sábado, 1 de outubro de 2016

Lição 11 - Marcas de um verdadeiro adorador

Aula presencial dia 11 de dezembro de 2016


1 - Aprender quais são as marcas dos verdadeiros adoradores;
2 - Discernir entre as verdadeiras e as falsas marcas;
3 - Buscar as marcas que o adorador precisa ter.

 Texto Áureo
“Cheguemo-nos com verdadeiro coração, em inteira certeza 
de fé; tendo os corações purificados da má consciência e 
o corpo lavado com água limpa.” (Hb 10:22)

Verdade Aplicada
Os verdadeiros adoradores possuem as marcas de Deus 
que os diferencia dos falsos.
  
Motivo de Oração
Ore para que os cristãos sejam exemplos de vida para os novos convertidos.

Hinos sugeridos.
90, 178, 180.


Hebreus 10:16-20
16 Este é o concerto que farei com eles depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei as minhas leis em seu coração e as escreverei em seus entendimentos, acrescenta:
17 E jamais me lembrarei de seus pecados e de suas iniquidades.
18 Ora, onde há remissão destes, não há mais oblação pelo pecado.
19 Tendo, pois, irmãos, ousadia para entrar no Santuário, pelo sangue de Jesus,
20 Pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou, pelo véu, isto é, pela sua carne,

Segunda-Feira – Gênesis 4:1-7
4:1 E CONHECEU Adão a Eva, sua mulher, e ela concebeu e deu à luz a Caim, e disse: Alcancei do SENHOR um homem. 
4:2 E deu à luz mais a seu irmão Abel; e Abel foi pastor de ovelhas, e Caim foi lavrador da terra. 
4:3 E aconteceu ao cabo de dias que Caim trouxe do fruto da terra uma oferta ao SENHOR. 
4:4 E Abel também trouxe dos primogênitos das suas ovelhas, e da sua gordura; e atentou o SENHOR para Abel e para a sua oferta. 
4:5 Mas para Caim e para a sua oferta não atentou. E irou-se Caim fortemente, e descaiu-lhe o semblante. 
4:6 E o SENHOR disse a Caim: Por que te iraste? E por que descaiu o teu semblante? 
4:7 Se bem fizeres, não é certo que serás aceito? E se não fizeres bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti será o seu desejo, mas sobre ele deves dominar.

Terça-Feira – 2 Crônicas 15:1-19
15:1 ENTÃO veio o Espírito de Deus sobre Azarias, filho de Odede. 
15:2 E saiu ao encontro de Asa, e disse-lhe: Ouvi-me, Asa, e todo o Judá e Benjamim: O SENHOR está convosco, enquanto vós estais com ele, e, se o buscardes, o achareis; porém, se o deixardes, vos deixará. 
15:3 E Israel esteve por muitos dias sem o verdadeiro Deus, e sem sacerdote que o ensinasse, e sem lei. 
15:4 Mas quando na sua angústia voltaram para o SENHOR Deus de Israel, e o buscaram, o acharam. 
15:5 E naqueles tempos não havia paz, nem para o que saía, nem para o que entrava, mas muitas perturbações sobre todos os habitantes daquelas terras. 
15:6 Porque nação contra nação e cidade contra cidade se despeda-çavam; porque Deus os perturbara com toda a angústia. 
15:7 Mas esforçai-vos, e não desfaleçam as vossas mãos; porque a vossa obra tem uma recompensa. 
15:8 Ouvindo, pois, Asa estas palavras, e a profecia do profeta Odede, cobrou ânimo e tirou as abominações de toda a terra, de Judá e de Benjamim, como também das cidades que tomara nas montanhas de Efraim, e renovou o altar do SENHOR, que estava diante do pórtico do SENHOR. 
15:9 E reuniu a todo o Judá, e Benjamim, e com eles os estrangeiros de Efraim e Manassés, e de Simeão; porque muitos de Israel tinham passado a ele, vendo que o SENHOR seu Deus era com ele. 
15:10 E ajuntaram-se em Jerusalém no terceiro mês; no ano décimo do reinado de Asa.
15:11 E no mesmo dia ofereceram em sacrifício ao SENHOR, do despojo que trouxeram, setecentos bois e sete mil ovelhas. 
15:12 E entraram na aliança para buscarem o SENHOR Deus de seus pais, com todo o seu coração, e com toda a sua alma; 
15:13 E de que todo aquele que não buscasse ao SENHOR Deus de Israel, morresse; assim o menor como o maior, tanto o homem como a mulher. 
15:14 E juraram ao SENHOR, em alta voz, com júbilo e com trombetas e buzinas. 
15:15 E todo o Judá se alegrou deste juramento; porque de todo o seu coração juraram, e de toda a sua vontade o buscaram, e o acharam; e o SENHOR lhes deu repouso ao redor. 
15:16 E também a Maaca, sua mãe, o rei Asa depôs, para que não fosse mais rainha, porquanto fizera um horrível ídolo, a Asera; e Asa destruiu o seu horrível ídolo, e o despedaçou, e o queimou junto ao ribeiro de Cedrom. 
15:17 Os altos, porém, não foram tirados de Israel; contudo o coração de Asa foi perfeito todos os seus dias. 
15:18 E trouxe, à casa de Deus, as coisas consagradas por seu pai, e as coisas que ele mesmo tinha consagrado: prata, ouro e vasos. 
15:19 E não houve guerra até ao ano trigésimo quinto do reinado de Asa. 

Quarta-Feira – Neemias 8:8-12 12
8:8 E leram no livro, na lei de Deus; e declarando, e explicando o sentido, faziam que, lendo, se entendesse. 
8:9 E Neemias, que era o governador, e o sacerdote Esdras, o escriba, e os levitas que ensinavam ao povo, disseram a todo o povo: Este dia é consagrado ao SENHOR vosso Deus, então não vos lamenteis, nem choreis. Porque todo o povo chorava, ouvindo as palavras da lei. 
8:10 Disse-lhes mais: Ide, comei as gorduras, e bebei as doçuras, e enviai porções aos que não têm nada preparado para si; porque este dia é consagrado ao nosso Senhor; portanto não vos entristeçais; porque a alegria do SENHOR é a vossa força. 
8:11 E os levitas fizeram calar a todo o povo, dizendo: Calai-vos; porque este dia é santo; por isso não vos entristeçais. 
8:12 Então todo o povo se foi a comer, a beber, a enviar porções e a fazer grande regozijo; porque entenderam as palavras que lhes fizeram saber. 
  
Quinta-Feira – Habacuque 3:1-19
3:1 ORAÇÃO do profeta Habacuque sobre Sigionote. 
3:2 Ouvi, SENHOR, a tua palavra, e temi; aviva, ó SENHOR, a tua obra no meio dos anos, no meio dos anos faze-a conhecida; na tua ira lembra-te da misericórdia. 
3:3 Deus veio de Temã, e do monte de Parã o Santo (Selá). A sua glória cobriu os céus, e a terra encheu-se do seu louvor. 
3:4 E o resplendor se fez como a luz, raios brilhantes saíam da sua mão, e ali estava o esconderijo da sua força.
3:5 Adiante dele ia a peste, e brasas ardentes saíam dos seus passos. 
3:6 Parou, e mediu a terra; olhou, e separou as nações; e os montes perpétuos foram esmiuçados; ou outeiros eternos se abateram, porque os caminhos eternos lhe pertencem. 
3:7 Vi as tendas de Cusã em aflição; tremiam as cortinas da terra de Midiã. 
3:8 Acaso é contra os rios, SENHOR, que estás irado? É contra os ribeiros a tua ira, ou contra o mar o teu furor, visto que andas montado sobre os teus cavalos, e nos teus carros de salvação? 
3:9 Descoberto se movimentou o teu arco; os juramentos feitos às tribos foram uma palavra segura. (Selá.) Tu fendeste a terra com rios. 
3:10 Os montes te viram, e tremeram; a inundação das águas passou; o abismo deu a sua voz, levantou ao alto as suas mãos. 
3:11 O sol e a lua pararam nas suas moradas; andaram à luz das tuas flechas, ao resplendor do relâmpago da tua lança. 
3:12 Com indignação marchaste pela terra, com ira trilhaste os gentios. 
3:13 Tu saíste para salvação do teu povo, para salvação do teu ungido; tu feriste a cabeça da casa do ímpio, descobrindo o alicerce até ao pescoço. (Selá.) 
3:14 Tu traspassaste com as suas próprias lanças a cabeça das suas vilas; eles me acometeram tempestuosos para me espalharem; alegravam-se, como se estivessem para devorar o pobre em segredo. 
3:15 Tu com os teus cavalos marchaste pelo mar, pela massa de grandes águas. 
3:16 Ouvindo-o eu, o meu ventre se comoveu, à sua voz tremeram os meus lábios; entrou a podridão nos meus ossos, e estremeci dentro de mim; no dia da angústia descansarei, quando subir contra o povo que invadirá com suas tropas. 
3:17 Porque ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; ainda que decepcione o produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento; ainda que as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja gado; 
3:18 Todavia eu me alegrarei no SENHOR; exultarei no Deus da minha salvação. 
3:19 O SENHOR Deus é a minha força, e fará os meus pés como os das cervas, e me fará andar sobre as minhas alturas. (Para o cantor-mor sobre os meus instrumentos de corda). 

Sexta-Feira – 1 Pedro 1:13-25
1:13 Portanto, cingindo os lombos do vosso entendimento, sede sóbrios, e esperai inteiramente na graça que se vos ofereceu na revelação de Jesus Cristo; 
1:14 Como filhos obedientes, não vos conformando com as concupiscências que antes havia em vossa ignorância; 
1:15 Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver; 
1:16 Porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo. 
1:17 E, se invocais por Pai aquele que, sem acepção de pessoas, julga segundo a obra de cada um, andai em temor, durante o tempo da vossa peregrinação, 
1:18 Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, 
1:19 Mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado, 
1:20 O qual, na verdade, em outro tempo foi conhecido, ainda antes da fundação do mundo, mas manifestado nestes últimos tempos por amor de vós; 
1:21 E por ele credes em Deus, que o ressuscitou dentre os mortos, e lhe deu glória, para que a vossa fé e esperança estivessem em Deus; 
1:22 Purificando as vossas almas pelo Espírito na obediência à verdade, para o amor fraternal, não fingido; amai-vos ardentemente uns aos outros com um coração puro; 
1:23 Sendo de novo gerados, não de semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra de Deus, viva, e que permanece para sempre. 
1:24 Porque Toda a carne é como a erva, E toda a glória do homem como a flor da erva. Secou-se a erva, e caiu a sua flor; 
1:25 Mas a palavra do SENHOR permanece para sempre. E esta é a palavra que entre vós foi evangelizada. 

Sábado – 1 João 3:18-24
3:18 Meus filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e em verdade. 
3:19 E nisto conhecemos que somos da verdade, e diante dele asseguraremos nossos corações; 
3:20 Sabendo que, se o nosso coração nos condena, maior é Deus do que o nosso coração, e conhece todas as coisas. 
3:21 Amados, se o nosso coração não nos condena, temos confiança para com Deus; 
3:22 E qualquer coisa que lhe pedirmos, dele a receberemos, porque guardamos os seus mandamentos, e fazemos o que é agradável à sua vista. 
3:23 E o seu mandamento é este: que creiamos no nome de seu Filho Jesus Cristo, e nos amemos uns aos outros, segundo o seu mandamento. 
3:24 E aquele que guarda os seus mandamentos nele está, e ele nele. E nisto conhecemos que ele está em nós, pelo Espírito que nos tem dado. 


IMPORTANTE
Apresento neste Blog a Lição Completa conforme a 
Revista Lições Bíblicas do Professor, os meus comentários 
estarão no final deste estudo. Logo após a "Conclusão"

TENHA UM BOM ESTUDO !




Corroborar: Dar força, fortalecer, fortificar, comprovar, confirmar;
Êxtase: Estado de inspiração e entusiasmo;
Maçante: Que incomoda.

ESBOÇO DA LIÇÃO
Introdução
1. A marca da verdade.
2. A marca da excelência.
3. A marca da paz.
Conclusão

                             MUSICA QUE NOSSO SITE ESCOLHEU PARA O TEMA DESTA LIÇÃO
Antes de Ver o vídeo, se a radio do site estiver tocando, suba a página até a radio e 
toque no vídeo da musica que estiver tocando para interromper o som.
                                        Verdadeiros Adoradores ( Voz da Verdade )


Introdução
Nesta lição veremos as marcas dos verdadeiros adoradores. Se essas marcas estiverem em nós, carecemos urgentemente de um retorno ao caminho do quebrantamento, o lugar onde as marcas são impregnadas em nós.

1. A marca da verdade.
O adorador verdadeiro constantemente vasculha o próprio coração, observa, vê, sente. O coração pode nos enganar. Muitos são os que, enganados pelo coração, transformaram-se no deus de sua própria adoração.

1.1. Deus conhece a verdade do íntimo.
Não são poucos os que teatralizam o ato da adoração. Com gestos e posturas técnicas, profissionais, abalam emoções, entram nos domínios da euforia, do êxtase. É preciso tomar muito cuidado com o barulho, com a emoção. Muita gente perde a razão e confunde adoração com inovação, gerando espaço para heresias, confusões e deslizes. Muitos amam as multidões porque sentem que a impessoalidade da massa é capaz de ocultar sua verdadeira identidade. Alguns dos “levitas” da atualidade adoram os palcos porque ali é o único lugar onde podem estar rodeados por pessoas - o resto do tempo estão sozinhos. A verdade do íntimo é aquela que me liberta para ser quem sou em qualquer lugar: na multidão ou em casa, pois sei que Deus me conhece como sou.

SUBSÍDIO DIDÁTICO
O texto de Hebreus 10.22 diz: “Cheguemo-nos com verdadeiro coração, em inteira certeza de fé; tendo os corações purificados da má consciência e o corpo lavado com água limpa.” Lutero escreveu: “Tenho mais medo do meu coração do que do papa e de todos os seus cardeais”. O profeta Jeremias escreveu: “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá?” (Jr 17.9). Ser marcado pela verdade é saber que essa verdade é Deus, Jesus disse em João 14.6: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai, senão por mim.” Ninguém é marcado pela verdade se não for primeiro ter um encontro legítimo com Jesus, o único que conhece a verdade do íntimo.

1.2. A verdade de sua vida é a mesma de sua voz?
O problema da atualidade é a contradição violenta entre nosso showzinho verbal e nossa miséria vivencial. Cantamos sobre a verdade, declamamos poesia sobre ela, mas estamos longe de uma vida embasada nela. Quantos mentem para conseguir uma promoção? Quantos mentem ao cônjuge? Quantos mentem a Deus? O apóstolo Paulo escreveu: “Porque nada podemos contra a verdade, senão pela verdade.” (2Co 13.8). O que cantamos ou pregamos tem sido o mesmo que vivemos? Nossas vidas são dignas do nome de “cristãos”? A verdade que exaltamos no púlpito é a mesma que encontramos no secreto de nossos lares? 
SUBSÍDIO DIDÁTICO
Todos nós temos marcas. Sinais históricos que nos definem. Testemunhos mudos que dizem quem realmente somos. Os adoradores também são assim. Eles também têm as suas marcas. A atualidade, conspirando contra os relacionamentos duradouros, que são justamente aqueles que deixam suas mais profundas marcas, presta um grave desserviço ao adorador. Essa é uma das razões pelas quais muita gente entra na igreja, mas, infelizmente, não carrega nenhuma marca.

1.3. Cuidado com as “verdades” que a Bíblia não autorizou.
Testemunhos, experiências, sonhos, por mais bonitos que sejam, são apenas pessoais, não podem ser colocados como doutrina. A Bíblia é a nossa única regra de fé e prática. Em nome de um “sagrado” muita gente “santifica” suas manias e interpretações tendenciosas dos textos bíblicos, a fim de corroborar suas práticas. Os verdadeiros adoradores são marcados pela verdade da Palavra, aquela que permanece firme quando todas as tendências doutrinárias se vão.

SUBSÍDIO DIDÁTICO
Nosso Senhor Jesus Cristo afirmou categoricamente: “O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar.” (Mt 24.35). Ser marcado pela verdade significa assumir o compromisso com a Bíblia em todas as áreas da vida; desde aquilo que cantamos, até o mais profundo nível da existência.

2. A marca da excelência.
A marca da excelência ajuda a diferenciar os adoradores verdadeiros daqueles que fazem apenas barulhos sem conteúdo. Marcados pela excelência, enxergamos mais longe. Firmamos nossas esperanças no projeto de Deus para termos uma vida frutífera (Jo 15). A mediocridade não consegue conviver bem onde a excelência se afirma.

2.1. A excelência vem do alto.
É simplesmente uma questão de lógica. Se a excelência vem do alto, olhe para lá! Isaías 40.31 diz: “Mas os que esperam no Senhor renovarão as suas forças, subirão com asas como águias; correrão e não se cansarão; caminharão e não se fatigarão.” A imagem usada pelo profeta é perfeita: “como águias”. Se Deus nos projetou para voo da águia, porque deveríamos satisfazer-nos como chão? No chão da mediocridade, a vida fica insossa, maçante, previsível e cansativa. Talvez a palavra que descreve melhor seja “entediante” – o resultado direto da mira baixa! Não precisamos viver copiando os “novos modelos de adoração da moda”. A excelência que precisamos vem do alto!

SUBSÍDIO DIDÁTICO
Quantos têm se perdido nos escuros labirintos da mediocridade? Vale ressaltar que não são poucos os que se contentam em ficar presos na angustiante teia da mesmice.

2.2. O preço da excelência.
Custa caro ser diferente, especialmente quando a maioria está satisfeita em misturar-se e permanecer como maioria, povo, massa. É difícil viver uma vida de excelência. Não é fácil oferecer o melhor, pois isso implica em renúncia, tempo e esforço. Quando sabemos a quem estamos honrando, tudo passa a ser mais gratificante e belo. O adorador marcado pela excelência vai lutar com todas as forças para que seu louvor chegue a Deus como oferta suave feita com o melhor de nossa alma (Sl 119.96).

SUBSÍDIO DIDÁTICO
Se temos um compromisso com Deus, ele não deve ser quebrado. Deus não quebra suas alianças! Quando quebramos nosso compromisso, perdemos a legitimidade e a marca do adorador. Essa é uma das razões pelas quais muitos até se dizem adoradores, mas não geram frutos. Se quebrarmos o compromisso, a única atitude legítima é voltar a estrada do quebrantamento, da reconstrução, da restauração, do avivamento. Nunca continue adorando se o compromisso com deus for quebrado. Eclesiastes 3.5 começa dizendo que “há tempo de espalhar pedras”, isso ocorre quando o altar pessoal está em ruínas. O louvor não pode fluir, pois o compromisso foi quebrado. Porém, o versículo termina: “há tempo de ajuntar pedras”. Esse é o maravilhoso tempo de restauração. É quando o adorador reconstrói seu altar e pode restabelecer o compromisso perdido.

2.3. Excelência não significa arrogância.
A excelência que vem do alto é diferente porque é humilde. Há muita gente que, em nome da excelência, destrói relacionamentos. Com postura arrogante, julgam-se superiores a tudo e a todos. O verdadeiro adorador reconhece que a superioridade é de Jesus Cristo e não nossa. Quando a excelência vira pretexto para o orgulho, é porque o pecado já nasceu no coração, e, uma vez consumado, gera morte. Não são poucos os que fazem uma coreografia evangélica perfeita, mas a alma é monstruosa. Excelência não significa arrogância. 
SUBSÍDIO DIDÁTICO
A Palavra de Deus nos adverte em 1 Pedro 5.5: “Porque Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes”. Excelência e humildade são virtudes gêmeas. A ausência de qualquer uma delas corrompe mortalmente o equilíbrio da adoração. Vivemos no século da mistura. Igrejas têm se perdido por causa da salada teológica, da mistura desesperada dos elementos que, juntos, formam e deformam as estruturas da nossa adoração. Deus procura adoradores da pureza. Gente que não prostitui seus dons. Quando não temos compromisso com a pureza, produzimos o lixo teológico que tem apodrecido muitos cultos. O adorador marcado pelo compromisso com a pureza tem um lema: “Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver, porquanto escrito está: Sede santos, porque eu sou santo.” (1Pe 1.15-16; Lv 11.44).

3. A marca da paz..
A paz é a serenidade que desafia o caos. É um dos conceitos mais profundos da Bíblia e também um dos aspectos do fruto do Espírito Santo (Gl 5.22).

3.1. A paz é uma dádiva de Cristo.
A saudação de Cristo ressurreto é: “Paz seja convosco.” (Lc 24.36). Quando Jesus se preparava para ausentar-se fisicamente de Seus discípulos, não tinha bens nem posses para deixar a eles, então, deixou Sua última vontade como testamento: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou.” (Jo 14.27). Paz não é algo que o homem alcança através de exercícios de controle emocional, é algo que ele recebe de Jesus. O verdadeiro adorador transmite essa paz de Cristo, não como uma senha eclesiástica de reconhecimento, mas como quem tem a certeza plena de que Cristo nele habita (Ef 3.17).

SUBSÍDIO DIDÁTICO
A paz facilita trajetórias, abençoa estradas futuras, estreita relações e abre-se ao ministério do outro. O salmista Davi nos aconselha: “Aparta-te do mal e faze o bem; procura a paz e segue-a.” (Sl 34.14). A grande verdade desse salmo é de que fomos chamados a endireitar relações tortuosas e a contribuir para que guerras medíocres sejam extintas.

3.2. A paz na comunidade dos santos.
Em Mateus 5.9 Jesus diz: “Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus”. São chamados de filhos de Deus porque estão fazendo o que o Pai faz! Fazer a paz não é fácil. A cruz e a prova cabal disso. Proclamar “paz, paz” onde não há paz é obra de falsos profetas (Jr 6.14). Em Colossenses 3.15, o apóstolo Paulo usa uma imagem dos eventos esportivos: “árbitro”. A paz na Igreja deve ser a juíza de todas as decisões. Nenhuma igreja, nenhum grupo de louvor, nenhum ministério de adoração é uma casa da paz, quando sua espiritualidade é construída no chão da vingança, da inveja, da fúria, da indiferença ou do medo. Nada é mais diabólico do que a destruição da paz.

SUBSÍDIO DIDÁTICO
A pós-modernidade é marcada pela ausência de seriedade compromisso. Já não se honra a palavra. O respeito é visto como antiquado. Relacionamentos não carregam mais o senso do compromisso, do pertencer. Numa sociedade – e igreja – assim, a tática mais notada é driblar o compromisso com a adoração verdadeira utilizando evasivas como: “não tenho dom para isso” ou “há pessoas mais capacitadas”. Deus procura adoradores que tenham compromisso com Ele, pois uma vez que Ele chama, também capacita e dignifica os Seus.

3.3. A paz na guerra das ideologias.
Em 2 Coríntios 10.5, Paulo afirma a escravidão dos pensamentos à obediência de Cristo. Em 1 Coríntios 2.16, o mesmo Paulo diz que “temos a mente de Cristo”. O apóstolo Paulo insiste no conceito de uma busca pela paz na mentalidade. A obediência a Deus através da meditação séria em Sua Palavra nos garante a paz na arena pós-moderna das ideologias. Vivemos num tempo onde ás ideias se multiplicam na velocidade da luz. Todo dia alguém surge com uma “nova ideia”, ou mesmo uma nova teologia. Entretanto, o verdadeiro adorador – aquele que é marcado pela paz – sabe que sua segurança não está em adentrar no barco da aventura ideológica, mas em se manter na rocha. Nenhuma ideologia pode ser bênção e nos roubar a paz!

SUBSÍDIO DIDÁTICO
O verdadeiro adorador sabe que suas palavras só tem sentido quando sua vida é capaz de atestar a verdade do que foi dito. Deus quer nos marcar com um compromisso que o honre até mesmo em silêncio. É quando nem precisamos usar palavras, pois nossas vidas testemunham nosso caráter. Deus procura gente compromissada com a fé, não apenas com uma espécie de “religiosidade oficial”, mas sim, numa atitude de lealdade aos princípios bíblicos fundamentais da nossa espiritualidade. Nem tudo que se diz “profético” é profecia. Deus não honra verbalismos vazios. Ele honra compromisso. Se quisermos adorar ao Eterno Deus da forma bíblica, o compromisso é o ingrediente ideal e indispensável.

Conclusão
O Espírito Santo, o nosso guia, busca por homens e mulheres que tenham o desejo ardente e sincero de serem marcados para o serviço do Reino de Deus. Quando recebermos essas marcas, estaremos dando passos confiantes no caminho bendito da adoração que Deus aceita em amor.

                                                           Comentado pelo Prof. Éder Tomé                                                          


RECAPITULANDO
 Nas lições anteriores já vimos que os pré-requisitos de um verdadeiro adorador de Deus  envolve :
      1.    Novo Nascimento
      2.    A Quebra dos Ídolos (Deus deve estar em primeiro lugar em nossas vidas)
      3.    Um Coração Sincero (Aquele que rende, cultua e Reverência). 
 Na lição desta semana, nós vamos nos aprofundar um pouco mais sobre o verdadeiro  adorador e também falaremos do falso adorador.

O VERDADEIRO ADORADOR
Segundo o comentarista da lição o verdadeiro adorador possui três marcas que deve estar impregnada em nós, a saber

1.  A MARCA DA VERDADE
     a.    O verdadeiro adorador tem a Marca de Jesus,  adquirida logo que ocorre o encontro           legitimo com Jesus (Novo Nascimento).
     b.    O verdadeiro adorador Vive o que canta e o que prega, tem uma vida pautada na                 verdade em qualquer lugar que esteja (Não somente na Igreja como fazem alguns)
     c.    O verdadeiro adorador chega a Deus com coração verdadeiro (purificado da má                   consciência), é capaz de vasculhar o próprio coração (ato que quebra o “EU”,                     quebra os Ídolos)
     d.    O verdadeiro adorador não interpreta a Bíblia de maneira tendenciosa para justificar           o seu pecado e suas práticas.
2.    A MARCA DA EXCELÊNCIA
     a.     O verdadeiro adorador enxerga mais longe, firma suas esperanças nos projetos de            Deus, tem uma vida frutífera sem mediocridade.  
     b.    O verdadeiro adorador olha para o alto, de onde vem a renovação e as forças, não               dá espaço para a vida insossa, cansativa, maçante e previsível. Muito estão                         conformados, satisfeitos e presos na mesmice.
     c.    O verdadeiro adorador paga o preço para ser diferente. Não é fácil ser verdadeiro               adorador onde a maioria vai na onda da massa. Custa caro ter uma vida marcada               pela excelência, onde não falta forças para que o louvor de fato chegue a Deus                   como cheiro suave.  A maioria não se preocupa se Deus de fato esta recebendo o               louvor ou não.
     e.    O verdadeiro adorador não vive na arrogância. Não vive destruindo                                       relacionamentos, julgando ser superiores a tudo e a todos. Hoje temos músicos                 evangélicos que tocam qualquer nota musical nos mais difíceis arranjos ou                         partituras, todavia, a vida espiritual esta como ossos secos aguardando o milagre               da ressurreição. Seja Humilde.
     3.    A MARCA DA PAZ
          a.    O verdadeiro adorador produz o fruto do Espírito denominado PAZ. Quando                         transmitimos paz abrimos caminhos na mata fechada, endireitamos relações                       tortuosas, conflituosas, saímos das guerras medíocres e vivemos na excelência.                Jesus pediu para você ser um pacificador (Mt 5:9)
          b.    O verdadeiro adorador não entra em guerra de ideologias. Vivemos na pós-                          modernidade e somos bombardeados diariamente com novas idéias, maneiras de              servir e adorar a Deus. Se estas novidades nos retira a paz fujamos dela.

O FALSO ADORADOR
      1.    Não possui  as três marcas de um verdadeiro adorador para o serviço do Reino de             Deus.
      2.    Faz adoração publica da boca para fora, não vive o que canta e prega, fazendo um              desserviço ao Evangelho.
      3.    Faz barulho sem conteúdo, troca adoração por inovação, busca levar a multidão a              euforia e ao êxtase para alcançar os palcos e holofotes.
      4.   Teatralizam o ato de adoração, se aperfeiçoam nos gestos e coreografias, se                        especializam em posturas técnicas profissionais para impressionar e levar as emoções      ao público, afinal o que interessa são os palcos e holofotes.
      5.    Fingem adorar a Jesus, na verdade usam o nome de Jesus para alavancar negócios e        enganar multidões desprovidas de entendimento teológico.
      6.  Produz heresias e lixo teológico enfeitado de palavras lindas de adoração. Faz seu              showzinho verbal aparentando verdadeiro adorador, mas no fundo vive uma vida de          miséria vivencial.  Vida sem mudança, Vida sem Jesus.  Estão nos palcos, nos                    holofotes, na mídia, nos negócios “gospel”, estão sempre inventando modismos e              novos dons transvestidos de Santidade, mas no fundo estão podres e longes de Deus. 

EXEMPLOS DE ADORAÇÃO COM EUFORIA E ÊXTASE
    Muitos teatralizam o ato de adoração para ficar embaixo de holofotes, objetivando virar celebridade e ficar sempre em evidência. Utilizam-se de meios para impressionar e levar o público as emoções.

      Antes de Ver os vídeos, se a radio do site estiver tocando, suba a página até a radio e toque no vídeo da musica que estiver tocando para interromper o som.

      Abaixo Musica "A Ele a Glória" - Ana Paula Valadão & Tambores Rugido Leão
      Congresso Adoração Diante do Trono. Se não tiver estômago para ver o vídeo todo
       salte o vídeo para Minutos 7:30 e veja até o fim. Isto é Adoração ou Carnaval Gospel.
     Ainda com  a Ana Paula Valadão, mais dois vídeos de suposta "adoração", um show de técnicas para trabalhar com a emoção do público.  Atrair Fiéis. Triste de ver. 

  O Show continua Veja agora o que a Ana Paulo vai aprontar Novamente. Quanta criatividade, quanta inovação, está querendo impressionar e inventar modismos. Pior que muitas igrejas estão copiando estas aberrações para dentro dos cultos.


   Showzinho para se aparecer mais que Jesus, Veja o que fez este suposto Pastor Americano para se aparecer, estralou os dedos como um mágico e impressionou o público que o ovacionou ( o Pastor foi aclamada de forma entusiástica ) era justamente isso que ele queria. Jesus ficou do lado de fora, não foi convidado para o suposto culto de "adoração".

     Amados, o Ministério Diante do Trono tem influenciado muitas igrejas com este tipo de modismo. Várias igrejas estão apagando as luzes no momento do louvor, fazendo uso de jogo de luzes. Mesmo sendo um Assembleiano das antigas, não tenho tanta preocupação com o uso de qualquer parafernália, o que me preocupa é que o modismo sempre vem em forma de pacote, junto com o uso de jogo de luzes vem todo tipo de heresias como as que acabamos de assistir nos vídeos. Amados, é minha opinião pessoal, se desejar deixe a sua opinião também, comente no final deste blog.

    Vou concluir meu comentário deixando esta explanação de 13 minutos do Pr. Paulo Jr como minhas palavras finais.  Vale a pena ouvir !



                                                                                                                                                                           



1. Em que devemos firmar nossas esperanças?
R: No projeto de Deus para termos uma vida frutífera (Jo 15).

2. De onde vem a excelência?
R: Do alto (Is 40.31).

3. O que é paz?
R: É a serenidade que desafia o caos. É um dos conceitos mais profundos da Bíblia e também um dos aspectos do fruto do Espírito Santo (Gl 5.22).

4. O que é proclamar “paz, paz” onde não há paz?
R: É obra dos falsos profetas (Jr 6.14).

5. O que a obediência a Deus através da meditação séria em sua Palavra nos garante?
R: A paz na arena pós-moderna das ideologias (1Co 2.16).


                                                                                                                                                                           

Fonte: Revista de Escola Bíblica Dominical, Betel, Adoração e Louvor, A excelência e o propósito de uma vida inteiramente dedicada a Deus, Jovens e Adultos, edição do professor, 4º trimestre de 2016, ano 26, Nº 101.

Nenhum comentário:

Postar um comentário