segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Lição 12 - A volta do Exílio e a Preservação do Povo de Israel

Aula presencial dia 16 de setembro de 2018 



Estimado professor,   acredito que já tenha percebido que nosso SLIDE semanal traz uma abordagem DETALHADA de todos os pontos abordados na lição. É um resumo da lição fazendo uso de uma metodologia moderna de ensino,  tornando-o mais eficiente e efetivo. Aplica-se ao conteúdo da lição, ilustrações com figuras relacionadas com cada tópico a ser ensinado.  Faça bom uso !  Baixe o Slide no formato desejado, Tenha liberdade de cortar, alterar e adicionar conteúdo. Não deixe de Divulgar e Compartilhar nas Redes Sociais !

1 - Explicar que Deus permitiu o cativeiro, mas restaurou o Seu povo;
2 - Mostrar que o ressurgimento de Israel foi uma intervenção divina na história dos judeus;
3 - Ensinar que Deus é fiel para cumprir as Suas promessas na vida do Seu povo.


 Texto Áureo
"Por um pequeno momento, te deixei, mas com grandes
misericórdias te recolherei". (Isaías 54.7).

Verdade Aplicada
O retorno do cativeiro e a preservação de Israel são provas da 
soberania de Deus sobre a vida do Seu povo. 

Motivo de Oração
Ore para que Deus intervenha na história da nossa nação.

Hinos sugeridos.

202 - Lugar de Delícias

340 - Um Povo Forte

422 - No Céu não Entra Pecado






 2 Crônicas 36.22,23 
22 - Porém, no primeiro ano de Ciro, rei da Pérsia (para que se cumprisse a palavra do Senhor, pela boca de Jeremias), despertou o Senhor o espírito de Ciro, rei da Pérsia, o qual fez passar pregão por todo o seu reino, como também por escrito, dizendo:
23 - Assim diz Ciro, rei da Pérsia: O senhor Deus do céu, me deu todos os reinos da terra e me encarregou de lhe edificar uma casa em Jerusalém, que está em Judá; quem há entre vós, de todo o seu povo, o Senhor, seu Deus, seja com ele, e suba.
 Isaías 45.4 
4 - Por amor de meu servo Jacó, e de Israel, meu eleito, eu a ti chamei pelo teu nome; pus-te o teu sobrenome, ainda que não me conhecesses.



IMPORTANTE
Apresento neste BLOG o Esboço da Lição e os comentários como 
professor de EBD em cima do PAE - PLANO DE AULA EXPOSITIVA 
NÃO APRESENTO O CONTEÚDO COMPLETO DIGITALIZADO DAS REVISTAS
TENHA SUA REVISTA EM MÃOS E FAÇA UM BOM ESTUDO !



ESBOÇO DA LIÇÃO
Introdução
1. A reconstrução do templo
2. A reconstrução dos muros 
3. A sobrevivência dos judeus
Conclusão
Clique aqui para Visualizar o PAE (Plano de Aula Expositiva) da Editora Betel



                   


Lição 12 - A Volta do Exílio e a Preservação do Povo de Israel

TEXTO ÁUREO
"Por um pequeno momento, te deixei, mas com grandes misericórdias te recolherei". (Isaías 54.7).
O povo de Deus no Exilio não deve recear que seu infortúnio continue para sempre,pois o castigo divino logo daria lugar ao livramento.Deus
teria compaixão do seu povo estéril e restauraria os seus a lugar de favor,na sua própria terra.
(Bíblia de estudo Pentecostal, CPAD, 1995, p.1055)


VERDADE APLICADA

      O retorno do cativeiro e a preservação de Israel são provas da soberania de Deus sobre a vida do Seu povo. 
      

OBJETIVOS DA LIÇÃO
1 - Explicar que Deus permitiu o cativeiro, mas restaurou o Seu povo;
2 - Mostrar que o ressurgimento de Israel foi uma intervenção divina na história dos judeus;
3 - Ensinar que Deus é fiel para cumprir as Suas promessas na vida do Seu povo.

TEXTO REFERÊNCIA
 2 Crônicas 36.22,23 
22 - Porém, no primeiro ano de Ciro, rei da Pérsia (para que se cumprisse a palavra do Senhor, pela boca de Jeremias), despertou o Senhor o espírito de Ciro, rei da Pérsia, o qual fez passar pregão por todo o seu reino, como também por escrito, dizendo:
23 - Assim diz Ciro, rei da Pérsia: O senhor Deus do céu, me deu todos os reinos da terra e me encarregou de lhe edificar uma casa em Jerusalém, que está em Judá; quem há entre vós, de todo o seu povo, o Senhor, seu Deus, seja com ele, e suba.
 Isaías 45.4 
4 - Por amor de meu servo Jacó, e de Israel, meu eleito, eu a ti chamei pelo teu nome; pus-te o teu sobrenome, ainda que não me conhecesses.

INTRODUÇÃO
Após setenta anos de cativeiro, Deus usou de misericórdia para com o Seu povo e restaurou a sorte da nação. Com uma liderança forte e o auxílio dos profetas, os judeus que retornaram deram início à reconstrução do Templo e da cidade de Jerusalém.
Jeremias predisse o exílio babilônico, mas também previu um dia em que Deus restauraria os exilados. Deus traria de volta os exilados de Judá e Israel, reunificando a nação. Aparentemente, eles viriam de todas as partes e de todas as nações. Formariam uma grande multidão, incluindo até aqueles que normalmente seriam incapazes de viajar, como os cegos, os coxos e as mulheres grávidas prestes a dar à luz (31.7,8). Esta grandiosa libertação seria como um ‘segundo êxodo’, que empalideceria a primeira libertação do Egito”.
(LAHAYE, T. Enciclopédia Popular de Profecia Bíblica. 1.ed. RJ: CPAD, 2008, p.190)

1. A Reconstrução do Templo.
Cento e cinquenta anos antes da restauração, Isaías profetizou que o Senhor faria com que Ciro castigasse as nações e libertasse o Seu povo (Is 44.24; 45.4). O fundador do império persa é chamado por Deus de pastor e ungido de Jeová. Mais à frente, Ciro emite um decreto permitindo o regresso dos judeus para sua pátria (Ed 1).
Deus dá o escape. Com a ascensão do império medo-persa no ano 536 a.C, o rei Ciro, instigado por Deus, permite que um grupo de judeus retorne a Jerusalém, a fim de reconstruir os muros da cidade e reerguer o Santo Templo (Dn 8.3; Ed 1.1). O Senhor sempre dá um escape aos seus servos, quando estes o honram e lhe obedecem à Palavra. Observemos que Ciro era um rei gentio. Isso nos mostra que Deus, para cumprir o seu propósito, usa a quem Ele quer e como quer.
(Lições CPAD Jovens e Adultos » 2011 » 4º Trimestre).

1.1. Quem era Esdras?
Esdras era filho de Seraías (Ed 7.1), o sumo sacerdote assassinado por Nabucodonosor em 568 a.C., durante a terceira leva de pessoas para Babilônia e a destruição de Jerusalém (2Rs 25.18,21). Portanto, era descendente da nobre família de Arão, o primeiro sumo sacerdote de Israel. Esdras era um escriba muito bem instruído e competente. Ele foi encarregado pelo rei Artaxerxes de ensinar os estatutos da lei mosaica ao povo de Israel (Ed 7.12-28). Esdras atuou em Judá de forma decidida contra o pecado dos casamentos mistos que estavam sendo praticados pelo povo, até mesmo pela liderança.
2 - E Esdras, o sacerdote, trouxe a Lei perante a congregação, assim de homens como de mulheres e de todos os entendidos para ouvirem, no primeiro dia do sétimo mês.
3 - E leu nela, diante da praça, que está diante da Porta das Águas, desde a alva até ao meio-dia, perante homens, e mulheres, e entendidos; e os ouvidos de todo o povo estavam atentos ao livro da Lei.
5 - E Esdras abriu o livro perante os olhos de todo o povo; porque estava acima de todo o povo; e, abrindo-o ele, todo o povo se pôs em pé.
6 - E Esdras louvou o SENHOR, o grande Deus; e todo o povo respondeu: Amém! Amém! -, levantando as mãos; e inclinaram-se e adoraram o SENHOR, com o rosto em terra.( Ne 8.2,3,5,6.)
O papel de Esdras foi fundamental para dar ao povo novos rumos, ou seja, voltar-se novamente para Deus. Esdras, um sacerdote e escriba conhecedor e praticante da Lei de Deus, assume um compromisso com o ensino das Sagradas Escrituras (Ne 8.2). Já instruídos na Palavra de Deus, o povo pôs-se a chorar; a Palavra de Deus produziu um grande efeito e era irresistível; o avivamento havia chegado. Entretanto, o que era choro, converteu-se em júbilo (Ne 8.12).
Professor comente que o avivamento deve começar pelo ensino da palavra de Deus, todos os avivamentos consistentes que conhecemos foram fundamentados na palavra de Deus.

1.2. O Retorno para Reconstruir o Templo.
1 - No ano segundo do rei Dario, no sexto mês, no primeiro dia do mês, veio a palavra do SENHOR, pelo ministério do profeta Ageu, a Zorobabel, filho de Sealtiel, príncipe de Judá, e a Josué, filho de Jozadaque, o sumo sacerdote, dizendo:
2 - Assim fala o SENHOR dos Exércitos, dizendo: Este povo diz: Não veio ainda o tempo, o tempo em que a Casa do SENHOR deve ser edificada.
Beneficiados pelo edito de Ciro, alguns judeus voltaram para Judá, com o intuito de reconstruir o Templo e, consequentemente, adorar a Deus. As Escrituras nos mostram três grupos de exilados que retornaram do cativeiro para Judá. O primeiro grupo, composto por aproximadamente cinquenta mil pessoas, retornou para Judá em 536 a.C., sob a liderança de Zorobabel (Ed 2.2). O segundo grupo, com aproximadamente mil e oitocentos homens, além das mulheres, filhas e servos, retornou em 457 a.C., liderado por Esdras; e o terceiro em 444 a.C., liderado por Neemias para a reconstrução dos muros (Ed 7.1,6; Ne 2.5-8).
Zorobabel. A profecia de Ageu foi dirigida “a Zorobabel, filho de Sealtiel, príncipe de Judá, e a Josué, filho de Jozadaque, o sumo sacerdote” (v.1). Sob a sua liderança e a do sacerdote Josué, ou Jesua, filho de Jozadaque, os remanescentes judeus retornaram da Babilônia para Jerusalém (Ed 2.2; Ne 7.6,7; 12.1). A promessa divina dirigida a Zorobabel é messiânica (2.21-23), sendo que a própria linhagem messiânica passa por ele (Mt 1.12; Lc 3.27). Dessa forma, Jesus é o “Filho de Davi”, mas também de Zorobabel. (Lições CPAD Jovens e Adultos » 2012 » 4º Trimestre)

1.3. A Obra de Reconstrução é Iniciada.
Os judeus lançaram os alicerces do Templo e trabalharam com ardor para reconstruí-lo (Ed 3.8). A alegria era tanta que tudo isto foi feito com som de trombetas e o povo louvando, adorando e rendendo graças ao Senhor (Ed 3.10-11). Os povos vizinhos começaram a desencorajar os judeus e a intimidá-los, objetivando parar a reconstrução (Ed 4.5). Sem êxito, pediram aos governadores e aos que tinham o encargo da direção dessa obra que ordenassem aos israelitas cessar os trabalhos e suspender a reconstrução da cidade. Esta proibição de reconstrução durou nove anos e só reiniciou no segundo ano do reinado de Dario (Ed 4.21-24).
Com louvor e ações de graças, cantaram responsivamente ao Senhor: "Ele é bom; seu amor a Israel dura para sempre". E todo o povo louvou ao Senhor em alta voz, pois haviam sido lançados os alicerces do templo do Senhor.(Esdras 3:11).

2. A Reconstrução dos Muros.
A reconstrução dos muros começou com a chegada de Neemias em Jerusalém, por volta do ano 444 a.C., que durou apenas cinquenta e dois dias (Ne 6.15), depois de estarem em ruínas desde a destruição da cidade, cerca de 587 a.C.

2.1. Aprendendo com Neemias.
Indubitavelmente, Neemias é um grande exemplo de liderança. Fazer um reconstrução em tão pouco tempo exige coragem e determinação. Um grande líder precisa estar atento à história do seu povo. Quando Neemias ficou sabendo do estado caótico em que os seus irmãos se encontravam, ele chorou, jejuou e orou. Durante a obra, Neemias distribuiu o trabalho e delegou funções ao povo (Ne 2.17-18). Primeiro, ele convocou uma assembleia, explicou o propósito e animou o povo a colaborar com ele na construção dos muros. Destaca-se ainda na vida de Neemias a sua perseverança, pois, diante da perseguição e calúnia, ele não desanimou, mas continuou firme em sua missão (Ne 2.19-20).
Quem era Neemias. Seu nome significa “Deus consola”. Ele era filho de Hacalias e o seu irmão chamava-se Hanani (Ne 1.1; 7.2). Na corte persa, exerceu a função de copeiro do rei Artaxerxes I. Como se vê, Deus usa as pessoas segundo o seu querer e de acordo com a sua vontade.
Chamado por Deus. Catorze anos depois da expedição de Esdras a Jerusalém, em 444 a.C, Neemias recebe urgentes e preocupantes notícias de Jerusalém. Apesar de o Santo Templo já estar funcionando conforme as leis levíticas, a cidade encontrava-se ainda abandonada (Ed 6.14-16; Ne 1.1.2). Ele, então, sente o chamado de Deus para deixar o conforto palaciano e viajar para Israel, a fim de reconstruir os muros da Cidade Santa que se achavam fendidos “e as suas portas, queimadas a fogo” (Ne 1.3).
Aqui, temos uma grande lição. Templo sem muros é igreja sem doutrina. E as portas queimadas representam o liberalismo que, infelizmente, predomina em muitas igrejas, facilitando a entrada de costumes mundanos entre os santos. Não é o que ocorre em nossos dias? Que jamais venhamos abandonar os padrões bíblicos de santidade, conduta e ética.
(Lições CPAD Jovens e Adultos » 2011 » 4º Trimestre)

2.2. Vencendo os Opositores da Obra.
Assim como na reconstrução do templo, na qual Zorobabel enfrentou uma oposição a ponto de a obra ficar embargada por nove anos, Neemias enfrentou oposição externa e interna. Externamente, ele enfrentou Sambalate e seus amigos, que ao verem que os judeus estavam determinados a reedificar os muros, fizeram de tudo para detê-los. Sambalate iniciou uma guerra psicológica contra Neemias e os construtores do muro, mas ele não cedeu e nem protestou; apenas permaneceu firme (Ne 6.3). Havia também um perigo interno, pois o povo, reagindo à ameaça da guerra e à fadiga natural que os trabalhos produziam, começou a desanimar. No entanto, a fé e a coragem de Neemias inspiraram todo o povo (Ne 4.14, 19-23).
Sambalate, Tobias e Gesém foram três instrumentos usados por Satanás para desestabilizar Neemias e impedir que a obra se realizasse. Os artifícios usados foram: a zombaria, a calúnia e o desprezo (Ne 4.1-16). Por fim, vendo que a obra avançava, tentaram ceifar a vida de Neemias em uma emboscada (Ne 6.1-15). O que mais nos deixa intrigado é a reação de Neemias. Ele orava e não discutia. Ele trabalhava e ignorava a oposição. Neemias sabia que era inútil discutir porque sabia que a ideia da reconstrução vinha da parte de Deus.
Sem dúvida, a nossa natureza humana sente um desejo natural de responder com agressão aos ataques inimigos que julgam, intimidam, denigrem e prejudicam a realização de nossos projetos. Porém, sabemos que essa não é a atitude correta. Então, o que podemos fazer? Como devemos nos portar diante de tais circunstâncias? Em vez de se deixar enredar em uma competição de insultos, Neemias foi buscar apoio em Deus (Sl 44.5, 6; Ne 4.4, 5).
(Lições BETEL Jovens e Adultos » 2015 » 4º Trimestre)

2.3. A restauração do Muro é Concluída.
Diante de tantas intempéries, o muro foi concluído em cinquenta e dois dias (Ne 6.15-19), deixando os adversários envergonhados. Eles reconheceram que Deus havia operado em favor dos judeus. Neemias 12.27-42 descreve a dedicação dos muros, onde os levitas estavam presentes, com dois grandes coros e instrumentos musicais. Eles saíram em dois cortejos; um liderado por Esdras e outro por Neemias. Depois de muitos anos mergulhado em opressão, Israel estava renascendo e jubilando de alegria na presença do Eterno.
“A reconstrução dos muros de Jerusalém
Os muros de Jerusalém, em montões de escombros, representam o estado desesperador do mundo que está à nossa volta; os que atrapalham a edificação, e suas maldades, nos dão uma fraca ideia dos inimigos com os quais temos que contender enquanto executamos a obra de Deus. Cada um deve começar por sua própria casa, por ajudar o progresso da obra de Deus em nossa alma é o melhor que podemos fazer em favor do bem da Noiva de Cristo. Que o Senhor assim estimule o coração do povo, para que deixe de lado as suas pequenas disputas e despreze os seus interesses mundanos, para dedicar-se à construção dos muros de Jerusalém e à defesa da causa da verdade e santidade, contra os assaltos dos inimigos declarados”
(HENRY, M. Comentário Bíblico. 1.ed., RJ: CPAD, 2002, p.352).

3. A Sobrevivência dos Judeus.
A profecia de Ezequiel 37, quando o povo ainda estava no cativeiro, mostra que a restauração de Israel seria uma realidade. O Senhor Deus desejava restaurar a nação a partir de um mover sobrenatural.

3.1. O Período dos Macabeus.
No período interbíblico, de aproximadamente 400 anos, num dado momento emergiu-se a Revolta Macabéia, deflagrada em 167 a.C., resultando e um período de independência que perdurou até 63 a.C. A vitória dos macabeus acabou com a influência dos selêucidas na Palestina e deu ao estado judaico virtual autonomia até o advento dos romanos. Com a obtenção da independência do estado judaico, as condições econômicas melhoraram; a justiça era devidamente administrada por tribunais e a vida religiosa experimentou um importante despertamento. Neste curto espaço de independência, Deus usou um meio de garantir a sobrevivência da fé judaica e a não aceitação da religião pagã dos gregos. Durante este tempo, os judeus criaram uma consciência de orgulho nacional e uma forte perspectiva de um Messias que lhes trouxessem para sempre a libertação de seu inimigos.
Professor enfatize que este período pode ser estudado através de registros históricos existentes sobre o tema, uma dica é a bíblia católica que possui os livros de I Macabeu e II Macabeu e não fazem parte do Cânon, todavia são livros historicamente interessantes para se ler, principalmente os professores da EBD.
Dica: https://www.bibliacatolica.com.br.

3.2. O Holocausto.
Um dos piores momentos da história de Israel foi quando Adolf Hitler empreendeu uma perseguição em massa ao povo judeu. Através de uma perseguição antissemita, difundida e levada a cabo pelo alemães, milhões de judeus viveram e morreram de maneira desumana. Este trágico acontecimento ficou conhecido como Holocausto, no qual seis milhões de judeus, por determinação de Adolf Hitler, foram brutalmente assassinados durante a Segunda Guerra Mundial. Muitos centros de concentração eram mantidos pelos nazistas para manter, explorar e matar judeus.
A dispersão pelo mundo. Em virtude da desobediência e da idolatria do povo, Deus disse que tiraria a nação israelita da sua terra e a espalharia pelo mundo (Dt 28.63,64; Mt 23.37). Isso aconteceu várias vezes na história, quando foram levados cativos pelos assírios (cf. 2Rs 17.6), babilônios (cf. 2Rs 25.21) e pelos gregos (para Alexandria no século III a.C). Entretanto, a maior dispersão, chamada diáspora judaica, ocorreu em 70 d.C, quando os romanos invadiram Jerusalém e destruíram o templo. Com isso, milhares de israelitas foram dispersos pelo mundo (Lc 21.24), vivendo exilados de sua pátria. Já no Século XX, Adolf Hitler também empreendeu uma perversa perseguição contra os judeus, culminando no Holocausto, o genocídio de cerca de 6 milhões de judeus durante a Segunda Guerra Mundial. Nenhum outro povo sofreu tantos ataques quanto Israel, mas Jeová sempre os protegeu com sua forte mão, pois Ele é o seu guarda e Redentor (Sl 121.4; Is 41.14).

3.3. A Independência Nacional e o Reconhecimento Mundial.
Podemos perceber na história da nação de Israel, em diversas ocasiões, a proteção, o cuidado e os propósitos de Deus para com o Seu povo. Em vários momentos cruéis, a nação quase foi exterminada, mas a mão do Eterno Deus sempre esteve amparando o Seu povo. Depois de tanta perseguição, opressão e cativeiro, a nação de Israel agora vive um dos seus momentos de glória, que é a sua independência reconhecida pela ONU (Organização das Nações Unidas) em 14 de maio de 1948.
Situação atual. Nos dias atuais, o Estado de Israel é uma nação próspera e a única referência democrática do Oriente Médio, que respeita os direitos humanos, inclusive das mulheres, e permite aos cidadãos de todas as crenças praticarem sua religião, livre e publicamente. Ainda assim, vive ameaçado pelos palestinos. Hoje, os cristãos devem orar pela paz na região e interceder pela nação de Israel, pois eles são o relógio escatológico de Deus referente ao mundo, principalmente acerca da Grande Tribulação (Ap 16.12-21). Esse evento escatológico será terrível e indescritível para o povo de Israel. Ele estará mobilizado para a grande batalha do Armagedom. Os reis da terra, isto é, os governantes do mundo todo estarão reunidos com seus exércitos e armas destrutivas para o maior combate já registrado na história mundial; será no clímax dessa batalha que Jesus, o Messias, anteriormente rejeitado pelos israelitas, virá e destruirá os inimigos do seu povo, e implantará o seu reino milenial (Ap 19.11-21). (Lições CPAD Jovens  » 2015 » 2º Trimestre).

CONCLUSÃO
Deus sempre tratou com zelo o Seu povo. Apesar de quase ter sido exterminado da face da terra, o que vemos é um povo forte se consolidando cada vez mais como nação. A história dos judeus mostra um Deus soberano, que cuidou de cada detalhe na preservação do Seu povo.

Bibliografia
[1] Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal - CPAD - ARC
Biblia de estudo pentecostal, Almeida revista e corrigida, Rio de Janeiro, CPAD
Bíblia do Culto - Editora Betel
Revista EBD Betel Dominical Professor - 3 trimestre 2018, ano 28, número 108 - Editora Betel
PAE - Plano de Aula Expositiva - Auxílio EBD - http://editorabetel.com.br/auxilio/beteldominical/

1. O que o decreto de Ciro permitiu ?
R: O regresso dos judeus para sua pátria (Ed 1)

2. Quanto tempo durou a reconstrução dos muros ?
R: Cinquenta e dois dias (Ne 6.15)

3. Durante a obra, o que Neemias fez ?
R: Distribuiu o trabalho e delegou funções ao povo (Ne 2.17-18).

4. O que Neemias 12.27-42 descreve ?
R: A dedicação dos muros (Nm 12.27-42).

5.  O que mostra a profecia de Ezequiel 37 ?
R: Que a restauração de Israel seria uma realidade (Ez 37).

                              AGORA VAMOS A VÍDEO AULA SOBRE ESTA LIÇÃO.  TENHA BOM ESTUDO !                             





                                                                                                                                                                              
[     

Estimado Professor, segue abaixo o material de apoio para nossos estudos !

Clique Aqui - Plano de Aula Lição 12 - Editora Betel

Clique Aqui - Saiba mais sobre os Reis da Pérsia no Tempo de Esdras e Neemias



                                                   
                                                                                                                                                                              

Nenhum comentário:

Postar um comentário