sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Lição 04 - O culto cristão: um ato sagrado

Aula presencial dia 23 de outubro de 2016

Objetivos da Lição
1 - Descobrir a importância do culto a Deus;
2 - Salientar a necessidade da reverência no culto;
3 - Envolver o cristão no processo da adoração.

 Texto Áureo
“Deus deve ser em extremo tremendo na assembleia dos santos 
e grandemente reverenciado por todos os que o cercam”. (Sl 89:7)

Verdade Aplicada
O culto é uma das mais belas e antigas formas do homem 
expressar sua devoção, gratidão e adoração a Deus. 
É o ato central de identidade cristã através da história.
  
Motivo de Oração
Ore para que os cultos sejam marcados pelo agir do Espírito Santo de Deus.

Hinos sugeridos.
5, 156, 440

Glossário
Consentânea: Adequada, apropriada, conforme, congruente, de acordo;
Dádiva: Dom, presente, donativo;
Mister: Urgente, necessário.

Leituras complementares
Segunda 1Co 14.30
Terça 1Co 14.31
Quarta 1Co 14.32
Quinta 1Co 14.33
Sexta 1Co 14.37
Sábado 1Co 14.39

        TEXTO DE REFERÊNCIA
                                                                        Coríntios 14:26-29;40                                                                      
26 Que fareis, pois, irmãos? Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação.
27  E, se alguém falar língua estranha, faça-se isso por dois ou, quando muito, três, e por sua vez, e haja intérprete.
28  Mas, se não houver intérprete, esteja calado na igreja e fale consigo mesmo e com Deus.
29  E falem dois ou três profetas, e os outros julguem.
40  Mas faça-se tudo decentemente e com ordem.


IMPORTANTE
Apresento neste Blog a Lição Completa conforme a 
Revista Lições Bíblicas do Professor, os meus comentários 
estarão no final deste estudo em textos escritos em letras vermelhas.

TENHA UM BOM ESTUDO !


ESBOÇO DA LIÇÃO
Introdução
1. As bases bíblicas do culto cristão.
2. A necessidade e essência do culto.
3. A reverência no culto.
Conclusão

Introdução
O culto é como uma gota de orvalho em busca do oceano do amor divino. É uma alma faminta diante do celeiro espiritual. É uma terra sedenta clamando por chuva. É uma ovelha no deserto, balindo em busca do Bom Pastor.

1. As Bases bíblicas do culto cristão.
A confissão da Igreja tem por objetivo principal a glorificação a Deus e alegrar-se nEle (Sl 122.1). Isto faz do culto o ato mais importante, mais relevante e mais glorioso na vida do homem (Sl 84.1-4).

1.1. Vocabulário bíblico para adoração.
Para alcançarmos uma visão correta sobre o culto cristão, é mister examinarmos alguns termos: “Latreia”, cujo significado principal é “serviço” ou “culto”. Denota o serviço prestado a Deus pelo povo inteiro ou pelo indivíduo. Em outras palavras, é o serviço que se oferece à divindade através do culto formal, ritualístico e através do oferecimento integral da vida (Êx 3.12; Dt 6.13; Mt 4.10; Lc 1.74; 2.37; Rm 12.1). “Leitourgia”, palavra composta por outras duas de origem grega, que são: “povo” (laós) e “trabalho” (érgon). O termo significa “serviço do povo”. No Antigo Testamento, referia-se ao serviço oferecido a Deus pelo sacerdote, quando esse apresentava o holocausto sobre o altar de sacrifícios (Js 22.27; 1Cr 23.24, 28).

SUBSÍDIO DIDÁTICO
O termo “proskynein”, originalmente significava “beijar”. No Antigo Testamento, significava “”curvar-se”, tanto para homenagear homens importantes e autoridades, como para “adorar” a Deus (Gn 24.52; 2Cr 7.3; 29.29; Sl 95.6). No Novo Testamento, denota adoração exclusiva a Deus (At 10.25-26; Ap 19.10; 22.8-9).

1.2. Bases Teológicas do culto.
A adoração cristã se fundamenta na nova aliança (Hb 8). Está franqueada ao cristão a comunhão com Deus pelo novo e vivo caminho aberto por Jesus Cristo (Hb 10.19-22). Portanto, ofereçamos sempre por Ele sacrifício de louvor (Hb 13.15ª). Temos importantíssimas informações sobre o culto em todo o Novo Testamento. O culto é mediado por Jesus Cristo, um sumo sacerdote que se identifica com os adoradores (Hb 2.12-13,16,-18; Jo17.24; MT 18.20). Cristo fez de Seus seguidores sacerdotes de Deus, isto é, pessoas cujo culto Deus aceita (Ap 1.5-6; 5.8-10; 1Pe 2.9). É necessário que o adorador saiba qual é o seu dever em uma reunião cristã e conheça bem as suas bases para que se comporte eticamente durante o culto.

SUBSÍDIO DIDÁTICO
Quantos cristãos realmente conseguem distinguir entre a verdadeira e a falsa adoração? (Jo 4.23-24). Será que nós temos cultuado de um modo que agrade a Deus? (Hb 11.5). A base da nossa adoração é o ensino bíblico ou a experiência humana? A Palavra de Deus delineia as bases de uma adoração segura e definitiva. A maneira como estudamos as Sagradas Escrituras e assuntos como esse já demonstra se somos ou não adoradores. O Eterno Senhor Deus nos chamou para adorá-Lo!

1.3. Os pré-requisitos do culto.
O cumprimento de um ritual não basta para que haja culto. É indispensável à aceitação por Deus do culto oferecido. Deus estabelece condições para aceitar a adoração de homens. A ignorância dessas condições ou mesmo sua violação transforma o ritual em exercício unilateral enervante e com sérias consequências para os participantes e com sérias consequências para os participantes. Vejamos esses pré-requisitos para que alcancemos a plena comunhão com Deus: fé (Hb 10.38; m11.6); envolvimento total da vida (Rm 12.1-2; Lo 10.27); deve ser dirigido a Deus (Mt 4.10; 6.6; Hb 13.15); modelado o pelo ensino bíblico (Mt 15.9; Hb 12.28) e mediado por Cristo (Hb 9.12, 24-28; 10.19).

SUBSÍDIO DIDÁTICO
É sempre importante lembrar que o culto é um coração faminto em busca do amor. É uma alma buscando sua contraparte. É o filho pródigo correndo para a casa de seu pai. Enfim, é o homem subindo as escadas do altar do Maravilhoso Deus. Dada essa preciosidade que é o culto, precisamos observar sempre a necessidade da reverência, tendo em vista o exercício do verdadeiro culto a Deus. O pecado da irreverência é muito sutil e, portanto, muito fácil de ser cometido, especialmente no aspecto subjetivo. Qualquer um de nós pode falhar nessa parte, se não vigiar atentamente durante o culto no espírito de oração e dependência do Espírito Santo de Deus. Somente o Espírito da Verdade nos pode livrar de cair nesse pecado, que tão grandes prejuízos pode acarretar à nossa vida espiritual.

2. A necessidade e essência do culto.
O tédio é um estado mental resultante do esforço para manter interesse por uma coisa pela qual não temos o mínimo interesse. Este fato tem levado a Igreja, em nossos dias, a oferecer certos atrativos ao povo no que tange ao culto.

2.1. A necessidade do culto.
O culto é necessário pelas seguintes razões. Primeiro, finalidade do homem. NO culto, o homem acha a razão da sua existência. Ele foi criado para sua adoração. Fora da posição de adorador de Deus, o homem não encontra o sentido para a vida (1Co 10.31; Rm 11.36). Segundo, obediência. O culto foi instituído e ordenado por Jesus Cristo. Quando a Igreja se reúne para louvar, orar e pregara a Palavra, ela simplesmente obedece (Mc 16.15-16; At 1.8; 20.7; 1Co 11.24-25). Terceiro, utilidade. O culto é suscitado e expresso pelo Espírito Santo. A salvação provoca adoração (At 10.46). O perdão restaura a capacidade de adorar, que foi anteriormente perdida por causa do pecado.

SUBSÍDIO DIDÁTICO
Infelizmente, em muitos lugares, raramente é possível ir a uma reunião cuja atração seja somente Deus. Sendo assim, só se pode concluir que os filhos de Deus estão entediados dEle, pois é preciso mimá-los com pirulitos e balinhas na forma de filmes religiosos, jogos e refrescos. Vejamos e aprendamos com os exemplos de Lucas 5.25; 13.13; 17.15; 18.43; 1 Coríntios 12.3 e 2 Coríntios 1.22. O culto é útil. Ele tem utilidade didática, sociológica e psicológica. No ato do culto, aprendemos a ser cristãos, integração e comunhão pessoal (1Co 10.17; At 2.42-47). Por fim o culto traz paz, descanso e cura a alma dos fiéis.

2.2. A essência do culto.
Em meio às múltiplas maneiras de cultuar, há um elemento imprescindível à adoração: o amor. A essência da adoração: o amor. A essência da adoração é o amor. É totalmente impossível adorar a Deus sem amá-Lo. O Eterno Senhor Deus nunca se satisfaz com menos que “tudo” (Dt 6.5; Mt 22.37).

SUBSÍDIO DIDÁTICO
Vale a pena ressaltar que o culto verdadeiro requer amor de todo o coração, amor integral da mente e todo o nosso esforço. Para os hebreus, o “coração” é considerado a sede da mente e da vontade, bem como as emoções. O termo “alma” refere-se a fonte da vida e vitalidade (Gn 2.7, 19), ou mesmo o próprio “ser”. Esses dois termos indicam que o homem deve amar a Deus sem qualquer reserva em sua devoção. É no coração humano que Deus revela (At 16.14; 2Co 4.4-6). Portanto, é com o coração que devemos expressar nosso amor por Ele.

2.3. Amor integralmente da mente.
A adoração também envolve o exercício da mente. “Dianóia”, em grego, significa a capacidade de pensar e refletir religiosamente (1Jo 5.1; 2.10; Ef 4.18). Este entendimento é dádiva divina (Lc24.25; Rf 1.17-18). Portanto, a adoração deve ocupar a mente de maneira a envolver a meditação e a consciência do homem. Em Romanos 12.2, Paulo estabelece que o culto deve ser racional: “Logiken latreia”. Amar a Deus com entendimento é um desafio para o cristão (Mc 12.30), pois esse amor exige todo o nosso esforço e, nesta adoração cristã. Deus exige ser amado com toda força do adorador (Mc 12.30; Lc 10.27; Dt 6.5). O termo “força” (Ischyos), refere-se a força e poder de criaturas vivas (Hb 11.34). Exige-se que o cristão gaste todas as suas energias físicas em atos de amor a Deus (Rm 12.1). O amor a Deus expressa-se no serviço prestado por meio do coração (1Co 13.3). Portanto, amar a Deus com “toda a força” representa gastar a vida e energia unicamente com expressões de lealdade e afeição a Deus.

SUBSÍDIO DIDÁTICO
No ato do culto, devemos aprofundar a nossa comunhão com Deus, num intercâmbio de ações e sentimentos. Devemos senti-Lo, devemos dialogar com Ele e devemos nos render a Ele.

3. A reverência no culto.
São muitas as bênçãos que podemos receber de Deus durante o culto, mas a apropriação de tais bênçãos deveria ser o objetivo de todos quantos participam do culto. Mas qual a maneira correta de participarmos do culto? Participar com espírito de reverência (Hb 12.28).

3.1. Razões para a reverência.
O Reino de Des é impossível de ser abalado (Hb 12.28). Não existem sistemas, ordens ou poderes que superem esse Reino, pois o Senhor dos senhores é o comandante. Essa é uma das razões pelo qual devemos prestar uma reverência crescente diante de Sua presença. Às vezes, não prestamos a devida atenção a esses fatos e reverenciamos mais os homens com os seus supostos poderes do que nosso próprio Deus, que se manifesta constantemente no culto que Lhe é devido.

SUBSÍDIO DIDÁTICO
De acordo com o dicionário, podemos definir reverência como: “Ação de reverenciar; respeito às coisas sagradas; movimento do corpo para saudar especialmente aos santos, o qual consiste em inclinar a cabeça e o corpo ou dobrar um pouco um ou ambos os joelhos; acatamento, respeito, veneração, atenção e consideração”. O termo “eulábeia”, do grego, é traduzido como “temor, estar temeroso; preocupado, tomar cuidado, respeito, inclinar-se, etc.” Na passagem bíblica de Hebreus 11.7, veremos que Noé temeu. O Eterno Deus quer que tenhamos espírito reverente.

3.2. Atitudes reverentes.
É necessário que durante o culto mantenhamos uma atitude consentânea com o local de adoração, uma vez que Deus está no templo (Mt 18.20). Temos a garantia da presença do Senhor em qualquer reunião em que o Seu nome seja cultuado. Uma vez que Ele se faz presente em nossas reuniões, necessários se torna que O reverenciemos. A movimentação desnecessária, o entra e sai a todo momento, a distração ou desatenção, as leituras desnecessárias e outras modalidades de irreverências devem ser proscritas do ambiente do culto. É de suma importância que saibamos e estejamos conscientes de que o local de culto é somente para adorar a Deus. Deus valoriza o adorador sincero e reverente (Ec 5.1).

                                                              SUBSÍDIO DIDÁTICO
Devemos entrar no templo com profunda reverência, iniciando com a oração de joelhos e permanecer reverentemente do início até o final do culto. O pecado da irreverência é o responsável pela debilidade espiritual de grande número de membros de igrejas. Aquele que não mantém uma atitude correta perante Deus durante o culto não cresce espiritualmente, além do que prejudica sensivelmente o trabalho, com sua frieza e indiferença.

3.3. Um culto reverente.
Sem a verdadeira adoração a Deus não há verdadeiro culto. Se, na presença do Altíssimo, não demonstrarmos, com toda sinceridade de alma, a nossa profunda humildade e reverência em sua face da Sua santidade absoluta (Ec 5.1); se não evidenciarmos nosso amor e dedicação a Ele; se não demonstrarmos confiança no cuidado que Ele tem para conosco; se o nosso coração não estiver transbordando desses profundos sentimentos em Sua presença, não estaremos cultuando verdadeiramente ao nosso Deus.

                                                              SUBSÍDIO DIDÁTICO
A Palavra de Deus nos adverte: “ Guarda o teu pé, quando entrares na casa de Deus; e inclina-te mais a ouvir do que a oferecer sacrifícios de tolos, pois não sabem que fazem mal.” (Ec 5.1). Parafraseando: “Guarda teus ouvidos; teus olhos; tuas mãos; tua mente; e teu coração”; para que sejas agradável a Deus (Hb 12.28). Jesus expulsou os mercadores do templo (Jo 2.16). Deus disse a Moisés: “Não te chegues para cá; tira os teus sapatos de teus pés, porque o lugar em que tu estás é terra santa.” (Êx 3.5). Respondeu o príncipe do exército do Senhor a Josué: “Descalça os sapatos dos teus pés, porque o lugar em que estás é santo.” (Js 5.15). Etã, o ezraíta, declarou: “Deus deve ser em extremo tremendo na assembleia dos santos e grandemente reverenciado por todos os que o cercam.” (Sl 89.7). 
Conclusão
O culto é acompanhado de uma ética cultual, isto é, exige-se que se saiba o que significa cultuar a Deus. A conscientização desse fato é primordial. Isso gera a exigência da reverência peculiar do verdadeiro adorador e, por conseguinte, descortina e rechaça a irreverência, repugnada pelo próprio Deus.

 COMENTÁRIO DO BLOGUEIRO
                                                        Comentado pelo Prof. Éder Tomé                                                             


                                                                                                                                                                           

Questionário
1. Em que se fundamenta a adoração cristã?
R: a nova aliança (Hb 8).

2. Como expressamos o amor a Deus?
R: No serviço prestado por meio do coração (1Co 13.3).

3. Qual a maneira correta de participarmos do culto?
R: Com espírito de reverência (Hb 12.28).

4. O que é impossível para o Reino de Deus?
R: Ele ser abalado (Hb 12.28).

5. O que Deus valoriza?
R: O adorador sincero e reverente (Ec 5.1).

Fonte: Revista de Escola Bíblica Dominical, Betel, Adoração e Louvor, A excelência e o propósito de uma vida inteiramente dedicada a Deus, Jovens e Adultos, edição do professor, 4º trimestre de 2016, ano 26, Nº 101, publicação trimestral, ISSN 2448-184X.

Nenhum comentário:

Postar um comentário