quarta-feira, 13 de julho de 2016

Lição 4 Jesus venceu a tentação e o tentador

Aula Presencial dia 24 de Julho de 2016

OBJETIVO DA LIÇÂO
1 - Mostrar que Jesus em tudo foi tentado:
2 - Apresentar as três investidas do tentador em relação a Jesus;
3 - Relembrar como Jesus enfrentou e venceu a tentação.

TEXTO ÁUREO
Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se 
das nossas fraquezas; porém um que, como nós, em tudo 
foi tentado, mas sem pecado". (Hb 4:15)

VERDADE APLICADA
Jesus obteve vitória decisiva na tentação no deserto. 
Do mesmo modo, o cristão deve vencer suas tentações.

MOTIVO DE ORAÇÃO
Ore pelos novos cristãos para que sua fé esteja profundamente firmada em Cristo.

GLOSSÁRIO
Blefe: Enganar por falsas aparências, especialmente de superioridade de força ou situação vantajosa;
Espreita: Espiar, observar às ocultas; indagar, perscrutar; observar-se, ter cuidado em si;
Pináculo: A parte mais elevada do templo de Jerusalém.

Hinos sugeridos.
5, 75, 77

LEITURAS COMPLEMENTARES
Segunda Jo 6.70
Terça 2Co 11.14
Quarta Ef 6.17
Quinta Fp 2.5-11
Sexta Hb 2.18
Sábado Tg 4.7
TEXTO DE REFERÊNCIA
                                                                     Mateus 4:1-4,11                                                                    
1 Então foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo.
2 E, tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites, depois teve fome;
3 E, chegando-se a ele o tentador, disse: Se tu és o Filho de Deus, manda que estas pedras se tornem em pães.
4 Ele, porém, respondendo, disse: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus.
11 Então o diabo o deixou; e eis que chegaram os anjos e o serviram.

IMPORTANTE
Apresento neste Blog a Lição Completa conforme a 
Revista Lições Bíblicas do Professor, os meus comentários 
estarão neste estudo em textos escritos em letras vermelhas.

TENHA UM BOM ESTUDO !


INTRODUÇÃO
Através da narrativa da tentação de Jesus no deserto, podemos entender como se caracteriza as investidas do diabo com o intuito de fazê-lo pecar e desviá-lo assim do plano divino. Veremos, porém, como Ele venceu.
                                                               
1. Conduzindo a Tentação.
Depois de receber o batismo de João, cumprindo assim a justiça de Deus, Jesus foi conduzido a preparar-se para o Seu ministério público.

1.1. Local da Tentação.
O deserto foi o lugar da tentação. Foi um lugar literal que Jesus se dirigiu a fim de se preparar para o início de Seu ministério. Não se deve pensar que se tratou de uma luta interior do Senhor Jesus instigada pelo tentador, ou que tal lugar seja simbólico. Aquele lugar era de fato um lugar ermo, desabitado e solitário, para onde o Espírito Santo o dirigiu. Por outro lado, não se deve pensar que depois daquela provação o tentador o deixou definitivamente (Mt 16.23; Lc 4.13: Jo 6.70). Interessante é que o Servo de Javé foi tentado e triunfou no mesmo lugar em que buscou a Deus e por Ele foi orientado a permanecer algum tempo.

        SUBSÍDIO DIDÁTICO
Mostre para os alunos que, antes do senhor Jesus iniciar o Seu ministério público, Ele precisou estar a sós com Deus. Comente com os alunos que isto ocorreu longe da Sua carpintaria, da Sua família, da Sua sinagoga e das Suas amizades por um pouco de tempo. Ressalte para os alunos que foi a solidão do deserto o lugar direcionado por Deus para Jesus ali se preparar e planejar estratégia, a fim de que tivesse êxito em seu ministério público. Todavia, ali, naquele lugar guiado por Deus, que Ele sofreu provações especiais. Reforce para os alunos que, contudo, não houve espaço nEle para autocompaixão, lamentos ou reclamações, o que é exemplo para todos nós.

1.2. Tentação e tentador.
A tentação chegou para Jesus imediatamente ao término de Seu jejum de quarenta dias, quando ainda estava no deserto. Evidentemente, não existe tentação sem tentador, isto é, o elemento que vem para tentar. Percebe-se que a ida de Jesus ao deserto foi conduzida por Deus para um teste. Todavia, o tentador tinha um propósito: acabar com Jesus e o plano da redenção. Não é à toa que há certa ênfase na descrição do tentador como diabo, que significa mentiroso, caluniador. Porém, ele nada conseguiu com Jesus. Mesmo sofrendo diferentes tentações, Ele resistiu, pondo em fuga o tentador.

                                                                      SUBSÍDIO DIDÁTICO
Explique para os alunos que Deus em Sua soberania tem o direito de provar o nível de fidelidade de Seus servos, e Jesus não foi exceção. Além dele, nós temos outros exemplos, como Jó, Pedro e demais apóstolos que, sob a permissão de Deus, foram peneirados pelo diabo. Comente com os alunos que, ao aplicar Seus testes, Deus jamais tem a intenção de nos destruir, pois Ele é vida e isso é contrário à Sua natureza. Enfatize para os alunos que não é o caso do tentador que em Mateus 4, é chamado de: diabo quatro vezes, tentador uma vez e Satanás uma vez também.

1.3. Instrumentos da tentação.
O diabo foi a Jesus assim que Ele sentiu fome. Podemos então concluir que o diabo pode tentar a qualquer pessoa, se aproveitando das suas carências físicas e apetites. Porém o seu alvo principal era pôr dúvida a identidade divina de Jesus: “Se tu és o Filho de Deus” (Mt 4.3, 6). O diabo, nosso adversário, sempre vai nos tentar em momentos de fragilidade, usando nossos apetites e tentando-nos com dúvidas. Ele não tem pressa, está sempre à espreita, aguardando o melhor momento para desferir o seu golpe, como fez com Eva, que caiu e levou seu marido à queda também. Porém, com vigilância, oração e autoridade, assim como Jesus venceu, nos venceremos também o tentador.

SUBSÍDIO DIDÁTICO
Ensine para os alunos que temos, no diabo, um inimigo real e poderoso. Ele não temeu disparar os seus ataques nem mesmo contra o próprio Senhor Jesus Cristo. Esclareça para os alunos que os instrumentos do diabo sempre atacarão nossas necessidades e carências físicas. Comente com os alunos que o tentador se aproximará estrategicamente quando o cristão estiver em situação frágil e de extrema carência. Reforce para os alunos a necessidade de orar e vigiar sem cessar.

2. Esferas da tentação.
Não se deve confundir tentação com pecaminosidade. Ser tentado não é pecar, pois, caso fosse assim, Jesus teria pecado, mas não foi isso que aconteceu.

2.1. Carências da natureza física.
Jesus estava num lugar deserto. Ali, na solidão, não haveria testemunhas de que Ele houvesse pecado. O seu compromisso com Deus e com Sua missão permaneceu firme, apesar de toda a provação. Ele não pecou, mas recusou-se satisfazer a Sua fome ouvindo o diabo. Ao contrário, Jesus concentrou-se na Palavra de Deus e fez uso dela  para combater a tentação, dizendo: “Esta escrito”. Jesus não entrou em discussão com o diabo, nem afirmou Sua fome ou a negou, porém disse: “Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus”. O segredo para vencer a tentação é confessar a Palavra de Deus.

                                                                     SUBSÍDIO DIDÁTICO
Mostre para os alunos que a Palavra de Deus deve habitar abundantemente em nós. Este é o primeiro segredo que Jesus utilizou para vencer a tentação. Ressalte para os alunos que, assim, Cristo nos ensinou a primeira base da nossa vitória sobre a tentação: a Palavra de Deus.

2.2. Prazer nas coisas religiosas.
Quando o diabo percebeu que, se fosse o caso, Jesus morreria de fome, mas não cederia, decidiu tentá-lo pelo uso das coisas religiosas, ou seja, pelo fanatismo. Nessa investida, o diabo se utiliza de seu próprio poder para transportá-lo ao pináculo do Templo de Jerusalém. Também se utiliza da passagem bíblica de Salmos 91.11-12 e insiste em que Ele prove que é o Filho de Deus. A expressão “Se tu és” tanto era para que Jesus provasse quem Ele era, quanto, para gerar dúvida. Jesus não tinha que provar nada ao diabo. Deus falara com Ele ao sair da água do batismo no Jordão. Isso por si só já basta para Sua própria convicção. Mesmo assim, Jesus respondeu ao tentador: “Não tentarás o Senhor teu Deus”.

SUBSÍDIO DIDÁTICO
Explique para os alunos que o diabo é insistente e pode usar de vários artifícios ao mesmo tempo para tentar derrubar um servo de Deus: o deserto, os apetites, as Escrituras e até o seu poder, como no caso do Senhor Jesus. Enfatize para os alunos que, por esta razão, devemos orar e vigiar sempre. Comente com os alunos que a segunda tentação tinha como objetivo duvidar de que o Pai, que O havia chamado, realmente o capacitaria a ser fiel à Sua vocação em face da ampla oposição e da constante recusa por parte dos homens a crer nEle, sem presenciarem sinais espetaculares de Sua divindade. Reforce para os alunos que a sugestão diabólica foi de que certamente seria tolice para Jesus entrar no ministério com a perspectiva de possível fracasso.

2.3. Ambição pelo poder.
O diabo estrategicamente deixou por último a maior tentação: a ambição pelo poder. O tentador oferece a Jesus os reinos do mundo e a glória deles como se pertencessem a ele em troca de adoração. Jesus não discorda de Satanás, mas sabe que se trata de um blefe. O Filho de Deus jamais aceitaria qualquer coisa que viesse das mãos do seu adversário, muito menos receber poder temporal. Além do mais, seria inconcebível Jesus se prostrar diante de qualquer criatura. Por isso, Ele o expulsa da Sua presença imediatamente, citando a Escritura (Dt 6.13). Ao contrário de Jesus, outros caíram nesse pecado como adão e Eva (Gn 3.1-7).

SUBSÍDIO DIDÁTICO
Explique para os alunos que ter ambição não é pecado, mas quando a pessoa se dispõe a fazer qualquer coisa por causa do desejo desenfreado isso é pecado. Chamamos esse pecado de ganância. Comente com os alunos que, por causa disso, muitos caem no laço do diabo (1Tm 6.7-12). Reforce para os alunos que o diabo mostrou a Jesus Cristo os reinos do mundo e a glória dele sob o seu ponto de vista. O tentador fez saltar diante do Filho de Deus várias telas com imagens de reinos e seus reis, pessoas, riquezas e a glória deles. Mas Jesus recusou sua oferta, repelindo-o de Sua presença.

3- O triunfo sobre a tentação.
Ser tentado não significa pecar contra Deus, mas sim um estado incômodo que precisa ser vencido. A seguir, veremos que os passos que conduziram a Jesus à vitória foram descritos por Tiago (Tg 4.7).

3.1. Sujeitando-se a Deus.
Sujeitar-se a Deus é submeter-se a Ele. É obedecê-lo como servo dócil. Foi dessa maneira que Jesus se colocou, isto é, na condição de servo obediente de Deus, como profetizando acerca dele por Isaias (Is 42.1). O Servo de Deus operaria com prudência, seria elevado e mui sublime (Is 52.13). Embora o Jesus seja o Filho amado de Deus, condicionou-se a si mesmo à posição de servo até Deus o exaltá-lo. Assim, Jesus deixou o exemplo, para que seguíssemos as Suas pegadas (Mt 3.17; Fp 2.5-11).

SUBSÍDIO DIDÁTICO
Ensine para os alunos a real condição em que Jesus Cristo se colocou. Embora fosse Senhor, elevado e mais sublime que os céus, Jesus se colocou como Servo de Deus. Comente com os alunos que esta atitude significou absoluta sujeição a Deus, absoluto prazer na vontade de Deus e absoluta resignação até subir a cruz e descer ao inferno. Porém, Deus o exaltou soberanamente.

3.2. Resistindo ao diabo.
A provação de Jesus não se restringiu ao deserto, mas durou todo o período em que aqui esteve. Tratou-se de uma provação diferenciada, que precedeu o início de Seu ministério público. O diabo foi insistente, mas Jesus o resistiu e não cedeu um centímetro sequer à vontade do seu adversário. De igual modo, devemos resistir ao diabo, permanecendo firme em nossa fé, pois as mesmas tentações também sucedem aos servos de Deus ao redor do mundo (1Pe 5.8-9). Assim como Jesus venceu o diabo e as tentações, se determinarmos em nossos corações, venceremos as tentações de cada dia e isso já basta até chegarmos ao céu.

                                                                      SUBSÍDIO DIDÁTICO
Desafie os alunos a serem pessoas firmes e constantes na fé. Comente com os alunos que, embora o diabo, nosso adversário, esteja ao nosso redor, devemos resisti-lo até o dia da nossa partida desse mundo. Reforce para os alunos que, assim como Jesus Cristo foi Filho Amado do Pai, obedecendo-o em todas as circunstâncias, de igual forma devemos nós também imitá-lo. Ensine para os alunos que a principal arma que devemos usar para resistir a Satanás é a Bíblia. Por nada menos que três vezes o nosso adversário apresentou tentações diante do nosso Senhor. Por três vezes o oferecimento diabólico foi repelido, sempre mediante o emprego de algum texto bíblico como motivação: “Está escrito”. Enfatize para os alunos a necessidade de sermos leitores diligentes das Sagradas Escrituras, pois a Palavra de Deus é a espada do Espírito Santo (Ef 6.17). Ela é nossa principal arma de ataque e defesa.

3.3. Ser servido pelos anjos.
O que significa Jesus ser servido pelos anjos ao término da tentação? Sabemos que os anjos de Deus operam as causas de Deus juntos aos Seus servos de diversas maneiras. Ao fim daquela provação especial, Jesus estava faminto e fraco, então os anjos de Deus trataram de servi-lo em Suas necessidades. Aquela manifestação angelical vem significar o cuidado de Deus para com aqueles que o servem. Lembremos que Jesus estava em missão. É muito possível que também os anjos trouxessem para Ele alguma mensagem de Deus, pois anjo significa “mensageiro” e ali foram enviados alguns. A presença dos anjos naquele deserto com Jesus não era absoluto uma recompensa pela Sua resistência viril ao diabo, mas uma assistência para que Jesus continuasse a Sua missão. Com isso, aprendemos que se formos fiéis a Deus, teremos a assistência de Seus anjos (Hb 1.14).
                                                                                 
                                                                    SUBSÍDIO DIDÁTICO
Mostre para os alunos que, na condição de humilhação que o nosso Senhor Jesus Cristo se encontrava, era necessário que os anjos o servissem, pois foram muitos dias de fome e provação que tinham, enfim, chegado ao fim, para que Jesus iniciasse o Seu ministério público.

CONCLUSÃO
Ao longo da narrativa do livro de Mateus, vemos como Jesus venceu o tentado, deixando-nos o Seu exemplo. O tentador procurou desviá-lo do propósito divino da redenção, mas Ele o venceu, permanecendo irredutível, até chegar a cruz e descer ao inferno, mas Deus o exaltou soberanamente.

COMENTÁRIO DO BLOGUEIRO


                                                          Comentado pelo Prof. Pb. Gerson Tomé                                                
              
Jesus venceu a tentação e o tentador (lição 4)

Tentação - do latim temptatio, que significa ataque ou tentativa. 
A tentação pode ser:
Humana (ICo 10.13)-É importante lembrar que embora o diabo seja chamado de tentador, há tentações que provem do próprio homem, por exemplo: a cobiça (Tg 1.14).
Maligna-Proveniente do tentador, o diabo trataremos deste tipo de tentação na lição de hoje

Não há tentação proveniente de Deus (Tg 1.13)
Tiago diz claramente que Deus a ninguém tenta, todavia sabemos que pode permitir que sejamos tentados, como foi ocaso de Jó, de Jesus e outros. Não podemos nos esquecer que Deus pode colocar nossa fé em prova para nossa edificação e para que o conheçamos melhor, Abraão é um bom exemplo, quando Deus pediu que sacrificasse seu filho (Gn 22.1-2)
Conduzindo a Tentação.
Após o batismo não se iniciou imediatamente o ministério de Jesus, ao passar por tentações Deus tinha um propósito (Hb 4.15)
1.1 Local da tentação
Porque o deserto?
O deserto é um local onde é possível um desligamento da rotina do cotidiano e uma comunhão com Deus. Moisés teve uma experiência semelhante no monte Horebe próximo ao deserto, onde conheceu melhor a Deus (Ex 3.1)
1.2 Tentação e tentador
A tentação se iniciou no momento de Deus. Apos 40 dias de jejum, Jesus estava preparado para enfrentar uma grande batalha espiritual em condições de suportá-la. (l co 10.13)
1.3 Instrumentos da tentação
É importante destacarmos que não existe um padrão ou forma de sofrer uma tentação, caso houvesse certamente iríamos nos prevenir especificamente para a situação a ser enfrentada. Jesus nos ensinou vigiai e orai para não cair em tentação (Mt 26.41).
❷ Esferas da tentação.
2.1- Carência da natureza física
No caso deste tópico a carência era de pão, mas o diabo pode atuar em diversas áreas como:
Financeira (ITm 6.10), sexual (lco 7.4-5), familiar, Profissional, ministerial etc.
2.2 - Prazer nas coisas religiosas
*ler tópico
Destacar que é fundamental conhecermos a voz do Senhor para não sermos enganados (Jo 10.4-5).
2.3 - Ambição pelo poder
Nunca foi tão atual este tema o diabo está desviando muitos obreiros ambiciosos que estão aceitando receber o seu galardão aqui, enquanto que a recompensa do nosso trabalho é futura (lco 15.58, llco 5.10).
❸ O triunfo sobre a tentação.
Em nossa vida de cristãos a tentação não é uma constante com muitos ensinam, temos momentos de paz, alegria comunhão com Deus, com os irmãos e também períodos de tentação. Como triunfar nas tentações?
3.1 Sujeitando-se a Deus
*Ler tópico
Paulo disse quando estou fraco então sou forte. Note que quando ele passava por uma situação de tentação orou por três vezes ao senhor, mostrando sua inteira dependência e sujeição a Deus (IIco 2.8)
3.2 Resistindo ao diabo
Após ler o tópico, lembre os alunos que vencer uma tentação não significa que vencemos definitivamente, mas momentaneamente, pois outras tentações virão (Ef 6.11). Observe que”astutas” esta no plural.
3.3 Ser servido pelo anjos
Em Hebreus 1.14 vemos a função dos anjos com relação à igreja, portanto não devemos adorar anjos, nem mesmos os anjos querem tal honra... (Ap 19.10).
Conclusão(Ler juntamente com a classe para finalizar.)

                                                          Comentado pelo Prof. Éder Tomé                                                         
❶ Ficando a sós com Deus no Deserto.
Amados, podemos comparar o deserto com as "adversidades" ou você pode chamar do que quiser, todavia, estar no deserto é passar por momentos difíceis, por obstáculos, por situações contrárias, é uma fase da vida que leva o crente a retirar-se por um tempo da sua rotina normal de vida para estar a sós com Deus, orando e buscando a solução da parte de Deus. No deserto, Deus fala conosco no íntimo, e passamos a saber quem é Deus por experiência própria. Deus permite que passamos por adversidades, pois Ele deseja falar conosco, e nos mostrar que o nosso prazer deve estar n'Ele. O deserto é lugar de separação, lugar de estar a sós com Deus, ali passamos a conhecer o nosso Deus. O Deus que cuida e que trata. Deus permite as "adversidades" não para nos derrubar ou para que haja murmuração e lamentação, mas para que ele possa nos moldar. 
Muitos irmãos pedem a Deus para ser usado por ele, contudo, todos os homens de fé ao qual Deus usou poderosamente, passaram pelo deserto para ter êxito no seu ministério.
A fase de deserto da vida, passa. Israel quando peregrinou no deserto, não lhe faltou comida, uma coluna de fogo aquecia o povo do frio da noite e a sombra de uma nuvem os livrava do calor escaldante durante o dia. Israel Venceu, Jesus Venceu e Nós Venceremos durante o nosso Deserto, mesmo que aparentemente Deus se mostre tão longe, mesmo que não haja perspectivas e que achemos que todas as portas estão fechadas. 
❷ Deus tem o direito de provar o nível de fidelidade de seus servos ?
Deus tem tanto direito de nos provar, que não poupou nem mesmo seu filho Jesus. Realmente muitos homens de Deus por permissão de Deus foram peinerados pelo diabo.
Deus nos ama e isso não significa que Ele quer que nossas vidas sejam fáceis e confortáveis, na verdade existe propósito de Deus quando somos provados, em Romanos 8:28 diz que todas as coisa cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, isso significa que a provação de Deus em nossas vida cooperam para o nosso bem. O propósito final da provação de Deus para nós é cresçamos mais e mais à imagem de Seu Filho Jesus Cristo (Rm 8:29). Amado, não deixa de ver este vídeo sobre a diferença de provação e tentação. Muito boa e oportuna a colocação do Rev. Hernandes Dias.
Nota: se o som da rádio estiver ligado desligue-o no botão antes de assistir o vídeo.


Não subestime a força do seu adversário.
Amado, não deixe de ver os vídeos abaixo sobre esta questão. Muito boa e oportuna a colocação do Pr. Paulo Junior.  Clique nos Links e Boa Reflexão !
Nota: se o som da rádio estiver ligado desligue-o no botão antes de assistir o vídeo.


❹  Indicação de Reforço para esta Aula.
Indicação de Reforço para esta Aula.
Clique no Link abaixo para uma aula completa sobre este mesmo tema, bom Estudo!

                                                                                                                                                                         

Questionário.
1. Quem conduziu Jesus ao deserto?
R: O Espírito Santo (Mt 4.1).

2. Quando o tentador se apresentou a Jesus?
R: Assim que Jesus sentiu fome, ao término dos quarenta dias de jejum (Mt 4.2-3).

3. Qual foi o alvo principal do diabo em relação à identidade de Jesus?
R: Colocar dúvida quanto a Sua identidade divina (Sl 91.11-12).

4. Cite pelo menos duas esferas da tentação.
R: Carências de natureza física e prazer nas coisas religiosas (Mt 4.3).

5. Como Jesus sujeitou-se a Deus, Seu Pai?
R: Como servo obediente (Is 42.1).

Fonte: Revista de Escola Bíblica Dominical, Betel, Edição Histórica, Jovens e Adultos, edição do professor, 3º trimestre de 2016, ano 26, Nº 100, Mateus uma visão panorâmica do Evangelho do Rei.

Um comentário:

  1. Muito completo todo o texto! Meus parabéns! Me auxiliou muito como professora!!!

    ResponderExcluir