os relacionamentos de ordem sentimental, espiritual e profissional são baseados numa perspectiva de barganha.
Para o pragmatismo, tudo que resulta em satisfação imediata é verdade. Mas para o crente, a verdade é a expressão absoluta e universal da vontade divina conforme a encontramos na Bíblia Sagrada. Os israelitas, por exemplo, foram pragmáticos quando tentaram levar a Arca do Senhor num carro de bois, ao invés de conduzi-la sobre os ombros dos levitas, conforme determinava a lei (Nm 4.15; Js 3.3; 1 Cr 15.2,15). Deus não aceitou tão descabido e profano pragmatismo. O resultado foi uma severa punição divina (2 Sm 6.6-9). Hoje, o pragmatismo é apresentado de maneira sutil e enganosa.
 (Lições CPAD Jovens e Adultos » 2007 » 2º Trim.)

1.2  O Profeta Bíblico.                      
Diferentemente do que a maioria pensa, o profeta do Antigo Testamento (do hebraico, nabi) não tinha como função principal revelar o futuro, na verdade, como afirma Gordon D. Fee e Douglas Stuart, a principal função do profeta era de ser o porta-voz de Deus para Israel.(Revelavam um futuro imediato em algumas situações).
Os profetas do Antigo Testamento serviram como canais de comunicação entre Deus e o seu povo, os profetas procuravam conscientizar o povo acerca da vontade e do conhecimento divino
O Ministério Profético no Antigo Testamento:

•   O Ofício Profético — “A Bíblia retrata o profeta como alguém que era aceito nas câmaras do conselho divino, onde Deus ‘revela o seu segredo’ (Am 3.7). O texto hebraico de 1 Samuel 9.15 retrata Deus ‘revelando aos ouvidos’ do profeta. Pelo processo da inspiração divina, Deus revelava o que estava oculto (2 Sm 7.27), de forma que o profeta percebia o que o Senhor dissera (Jr 23.18). Esta comunhão com Deus era essencial para que a verdade de Deus fosse revelada pelo processo de inspiração profética. A Palavra do Senhor era comunicada ao profeta e mediada ao povo pelo Espírito Santo — com uma convicção poderosa e precisão exata” (LAHAYE, T. Enciclopédia Popular de profecia Bíblica. 1.ed. RJ: CPAD, 2008, p.383).

1.3  A procura por profeta. 
Por não entender a função da profecia bíblica de denunciar o pecado, apresentar as consequências da desobediência e as bênçãos da Aliança,  muitos visitam igrejas pentecostais à procura não da Palavra de Deus, que é a maior profecia, mas, sim, da revelação do futuro.
Professor faça uma síntese sobre o profeta (dom ministerial
Ef. 4.11) e o dom de profecia(1Co14.3).
Os profetas na Igreja
“Os profetas continuaram a desempenhar um papel importante na Igreja no NT. Havia homens conhecidos como ‘profetas’ especialmente escolhidos para o constante e regular ministério da profecia (Ef 4.11). Depois dos próprios apóstolos, eles eram os ministros que ocupavam a mais elevada posição na Igreja primitiva (1 Co 12.28). Tais profetas permaneceram em evidência ao longo do livro de Atos. Seu ministério era geralmente duplo: o de pronunciar (proclamar), e o de prever (prenunciar). O trabalho de dois outros profetas era exortar (ou ‘consolar’) e fortalecer os irmãos (At 15.32), e era semelhante às funções da profecia relacionadas em 1 Coríntios 14.3, isto é, edificação, exortação e consolo. Em uma reunião da Igreja, um profeta poderia receber uma revelação que seria compartilhada com os crentes reunidos (1 Co 14.30). Em primeiro lugar, a mensagem de um profeta deve ser julgada pelos outros profetas presentes (1 Co 14.29), e depois pelos demais crentes. Este julgamento é feito comparando a mensagem do profeta com os ensinos dos apóstolos, que são depositários absolutos da Palavra de Deus”. (Dicionário Bíblico Wycliffe. RJ: CPAD, 2006, p.1610)



2.  NOVAS TEOLOGIAS E MODISMOS  
O evangelho simples, a mensagem da cruz e o advento do Reino de Deus têm sido esquecido e trocado por uma mensagem que, apesar de aparentemente parecer bíblica, possui mais característica de auto-ajuda.

2.1  O Triunfalismo. 
O triunfalismo afirma que nós, como crentes e salvos em Cristo não podemos ter qualquer tipo de doença, problema, tribulação ou perda. Faz a seguinte afirmação, baseando-se em Isaías 53:5: "Se Ele levou sobre si as nossas enfermidades, logo, não podemos ficar doentes", ou se ficamos doentes é 1) porque não temos fé para sermos curados; ou 2) porque de fato ainda não fomos salvos por Cristo.

O Triunfalismo é um dos principais ramos dos ensinos da Teologia da Prosperidade. O fundamento teológico de tal ensino, portanto, encontra-se nas mesmas fontes do Movimento da Fé. Há duas realidades concernentes o triunfalismo que precisam ser destacadas. A primeira, de caráter sociológico, diz respeito ao atual contexto sócio-financeiro do povo brasileiro e ao espírito consumista alimentado pela mídia. Os líderes triunfalistas abusam dessa realidade social a ponto de não prometerem apenas o necessário, mais o luxo, o sobressalente, o espetacular. A segunda está relacionada à teologia e a falsa concepção de espiritualidade. Ensinam os homens a se aproximarem de Deus pelo que Ele concede e não pelo que Ele é. A bênção, para eles, é muito mais importante do que o Abençoador. Acrescente o fato de que é enfatizado ao crente o seu direito como filho de Deus, enquanto as suas obrigações morais, exigidos pela nova filiação divina, são omitidas. (Lições CPAD Jovens e Adultos » 2006 » 2º Trim.)

2.2  A Teologia da Prosperidade. 
Os teólogos da prosperidade Priorizando sua mensagem na saúde física e no acúmulo de bens terrenos, eles menosprezam a salvação em Cristo e os bens celestes.
“E disse-lhes: Acautelai-vos e guardai-vos da avareza; porque a vida de qualquer não consiste na abundância do que possui” Lucas 12:15.

A teologia da prosperidade é a concepção de que Deus nos abençoa de acordo com o valor financeiro que nós "pagamos" a Ele. Comumente, utilizam-se textos do Antigo Testamento  para afirmar esta teoria.
A primeira conseqüência danosa que a Teologia da Prosperidade causa pode ser vista nos púlpitos. O ministério que anteriormente era vocacional tornou-se, em alguns círculos, algo meramente profissional. Os pastores passaram a ser vistos como executivos bem-sucedidos! O pastor agora é visto como um profissional liberal e não como um ministro de Deus. Segundo a Teologia da Prosperidade, ele não mais pastoreia (1Pe 5.2), mas gerencia sua igreja. A igreja passa a ter a mesma dinâmica administrativa de uma grande empresa. A fé tornou-se um bem de consumo e os adoradores foram alçados a consumidores. Já existem denominações que contratam institutos de pesquisas para verificar se abrir uma igreja em determinado bairro é viável. Pode ser que não seja lucrativo (1Tm 6.5)! (Lições CPAD Jovens e Adultos » 2012 » 1º Trim.)

2.3  A Confissão Positiva. 
Outro modismo destes tempos está no "tomar posse" ou "determinar" a benção. Além de ser uma afirmação de cunho quase que mágico, sem uma reflexão coerente das Escrituras, ela é diferente da cosmovisão cristã, que é a percepção da realidade a partir do prisma cristão.
Confissão positiva. A crença que diz ser possível ao cristão viver em total saúde e prosperidade financeira é resultado da junção dessas idéias. A ponte entre as crenças do Novo Pensamento, Ciência Cristã e a fé propriamente dita, foi feita por E. W. Kenyon e posteriormente por Kenneth E. Hagin.
Kenyon foi um cristão devoto, mas contaminou-se com os ensinos da Ciência Cristã. Já Kenneth E. Hagin foi influenciado por Kenyon e deste obteve a maioria dos seus ensinamentos. Hagin fundou seu ministério passando a divulgar a Teologia da Prosperidade ou Confissão Positiva. Ao pregar que os cristãos não podem sofrer ou ficar doentes e que devem tornar-se ricos à custa de sua fé, esse ensino tem produzido uma geração de crentes interesseiros e materialistas.
Deus “tornou-se” refém de leis espirituais que Ele supostamente teria criado. O segredo é descobrir como usar tais leis e assim conseguir o que quiser. Uma das mais utilizadas é a do determinismo. Fórmula essa que tem a força de mandar até mesmo em Deus! Uma vez que essas distorções passaram a ser reproduzidas em todo o mundo, não tardaram a chegar aqui através dos que andam a procura de novidades, desprezando a suficiência das Escrituras (Sl 119.14,72; Mt 4.4; Jo 17.17).(Lições CPAD Jovens e Adultos » 2012 » 1º Trim.)



3. EXPERIÊNCIA PENTECOSTAL E A PALAVRA  
Não podemos dissociar a Palavra da experiência. Na verdade, um completa o outro. Não devemos valorizar um em detrimento do outro. A busca deve sempre crescer na graça e no conhecimento (2Pe 3.18).

3.1  O Poder do Espírito. 
O Espírito Santo é o agente vivificante que capacita o cristão a fazer a obra de Deus. Através dEle e do batismo com o Espírito o cristão é inspirado a declarar mensagens proféticas e louvores (1Co 14.2, 15); a ter maior sensibilidade contra o pecado, que entristece o Santo Espírito, uma busca maior na retidão e uma percepção mais profunda do juízo divino contra a impiedade; uma vida que glorifica a Jesus Cristo (Jo 16.13-14; At 4.33); visões da parte do Espírito (At 2.17); manifestações dos vários dons do Espírito Santo (1Co 12.4-10); maior desejo de orar e interceder (At 2.41-42; Rm 8.26); e maior amor pela Palavra de Deus e melhor compreensão dela (Jo 16.13).
Enfatize que somente cheio do Espírito Santo somos capazes de obedecer à voz do Senhor. 


3.2  Malversação dos dons.
A Igreja primitiva era uma igreja carismática (charisma, do grego, significa, segundo Strong - graça ou dom de Deus), ou seja, nela se manifestava os dons espirituais para edificação, exortação e consolação. Porém os dons do Espírito devem ser administrados com responsabilidade, comprometimento e destreza.
Professor esclareça que a presença de dons espirituais não define a espiritualidade de uma igreja, por exemplo, a igreja de Corinto possuía dons, mas era carnal (1Co 3.1-4). Jesus disse que o mundo identificaria sua igreja pelo amor(Jo13.35) e o apostolo Paulo também destaca a importância do amor,colocando-o acima dos dons:
Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.
E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os
 mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria. (1 Co 13:1,2)
Professor neste tópico é importante destacar que os dons espirituais não são para promover divisão, mas edificação utilize o comentário abaixo para destacar que o irmão que possui um dom espiritual deve continuar submisso a liderança constituída pelo Senhor na igreja local.

Paulo estava no seu último ano de ministério na cidade de Éfeso, quando recebe informações de que a igreja de Corinto não estava indo muito bem. As informações eram muitas e poucas delas eram boas. Paulo soube que havia divisões na igreja, que estava dividida em 4 grupos. Grupos que se formaram em torno de personalidades, de pessoas que tinham tido uma participação no passado recente da igreja, como o próprio Paulo e Apolo (cap. 3:4). Havia até um grupo que talvez fosse o mais perigoso deles que era o “grupo de Cristo” (‘...e eu, de Cristo” Cap 1:12). Eles diziam que não eram seguidores de homem algum e sim de Cristo. Era como se dissessem: não queremos estar debaixo da orientação ou da instrução e autoridade de qualquer homem porque recebemos tudo diretamente de Cristo. Alguns estudiosos têm identificado este grupo como o “grupinho dos espirituais” que falavam em línguas e se gloriavam por terem experiências extraordinárias; que não aceitavam a autoridade de Paulo na igreja e outras coisas mais. (Pr.Augustus Nicodemus Lopes)

3.3  Aprofundamento na Palavra.
O aprofundamento da Palavra é importante para o amadurecimento do cristão. A idéia não é a intelectualização da fé, pois deve haver o equilíbrio entre fé, espiritualidade pentecostal e razão. Não devemos criar uma polaridade entre graça e conhecimento. Não precisamos perder o fervor espiritual ao estudar a Palavra. Aprofundar-se na Palavra é obedecer ao que o próprio Deus disse através de Oséias 6.3: "Conheçamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor; a sua saída, como a alva, é certa; e ele a nós virá como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra.", Os 6.3
O evangelho “é o poder de Deus para salvação”, assim sendo, é o alimento de nossas almas. As pessoas que professam Jesus Cristo como Senhor e Salvador aprendem, ou deveriam aprender, a nutrir a suas almas com a Palavra de Deus. Jesus mesmo disse na famosa oração sacerdotal assim: “Santifica-os na verdade, a Tua palavra é a verdade” (João 17:17). A Palavra de Deus é o alimento que irá produzir uma vida santa e desenvolver a salvação. A Palavra de Deus há de ser o alimento de nossas almas. Alimento que nutre e sara. Nutre a alma de esperança, fé e amor, e sara das mentiras, vaidades e paixões desse século. A Palavra promove uma desintoxicação no coração e mente dos discípulos de Jesus, que se deliciam na leitura e estudo da Palavra eterna, pois a Palavra, nos lábios de Jesus é a verdade.
Nosso Mestre também disse que ao passo em que “conhecemos a verdade, a verdade nos libertará”, por isso essa Palavra poderosa que transforma salva e liberta também imuniza o pecador. As porções diárias de leitura da Palavra aliada a períodos devocionais de oração, contrição e louvor irão nutrir a alma e imunizar o pecador diante das paixões desse século. Um coração firmado na Palavra de Jesus é um coração que não sofre de anemia espiritual. E um coração sadio e revigorado. É um coração alimentado pela verdade do Senhor que promove libertação. A ação infecciosa e contagiosa do pecado é expurgada com a Palavra, por isso que os que forem “lavados pelo sangue do cordeiro” terão acesso ao reino de Deus.
( http://www.ultimato.com.br/comunidade-conteudo/espiritualidade-anemica)



CONCLUSÃO
O nosso grande desafio atual é viver a Palavra de Deus em sua essência, não perdendo a nossa identidade pentecostal. Ao guardar e conhecer a Palavra de Deus, viveremos com saúde espiritual as bênçãos de Deus para nós.



QUESTIONÁRIO

1. O que João em sua carta nos informa  ?
R.: Sobre o perigo dos falsos profetas (1Jo 2.21-26).

2. O Triunfalismo baseia-se em qual passagem bíblica ?
R.: Isaías 53.5.

3. O que nos ensina 1 Coríntios 15.19 ?
R.: Que, em Cristo, a nossa esperança e objetivo de vida não se resumem a esta vida  (1 Co 15.19).

4. Quem é a garantia e o penhor da nossa salvação ?
R.: O Espírito Santo (Ef 1.14).

5. O que o apóstolo Paulo apresenta como dom principal ?
R.: O Amor  (1 Co 13).



BIBLIOGRAFIA

[1] Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal - CPAD - ARC
Biblia de estudo pentecostal, Almeida revista e corrigida, Rio de Janeiro, CPAD
Bíblia do Culto - Editora Betel
Revista EBD Betel Dominical Professor - 2 trimestre 2019, ano 29, número 111 - Editora Betel


                              AGORA VAMOS A VÍDEO AULA SOBRE ESTA LIÇÃO.  TENHA BOM ESTUDO !                             
    
   






                                                                                                                                                                              
                                                                                                                                                                              


30 comentários:

  1. Paz do Senhor Jesus Cristo Professor!
    Parabéns pelo esboço, o esboço da lição 6 (seis) foi fenomenal, estou passando para lhe agradecer pelo apoio e dedicação.

    Obrigado!
    Deus continue te abençoando poderosamente!

    ResponderExcluir
  2. CONFISSÕES POSITIVAS
    "Declara agora no nome de Jesus"; "Eu determino que sua vitória chega esta noite, no nome de Jesus"; "Sete quintas-feiras para alcançar a benção"; "Vamos ungir as ofertas!"; "Você não vai sair deste culto sem ser abençoado"; "Receba aí meu irmão"; "Levanta a mão que o anjo está passando"...

    PROFETADAS
    "Deus manda te dizer que hoje entrega uma chave de ouro";" Eita, Deus fala para o irmão que grande é a obra, basta apenas ser fiel nos dízimos"...


    Vou ser sincero. Semana que vem estarão vários em consagrações, campanhas e cultos utilizando tais frases e semelhantes. Depende muito da postura do líder.
    Abrirá mão do negócio Igreja S/A?

    Tudo isso por conta do amor ao dinheiro de falsos mestres. Pedro estava certo. Jesus pediu para que acautelássemos. Paulo orientou que uma pista boa seria seus frutos e ganância.

    Vamos lá. Que corajosos professores abram a sua boca em nome da verdade (Judas 3).

    ResponderExcluir
  3. Apaz do senhor! Muito bom está revista!Deus seja louvado!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. a lição é ótima. Mas chegou infinitamente atrazada. As igrejas estão permeadas com estes modismos

      Excluir
  4. A esperteza dos homens achando que podem desprezar os juízos de Deus em detrimento a sua má conduta, será inútil diante daquele que procura os fiéis da terra, temos que nos livrar deste comportamento que tem como sutileza mesquinha de honrar mais a criatura do que o Criador, por isso que se andarmos no temor no que diz a palavra de Deus, mesmo que nos repreenda para o nosso próprio bem, é o melhor caminho, pois seremos poupados de sermos completamente descomungado da comunhão com Deus, porque como diz as escrituras, nem todos que diz Senhor, Senhor, é do meu conhecimento, e sim do meu desapontamento, porque ainda não me conheceu de verdade Oséias 6:3; Digo que a maior mudança de um ser está de dentro para fora, ou seja, vazios das coisas e posições que pretendem enaltecer os homens, e ser cheio da presença de Deus, através do Espírito Santo, onde terá a capacidade de Glorificar o Santo nome do Senhor, quando disserem o que diz no Salmo 103:1, bendiga a minha alma ao Senhor, e tudo que à em mim bendiga seu Santo Nome, para que nosso corpo, alma, espírito seja plenamente conservados, para aquele grande dia, 1 Tess 5:23. Oh! Glória!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deus Abençoe irmão Robson pela participação e dividir conosco vossas considerações sobre esta Lição.

      Excluir
  5. Boa tarde Robson,
    vc disse em seu comentário "temos que nos livrar deste comportamento..." como fazer isso na prática? qual ou quais atitudes?(na sua opinião)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. porque aqui é um laboratório de idéias e trocas de conhecimento e experiência.
      Agora na prática, quem pensará em "melhor obedecer a Deus do que aos homens" (Atos 5.29)?

      Excluir
  6. Se fala algo, vc é considerado "contra a obra". Quero ver no domingo como diplomatarão as falas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. até aonde a ética compromete a submissão á Palavra de Deus?

      Excluir
  7. Vou resumir de forma simples está prática neste versículo;Filipenses 4:18, Finalmente, irmãos, tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo o que for amável, tudo o que for de boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor, pensem nessas coisas.

    ResponderExcluir
  8. Meu irmão abençoado fica comprometido quando o emissário de Deus não anda deacordo com sua Palavra,ou seja, é por aquele que vem os escândalos, construindo sua casa sobre a areia, e não sobre a Rocha, pois só é ouvinte e não cumpridor da palavra.

    ResponderExcluir
  9. A paz do Senhor a todos do blog!

    ResponderExcluir
  10. Corregir um erro, Filipenses 4:8

    ResponderExcluir
  11. Poxa irmão Robson, o "politicamente correto" não é um posicionamento cristão...mas tudo bem.

    ResponderExcluir
  12. se por um lado sabemos o correto e identificamos as heresias espalhadas na igreja, por outro somo OMISSOS e MEDROSOS em falar...bem diferente de cristãos que foram mortos pela luta da verdade

    ResponderExcluir
  13. O erro se combate com a verdade não precisa fazer muita força para combate-la, simplismente este critério seletivo é um serviço exclusivo de Jesus, separação o joio no meio do trigo, não precisa se revoltar ou ficar medrosos ao compbater isso, cabe a cada um de nós manter nosso compromisso com Cristo deacordo com sua Palavra.

    ResponderExcluir
  14. "...pelo contrário, rejeitamos as coisas que, por vergonhosas, se ocultam, não andando com astúcia, NEM ADULTERANDO A PALAVRA DE DEUS..." 2 Co 4.2

    "...até minha chegada, aplica-te à leitura, à exortação, ao ensino" 1 Tm 4.13

    "Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina. Continua nestes deveres; porque, fazendo assim, salvará tanto a ti mesmo como aos teus ouvintes" 1 Tm 4.16

    "...exortando-vos a batalhardes, diligentemente, pela fé que uma vez por todas foi entregue aos santos" Jd 3

    "também, movidos pela ganância, e com palavras fingidas, eles farão de vós negócio; a condenação dos quais já de largo tempo não tarda e a sua destruição não dormita".
    2 Pedro 2.3

    "Assim como, no passado, surgiram falsos profetas entre o povo, da mesma forma, haverá entre vós falsos mestres, os quais introduzirão, dissimuladamente, heresias destruidoras...". 2 Pe 2.1

    Discordo Nobre Robson. Joio e Trigo não faz menção ao interior da congregação mas da Igreja e o mundo.
    Segundo,a obrigação de lutar por mensagens coerentes com as Escrituras, refutação de erros de uma revista de escola bíblica, verificar campanhas de cunho teológico perigoso, seminários com ensinos da teologia liberal, tudo isso depende sim de intervenção de pessoas conclamadas biblicamente para tal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deus abençoe irmão Mendes pela participação neste BLOG !

      Excluir
  15. A teologia da prosperidade nas mais multifacetadas entrou nas igrejas por conta da OMISSÃO, MEDO, E A SUBMISSÃO CEGA DE QUEM DEVERIA INTERVIR.

    ResponderExcluir
  16. Recaptulemos alguns pontos da revista Betel do 2º trimestre de 2013.

    ESCOLA DOMINICAL - Conteúdo da Lição 5 - Revista da Editora Betel
    AS AUTORIDADES SÃO CONSTITUÍDAS POR DEUS
    Data: 05 de Maio de 2013.

    1.QUEM RESISTE À AUTORIDADE RESISTE À ORDENAÇÃO DE DEUS.

    “E os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação” (Rm 13.1-7). A autoridade foi dada por Deus para ordenação, controle e respeito na sociedade como um todo. Toda instituição precisa ter liderança, porque evita que todos mandem, que a desordem se instale e a instituição vire bagunça.

    Observação minha: Rm 13 refere-se à autoridade governamental e não eclesiástica;

    Continuando...

    3.3 As más autoridades terão que prestar contas da sua administração a Deus.

    Não se preocupe com as autoridades desonestas, relapsas, negligentes, corruptas, imorais, maldosas e arrogantes, pois Deus tratará com elas. Haverá mais severidade para quem O representa (Lc 12.48; Tg 3.1-4). A responsabilidade de um líder espiritual vai além do que pensamos, pois ele prestará contas das ovelhas colocadas sob seu pastoreio (Hb 13.17a). Deus diz: “A fraca não fortalecestes, a doente não curastes, a quebrada não ligastes, a desgarrada não tornaste a trazer e a perdida não buscastes, mas dominais sobre elas com rigor e dureza... Eu requererei as minhas ovelhas das suas mãos” (Ez 34.1-10,16).

    CONCLUSÃO (da revista)



    Quem não concorda e briga, discute, desafia, murmura, fala mal dos superiores do próprio ministério deveria procurar um lugar onde servisse a Deus com alegria, não é bom adorar a Deus descontente. Precisamos tirar todos os impedimentos de ir para o céu, porque ficar do jeito que está é duvidoso. Os que não concordam com nada devem mostrar dignidade, ser coerentes e entregar as chaves.

    Minha observação de novo.
    Acautelar dos falsos mestres, combater heresias são imperativos bíblicos, obrigação de todo cristão. Sabem quando é discutido em outras denominações a confissão positiva e a famigerada teologia da prosperidade? na década de noventa!!!!!!!!!!!!!!!!
    Se evitou falar por conta dessa pressão eclesiástica.
    Como várias neo pentencostais não deram exemplo e somente passaram o testemunho de exploradores da fé é que veio a surgir necessidade de se comentar.
    Mas antes de apontar o dedo, dê uma olhada na programação "tarde da vitória" e das campanhas. Pense um pouco se a barganha não continua em sua igreja...

    MOSTRAR A TEOLOGIA CORRETA, DISCURÇÕES TEOLÓGICAS SÃO SADIAS!
    DIFERENTE DO SILÊNCIO CEGO. MOSTRAR COM ARGUMENTOS BÍBLICOS ERROS NÃO SIGNIFICA QUE É AFRONTA!
    NINGUÉM VAI AMALDIÇOAR SE VC SE ACAUTELA E COMBATE ERROS DOUTRINÁRIOS E MENSAGENS HERÉTICAS!

    ResponderExcluir
  17. Maravilha de aula. Amei muito. Boa elevo. Espiritual. E aprendizado aleluia gloria npsso Deus

    ResponderExcluir
  18. A paz do senhor
    Amei essa licao aprendi mas .....a verdade que as vezes somos fracos pois poderíamos fazer mas e não fazemos para o nosso irmão. Mostra a eles q estão no caminho errado .que sejamos fortes na fé naquilo que Jesus nos ensinou fazer o bem sem olha quem
    A paz do senhor
    Amem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A paz do Senhor, Deus abençoe por deixar vossas considerações sobre esta lição !

      Excluir
  19. Bom dia, observei que na Lição de nº 7 de 19/05/2019, O Lugar Santo , e tirei copias do Questionário nº 1 da MESMA LIÇÃO - E O Tema era: O DESAFIO DAS NOVAS TEOLOGIA E MODERNISMO.
    Gostaria de uma explicação para o exposto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dei uma conferida nos links e estão corretos
      Lição 7 - O Lugar Santo da CPAD está abrindo o questionário da Lição 7 - O lugar Santo , e a Lição 7 - O desafio das Novas Teologia e Modernismo está abrindo o questionário da Lição 7 - O desafio das Novas Teologia e Modismo.

      Excluir
  20. É,Q Dizer D:
    Domingo X Sábado???

    ResponderExcluir