quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

Lição 2 - Enfrentando o Sentimento de Solidão


Aula presencial dia 13 de Janeiro de 2019 

Estimado professor,   acredito que já tenha percebido que nosso SLIDE semanal traz uma abordagem DETALHADA de todos os pontos abordados na lição. É um resumo da lição fazendo uso de uma metodologia moderna de ensino,  tornando-o mais eficiente e efetivo. Aplica-se ao conteúdo da lição, ilustrações com figuras relacionadas com cada tópico a ser ensinado.  
Baixe o Slide no formato desejado, Tenha liberdade de cortar, alterar e 
adicionar conteúdo para uso na sua EBD. 


Hinos sugeridos para essa Aula

08 - Cristo o Fiél Amigo

200 - O Bondoso Amigo

193 - A Alma Abatida








                   


Lição 2 - Enfrentando o Sentimento de Solidão


Inicie a aula perguntando para a classe: “Todos estão sujeitos a enfrentar sentimento de solidão”?  Até mesmo pastores, obreiros e lideres?Até mesmo você?

Espera-se que a resposta seja sim, pois, todos são seres humanos e, portanto sujeito as mesmas condições, paixões e fraquezas.

Texto Áureo
“mas aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede, porque a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água que jorre para a vida eterna.” (Jo 4.14)

Verdade Aplicada
O ser humano, por ter sido criado conforme a imagem e semelhança de Deus, é um ser relacional.

Objetivos da Lição
1 – Explicar o que é a solidão;
2 – Mostrar a solidão como "vazio existencial" e "vazio cósmico";
3 – Revelar como tratar a solidão.

Motivo de Oração
Ore para que o Senhor cure as feridas emocionais.



João 4.10-11,15-18
10 – Jesus respondeu, e disse-lhe: Se tu conheceras o dom de Deus e quem é o que te diz: Dá-me de beber, tu lhe pedirias, e ele te daria água viva.
11 – Disse-lhe a mulher: Senhor, tu não tens com que a tirar, e o poço é fundo; onde, pois tens a água viva ?
15 – Disse-lhe a mulher: Senhor, dá-me dessa água, para que não mais tenha sede e não venha aqui tirá-la.
16 – Disse-lhe Jesus: Vai, chama o teu marido, e vem cá.
17 – A mulher respondeu, e disse: Não tenho marido. Disse-lhe Jesus: Disseste bem: Não tenho marido.
18 – Porque tiveste cinco maridos, e o que agora tens não é teu marido; isto disseste com verdade.



ESBOÇO DA LIÇÃO
Introdução
1. Uma Questão Presente
2. Nem Tudo é de Origem Espiritual
3. Tempos Difíceis e Trabalhosos
Conclusão



INTRODUÇÃO
A história da mulher samaritana nos mostra que a solidão é um sentimento que foge ao nosso controle. Talvez ela tenha tentado fugir da solidão, mas percebe, ao conversar com Jesus, que não havia conseguido.



1. ENTENDENDO A SOLIDÃO
A solidão não é apenas um estado de sentir-se só. Este sentimento vai além do desejo do individuo de querer experimentar a presença de uma companhia, ou até mesmo realizar atividades que possuam entretê-lo. Estar só muitas vezes não é uma escolha pessoal.
O que é solidão?
(Sl 25.16-18). A solidão é um sentimento que traz uma sensação de angústia, isolamento e vazio na pessoa capaz de deprimi-la e prejudicar os poucos relacionamentos que lhe restam. Ela é um “pacote” com muitos itens prejudiciais à vida afetiva e relacional do homem, entre eles: isolamento, pena de si mesmo, irritação, ansiedade, estresse, falta de identidade e vazio existencial.( Lições CPAD » Jovens 2015 » 4º Trimestre)

1.1 Sozinho por escolha pessoal
Professor, neste tópico o objetivo e diferenciar solidão de solicitude. Deixe claro que a solidão é prejudicial, enquanto a solicitude pode ser edificante para o cristão
Em certas situações, algumas pessoas, por escolha própria, buscam estar sozinhas, pois entendem que, de alguma forma, isto pode ser prazeroso e que pode também promover um estado de equilíbrio emocional. Entretanto, tal situação só poderá ser vista como positiva se estiver sob total controle do individuo, isto é, se o momento escolhido puder ser encerrado a hora que ele quiser. Neste caso o processo vivido não é de solidão, mas pode ser encarado como solitude, um momento escolhido pelo individuo para desfrutar de privacidade. Em seu momento de oração, o próprio Cristo buscou esta privacidade, sem, no entanto, passar pelo sofrimento que é produzido pela solidão (Lc 5.16; 6.12).
Solidão e solitude (Mt 14.23). Sentir solidão e “estar sozinho” são coisas diferentes. Há pessoas que estão sozinhas, mas não sentem solidão, e outras rodeadas de gente que sentem-se solitárias. A solitude é voluntária, consciente e, na maioria das vezes, criativa e necessária para o autoconhecimento. Ela é percebida quando o estudante se “afasta” para se dedicar a pesquisa ou um crente se retira para orar (Lc 5.16; Mc 14.32). Diferente da solidão, a solitude é positiva e necessária ao crescimento espiritual e pessoal. ( Lições CPAD » Jovens 2015 » 4º Trimestre)

1.2 O perigo do distanciamento social                       
Ao nascer o ser humano dá inicio a um processo de interdependência necessário, para que possa ter uma existência saudável. Durante este processo, ficar sozinho pode se tornar uma experiência extremamente enriquecedora. Entretanto, ao longo da caminhada, o homem passará por situações onde experimentará um estado de separação, que se iniciou com a sua saída do útero materno, que poderá produzir sentimento de abandono , rejeição, insegurança e ressentimento. A continuidade deste sentimento pode se transformar em enfermidade da alma e impedir o individuo de viver de maneira saudável, com relacionamentos fortes, podendo levá-lo a um distanciamento social.
Neste tópico vale a pena enfatizar que o distanciamento social ensinado por nosso comentarista, está ocorrendo em muitas igrejas locais.
Cada membro da igreja precisa ser acolhido para que se sinta que é parte da família de Deus. Como nos foi ensinado, a relação de interdependência é necessária.
Sentir-se incapaz e inferior pode fazer com que seja desenvolvida uma crise de baixa auto-estima, que levara o individuo a um processo de solidão produzido por um estado de desconexão social. Após passar por uma grande provação por desobedecer a Deus, e realizar a missão que lhe foi confiada, o profeta Jonas toma uma atitude que pode parecer solicitude. Ele constrói uma cabana e fica esperando pelos acontecimentos, mas logo podemos perceber que ele entra em um estado de solidão; pois foi preciso a intervenção do Senhor para que ele saísse do estado de prostração no qual se encontrava (Jn 4.5-11). (Revista do professor)

1.3 Sozinho em meio à multidão
Amados, se possível assista este vídeo que aborda diretamente este tópico: 
Obs. Vai auxiliá-lo também no próximo tópico

Por mais que estranho que possa parecer; a solidão tem crescido em cidades com um alto índice demográfico. Viver em locais muito povoados não garante a ninguém de estar livre desse sentimento. Muitos têm dificuldade de se relacionar pelo fato de não conseguirem se identificar com a comunidade na qual estão inseridos. Muitos são os casos que, diante de grande numero de pessoas, cidadãos se vêem como célebres anônimos, sem nenhum tipo de relacionamento interpessoal. Em locais onde a população é menos densa pode haver uma possibilidade maior das pessoas se sentirem solitárias, entretanto, em cidades grandes, onde os relacionamentos estão constantemente se tornando menos profundos, o sentimento de solidão vem crescendo.
Podemos dizer que a modernidade levou o homem a procurar novas oportunidades nas grandes cidades, aumentando assim o número de solitários. No início do século XX os divórcios quase não existiam e as famílias eram maiores, possibilitando um convívio afetivo maior entre as pessoas. Calcula-se que o número de pessoas solitárias alcançou o índice de 10% da população das metrópoles na última década.



2. VAZIO EXISTENCIAL
Em um estudo mais criterioso do ponto de vista espiritual, podemos classificar a solidão como “vazio existencial”. Este vazio é provocado pela ausência de Deus na vida do indivíduo. O pecado afastou o homem do criador, provocando uma “lacuna cósmica” no seu interior, que nada irá preencher, a não ser o Espírito Santo.

2.1 Deus não quer nos ver sós
Quando criou o homem, Deus teve uma preocupação a mais em relação às suas outras obras. Ao terminar, declarou: “não é bom que o homem esteja só” (Gn 2.18); e criou para ele uma companheira. Este ato nos mostra o porquê da necessidade do ser humano em se relacionar. O próprio Deus identificou que não é bom para o homem viver só. Por esse motivo, mesmo após a queda do homem, Deus planejou um meio para que Sua criatura pudesse voltar a ter um relacionamento íntimo com Ele (2Co 5.18-20). Fica evidente na palavra de Deus que Deus é um ser relacional. Tanto antes como depois da entrada do pecado, o Criador se volta para o ser humano (Gn 2.18; 3.8-9).
O vazio humano. Billy Graham visitava, certa vez, uma universidade norte-americana, quando perguntou ao reitor: "Qual o maior problema que o senhor enfrenta com os seus alunos". O educador respondeu-lhe: "Vazio. Há um vazio muito grande de Deus em seus corações". Como preencher este vazio?
Buscando preencher o vazio de sua alma, vagueia o homem pelo álcool, transita pelas drogas e erra pelos devaneios da carne. Depois de toda essa busca, conclui: "Não tenho neles prazer" (Ec 12.1 - ARA). Mas o que aceita a Cristo, experimenta uma vida abundante e inefável (Jo 4.14).          ( Lições CPAD » Jovens e adultos 2008 » 2º Trimestre)
Aproximar-se de Cristo é a melhor atitude a ser tomada por quem não quer sofrer com a solidão. Uma vida devotada ao senhor será o complemento suficiente para todo indivíduo que não pretende viver a angústia da solidão. (Revista do professor)

2.2 O perigo da vulnerabilidade
Um dos maiores perigos enfrentados por quem sofre com a solidão é a vulnerabilidade. Quando alguém tem uma vida solitária pode ficar vulnerável e, assim, vir a ser um alvo fácil para pessoas mal-intencionadas. A solidão diminui nossa capacidade de avaliação, nos levando a aceitar qualquer um como amigo ou parceiro. Muitos sofrem com agressões de todo tipo, são humilhados e explorados por entenderem que é melhor ter uma companhia, ainda que esteja ruim, a ter que viver sem ninguém por perto. Pesquisas apontam que a solidão vem se tornando um fator de risco para a saúde, sendo avaliada como mais arriscada do que a obesidade e o fumo, se tornando um fator causador de morte prematura.
É duas vezes mais perigoso ser solitário do que ser obeso. Foi o que descobriu o psicólogo John Cacioppo ao acompanhar a vida de 2 mil pessoas ao longo de seis anos. Os solitários corriam mais risco de morrer do que os outros. É que a solidão eleva a pressão arterial e, logo, aumenta também os riscos de infartos e derrames. Além disso, o isolamento enfraquece o sistema imunológico e piora a qualidade do sono.(https://super.abril.com.br/blog/cienciamaluca/3-motivos-para-fugir-da-solidao/) visitado em 08/01/19
Pessoas populares nem sempre podem ser vistas como alguém que não sofre de solidão. Vivemos em um mundo onde colecionamos inúmeros amigos, principalmente no que se refere às redes sociais. No entanto, se falando de solidão, para o ser humano não é a quantidade de amigos que pesa, mas a qualidade da amizade. Estar rodeado de pessoas pode ser o sonho de muitos indivíduos, contudo isso não é nem nunca será a certeza de que em um momento de solidão você poderá contar com o apoio de um amigo de verdade. Porém, se tivermos Cristo como amigo, nunca estaremos sós. (Revista do professor)

2.3 Preenchendo o “vazio cósmico”
Cosmologicamente falando, a Via Láctea e sua vizinhança parecem estar em uma região remota, afastada e distante dos grandes centros cósmicos. Em um estudo observacional feito em 2013, Amy Barger e Ryan Keenan, da Universidade de Wisconsin-Madison, nos EUA, concluíram que a nossa galáxia, no contexto da estrutura em larga escala do Universo, reside em um enorme vazio - uma região do espaço que contém muito menos galáxias, estrelas e planetas do que a média.(www.inovacaotecnologica.com.br) visitado em08/01/19
Podemos, metaforicamente, comparar a solidão a um “vazio cósmico”, mostrando o quanto pode se tornar profundo este sentimento, praticamente sem solução, pois se trata de uma condição emocional inatingível, onde o indivíduo que sofre com a solidão se afasta cada vez mais, não permitindo que as pessoas possam ajudá-lo. Entretanto, ao perceber sua condição e buscar ajuda profissional, poderá identificar o motivo que o faz sentir-se só. O escritor aos Hebreus nos apresenta a Palavra de Deus como espada, capaz de penetrar o mais profundo do nosso ser (Hb 4.12). Sendo assim, o contato com a palavra certamente funcionará como panacéia para a solidão. 
A bíblia nos ensina que Jesus Cristo é o verbo vivo que desceu do céu (Jo 1.1). Podemos então inferir que Ele é a própria Palavra. Com esta compreensão, concluímos que ao se aproximar de Cristo, o homem receberá o Espírito de Cristo, que é um dos títulos que indicam a relação do Espírito Santo com Jesus. Destarte fica claro de que forma o Espírito Santo preenche este “vazio cósmico”, através da comunhão íntima do indivíduo com Jesus, que evolui à medida que o homem busca conhecer a Palavra de Deus. Não basta aceitar a Cristo. Necessário é estreitar a relação com ele (Jo 15.4-5; Pe 3.18). (Revista do professor)



3. A SOLITÁRIA DE SAMARIA
A mulher samaritana nos dá muitos motivos para crermos que ela era alguém com um profundo sentimento de solidão, que iremos, depois do conhecimento adquirido sobre o assunto, identificá-los aqui.

3.1 O primeiro indício
Observamos o primeiro indício de solidão da mulher samaritana durante o seu encontro com Jesus. Ela estava sozinha no poço para pegar água. Não tinha ninguém com quem conversar e nem para ajudá-la a puxar o balde. Uma mulher de tantos relacionamentos e ainda assim não tinha ninguém por ela.
Atividades Domésticas
Dentre as obrigações domésticas que a mulher realizava nos tempos bíblicos, uma delas era buscar água no poço, ou na fonte, esse trabalho era feito exclusivamente por elas; isso acontecia em dois horários: no início do dia (logo ao amanhecer), ou pela tarde (no fim do dia), esse trabalho geralmente era feito pelas filhas mais velhas da casa; tal fato pode ser notado quando Eliezer servo de Abraão foi buscar uma esposa para Isaque. [...]
“E fez ajoelhar os camelos fora da cidade, junto a um poço de água, pela tarde, ao tempo em que as moças saíam a tirar água.” (Gênesis 24:11)
O aquecer do dia, ou o meio dia, era a hora em que as famílias estavam em casa reunidas, e fazendo as suas refeições, em virtude disso não haviam mulheres no poço para buscar água, pois elas estavam dentro dos seus lares; por esse motivo a mulher samaritana ia buscar água no poço sozinha, mesmo numa hora de muito calor, o motivo pelo qual ela fazia isso foi revelado por Jesus:
“Disse-lhe Jesus: vai chama teu marido e vem cá.
A mulher respondeu e disse: não tenho marido. Disse-lhe Jesus: Disseste bem: não tenho marido,Porque tiveste cinco maridos e o que agora tens não é teu marido; isso disseste com verdade.”(Jo 4.16-18)
Por causa da sua forma de vida, aquela mulher não queria ser vista por outras pessoas, especificamente por outras mulheres, e como Jesus disse, ela  teve cinco maridos e a pessoa com quem ela convivia não era seu marido, isso lhe trazia muita vergonha, então ela fazia isso para se ocultar, mas Jesus apareceu nesse horário para conversar com ela e se revelar ao seu coração, muitas pessoas hoje vivem assim, tentando se ocultar, pois tem vergonha de certas situações que vivem, talvez até mesmo do seu próprio passado, mas Jesus apareceu no aquecer do dia, ao meio dia,[...] (Gower Ralph, Novo Manual dos Usos e Costumes dos Tempos Bíblicos, CPAD)
Quem vive só é vulnerável à abordagem de estranhos. A mulher não conhecia Jesus e o identificou como alguém estranho (Jo 4.9), mas foi afortunada ao se encontrar com Cristo. Muitos solitários não experimentam a mesma felicidade de encontrarem Aquele que pode transformar as suas vidas (Jo 4.10), tendo que viver uma vida sem sentido e em completa solidão (Revista do professor)

3.2 Relacionamentos frustrados
Um fato intrigante na história desta mulher é a pluralidade de casamentos (Jo 4.18), fato este que ela desconhecia ser do conhecimento de Jesus, já que, como ela mesma disse, Ele nem samaritano era (Jo 4.9), mas profeta (Jo 4.19). Assim, aquela mulher que tinha vivenciado tantos relacionamentos conjugais, parece que sofria de algum problema emocional, visto que nenhum dos seus maridos conseguiu preencher o seu “vazio existencial”. A existência humana para ser feliz deverá sempre estar atrelada ao Criador, pois, para termos “sucesso” em todas as áreas da nossa vida, devemos desfrutar da presença de Cristo (Jo 15.5). mudar relacionamentos conjugais não é garantia de cura para a solidão.
Nota: Buscar o preenchimento do vazio, fora da vontade de Deus não foi a solução para a mulher samaritana.
“Da indissolubilidade do casamento
A natureza indissolúvel do casamento vem desde a sua origem: ‘Portanto, deixará o varão o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma só carne’ (Gn 2.24). O Senhor Jesus Cristo disse que essa passagem bíblica significa a indissolubilidade do casamento: ‘Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não separe o homem’ (Mt 19.5,6). É uma união íntima entre duas pessoas de sexos opostos que assumem publicamente o compromisso de viverem juntas; é uma aliança solene, um pacto sagrado, legal e social. Não existe no universo, entre os seres vivos inteligentes, uma intimidade maior do que entre marido e mulher, exceto apenas entre as três pessoas da Trindade.
O voto solene de fidelidade um ao outro ‘até que a morte os separe’, que se ouve dos nubentes numa cerimônia de casamento, não é mera formalidade. Isso tem implicações profundas diante de Deus: ‘Porque o SENHOR, foi testemunha entre ti e a mulher da tua mocidade’ (Ml 2.14). O compromisso que os noivos assumem é diante de Deus, independentemente de o casal ser ou não crente em Jesus. Isso diz respeito ao casamento per si, vinculado de maneira intrínseca à sua natureza, pois assim Deus estabeleceu essa aliança ‘até que a morte os separe’” (SOARES, E. Casamento, Divórcio & Sexo à Luz da Bíblia. 1 ed., RJ: CPAD, 2011, pp.16-7).

3.3 Não reconhecer o pecado
Depois de tanto tentar se relacionar, a samaritana não conseguia se ver livre de uma provável solidão. Então, contrai um relacionamento impuro, passando a viver com alguém que não era seu marido (Jo 4.18). Através da atitude desta mulher, vemos que quanto mais se tenta encontrar alívio para a solidão longe de Jesus, mais o homem se aproxima do pecado. A samaritana estava tão acostumada a trocar de parceiro que não tomou por repreensão as palavras do Mestre. É justamente este o perigo do pecado. Torna-se natural para quem não conhece a Jesus (Jo 4.25), e coloca na solidão a justificativa para pecar.
A normalização do pecado. 
Todos somos pecadores, todavia lutamos diariamente para que o pecado não nos domine (Gn 4.7; Rm 3.23; 6.14). Aqueles que não mantêm um relacionamento pleno e consciente com Deus, “domesticam” o pecado e fazem dele algo próprio de suas vidas. Aquela mulher já havia mantido cinco outros relacionamentos, e agora estava numa sexta aventura amorosa ilicitamente (v.18). Mesmo assim, ela se considerava uma adoradora de Jeová.



CONCLUSÃO
Não há dúvidas de que a propagação do evangelho tem sido uma arma poderosa do senhor Deus no resgate de muitas pessoas que sofrem com o sentimento de solidão, dando-lhes a oportunidade de viverem, na companhia de Jesus Cristo, como novas criaturas (2Co 5.17)


QUESTIONÁRIO
1 - O que o próprio Deus identificou ?
R: Que não é bom para o homem viver só (Gn 2.18).

2 - Como o escritor aos Hebreus nos apresenta a Palavra de Deus ?
R: Como espada poderosa, capaz de penetrar o mais profundo do nosso ser (Hb 4.12).

3 - Qual é o resultado de desfrutar da presença de Cristo ?
R: "Sucesso" em todas as áreas da nossa vida (Jo 15.5).

4 - Quem contraiu um relacionamento impuro, passando a viver com alguém que não era seu marido ?
R: A mulher samaritana (Jo 4.18).

5 - Qual é o perigo do pecado ?
R: Torna-se natural para quem não conhece a Jesus (Jo 4.25).


Bibliografia

[1] Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal - CPAD - ARC
Biblia de estudo pentecostal, Almeida revista e corrigida, Rio de Janeiro, CPAD
Bíblia do Culto - Editora Betel
Revista EBD Betel Dominical Professor - 1 trimestre 2019, ano 29, número 110 - Editora Betel
PAE - Plano de Aula Expositiva - Auxílio EBD - http://editorabetel.com.br/auxilio/beteldominical/

                              AGORA VAMOS A VÍDEO AULA SOBRE ESTA LIÇÃO.  TENHA BOM ESTUDO !                             


e Psicóloga clínica: Luisa Nóbrega




                                                                                                                                                                              
[     

Estimado Professor, segue abaixo o material de apoio para nossos estudos !
                                                   
                                                                                                                                                                              


Nenhum comentário:

Postar um comentário