segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

Lição 11 - O Desafio da Reorganização Social

Aula presencial dia 16 de Dezembro de 2018 

Estimado professor,   acredito que já tenha percebido que nosso SLIDE semanal traz uma abordagem DETALHADA de todos os pontos abordados na lição. É um resumo da lição fazendo uso de uma metodologia moderna de ensino,  tornando-o mais eficiente e efetivo. Aplica-se ao conteúdo da lição, ilustrações com figuras relacionadas com cada tópico a ser ensinado.  
Baixe o Slide no formato desejado, Tenha liberdade de cortar, alterar e 
adicionar conteúdo para uso na sua EBD. 
Não permito a postagem do Slide Total ou Parcial em sites e Blogs !

1 - Extrair exemplos de fé nas atitudes de Neemias
2 - Explicar a necessidade de ordem para o bom andamento do culto
3 - Aprender a planejar não apenas na técnica, mas na dependência de Deus

 Texto Áureo
"E o povo bendisse a todos os homens que 
voluntariamente se ofereciam para habitar em Jerusalem" (Ne 11.2)

Verdade Aplicada
Todos os que trabalham na obra de Deus são importantes,
desde os que fazem as tarefas mais simples aos 
que estão na linha de frente.

Motivo de Oração
Ore para que as igrejas permaneçam
unidas em meio às tribulações.

Hinos sugeridos.

16 - Despertar para o Trabalho

79 - Sua Graça me Basta

593 - Estou Seguro




 Neemias 11.1-3 
1 - E os princípios do povo habitaram em Jerusalém, mas o resto do povo lançou sortes para tirar um de dez, que habitasse na santa cidade de Jerusalém, e as nove partes, nas outras cidades.
2 - E o povo bendisse a todos os homens que voluntariamente se ofereciam para habitar em Jerusalém
3 - E estes são os chefes da província que habitaram em Jerusalém (porém nas cidades de Judá habitou cada um na sua possessão, nas suas cidades, a saber, Israel, os sacerdotes, e os levitas, e os netinins, e os filhos dos servos de Salomão.






ESBOÇO DA LIÇÃO
Introdução
1. Os recursos Disponíveis
2. Ordem e Método
3. Planejamento na Dependência de Deus
Conclusão


                   


Lição 11 - O Desafio da Reorganização Social

“Deus é o maior interessado no bem-estar de todas as suas criaturas, por isso suas leis são também de caráter social e não apenas espiritual. A Lei de Moisés não consiste apenas num compêndio religioso, trata de profecias, história, registros genealógicos e cronológicos, regulamentos, ritos, cerimônias, exortações, leis morais, civis e cerimoniais, sacerdotes, sacrifícios, ofertas, festas e o tabernáculo.
A justiça social está presente em toda a Bíblia e esse assunto envolve religião, política e economia. Assim como os aspectos políticos e sociais nos profetas revelam a forma como a profecia contribuiu na formação moral e ética nos períodos que se seguiram à geração dos profetas de Israel e entre as nações. Temos na Lei de Moisés a base e a estrutura social e política do Estado. O papel dos profetas do Antigo Testamento como porta-vozes de Deus e intérpretes da lei era o de conscientizar o povo do seu compromisso assumido no Sinai, colocando em prática a aliança feita com seus pais. A formação social e cultural de Israel e a sua grande influência entre todos os povos da terra devem-se à pregação e aos escritos desses profetas que o cristianismo difundiu por todo o mundo” (SOARES, Esequias. O Ministério Profético na Bíblia: A Voz de Deus na Terra. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2012, p.50).

Texto Áureo
"E o povo bendisse a todos os homens que voluntariamente se ofereciam para habitar em Jerusalem" (Ne 11.2)

Verdade Aplicada
        Todos os que trabalham na obra de Deus são importantes, desde os que fazem as tarefas mais simples aos que estão na linha de frente.

Textos de Referência. 
 Neemias 11.1-3 
1 - E os princípios do povo habitaram em Jerusalém, mas o resto do povo lançou sortes para tirar um de dez, que habitasse na santa cidade de Jerusalém, e as nove partes, nas outras cidades.
2 - E o povo bendisse a todos os homens que voluntariamente se ofereciam para habitar em Jerusalém
3 - E estes são os chefes da província que habitaram em Jerusalém (porém nas cidades de Judá habitou cada um na sua possessão, nas suas cidades, a saber, Israel, os sacerdotes, e os levitas, e os netinins, e os filhos dos servos de Salomão.

Introdução
A luz da Bíblia, entendemos que o homem foi criado para viver em sociedade. Esta lição tem como pano de fundo, o capítulo onze do livro de Neemias, cujo conteúdo principal é o repovoamento de Jerusalém.

1. Os Recursos Disponíveis
Ao longo das lições, temos aprendido muito com Neemias através de seus cuidados e atitudes. Sua cautela, aliás, fez com que não demonstrasse a mais leve centelha de embaraço diante das solicitudes da vida. Exemplo disso é que vimos no capítulo sete quando fez o censo do povo para o caso de se fazer necessária uma intervenção planejada. Com os dados em mãos, pôde, agora, tomar a decisão acertada. É uma sequência natural à construção dos muros (Ne 1-6) e à instrução espiritual do povo (Ne 8-10).

1.1.  O que o Censo Revelou?
Os números contabilizou por Neemias trouxeram à tona uma realidade preocupante. Os judeus que retornaram do exílio eram poucos em relação à população de Jerusalém antes da queda. lembremo-nos de que os muros foram reconstruídos sobre as fundações originais, deixando, portanto, a cidade com a mesma área de antes. O baixo número de habitantes deixava o lugar vulnerável ao ataque de povos inimigos, já que grandes porções de terra ficariam praticamente isoladas (Ne 7.4).
Com relação ao numero de habitantes é importante recordarmos (Ed 2.64)
A volta com Zorobabel. Sob a proteção de Ciro, uma primeira leva de 42.360 judeus, sob a liderança de Zorobabel, retorna a Jerusalém, para reconstruir a cidade e a Casa de Deus (2 Cr 36.22,23; Jr 29.10). No Êxodo, a população de Israel era, de acordo com alguns cálculos, de aproximadamente três milhões de pessoas. Mas esse número foi decrescendo à proporção que o povo se rebelava contra Deus.
Obs. Mesmo considerando as mulheres e crianças que não eram contabilizados e também os que subiram de babilônia com Esdras e Neemias posteriormente, os judeus ainda totalizavam um numero baixo de habitantes. A densidade demográfica(habitante por km²) era baixa.

1.2. Um Recomeço Dificíl
Por incrível que pareça, Jerusalém não oferecia atrativos para o povo da época; isso porque, em caso de ataque, viver ali seria potencialmente perigoso. A maioria do povo residia nas periferias e, certamente, por declarações de peremptoria negativa, Neemias se vê obrigado a realizar um sorteio para determinar quais dos remanescentes teria de se mudar para o centro (Ne 11.1). Mesmo assim, ainda existiam aqueles que voluntariamente decidiam-se por estabelecer-se em Jerusalém e recebiam o reconhecimento dos demais (Ne 11.2).
Professor enfatize o valor da voluntariedade no reino de Deus:
Torna a dar-me a alegria da tua salvação e sustém-me com um espírito voluntário.(Sl 51.12)
Nota: Voluntariedade é o que demonstra seu desejo e sua disposição de servir a Deus. Não podemos servir a Deus por obrigação ou buscando interesses pessoais. A voluntariedade é um atributo do amor, portanto quando servimos a Deus por amor certamente o servimos voluntariamente.
Professor, você é um cooperador de Cristo? Atualmente muitos querem exercer liderança, mas poucos querem servir ao Mestre e a Sua Igreja. Jesus, enquanto homem perfeito, é o nosso exemplo de líder-servidor. Certa vez, Ele declarou que não veio a esse mundo para ser servido, mas para servir (Mt 20.26-28). Paulo foi um homem que seguiu as pisadas do Mestre. Ele procurou servir a Jesus em todo o tempo. Mesmo sofrendo retaliação e rejeição de alguns, Paulo amou, liderou e serviu a igreja em Corinto.( Lições CPAD Jovens e Adultos »  201o » 1º Trimestre)..

1.3. Pensando no Reino de Deus
A realidade da Igreja do Senhor em nossos dias não é muito distante da vivida por Neemias. Ali, muitas eram as situações externas que amedrontavam o remanescente a retornar, de fato, ao lugar preparado por Deus, como, por exemplo, discriminação religiosa de outros povos em relação ao comércio em Jerusalém; os próprios judeus mudarem-se, a essa altura dos acontecimentos, o que significaria transtornos consideráveis, tais como: reconstruir casas e reconstituir clientela, já que muitos deles eram comerciantes. Além de representar maior compromisso com Deus por estarem mais próximos da Templo, sofrendo, portanto, maior pressão da sociedade. Era preferível ficar longe, pois assim não precisariam observar horários de culto e outras obrigações.
Neste tópico vale à pena ressaltar que:
Paulo nos descreve como templos de Deus, habitados pelo espírito Santo(I Co 3.16-17; 6.19) (Revista do professor).
Sendo assim temos o dever de cuidar bem deste templo mantendo-o sempre como habitação de Deus independente do preço que teremos que pagar para que isto aconteça. No caso da lição, também houve alguns sacrifícios dos que voluntariamente se mudaram para próximo do templo(como vimos neste tópico 1.3)

2. Ordem e Método
Esta fase pós-reconstrução dos muros requereu de Neemias habilidade, discernimento e cuidado, considerando que, como governador, tinha agora a missão de redistribuir a população, exigindo que adotasse critérios e métodos adequados ao contexto no qual o povo de Deus se encontrava.

2.1.  Justiça, Equidade e Igualdade
Como fundamento, há uma distribuição de poder, com o povo tendo parte nos afazeres da comunidade. Como comportamento, há ausência de conflito. Tudo isso só é possível porque tem origem na relação do povo com o Senhor e com seu desejo de fazer a vontade divina (Hb 13.21). A recomendação bíblica é que vivamos em harmonia com a vontade de Deus (1Pe 4.2).
Neste tópico é importante lembrar os alunos que conforme estudamos nas lições anteriores, o povo havia passado por um processo sobrenatural operado pelo Espírito Santo, através da palavra, que trouxe ao povo um real avivamento. A maior prova deste verdadeiro avivamento agora era notório nas atitudes do povo(ausência de conflitos).

2.2. Uma Demonstração de Patriotismo
Provavelmente, vários que constam na relação apresentada em Neemias 11.4-24, além dos sacerdotes e levitas, já estavam residindo em Jerusalém, quando o governador iniciou um movimento para redistribuir a população. Outros também se ofereceram para habitar na santa cidade, o que levou o povo a se alegrar e rogar as bênçãos sobre os mesmos (Ne 11.2). Uma demonstração de patriotismo. Na lista há o registro de pessoas que, possivelmente, já tinham demonstrado capacidade para estar à frente de negócios públicos ou de colaborar para o bem-estar da população. Hoje é muito importante que cada membro do Corpo de Cristo tenha uma atitude de voluntariedade, assim como os cristãos da Macedônia (2Co 8.5).
Também, irmãos, vos fazemos conhecer a graça de Deus dada às igrejas da macedônia;
Como em muita prova de tribulação houve abundância do seu gozo, e como a sua profunda pobreza abundou em riquezas da sua generosidade.
Porque, segundo o seu poder (o que eu mesmo testifico) e ainda acima do seu poder,
deram voluntariamente.
Pedindo-nos com muitos rogos que aceitássemos a graça e a comunicação deste serviço, que se fazia para com os santos.
E não somente fizeram como nós esperávamos, mas a si mesmos se deram primeiramente ao Senhor, e depois a nós, pela vontade de Deus.
2 Coríntios 8:1-5

2.3. A Importância da Definição de Funções
Neemias 11.9 levanta mais uma questão de demandava uma solução imediata. Foram estabelecidos líderes junto ao povo. Fazia parte do programa de reassentamento a importante ação de delegar tarefas. Para tanto é fundamental que o líder procure conhecer as pessoas para utilizar as habilidades de cada uma a favor de todo o povo. Neemias sabia que agora, com o aumento da população e o reinício da organização social, seria imprescindível encontrar pessoas que não apenas estivessem dispostas, mas, também, demonstrassem o devido preparo para assumir algumas funções de liderança, como superintendente e responsável por setores da cidade. Notemos os requisitos apresentados pelo sogro de Moisés como necessários nos homens que iriam auxiliá-lo à frente do povo no deserto: "Homens capazes, tementes a Deus, homens de verdade, que aborreçam a avareza" (Êx 18.21).
Paulo, um líder que amava a igreja. Ao longo de toda a Carta aos Filipenses, percebemos que a relação do apóstolo Paulo para com esta igreja era estabelecida em amor. Não era uma relação comercial, pois o apóstolo não tratava a igreja como um negócio. Ele não era um gerente e muito menos um patrão. A melhor figura a que Paulo pode ser comparado em seu comportamento em relação à igreja é a de um pai que ama os seus filhos gerados na fé de Cristo. Todas as palavras do apóstolo — admoestações, exortações e deprecações — demonstram um profundo amor para com a igreja de Filipos. Precisamos de obreiros que amem a Igreja do Senhor. Esta é constituída por pessoas necessitadas, carentes, mas, sobretudo, desejosas de serem amadas pelos representantes da igreja (2Tm 2.1-26).( Lições CPAD Jovens e Adultos »  2013 » 3º Trimestre) 

3. Planejamento na Dependência de Deus
O repovoamento da cidade traz em seu bojo algumas lições atinentes ao trabalho realizado pela igreja do Senhor. Para cumprir a função precípua da Igreja na terra, faz-se necessário analisar alguns aspectos muito interessantes contidos na Bíblia.
A Palavra de Deus, desde longa data, está pronta a nos alimentar profundamente. Deus, e não o homem, é o centro de todas as coisas. Missões são importantes, mas não haverá missões se houver antes, o culto. Para que este funcione, é necessário:

3.1. O Corpo de Obreiros
No Novo Testamento encontramos um episódio em que os apóstolos encontraram dificuldades para atender à nova igreja de um modo satisfatório. O resultado foi a instituição dos diáconos (At 6.2-3). As Escrituras também ditam as condições a serem atendidas por esses obreiros (1Tm 3.8,12-13). Às vezes, o obstinado apego do líder a todos os afazeres da igreja acaba fazendo com que ele deixe a desejar no ensino da Palavra, sem igual o culto fica incompleto.
As implicações de Atos 6
Paternalismo. Talvez a primeira lição que deva ser aprendida é a de que a liderança espiritual da igreja precisa evitar o paternalismo. A maneira de se desenvolver uma igreja amadurecida não é impor soluções 'de cima para baixo', mas envolver a congregação na solução do problema, e confiar aos membros um papel significativo na tomada de decisões.
Confiança. Teria sido tão fácil tornar-se defensivo e argumentar em quem se deveria ou não colocar o culpa. Em lugar disso, a congregação concentrou-se no problema e os cristãos de fala aramaica demonstraram confiança em seus irmãos, ao fazer os cristãos de fala grega responsáveis pela distribuição a todos.
Prioridades. Os líderes espirituais da igreja precisam concentrar sua atenção 'na oração e no ministério da palavra' (6.4). Mas as preocupações materiais dos crentes também precisam de atenção. E aqueles que lidam com as 'coisas práticas' precisam ser pessoas 'cheias de fé e do Espírito Santo'.
Flexibilidade. Precisamos estar prontos para reagir às necessidades. Frequentemente, nossas igrejas estão encerradas em antigos programas ou antigos cargos. Em lugar de procurar com criatividade satisfazer as necessidades à medida que elas surgem, nós lutamos para manter o mecanismo da igreja. Este incidente na vida da Igreja Primitiva nos lembra de que as pessoas são mais importantes do que as constituições de nossas igreja, e que a inovação não é uma palavra feia.
(RICHARDS, L. O. Comentário Histórico Cultural do Novo Testamento. 1.ed. RJ:CPAD, 2007, pp.263-64)

3.2. Polivalência
Muito embora o corpo auxiliar seja o responsável pelo cuidado da igreja antes, no decorrer e depois do culto, nada impede que também esteja apto à pregação da Palavra. É uma situação extremamente real, pois os ajudantes de hoje, podem ser os líderes de amanhã. Exemplo vivo disso é o que acontecia com os levitas (Ne 11.15-18). Afinal, os diáconos também tinham a missão de anunciar a Palavra por todo o território (At 1.8). Atuavam nos diversos setores presentes no culto. Assim como os levitas não eram apenas cantores, como muitos equivocadamente interpretam.
Agradeço nosso amado comentarista (Pr. Adalberto Alves) que corajosamente aborda sobre este fato que infelizmente tem se tornado rotina em nossos cultos: o egoísmo ministerial. Nesta pratica os “lideres” não permitem que seus auxiliares preguem ou ensinem nos cultos, como que se não houvesse a necessidade de preparar pessoas para substituí-lo, eventualmente ou até mesmo oficialmente(se for a vontade de Deus).
Paulo incentivava seus liderados: 
Conjuro-te, pois, diante de Deus, e do Senhor Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, na sua vinda e no seu reino,
Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina.
2 Timóteo 4:1,2

3.3. Outras Tarefas
Podemos citar ainda os porteiros, os auxiliares ou cooperadores e os cantores. Algumas pessoas querem diminuir aquilo que o próprio Deus não rebaixou. É o caso dos porteiros, por exemplo, pois são o cartão de visitas para quem chega ao culto. A primeira impressão causada por ele será aquela que os membros e visitantes levarão quando saírem. Acrescente-se a isso, que além de serem simpáticos, precisam ficar atentos ao mesmo tempo. É um cargo de suma importância na igreja.
Diversidade (1Co 12.14-20). Toda essa escritura mostra com nitidez que o corpo, sendo um, tem muitos membros. A Igreja é uma diversidade na unidade. O apóstolo Paulo, preocupado com as dissensões que surgiam no seio da igreja em Corinto, exortou-a com estas palavras: ‘Rogo-vos, porém, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que digais todos uma mesma coisa e que não haja entre vós dissensões; antes, sejais unidos, em um mesmo sentido e em um mesmo parecer’ (1Co 1.10). A diversidade no corpo não rouba a unidade que deve existir nele. Todos os membros funcionam obedecendo à mesma cabeça, e nenhum membro faz qualquer coisa independente ou isoladamente. Outrossim, a variedade de igrejas cristãs, independente dos pontos de vista, são o Corpo de Cristo. Cada igreja local em sentido particular é o corpo de Cristo; não uma parte de Cristo em toda a terra, independente de seus costumes regionais, e sim uma pluralidade (diversidade), uma unidade. Na volta do Senhor entenderemos melhor esse mistério. As lideranças na igreja local devem conscientizar os crentes do papel importante e indispensável que cada qual tem no corpo, para que o mesmo não sofra atrofia espiritual.
Mutualidade (1Co 12.21,25,26). O que significa mutualidade? Nada mais que permutação, troca, reciprocidade. Esta escritura de Paulo destaca o papel de cada membro do corpo que deve funcionar, mas precisa dos demais membros para um funcionamento eficiente” (CABRAL, Elienai. Mordomia Cristã: Aprenda como Servir Melhor a Deus. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2003, p.156).

Conclusão
Ao desviar-se dos preceitos de Deus, a situação tornou-se deplorável. A reconstrução das muralhas e tudo o que se seguiu, mostra-nos que a obra do Senhor vive em dinamismo e sob Seus fiéis cuidados. Esta lição nos mostrou que sempre haverá uma etapa a se concluir. Sejamos, pois, firmes, constantes e abundantes (1Co 15.58).

Bibliografia
[1] Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal - CPAD - ARC
Biblia de estudo pentecostal, Almeida revista e corrigida, Rio de Janeiro, CPAD
Bíblia do Culto - Editora Betel
Revista EBD Betel Dominical Professor - 4 trimestre 2018, ano 28, número 109 - Editora Betel
PAE - Plano de Aula Expositiva - Auxílio EBD - http://editorabetel.com.br/auxilio/beteldominical/

                              AGORA VAMOS A VÍDEO AULA SOBRE ESTA LIÇÃO.  TENHA BOM ESTUDO !                             








                                                                                                                                                                              
[     

Estimado Professor, segue abaixo o material de apoio para nossos estudos !
                                                   
                                                                                                                                                                              


Nenhum comentário:

Postar um comentário